Tudo o que você precisa saber sobre INSS, PGBL, PVBL e outras formas de aposentadoria

Há uma frase emblemática do grupo Casseta & Planeta que dizia: “No Brasil, as leis são feitas para serem compridas”. Sim. Longas. Complexas. Com palavreado desnecessário, o que faz a festa de advogados, juristas, analistas. E isso vale para todos os setores de nossa vida. Inclusive para a aposentadoria.

E não precisa ser assim.

Outros países possuem sistemas de previdência muito melhores e mais simples.

Da mesma forma, para não acharmos que tudo é pior no Brasil, vale destacar que alguns locais têm pensões bem mais estranhas e complexas. Vejamos alguns exemplos.

1 – Cingapura

Por lá, todo mundo precisa contribuir para o estatal Central Provident Fund. Porém, os cidadãos podem usar o dinheiro arrecadado a qualquer momento de suas vidas, para ajudar em despesas médicas ou na compra de residências.

Ao se aposentar, a lei exige que o contribuinte retire um valor mínimo “x” do seu Central Provident Fund todos os meses. No entanto, quem arrecadou ao longo de seu período de contribuição um valor que, dividido pela expectativa de vida, vale mais que esse “x” mínimo, pode usá-lo da maneira que quiser. Se quiser, pode inclusive pegar esse excesso e comprar um carro esporte para resolver qualquer crise de meia-idade.

2 – Canadá

A fórmula canadense nós conhecemos: a partir dos 18 anos de idade, o trabalhador e o empresário contribuem, cada qual com sua parcela, para o Canada Pension Plan (CPP). O trabalhador pode retirar benefícios mensais a partir de… bem, de quando quiser.

O Canadá não tem idade mínima para se aposentar. Se ficar contente retirando um ou dois centavos por mês aos 20 anos, pode. Além disso, o país incentiva previdências privadas ou individuais. Agora, se você se aposentar e receber do CPP menos que uma determinada quantia por ano, tem direito, a partir dos 65 anos, ao Old Age Security, que lhe garante uma renda extra todos os meses. O dinheiro para sustentar esse segundo fundo vem de uma sobretaxa paga pelos mais ricos nos seus impostos de renda.

3 – Finlândia

Todos os finlandeses têm dois planos de previdência. O principal é tocado por várias empresas autorizadas pelo governo, que recolhem recursos no esquema conhecido: trabalhador paga uma parte, empresário outra.

“Então, os finlandeses têm liberdade de escolher quem cuida de seus planos de aposentadoria?”, você pode perguntar. “Bem, sim e não”, respondemos.

O sistema é consolidado, e são poucas empresas que preenchem as exigências em cada região. E eles não podem escolher se contribuem ou não, ou quanto desejam recolher. É obrigatório fazer, e o governo dita o valor mínimo.

O segundo é o estatal National Pension. Todos contribuem para ele a partir dos 16 anos, e têm duas escolhas: se aposentar entre 63 e 68 anos recebendo certo valor mensal ou segurar um pouco e se aposentar depois dos 69, recebendo muito mais benefícios.

4 – Colômbia

Nosso vizinho é o paraíso dos indecisos. Ali, você é obrigado a ter um plano de previdência – trabalhador paga uma parte, empresário outra, ponto. O que muda é que você pode escolher entre fazer isso com a previdência estatal ou com certas empresas de previdência privada. E pode mudar de uma para outra a cada cinco anos. A estatal é mais segura? Corre para lá. Ah, mas agora as privadas estão pagando mais… muda de novo.

5 – Índia

O National Pension System é bem estranho. É estatal, mas é voluntário. Contribui quem quiser. O governo gere os recursos, mas dá a opção de cada segurado escolher uma de duas instituições financeiras que vão lhe dizer como o dinheiro é investido e quanto se tem disponível.

Que tal esses exemplos?

Bom conhecê-los, é verdade, mas o que interessa é essa nossa esquina do planeta.

Aposentadoria no Brasil ontem, hoje e amanhã (?)

Entre opções estatais e privadas, entre discussões de mudanças nas regras, aposentar-se com rendimentos decentes no Brasil não é tarefa fácil. Caso sirva de consolo, porém, já foi bem mais difícil.

No início do século XX, o Brasil começou a pensar nos seus velhinhos, nas pessoas que não podiam mais trabalhar. A primeira ação do governo nesse sentido foi regulamentar o funcionamento do embrião dos fundos de pensão de hoje.

Na época, apenas algumas categorias possuíam suas “caixas de pensão e aposentadoria”. Essas instituições passaram por mudanças em suas regras e nomenclatura, até 1966, quando o governo resolveu juntar todas em um lugar só, sob seu controle – o Instituto Nacional da Previdência Social, INPS.

Quer dizer, em um local só, por pouco tempo.

Com recursos vindos dos trabalhadores, empresários e governos, o INPS cresceu, agigantou-se, complicou-se, corrompeu-se.

Para tentar resolver o problema, mais e mais órgãos foram criados, tirando responsabilidade do INPS. Toda a área de medicina foi para o INAMPS (Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social) e sua administração migrou para o IAPAS (Instituto da Administração Financeira da Previdência e Assistência Social). Como eram muitos dados para processar, uma nova empresa foi criada apenas para isso: a Dataprev.

Então, por um tempo as coisas funcionavam assim:

A DataPrev dizia ao IAPAS que havia tanto dinheiro em caixa, o IAPAS passava para o INPS, se fosse previdência; ou para o INAMPS, se fosse caso de saúde, tudo gerando burocracia e atrasos, além de inchamento em vários órgãos, em vez de um só.

Em 1990, foi tudo fundido de novo em uma única empresa: o INSS.

Atualmente, o Instituto Nacional do Seguro Social é o responsável pelo pagamento de aposentadorias e pensões, auxílio doença, auxílio reclusão, licença maternidade e despesas por afastamento por acidente de trabalho.

Vamos nos fixar nas aposentadorias.

Enquanto o governo não conseguir votar a reforma – e, pelo jeito, vai ficar para o próximo governo mesmo, o que equivale a dizer que tudo o que foi discutido até agora provavelmente não vai valer muito, dependendo de quem sentar nas cadeiras de presidente e do congresso –, as idades continuam as mesmas: homens se aposentam aos 65 anos, mulheres aos 60.

Também existe a aposentadoria por tempo de serviço. Os homens que contribuíram por 35 anos e as mulheres que o fizeram por 30 podem requerer as suas aposentadorias.

Teoricamente, leitora, você pode se aposentar oficialmente aos 46 anos.

Explica-se: de acordo com a lei, todo brasileiro com mais de 16 anos pode contribuir voluntariamente para o INSS, mesmo que não tenha renda.

Uma menina que comece a dar dinheiro ao governo aos 16 pode, assim, começar a receber seus rendimentos mensais aos 46, desde que não interrompa os pagamentos durante sua vida. E, aos 46, qualquer pessoa está com tudo em cima, física e mentalmente, cheia de energia para começar uma nova etapa em sua vida e carreira.

Uma vez que a pessoa esteja trabalhando, as contribuições para o INSS são feitas pela fórmula já consagrada: o trabalhador coloca uma parte, o empregador outra, e o governo entra com o que é necessário para fechar as contas.  

Ainda na esfera pública, existe o FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço.

Foi criado com a intenção de ser um salva-vidas: caso algum brasileiro seja demitido sem justa causa, pode contar com o dinheiro do FGTS para pagar suas contas nos próximos meses, até conseguir um novo emprego.

Isso criou uma modalidade de demissão bem brasileira: o acerto. Não importa a motivo da demissão, nem se a pessoa tenha um outro emprego em vista, ou se vai abrir uma empresa, o acordo é feito, a papelada de demissão sem justa causa é emitida e a pessoa saca o dinheiro do FGTS.

Com o tempo, de acordo com as necessidades econômicas ou políticas dos governos, o FGTS passou a poder ser sacado para outros fins: ajudar no financiamento de imóveis, pagar dívidas etc. Não faltam críticas a esse sistema, entretanto. Principalmente porque seu rendimento costuma ser pior do que a poupança.

Porém, como todo brasileiro sabe, só com esse sistema oficial, dificilmente se consegue viver bem os anos de aposentado. Por lei, em 2018, o máximo que uma pessoa pode receber mensalmente da Previdência Social são R$ 5.645,00. Se você gasta mais do que isso a cada mês, são necessárias outras maneiras de garantir o ganha-pão dos seus melhores anos.

Primeiro, os fundos de pensão.

Vez por outra, ouve-se notícias dos fundos gigantescos das estatais brasileiras, mas todas as empresas podem fazer seu fundo.

O funcionamento é simples: os funcionários investem um valor determinado por mês (pode ser um valor fixo ou variável) e, quando a pessoa sair da empresa ou for demitida, saca aquele dinheiro.

Simples, com pouca burocracia. E você ainda pode ampliar esses recursos ao se aprimorar em investimentos. Assista a nossa aula “Como incrementar a sua Aposentadoria de 10 a 60% dentro dos próximos 30 dias“.

Se a sua empresa ainda não tem nada desse tipo, pense em apresentar um projeto para seus colegas e líderes.

E, finalmente, existem os planos de previdência privada.

Aqui temos um outro exemplo de leis feitas para serem compridas. Por isso mesmo, é importante descomplicar. Vamos lá!

Existem dois planos de previdência básicos que podem ser feitos no Brasil, cada um com características específicas de rendimento e tributação:

  • PGBL – Plano Gerador de Benefícios Livres
  • Se você faz a declaração completa do imposto de renda, este plano é o mais indicado para você. Você consegue abater o que investiu no PGBL a cada ano de seu imposto de renda, até o limite de 12% de seu rendimento. Em contrapartida, você pagará imposto, lá na frente, sobre tudo o que retirar – tanto o rendimento quanto o principal.
  • VGBL – Vida Gerador de Benefícios Livres
  • Primeiro, essa modalidade de investimento tem possivelmente o pior nome possível. Não faz nem sentido nem concorda em gênero, mas é “Vida Gerador”, mesmo. É o mais indicado para pequenos empresários, para quem usa o formulário simplificado do imposto de renda e para quem é isento. Aqui, não importa o quanto você investe por ano, não poderá abater do seu imposto. Em compensação, no final do plano, quando começar a retirar seus rendimentos mensais, pagará imposto apenas pelos rendimentos, e não pelo principal.

Em suma:

  • PGBL: pague menos imposto agora, mais depois.
  • VGBL: pague mais imposto agora, menos depois.

Pelo menos por enquanto.

Como dissemos antes, as regras podem mudar, de acordo com o entendimento de cada possível presidente sobre a reforma previdenciária.

A composição do congresso também vai pesar muito na possível nova redação da reforma previdenciária. Por isso, o primeiro passo é pesquisar bem o que cada candidato defende e escolher a melhor opção. Porque, quando sair, a reforma da previdência será responsável por, em parte, garantir o seu futuro.

E existe uma outra maneira de você investir em sua aposentadoria: através de fundos e investimentos que você mesmo escolhe, investe e retira quando quiser. Através do rendimento em dividendos de ações. Para isso, você também irá precisar pesquisar, analisar, falar com profissionais da área, participar de cursos e aulas como as que oferecemos gratuitamente aqui no GuiaInvest – verifique as mais adequadas para você em nossa página.

A grande vantagem dessa forma de complementar a sua aposentadoria é que você terá a liberdade de investir como preferir, sem a interferência de planos feitos por terceiros, sejam bancos ou governo.

Ou seja, é possível fazer seu dinheiro trabalhar para você, e sem sombra de dúvidas, essa será a sua melhor aposentadoria. Basta encontrar o caminho ideal para você! Tudo o que você precisa para tomar a melhor decisão para o seu futuro – e também para o seu presente –, você encontra aqui no GuiaInvest. Navegue pelo nosso blog e comprove!

40% de rendimento em 1 ano. Conheça essa história!

“Quando você consegue encontrar alguém que te proporcione a educação necessária para ter um planejamento financeiro adequado, evoluir por conta própria se torna inevitável. E ninguém faz isso no Brasil.”

“O André não te entrega o peixe, ele te ensina a pescar. E era isso que eu estava procurando.”

Assim começou a minha conversa com o Vladimir. Um investidor que nunca aceitou ser coadjuvante na administração do seu próprio dinheiro. Hoje ele já está colhendo os frutos do conhecimento que adquiriu com o GuiaInvest.

Resultados:

  • 40% de rendimento sobre o capital investido em 1 ano
  • Tranquilidade em relação ao futuro
  • Conseguir enxergar oportunidades na Bolsa em momentos de crise

O Problema

Vladimir Caldeira é engenheiro de formação, mas sempre teve curiosidade pelo mercado financeiro. “Eu sempre quis ter uma renda independente do meu trabalho”, comenta. No início realizou alguns tipos de investimentos que não o deixaram satisfeito com o resultado.

Assinou relatórios de casas de análise, mas nunca se conformou com a ideia de receber orientações sem entender por que aquelas ações tinham sido selecionadas. “Por que eu tenho que comprar o que estão me indicando? Eu queria entender”, ressalta.

O investidor comenta que se sentia angustiado ao pensar sobre como estaria sua vida em 10 ou 15 anos. O sentimento de insegurança e o desejo de ter uma renda independente do trabalho fizeram com que ele não se conformasse com as opções tradicionais de investimentos que conhecia.

A Solução

Na busca por informação de qualidade que o ensinasse a investir por conta própria, Vladimir encontrou o canal do GuiaInvest no Youtube. Após assistir três vídeos do André, decidiu se tornar aluno e assinante do GuiaInvest PRO.

A transformação foi inerente. Em 1 ano, Vladimir conseguiu uma rentabilidade de 40% sobre o capital investido. Sem falar na tranquilidade em relação ao futuro financeiro.

“Greve de caminhoneiros, queda da Bolsa, nada disso me assusta porque com o aprendizado que eu tenho hoje eu sei que estou lidando com a Bolsa da forma correta.”

Para o engenheiro, o curso trouxe a tranquilidade para investir sem se deixar abalar pelos acontecimentos do mercado. Hoje ele tem confiança nas escolhas que faz dentro da Bolsa e isso possibilita que ele siga em frente sem ter medo da crise que o país enfrenta.

Apesar de não ter ainda uma data definida para a Liberdade Financeira, comenta que se os resultados dos próximos anos forem iguais ao último, ele já está mais do que satisfeito. Isso que nesta trajetória nem sempre foram só acertos.

Vladimir relata que após descobrir o método GuiaInvest passou a se sentir tão seguro que resolveu até arriscar algumas estratégias diferentes. Entretanto, ao sair do método ele acabou não tendo o resultado que esperava. Só que isso não foi um problema.

Após uma conversa com o André Fogaça, ele se deu conta de que era preciso voltar às origens do método e tudo foi resolvido. “Isso serviu ainda mais para eu ver o quanto estes ensinamentos são importantes”, destaca.

Diante do atual cenário econômico do Brasil, Caldeira comenta que graças ao conhecimento que possui hoje, após os treinamentos do GuiaInvest, consegue enxergar com clareza as oportunidades do momento. “Todo o conhecimento que eu acumulei até aqui está sendo fundamental para a minha paz de espírito diante dos noticiários”, salienta.

Hoje Vladimir não consegue imaginar como faria para investir sem o GuiaInvest PRO, que torna o processo de análise de ações simples e rápido. Inclusive, enquanto conversávamos por telefone para esta entrevista, ele estava de olho na tela do GuiaInvest PRO que ele não perde de vista.

Esta realidade pode ser a sua

A diferença da sua história para a do Vladimir é simples: o conhecimento. O que transformou a vida e o futuro financeiro deste investidor foram foi o conhecimento adquirido.

Você também pode adquirir este conhecimento com o Treinamento Como Acumular Riqueza. Nele o André ensina como se tornar um investidor independente de sucesso, mesmo que você não saiba nada sobre o assunto.

A próxima história de sucesso pode ser a sua. Que tal aprender a pescar também?

Conheça o Treinamento Como Acumular Riqueza

A História do Ex-engraxate que ficou Bilionário na Bolsa

a-historia-do-ex-engraxate-que-ficou-bilionario-na-bolsa

Você já deve ter ouvido falar neste nome: Luiz Barsi Filho.

Se você não vê futuro no investimento em ações porque acha que é muito tarde ou porque que tem pouco dinheiro para investir, precisa conhecer essa história.

E se este for o seu caso, não se sinta mal. É o caso da maioria dos brasileiros. Artigos como este, que você vai ler agora, podem mudar de uma vez por todas a sua percepção.

Leia atentamente e no final, se achar adequado, compartilhe com aquele amigo que tem a mesma visão equivocada sobre investimentos que você.

Bom, Luiz Barsi Filho: o maior investidor pessoa física do Brasil, com mais de um bilhão de reais investidos na bolsa de valores.

Quando o mundo conheceu Barsi, ele já era assim: milionário, vivendo em plena Liberdade Financeira, muito bem sucedido.

Entendo que agora você esteja se perguntando:

“o que eu poderia aprender sobre como enriquecer com alguém que já tem a vida ganha?”

É aí que você precisa conhecer um pouco mais da sua história… que daria um filme! Mas é apenas a verdade.

Acompanhe!

Afinal, quem é o bilionário Luiz Barsi?

A história começa em 1939, no dia 10 de março.

Em um cortiço muito simples do bairro Brás, centro da capital paulista, nascia Luiz Barsi. Sua mãe trabalhava como lavadeira, e ficou viúva quando o menino tinha apenas 1 ano.

Aos 9 anos começou a trabalhar como engraxate nas ruas, para ajudar a mãe a colocar comida na mesa e pagar as contas da casa.

Aos 14, conseguiu um emprego em uma corretora de valores, onde aprendeu tudo que o transformou no que é hoje: milionário, liberdade financeira, bem sucedido.

Aos 16 anos Barsi já trabalhava há um bom tempo. Ajudava a sustentar a casa e tinha uma vida bastante difícil para um adolescente.

No entanto, a persistência não o deixou desanimar, e o futuro milionário já tinha seus sonhos bem concretos.

Trabalhando na corretora, decidiu que faria seu próprio plano previdenciário – que deu e vem dando muito certo até hoje.

Sua primeira meta era possuir 100.000 ações da Companhia Energética de São Paulo (CESP) com a intenção de receber dividendos.

O total deste investimento era equivalente ao preço de um carro popular, mas como não tinha esse dinheiro, começou aos poucos, até atingir a meta.

Seu argumento para a escolha da empresa foi simples: não importa o que você faça com um imóvel, você terá de pagar a conta de luz.

Levou apenas 10 anos até que possuísse dinheiro suficiente para sua aposentadoria. Mas ao contrário do que muitos pensavam… Barsi não parou por ali.

Em vez de se aposentar e apenas aproveitar a vida, continuou investindo, sem deixar de aproveitar o presente.

Qual o conselho de Luiz Barsi para enriquecer?

 

Acostumado a dar entrevistas à inúmeros jornais e revistas, Barsi resume toda sua experiência em um só conselho:

Qualquer um pode enriquecer com ações. Basta comprar papéis baratos, negociados abaixo do valor patrimonial, bons pagadores de dividendos, e esperar.

A receita do sucesso parece ser simples, mas é exatamente o que transformou o menino engraxate em um dos maiores investidores da Bovespa.

E não é porque é bilionário que hoje vive muito diferente do que vivia no início da sua fase adulta.

Barsi continua pegando o metrô, trabalha várias horas por dia, usa roupas simples e vive uma vida sem ostentações.

Quando perguntado se o dinheiro é o principal item para o sucesso nos investimentos, o grande investidor vai além:

O dinheiro é importante, mas não é preciso muito. Disciplina sim! É fator de extrema importância em razão do seguinte motivo: todo indivíduo que se propõe a investir deve seguir uma regra básica, ou seja, nunca gastar mais do que se ganha. Simples e óbvio.

Onde o Barsi investe?

Sempre com foco em empresas lucrativas e que pagam bons dividendos, a sua estratégia segue a mesma por décadas.

Hoje, Barsi é sócio de empresas como Banco do Brasil, Klabin, Unipar, entre outras.

Ele diz que não investe em ações por serem apenas ações. Ele investe em projetos empresariais com perspectivas de serem bem sucedidos, e as ações são o meio de participar nesses projetos.

Dessa forma, garante mais segurança e efetividade nos seus investimentos.

“Hoje, posso afirmar sem engano que ações garantem o futuro”.

Comece agora e você já vai sair na frente

Agora que você já conhece a história de Luiz Barsi, chegou a sua vez de percorrer a jornada pela Liberdade Financeira.

Lembre-se sempre de que o grande investidor começou muito de baixo, fazendo um caminho muito mais difícil do que o que você pode fazer agora.

Aportes mensais (de quanto você puder), persistência e ações de boas empresas pagadoras de dividendos: esses são os ingredientes para o sucesso financeiro.

Eu acredito que, ao contrário dele, você não seja um engraxate de 9 anos trabalhando para ajudar a sustentar a casa…

Então imagine tudo que você está prestes a alcançar!

Se você deseja começar a percorrer o caminho de Luiz Barsi, nós temos um convite que irá acelerar bastante a sua caminhada pela Liberdade Financeira.

Algo que tem o potencial de colocar você da metade do caminho para a frente.

No entanto, você deve estar comprometido com o seu futuro financeiro. Comprometido a mudar de vida. De nada adianta uma boa escola se o aluno não passar na média.

Posso contar com você e com o seu comprometimento?

Então clique aqui e aproveite a nossa Masterclass gratuita e Inédita, onde o André ensina um método incrível para você investir com foco em receber dividendos mensais. 

O tempo que vai levar até você atingir sua meta quem definirá é você mesmo.

Clique aqui e garanta a sua vaga.

O tempo de aula é como um episódio da sua série favorita do Netflix. E é tão interessante quanto, pois você estará aprendendo algo que te poderá te trazer muito dinheiro em seguida.

Posso contar com você?

Bons investimentos!

Aprenda a fazer um planejamento a longo prazo

Planejamento deveria ser uma palavra-chave na vida de todas as pessoas. Em se tratando de dinheiro, um bom planejamento a longo prazo se torna fundamental. Sem isso, nós corremos o risco de ficar nos queixando das impossibilidades de realizar grandes projetos. Um planejamento financeiro é vital para comprar um carro, ter a casa dos sonhos e conseguir antecipar a aposentadoria — só para mencionar alguns exemplos. Então, o que você está esperando para começar?

Se você ainda se sente perdido sobre o assunto, não se preocupe! Nós preparamos algumas dicas infalíveis para ajudá-lo a se planejar da melhor maneira possível. Venha conosco e torne-se um perito na hora de organizar suas finanças!

Quais são os benefícios proporcionados por um planejamento a longo prazo?

Antes de mais nada, você precisa saber quais são os benefícios que um planejamento a longo prazo pode proporcionar. Eles são muitos, mas observe que você conseguirá:

Estabelecer metas para a sua vida

Não existe um planejamento sem metas, as quais funcionam como pequenas conquistas. A união desses triunfos leva ao cumprimento de um ou mais objetivos, que, por sua vez, são os elementos motivadores para a execução das metas. Logo, note que as metas estão diretamente ligadas aos objetivos.

O problema é que muitas pessoas são incapazes de estabelecê-las em suas vidas. Isso as distancia do objetivo final e, consequentemente, gera muita frustração. Ao elaborar um plano de ações, você visualizará o caminho a ser percorrido com mais nitidez. Desse modo, ficará muito mais fácil enxergar quais são as metas viáveis a serem atingidas e qual será o tempo necessário para isso.

Identificar fatores que impeçam o seu crescimento

Nem sempre as coisas acontecem da forma como se imaginava. Isso é normal, mas você deve conhecer os motivos de cada fracasso. Isso permitirá que seja feita uma correção de rumo. Para que essas derrotas sejam efêmeras, é necessário localizar os erros e desvendar o que está faltando para progredir em direção ao objetivo traçado lá no planejamento.

Compreender melhor os gastos

Saber para onde vai todo o seu dinheiro também é algo extremamente importante. Essa informação fica igualmente mais visível quando você aprende a se planejar melhor. Não vai demorar muito para que surjam vários questionamentos a respeito de certos gastos. Com isso, você tomará decisões mais acertadas sobre o que fazer para priorizar a busca do objetivo daquele momento.

Acabar com as dívidas

A partir do momento em que você coloca uma lupa sobre os próprios gastos, fica mais evidente os meios pelos quais as dívidas são contraídas. Ao aprender a lidar com o dinheiro de uma forma mais efetiva, você deixará de realizar dívidas que possam comprometer a concretização daquele projeto de vida.

Ter uma visão mais clara sobre alguns obstáculos

Após um planejamento, os possíveis obstáculos à realização de um projeto se mostram de uma forma mais clara. Com isso, você dá um passo à frente, já que pode antecipar as soluções de possíveis problemas. O ganho de tempo obtido com essa estratégia é bem significativo. Afinal, os empecilhos perdem aquele caráter de surpresa.

Mesmo que os problemas fujam um pouco das hipóteses traçadas, os desvios não devem ser tão grandes. De um modo ou de outro, você estará muito mais preparado para lidar com a situação e resolvê-la de um jeito prático, eficaz e rápido.

Como elaborar um planejamento a longo prazo?

Comece a levar a aposentadoria mais a sério

A relativa demora para se preocupar com a aposentadoria tem se tornado um péssimo hábito. Mas não se engane, pois a juventude se esvai mais rapidamente do que se imagina. Se você deseja tanto ter aquela aposentadoria confortável, precisa começar a se mexer o quanto antes.

Dessa maneira, manter o foco nesse momento da vida é uma excelente forma de dar os primeiros passos de um planejamento financeiro de sucesso. Lembre-se de que, ao antecipar esse processo de guardar dinheiro, maior será quantia reservada para o momento da aposentadoria. Desde que haja regularidade, é provável que você possa até escolher o momento de encerrar a carreira, dedicando-se apenas a aproveitar a vida sem grandes preocupações.

Desenvolva sua disciplina

A disciplina fará com que você repense cada ato de consumo. Mas não é só isso, já que ela será uma importante aliada na manutenção do mesmo ritmo. O desenvolvimento de uma disciplina forte evita o desânimo, lembrando quais são as razões de todas aquelas metas. Em outras palavras, essa virtude nos lembra que existe algo muito maior no fim da jornada.

Evite parcelamentos

As compras à vista sempre rendem algum desconto sobre o total a ser pago. Então, evite realizar parcelamentos, por mais tentadores que sejam devido ao baixo valor das mensalidades. Basta um parcelamento prejudicial para que todo o planejamento financeiro seja adiado. O grande problema é que esse adiamento pode significar alguns meses ou anos a mais. Será que você realmente pode arcar com essa prorrogação? Essa é uma pergunta pertinente diante de um objetivo de médio ou longo prazo.

Separe um valor fixo por mês para ser investido

Em termos mais práticos, é primordial definir uma quantia mensal a ser investida. Uma vez que você seja bem disciplinado, basta seguir as metas de investimento sem falhas. Não caia no ledo engano de pular um dos meses com a intenção de compensar no mês seguinte. As reservas financeiras previamente determinadas precisam seguir um cronograma rigoroso.

Invista todo o dinheiro extra que ganhar

Por fim, vale a pena investir toda renda extra que surgir, seja um saque do FGTS, seja um 13º salário, por exemplo. O importante é destiná-lo ao objetivo final. Além de colaborar para a realização do próprio projeto, você evita o risco de adquirir novas dívidas — um erro bem comum, principalmente com relação ao uso do 13º salário.

Após conhecer e seguir todas essas dicas, você já sabe o que não pode faltar em um planejamento a longo prazo. Assim, ter um futuro financeiro tranquilo e conquistar aquela sonhada independência financeira nunca esteve tão próximo!

Para finalizar, que tal um e-book gratuito com um plano definitivo para você chegar à liberdade financeira? Baixe-o agora mesmo e conheça os atalhos para acertar na hora de elaborar o seu planejamento financeiro!

Pessoas comuns, ganhos extraordinários

O título desse artigo não é por acaso. Sequer é fruto da minha falida criatividade.

Antes de você entender onde quero chegar, peço um minuto da sua atenção para justificar…

Aqui faço uma pequena homenagem ao livro “Ações comuns, lucros extraordinários” de Philip Fisher, escrito em 1958, mas que contém princípios de investimento em ações brutalmente atuais.

Nessa obra, Fisher prega o investimento em ações de empresas comuns, mas de destaque, com um repertório de crescimento de suas vendas e de seus lucros, além de foco em companhias com boas perspectivas de futuro.

Fisher não comprava ações por estarem baratas, o foco era na qualidade das companhias, para carregá-las em seu portfólio por décadas.

Uma empresa como a Ambev talvez seja o melhor retrato da filosofia de Fisher aqui na bolsa brasileira. Faço o disclaimer de que não estou recomendando a compra, tampouco possuo essa ação.

O que quero dizer aqui é que ações de empresas comuns ao cotidiano das pessoas podem ser responsáveis por processos intensos de valorização na bolsa.

Minha intenção aqui não é contar todas as lições que o livro traz, mas recomendo fortemente a leitura do mesmo.

“Tá, mas o que as pessoas têm a ver com isso?”

Afirmo com convicção: a bolsa de valores é um ótimo lugar para pessoas comuns investirem. Assim como empresas comuns podem ter lucros extraordinários, pessoas comuns também podem ter ganhos extraordinários.

Quando falo de “pessoas comuns” me refiro a dentistas, veterinários, estudantes universitários que já tenham alguma renda, arquitetos, motoristas de aplicativos… gente como a gente, que acorda cedo e trabalha até tarde de segunda a sexta.

Sei que a grande maioria das pessoas ainda sente na pele uma crise econômica que já se estende por cerca de 4 anos e para muitos pensar em bolsa de valores agora pode parecer absurdo.

Eu compreendo perfeitamente, mas entenda meu ponto…

Quem aguentou firme até agora, está muito forte para o que vem a seguir.

Empresas comuns que aguentaram todo esse período de crise estão mais preparadas do que nunca para sobreviver e crescer nos próximos anos.

E nada impede que essas pessoas comuns e essas empresas comuns, que apenas estão vivas e prontas para crescerem, se encontrem e formem uma união para a vida toda.

O que separa essas pessoas e essas empresas são alguns poucos reais. Em tempos de corretagem barata, qualquer pessoa comum que tenha R$ 100,00 sobrando pode se associar às melhores e mais tradicionais empresas que sejam negociadas na bolsa.

Unindo uma estratégia de longo prazo, com empresas comuns e de qualidade, investindo com frequência e evitando os 7 erros que fazem as pessoas perder dinheiro na bolsa, dá para qualquer brasileiro que já poupa dinheiro tomar o rumo da liberdade financeira.

Pessoas comuns, ganhos extraordinários. Não é preciso nada de mirabolante para se destacar.

Segunda (16) o Boletim Focus do Banco Central trouxe uma expectativa de inflação para o final do ano menor do que a projetada na semana passada: de 4,17% para 4,15%.

Coisa pouca.

Para 2019, a expectativa é que tenhamos uma inflação de 4,10%.

Mesmo com a greve dos caminhoneiros que puxou para cima os índices de preço do mês de junho, temos um horizonte de inflação baixa para os próximos anos.

Ainda assim, a corrida eleitoral deve dar uma bagunçada nessas projeções nas próximas semanas.

Um abraço e até semana que vem.

PS.: uma pergunta comum que fazem: acumular patrimônio ou viver de renda de dividendos?

Dá para fazer os dois ao mesmo tempo, mas só vive de renda quem já tem patrimônio. Mas também nada impede você de usar os dividendos como uma renda complementar.

Da mesma forma, quem está em fase de acumulação de patrimônio também recebe dividendos, mas a ideia é reinvesti-los.

Para quem quiser entender um pouco mais de cada assunto, sugiro os seguintes conteúdos:

  1. o 2º Workshop da Liberdade Financeira está acontecendo essa semana e com ele você pode entender como montar um patrimônio na bolsa de valores. Ao longo de 3 vídeos (que saem do ar no domingo às 23h59) é revelada em mais detalhes a estratégia de investimentos.
  2. depois de muito eu insistir com o André, ele aceitou colocar novamente no ar o Masterclass de Dividendos. Esse vídeo na minha modesta opinião é o Santo Graal do investimento em ações. Já ouvi de diversos alunos que é como uma pílula de conhecimento… e eu concordo com eles.

PS2: acabou a Copa. Agora é voltar a vida real. Você já começou a guardar dinheiro para ir para o Catar em 2022?

Como mudar de carreira sem traumas?

Pode-se dizer que, desde o primeiro vestibular, todo mundo inicia uma série de grandes decisões. Em um mercado de trabalho extremamente competitivo como o atual, a rapidez da escolha da profissão se transforma em um diferencial. A lógica dessa tendência está baseada nas futuras especializações e no ganho de experiência de cada um.

Para que isso aconteça, você deve iniciar uma trilha e se manter dedicado a ela. Nada o impede de mudar o rumo, mas a cada nova guinada é necessário quase que iniciar o processo da estaca zero.

Essa dificuldade, por sinal, explica por que há tanta gente infeliz na profissão que exerce. Mas se muitas pessoas preferem abandonar alguns sonhos, saiba que você pode aprender a como mudar de carreira.

As mudanças fazem parte da vida. Continue a leitura para, primeiramente, descobrir se você está na profissão errada! Em seguida, saiba o que fazer para efetuar essa transformação de uma forma natural, sem grandes traumas!

Como descobrir se você precisa mudar de carreira?

Encare o seu mal-estar no trabalho como uma doença que, como qualquer outra, necessita de um diagnóstico minucioso. Para tanto, convém um exame de autocrítica e a realização de alguns questionamentos direcionados a si mesmo. Confira!

Você enxerga o trabalho como obrigação?

Se ao chegar ao local de trabalho, você tem aquela sensação de estar no lugar errado, na hora errada e executando uma atividade ingrata e entediante, isso é um mau sinal. Caso esse sentimento persista, a tendência é que ele inicie um verdadeiro efeito dominó.

Uma das primeiras consequências é a queda vertiginosa da qualidade das tarefas que são da sua alçada. Só isso já seria motivo suficiente para rever, pelo menos, o local de trabalho.

Mas é possível que o problema não seja necessariamente aquela empresa, e sim o trabalho desempenhado. A diferença é que, só por pensar em executá-lo, você sente um profundo desgaste interno.

Você se sente constantemente estressado?

Com o passar do tempo, aquele desânimo anterior começa a se misturar com os cada vez mais frequentes episódios de estresse. Nesse caso, você além de não sentir o menor prazer pelo o que faz, mas também cria repulsa.

Dessa forma, você se torna um colaborador que não colabora e se mostra muito insatisfeito com a posição que ocupa. O resultado final é um profissional extremamente irritadiço.

Você se sente desvalorizado na sua empresa?

A desvalorização da profissão em uma determinada empresa também costuma desencadear uma vontade de mudar de ares e de área. Então se você sente que entrega muito mais do que recebe e já comprovou que a situação se mantém em outras organizações do setor, é hora de reavaliar a carreira.

Você percebe que não há muito a comemorar?

Quando estamos satisfeitos com a função que desempenhados, nós ficamos felizes com os desafios diários que nos são apresentados. Após alguma dificuldade inicial, a tendência é driblar os obstáculos e se sentir feliz com a própria superação. Tudo isso rende uma grande comemoração interna.

No entanto, quem se perde no meio do caminho não enxerga mais esse brilho. Então os eventos estressantes se revezam com os momentos de tristeza.

Como mudar de carreira?

Após a delicada e complexa decisão de trocar a carreira profissional, você precisa saber, na prática, como fazer isso. Alguns cuidados são imprescindíveis, pois se trata de uma alteração de grande impacto. Para acertar na troca de profissão, você deve considerar cada um dos aspectos mencionados a seguir.

Faça uma lista das atividades que não pretende repetir

Esse ponto é extremamente importante, já que é nele que você determina quais são as tarefas que não pretende mais realizar. Sim, isso mesmo! Como é muito complicado definir o que se quer, o primeiro passo consiste em saber o que não quer.

Cabe até elaborar uma lista contendo todas as atividades e responsabilidades das quais você quer manter uma boa distância.

Faça um bom planejamento antes de concretizar a mudança

Como tudo na vida, o planejamento também é algo primordial para que o projeto saia do papel. Nesse aspecto, é necessário verificar qual é o nível de adaptação que será requerida pela nova carreira.

Além disso, é preciso observar que os processos de transição e a dimensão do impacto causado pela mudança operam de maneira distinta e de acordo com as atuações profissionais envolvidas.

Não é possível dizer que gerenciar uma loja, por exemplo, exija profundas transformações na vida de um diretor executivo. Enquanto isso, uma alteração completa da esfera de atuação demanda uma formação equivalente.

Conforme o número de modificações inerentes à nova carreira, o planejamento pode sofrer mudanças. Financeiramente, vale a pena efetuar uma reserva suficiente para arcar com os custos de todo esse período de adaptação. Sem esse cuidado com as finanças, o risco dos rendimentos desaparecerem é significativo.

Analise o mercado

Antes de concretizar a mudança da carreira, é necessário analisar o mercado correspondente. Esse trabalho de investigação é altamente relevante, já que é preciso saber qual é o índice de dificuldade para a entrada na área desejada.

Avalie as vantagens e desvantagens da mudança

Uma vez que a escolha tenha sido feita, é preciso ponderar quais são as vantagens e desvantagens do novo cargo. A troca de um emprego é algo que depende muito mais de outros fatores do que simplesmente da remuneração.

Porém, mesmo que o salário seja menor, ele precisa existir e, assim, cobrir as despesas esperadas. É necessário, portanto, ficar atento a melhora da qualidade de vida e em outros fatores vantajosos.

Ajuste o foco das suas expectativas

Outro detalhe diz respeito às expectativas exageradas quanto ao novo emprego. Lembre-se de que, seja a área dos seus sonhos ou não, os desafios cotidianos são comuns. Acreditar que a troca de um setor de atuação por outro resolverá todos os problemas é um imenso equívoco.

Logo, jamais perca de vista o fato de que será necessária uma generosa dose de esforço para que você seja bem-sucedido naquela nova área.

Agora, você já sabe como identificar uma possível necessidade de respirar novos ares e como mudar de carreira. Não deixe que a frustração causada pela escolha de uma carreira infeliz o contagie negativamente. Prepare-se hoje mesmo para impor as transformações tão desejadas e seja muito feliz na sua nova carreira!

Além da troca da área profissional, a aposentadoria também merece sua atenção! Que tal conferir como obter uma aposentadoria antecipada? Descubra como essa antecipação é uma realidade bem possível!

5 dicas do maior investidor brasileiro que farão você enriquecer

O Warren Buffett brasileiro é o exemplo da conquista da liberdade financeira.

De origem humilde e tendo sido engraxate na sua juventude, Luiz Barsi Filho, considerado por muitos o Warren Buffett brasileiro, recebe mensalmente milhões de reais na forma de dividendos pagos pelas empresas que é acionista.

E ele próprio afirma que qualquer brasileiro pode fazer o que ele fez.

Já imaginou poder se aposentar antecipadamente? Ter total liberdade financeira, podendo curtir a vida com a sua família e com seus amigos…

Ter uma renda extra na forma de dividendos, que some ao seu salário atual e dê a você todo o poder de escolha.

Foi exatamente isso que Barsi imaginou na década de 60.

Não só imaginou, agiu.

E de lá para cá, formou um patrimônio de mais de um bilhão de reais.

O segredo por trás de tudo isso é não só um estilo de vida muito simples, mas também paciência e objetivos muito bem definidos nos seus investimentos.

 

Dá só uma olhada nas dicas do Warren Buffett brasileiro:

1# Viva Simples

Warren Buffett Brasileiro Vida Simples2

Apesar de hoje acumular um patrimônio bilionário, Barsi possui um estilo de vida sem luxos: vai de metrô para seu escritório no Centro de São Paulo e, ao invés de ter de se preocupar com o trânsito, vai planejando seus investimentos no vagão.

Trabalha por prazer e não fica mais de 4 horas por dia no escritório.

A decoração do seu escritório em nada lembra os redutos dos prédios imponentes de avenidas comerciais: possui móveis antigos, paredes de madeira e televisões antigas de tubo.

Seu carro é uma Chevrolet Zafira, que até já saiu de linha, e só é tirada da garagem em ocasiões especiais.

O máximo de luxo que Barsi se permite é ir à churrascaria! Tudo bem, ele não é de ferro…

2# Invista Simples e Tenha Paciência

Warren Buffet Brasileiro Invista Simples

Há quase 50 anos atrás, Barsi montou uma carteira de ações planejando uma aposentadoria.

Sua primeira meta era possuir 100.000 ações da Companhia Energética de São Paulo (CESP) com a intenção de receber dividendos. Esse investimento era equivalente ao preço de um carro popular.

Barsi foi adquirindo essas ações aos poucos, afinal ainda não possuía todo esse valor para investir.

O bilionário sempre escolheu ações de empresas que são essenciais à vida de todos, ou seja, bancos e empresas do setor elétrico. Seu argumento é simples: não importa o que você faça com um imóvel, você terá de pagar a conta de luz. Com os bancos não é muito diferente: não importa o momento da economia, o banco sempre cobrará as mesmas tarifas sobre as contas que ele gere.

Com paciência e disciplina, em 10 anos como investidor já possuía recursos suficientes para bancar a sua aposentadoria. Para o Warren Buffet brasileiro, é fundamental para o sucesso dos seus investimentos ter objetivos claros e simples e persegui-los.

Eu pergunto: você acha melhor se aposentar rico ou depender do INSS?

3# O Warren Buffett brasileiro aprende com o norte-americano

Warren Buffet Brasileiro Warren Buffet Americano

O estilo simples de Barsi não é a toa.

Barsi aprendeu com Warren Buffett a não ter um perfil ostentador.

Os dois gurus acham que é uma grande besteira gastar dinheiro para inflar o ego. Barsi diz que saber administrar o ego é um dos segredos para se tornar rico.

Warren Buffett mora na mesma casa desde 1958 nos EUA, mesmo tendo enriquecido muito de lá pra cá.

“Qual a razão de comprar um palácio se você é feliz na sua casa?” – questiona o guru norte-americano.

Você pensa igual a Barsi e Buffett? Ou gasta o dinheiro que você não tem com coisas que você não precisa de verdade?

4# Ações são vacas e dividendos, leite!

Warren Buffet Brasileiro Dividendos

Barsi recomenda escolher ações boas pagadoras de dividendos.

O ideal é começar com pouco, mas nunca parar. O guru diz que é fundamental reinvestir os dividendos, o que vai permitir que você continue enriquecendo.

Ações são como vacas!

Nunca se desfaça delas. Quanto mais vacas, mais leite!

Escolha aquelas que historicamente deram leite de qualidade.

Quando o preço das vacas estiver baixo, compre mais!

Essa é a filosofia do buy and hold (comprar e manter).

Barsi acredita que quem só compra ações pensando em vender por um preço mais alto no futuro acaba perdendo dinheiro. Para ele, a Bolsa de Valores só é arriscada se você fizer dela uma jogatina.

E você? Quer ser investidor ou apostador?

[Baixe agora mesmo o e-book Aprenda como ganhar de R$ 1 mil até R$ 5 mil por mês com dividendos]

5# Fuja da Poupança

Warren Buffet Brasileiro Poupança

Barsi fica longe da caderneta de poupança.

Para o bilionário se trata de um investimento ultrapassado e que rende menos do que a inflação.

Alerta que as novas presas da caderneta de poupança são as crianças, em referência aos bonequinhos de depositar moedas que o cliente ganha ao abrir uma conta para o filho.

Você prefere seguir os conselhos de Barsi ou do seu gerente do banco?

Gostou dos conselhos de Luiz Barsi, o Warren Buffett brasileiro?

Então é a hora de fazer por você mesmo agora…

E para ajudar, eu tenho um convite.

Participe da aula gratuita do GuiaInvest e descubra uma maneira simples de conquistar uma renda extra mensal de 1 mil a 5 mil com dividendos.

Nela você vai descobrir qual a melhor estratégia de investimentos com foco em uma renda extra de acordo com o  método de Luiz Barsi. Você mesmo poderá colocar tudo isso em prática, e ainda dividir seu conhecimento com seus familiares e amigos.

Detalhe: Barsi começou a investir quando já tinha 29 anos e hoje é bilionário!

Abraço e bons investimentos!

Crédito das imagens: www.shutterstock.com

Artigo atualizado em 27/06/2018.

A Fortuna Escondida no seu Salário

Você sabia que existe uma fortuna escondida no seu salário, e que você tem acesso quando quiser? E melhor… que existe um caminho simples para acessá-la, mas que pouca gente conhece (ainda)?

Vou explicar…

Diariamente recebo mensagens de clientes que reclamam que recebem pouco, e por isso vejo que essas pessoas desconhecem a fortuna que pode estar ali escondida.

Essa reclamação acontece por falta de informação.

Porque um salário nunca será baixo uma vez que você saiba o caminho para acessar a fortuna que só ele pode oferecer.  

Continue acompanhando, logo tudo fará sentido pra você.

Agora, reflita comigo por um momento…

O que você costuma fazer quando recebe seu salário? Paga conta de luz, água, telefone… Paga o aluguel, o condomínio, o carnê da loja, o colégio dos seus filhos?

E por que você não “compra“ ainda mais dinheiro com ele?

Com tantas contas num mês, que consomem tanto o seu salário, já imaginou ter uma que fizesse ele aumentar?

Para exemplificar pra você, vou contar uma história.

Marcos e Roberta eram casados e trabalhavam juntos na principal empresa da pequena cidade em que moravam, no interior de Minas.

Recebiam 2.000 reais cada.

Este dinheiro não significava luxo algum, pelo contrário. Pagavam as contas e sobrava muito pouco – quando sobrava.

Certo mês, no meio de uma conversa, perceberam que deveriam poupar alguma coisa para o futuro, pois tinham o sonho de viajar com a família inteira para a Europa, em comemoração ao aniversário de 15 anos da filha.

No entanto, se aproximava o fim do ano junto com todos os gastos imensos da época. Por outro lado, o décimo terceiro também estava a caminho.

Decidiram então que iriam retirar 500 reais de cada 13º para o futuro.

Roberta sempre foi mais corajosa e ousada que Marcos, e por isso decidiu que ia investir o seu dinheiro em ações, pois havia descoberto através de um curso, um método simples e eficiente para isso.

Através deste método, soube identificar e selecionar uma ação que lhe pareceu segura, rentável e simples de ser investida. Aplicou ali os seus 500 reais.

Marcos, por outro lado, não acreditou em Roberta e resolveu aplicar o seu dinheiro em Renda Fixa, por segurança.

15 anos depois, chegou o dia de planejar a viagem.

Ambos tiveram uma grande surpresa ao sacarem o retorno de seus investimentos.

Roberta descobriu que os seus 500 reais investidos em uma empresa a qual era cliente, do setor de Vestuário e Calçados, teriam se transformado em exatos R$ 13.292.

Já Marcos, não teve a mesma felicidade. Com os mesmos 500 reais, fez apenas R$ 3.464, como você pode ver no gráfico abaixo.

Fonte: GuiaInvest PRO

Agora você deve estar se perguntando se Roberta teve sorte, ou se isso é comum de acontecer na Bolsa de Valores

Para responder essa questão, vamos dar uma olhada em outros gráficos, com outras empresas de outros setores.

Confira o que teria acontecido se Roberta tivesse investido em uma empresa do Setor Elétrico…

Ou então, no Setor de Máquinas e Equipamentos…

Perceba que a Renda Fixa também proporcionaria uma rentabilidade, mas nada comparado à fortuna do investimento em ações através de um método simples e seguro.

No entanto, para perceber a importância de um método eficiente para a análise e seleção de ações, você precisa conferir um exemplo contrário…

Caso Roberta tivesse investido sem o conhecimento adequado, ela poderia ter retirado um valor inferior ao de Marcos… Veja só, como um exemplo, uma empresa do Setor de Gás:

Neste caso, a Renda Fixa teria dado um resultado melhor, superando o investimento em ações.  

No entanto, não esqueça que Roberta é uma pessoa comum, que era leiga na Bolsa de Valores e tinha um emprego normal.

Ela também não tinha muito dinheiro para investir. Assim como a maioria das pessoas que me seguem por aqui.

E mesmo assim, aproveitou a oportunidade que conheceu em um curso e garantiu praticamente a viagem inteira, dela e da família.

Percebe o valor disso?

Roberta investiu, apenas uma vez, 500 reais e retirou nada mais nada menos do que R$ 13.292.

Você enxerga a fortuna que estava escondida no salário dela? Dentro daqueles 500 reais?

E perceba que o investimento de Roberta é apenas um exemplo do que é possível fazer para gerar uma renda extra.

Por este motivo, gostaria de lembrar você: assim como Roberta e como Marcos, também há uma fortuna escondida no seu salário.

Um pequeno valor que, se utilizado com sabedoria, pode ser multiplicado em mais de 20x.

O método utilizado por Roberta está disponível para você e para todo mundo que tem interesse. 

Foi por isso que criamos um workshop totalmente gratuito, onde ensinaremos em uma semana de vídeos incríveis, tudo que você precisa saber para começar a investir e descobrir a fortuna que existe no seu salário também. 🙂

E não pense que os conteúdos desses vídeos serão difíceis – nada disso! Foram criados especialmente para pessoas leigas no quesito Bolsa de Valores.

Portanto, sinta-se convidado para participar mesmo se você não souber nada sobre investimentos! Não perca esta oportunidade de crescimento financeiro na sua vida.

Inscreva-se aqui no Workshop da Liberdade Financeira

Um abraço,

e bons investimentos!

8 coisas para fazer antes de se aposentar

8-coisas-fazer-aposentar

Se você está lendo este artigo, sabe que sua aposentadoria está no horizonte. Depois de anos cumprindo horários, participando de reuniões, fazendo relatórios, enfrentando trânsito todos os dias, você está prestes a mudar de vida. Deixar tudo isso para trás.

Surge, então, uma pergunta inevitável: E agora?

E agora, como você vai viver? E agora, o que vai fazer com todo o tempo livre?

Vamos começar com a segunda pergunta, que é mais fácil de responder…

O que fazer com o tempo livre pós-aposentadoria

Alguém já definiu a época de se aposentar e envelhecer com a emblemática frase: “Quando eu podia, eu não podia. Agora que eu não posso, eu posso”.

 

Mas isso foi antes do avanço da qualidade de vida, da medicina e do nosso entendimento de saúde. Dentro de algum tempo, você vai se aposentar, vai poder e vai poder!

É a época de aproveitar para fazer coisas como:

 

  • Viajar. Para aqueles lugares que você sempre quis, com toda a liberdade do mundo.
  • Aprender algo novo. Inscreva-se em um cursinho de língua estrangeira ou instrumento musical, aprenda algo que aprimore seu hobby, ou que lhe ensine um novo passatempo.
  • Dedicar-se a seu passatempo. Pintura, artesanato, jardinagem, culinária… esses e outros passatempos, além de o satisfazerem como pessoa, podem lhe render um dinheiro extra. Venda seus produtos, ensine o que você sabe para outras pessoas.
  • Fazer trabalho voluntário. Muito provavelmente existem inúmeras organizações, igrejas, projetos na sua cidade que precisam de ajuda. Em vez de dinheiro, doe seu tempo, experiência e conhecimento!
  • Reunir a família. Organize sua família em volta de você. Seja o responsável por organizar encontros, churrascos, festas (atenção: organizar é bem diferente de pagar tudo. Pense em abrir uma conta conjunta da família para comemorações, em que cada um deposita um pouco). Além de ocupar o tempo, ajuda a manter os laços de sangue juntos e ajudando-se e curtindo-se mutuamente.
  • Manter-se ativo. Faça caminhadas, exercícios, informe-se sobre ligas de esporte sênior na sua cidade.
  • Ser um mentor/professor. Voluntarie-se em escolas da região para contar aos estudantes sobre sua profissão e carreira. Pense em dar aulas particulares para alunos com dificuldades.
  • Envolver-se com a comunidade. Encontre o partido político que mais se adequa às suas ideias e envolva-se com ele, entre ou organize sua associação de bairro.

 

  • Escrever um livro ou peça de teatro. Realize aqueles sonhos que estavam abandonados.
  • Ser um blogueiro ou youtuber. Por que não?

 

  • Começar uma segunda carreira ou um negócio próprio. Muitos fazem isso por necessidade, mas você pode fazer por prazer.

Enfim, há muita coisa interessante a se fazer quando falta de tempo não é um problema.

A britânica Doris Long, por exemplo, desceu de rapel a torre Emirates Spinakker (de 170 metros), na cidade inglesa de Portsmouth. Aos 101 anos.

Sim, os idosos podem muito, assim como você vai poder. Quer dizer, se tiver recursos para aproveitar tudo isso…  

O que nos leva ao primeiro “e agora” deste artigo. E agora, como você vai pagar por tudo isso? E agora, como você vai viver?

Como você vai realizar os itens acima?

Primeiro, saiba que você não está sozinho nessa preocupação. De acordo com uma pesquisa feita em 2016 pela seguradora Allianz com 3 mil norte-americanos na casa dos 50 anos (os chamados baby-boomers), 63% dessas pessoas perto da aposentadoria têm mais medo de ficar sem dinheiro durante sua velhice do que da morte.

Sim, para eles, viver na pobreza é pior que morrer.

O brasileiro provavelmente tem preocupação semelhante. Afinal, segundo dados de 2016 da Secretaria da Previdência Social, de cada três aposentados no Brasil, dois recebem um salário mínimo.

Não, não dá para curtir muita coisa com isso.

A boa notícia é que não importa a sua idade. Você pode começar a se preparar para a aposentadoria agora mesmo. Vamos dividir isso no lado financeiro e não-financeiro.

Preparando o lado não-financeiro pré-aposentadoria

1 – Aceite as mudanças

Agora você está firme e forte, cheio de disposição, e certamente vai continuar assim por bem mais de uma década ou duas. Quem sabe, se você começar um bom programa de exercícios adequado, vai se sentir até melhor do que está hoje.

Mas, aos oitenta, noventa anos, as coisas mudam.

Por melhor que nossa medicina seja, por mais exemplos que existam, é inegável que a ciência é mais rápida que nossa evolução.

Ainda somos aquelas criaturas da floresta, projetadas para comer quando encontram caça ou frutas. Por isso – infelizmente – temos uma capacidade alta de estocar gordura no corpo.

— Isso mesmo. Estoca gordura que você não sabe quando vai comer de novo.

— Evolução, agora nós temos geladeira e disque-pizza.

— Hein?

— Geladeira, Evolução. Desde 1856.

— Vá, vá, 150 anos para mim é menos que uma piscadela.

E, infelizmente, ela não nos projetou para correr de predadores indefinidamente. Aos oitenta e muito, noventa e tantos, você deve aceitar a ideia de que precisa de ajuda em seu cotidiano.

2 – Comece com a papelada

Organize seus seguros, suas contas bancárias, escrituras, tudo. Sabemos que muitos acham que isso atrai má sorte, mas fale com um advogado e prepare seu testamento. Isso pode evitar muitas brigas familiares pela frente.

Defina quem você quer que, daqui a duas, três décadas assuma as responsabilidades por suas contas e seja o seu responsável por assuntos médicos. Você pode (e deve) atualizar esses papéis e responsabilidades com frequência durante os anos. Novamente, isso vai evitar discussões e tornar a sua aposentadoria mais tranquila.

3 – Não se prive de nada, mas pense sobre o que você não precisa

Talvez você não precise mais de uma casa tão grande, sem os filhos morando junto, nem de mais de um carro.

Viver com menos, desapegar, é uma forma tanto de conseguir aumentar seu investimento nos anos vindouros ou de conseguir recursos para realizar aquele sonho antigo. Então, faça um exame de consciência, fale com sua pessoa especial, e transformem o que vocês não precisam em recursos para se preparar para o depois – ou para curtir o momento.

Preparando o lado financeiro pré-aposentadoria

1 – Entenda qual é o seu estilo de aposentadoria

É importante escutar a opinião de especialistas, mas, saber como usar tais ensinamentos é ainda mais importante.

Assim como existem vários estilos de investidores, existem vários tipos de aposentados, cada um com suas necessidades de recursos. Estes são alguns dos perfis mais comuns:

  • Desacelerado
    Neste grupo estão as pessoas que continuam a usar seus conhecimentos e experiência depois que se aposentam. Podem virar consultores, ou entrar para associações ou sindicatos da sua profissão. Como elas continuam a trabalhar depois de se aposentar, podem guardar menos recursos para a aposentadoria.

  • Deixe a vida me levar
    Este é o cidadão que espera ansiosamente a sua aposentadoria para fazer… não sabe o quê. Não tem planos, não tem ambições, o que acontecer, aconteceu. Por isso mesmo, precisa de uma aposentadoria muito bem planejada, feita para o inesperado.

  • Rendido
    Ao contrário do aposentado acima, esse tem a ideia fixa de não fazer nada. É o aposentado típico das novelas, que passa o dia todo vendo televisão e brigando com sua esposa/com seu marido. Os rendidos não precisam economizar muito para possíveis viagens ou cursos. Afinal, não vão sair do sofá tão cedo assim!

  • Espectador
    Mantém-se a par do que está acontecendo no mundo, mesmo sem fazer muita coisa a respeito. É grande consumidor de notícias, livros, cinema, teatro e afins. Por isso, precisa ter dinheiro planejado para curtir o lado bom da vida.

  • Buscador
    Este talvez seja aquele que precisa de mais recursos para suas aposentadorias. Ele não sabe o que deseja para seus anos de aposentado, então vai tentando várias coisas, acumulando diferentes experiências. Dinheiro para viagens, cursos, esportes, passatempos, tudo deve ser considerado perto do máximo.

  • Aventureiro
    Esse sabe que vai experimentar coisas novas depois que se aposentar. Pensa em comprar um barco, ficar cinco anos velejando por aí, ou em dar aulas na África, ou… você entendeu! Ao contrário do buscador, o aventureiro sabe quanto dinheiro precisa para bancar seus sonhos ousados.

Tenha em mente que um tipo não é necessariamente melhor ou pior que o outro. São apenas diferentes, assim como existem diferentes tipos de personalidades e de investidores. Descubra o que você quer para sua aposentadoria, e planeje seu pé-de-meia de acordo com os seus sonhos, projetos e planos.

2 – Faça as contas

Quanto ($) você tem, hoje, para parar de trabalhar? Essa é uma conta que precisa ser feita. Sem isso, fica difícil iniciar qualquer planejamento.

3 – Considere aumentar o caixa para sua aposentadoria

Que tal trabalhar por mais um ano e investir qualquer renda extra que aparecer? A mágica dos juros compostos ou do aumento das suas ações pagadoras de dividendo pode fazer toda a diferença em alguns anos. Para auxiliá-lo nesse ponto, assista a nossa aula gratuita Como Incrementar a Sua Aposentadoria de 10 a 60% Dentro dos Próximos 30 Dias.

4 – Tenha em mente que é melhor estar sem dívidas antes de se aposentar

Nos passos acima, você planejou sua aposentadoria para não ter que se preocupar mais. Porém, dívidas podem rapidamente comer uma grande parte de seus ganhos todos os meses. Muitas vezes não é fácil, mas, se for preciso, considere trabalhar um pouco mais para se ver livre de suas obrigações que podem ser, na verdade, uma ameaça a sua vida tranquila.

Se não conseguir pagar tudo, pegue todas as suas contas, veja aquela que você paga mais juros ou é a maior, e pague-a. Renegocie as outras, buscando vantagens com sua instituição financeira. A partir daí, comece a separar um dinheiro para pagar a segunda maior dívida, e a terceira, até se ver livre de compromissos. Não arrisque o resto de sua vida por causa de uma prestação!

5 – Pense em dividir a sua aposentadoria

Quando parar de trabalhar da maneira como trabalha agora, pegue tudo o que você economizou e separe seus rendimentos mensais em três categorias:

  • Cotidiano. Em suma, aqui vai o dinheiro para pagar suas contas, alimentação, remédios. Ou seja, o que você precisa para sobreviver.

  • Curtição. Dinheiro para lazer, viagens, projetos pessoais.

  • Emergência. É isso mesmo, dinheiro para ser usado para trocar um eletrodoméstico com defeito, algum sobressalto médico, ajudar o genro que bateu o carro, entre outros.

Apenas a primeira parte você gastará completamente todos os meses. O resto, você pode reinvestir ou guardar em investimentos separados.

Se você quiser comprar um barco, por exemplo, precisará do equivalente a vários meses de “curtição”. E, quanto às reservas de emergência, vale o que valia enquanto você trabalhava: junte o necessário para pagar as contas do cotidiano por quatro a seis meses, e pare. Isso é o necessário para a maior parte das emergências (diga para o genro que levar a família para Disney não é emergência). A seguir, você pode redistribuir o dinheiro para as duas outras partes.

E se você estiver em cima do laço?

Suponha que você queira se aposentar em poucos anos e tenha poucos recursos investidos em sua aposentadoria. Não precisa se desesperar. Você vai precisar de um plano especial, de tomar medidas únicas, mas ainda pode ter tranquilidade em seus anos vindouros.

Para isso, primeiro, aumente drasticamente o valor que guarda e investe em sua aposentadoria. Além disso, neste cenário também é recomendável fugir de planos de aposentadoria privada.

Ah, e se você pretende se aposentar em pouco tempo, sempre preste atenção na liquidez e nas taxas de imposto de todo investimento. Estes podem atrapalhar seus planos. Busque os investimentos que realmente façam a diferença no que importa – a sua aposentadoria.

Novamente, podemos lhe ajudar nesse aspecto com nossa aula Como Incrementar a Sua Aposentadoria de 10 a 60% Dentro dos Próximos 30 Dias.

O segundo passo é rever os seus planos

Se planeja se aposentar saindo praticamente do zero nos próximos cinco anos, talvez tenha que rever o seu estilo de vida e cortar alguns luxos.

Também considere continuar a trabalhar, pelo menos por meio-período, por algum tempo. Além de ser ótimo para sua saúde mental, uma fonte de renda extra é fundamental nos primeiros anos de aposentadoria.

Então, em vez de pensar em parar de uma vez em cinco anos, pense em desacelerar, mantendo um emprego de meio período, por mais algum tempo. Talvez até em outro setor ou atuando como professor/coach. Você irá explorar outras oportunidades e beneficiará outros com sua experiência e conhecimentos.

Aproveitando o debate, queremos saber: como vão os seus planos para a aposentadoria? Deixe um comentário contando sua história.

3 Motivos Para Investir em Ações em 2018

Se eu pudesse dar um conselho para você que deseja dar um salto na sua vida financeira é:

Invista em ações em 2018.

Simples assim.

Investir em ações é uma forma de transformar uma pequena fração do seu salário em uma grande fortuna.

Existem algumas ações pouco comentadas no mercado e no noticiário que possuem um potencial enorme de valorização para esse ano.

Só no primeiro semestre do ano, algumas ações já dispararam, mesmo com todas as turbulências do mercado:

UNIP6 +193,88%

FHER3 +189,41%

SLCE3 +123,68%

ELPL3 +89,72%

A verdade é que estamos vivendo um momento único na história que pode levar a Bolsa de Valores a uma onda de forte valorização.

Para quem nunca investiu na vida, trata-se de uma grande oportunidade de começar no mundo dos investimentos sem traumas, na porta de saída de uma crise.

E é por isso mesmo que eu quero dar 3 boas razões para você investir em ações em 2018. Confira!

1º Motivo: O cenário econômico está mais favorável

Para muitos, a turbulência do cenário político já se foi e a economia brasileira vai dando os primeiros sinais de retomada.

Depois de 2 anos de uma forte recessão, 2017 foi nosso primeiro ano de crescimento econômico desde 2014.

Um crescimento modesto, claro, de apenas 1%. E ainda que não estejamos crescendo a níveis animadores, ao menos voltamos a crescer.

A inflação está baixa e não dá nenhum sinal de que vá acelerar..

Como há muito desemprego ainda e muitas fábricas estão subutilizadas, os empresários não devem ter pressão para aumentar seus custos ainda por um bom tempo, o que se reflete em inflação baixa por bastante tempo ainda.

Com inflação baixa e a economia precisando retomar o seu ritmo, os juros devem permanecer baixos. A taxa Selic, que é a taxa básica de juros da economia brasileira, está no seu patamar mínimo histórico..

Isso fatalmente fará com que as empresas invistam mais, que haja mais crédito e mais consumo, melhorando o resultados das empresas.

Além disso, ficará pouquíssimo vantajoso para qualquer um investir na Renda Fixa.

2º Motivo: O mercado de ações brasileiro está com preços saudáveis

Algumas pessoas já comentam que a Bolsa brasileira já está cara e que estaríamos diante de uma nova bolha. E eu discordo categoricamente disso. E vou explicar a razão…

De fato, o Ibovespa passou pela sua máxima histórica no início do ano.

Mas o fato é que não estamos diante de uma bolha, ao contrário. Muitas ações hoje estão baratas, isto é, com um preço atrativo para comprar.

ÍNDICE BOVESPA:

Fonte: Guiainvest PRO

ÍNDICE BOVESPA CORRIGIDO PELO IPCA:

Fonte: Guiainvest PRO; Banco Central do Brasil

Para chegar à máxima histórica novamente, o Ibovespa teria de ultrapassar os 110.000 pontos, o que representaria uma alta significativa em relação aos patamares atuais.

Isso é um grande indício de que há muita água para correr ainda.

E o melhor: as empresas que já eram boas tendem a desempenhar ainda melhor.

Pense comigo… o Ibovespa é um índice que reflete o desempenho de mais ou menos 60 ações da bolsa brasileira. Dentre essas há empresas boas, medianas e ruins.

Logo, em uma possível alta do Ibovespa para os 110.000 pontos, investindo em boas empresas você poderá ter uma uma rentabilidade de 40%, 60%, 80%…

Enquanto a renda fixa não vai passar de 7% esse ano.

3º Motivo: É arriscado NÃO investir em ações (atenção!)

Essa afirmação pode parecer estranha, mas é isso mesmo que você leu.

Ainda que investir em ações seja algo que envolve riscos (como tudo na vida), no longo prazo o risco maior é de quem não investe.

Você vai entender…

A renda fixa praticamente não sofre oscilações.

Você compra um título e ele se valoriza a uma velocidade baixa. Mas sempre se valoriza, salvo raríssimas exceções.

Com as ações, não. Algumas ações caem mesmo em meio a uma euforia. Outras sobrem mesmo em meio ao caos.

Mas momentos de euforia e caos acabam. No fim das contas, o que deve ser levado em conta é o quanto uma ação se valoriza ao longo de anos.

Veja esse exemplo prático:

A Alpargatas (ALPA4), empresa que fabrica o nosso clássico chinelo Havaianas, passou os últimos 15 anos entre subidas e descidas como no gráfico abaixo.

Quem investiu R$ 500 nela 2002 e manteve até 2017, ganhou R$ 13.292.

Quem ficou na renda fixa, a curtos passos chegou a R$ 3.464.

Veja, estamos falando de um período em que passamos por duas crises (2008 e 2015/16) e que puxaram muitos preços pra baixo.

Mesmo assim, a ALPA4 teve um ótimo desempenho, com ganhos 3x maior do que a renda fixa.

A razão disso é simples: trata-se de uma empresa muito sólida e com bons fundamentos.

Empresas com essas características tendem a se valorizar no longo prazo, mesmo em meio a oscilações.

Dito isso, a diferença do valor acumulado entre quem investiu na ALPA4 e na renda fixa foi de R$ 9.828.

No longo prazo, você abre mão de ganhar muito dinheiro não investindo em ações. E esse é só uma das diversas ações que tiveram a mesma trajetória.

Veja: não estou dizendo que a renda fixa não tenha utilidade. Mas eu acredito fortemente que qualquer pessoa comum pode se beneficiar do investimento em ações. Basta saber um método inteligente para escolher as melhores ações e surfar essa onda de ganhos.

E esse é realmente meu desejo profundo: que eu ajude o máximo de pessoas a investir em ações em 2018.

Por isso aproveito a oportunidade para divulgar o Workshop da Liberdade Financeira.

Ele vai ocorrer entre 16/07 e 20/07 e vai ter muitos conselhos e muito conteúdo para quem quer começar a investir em ações e para quem já investe e quer dar um próximo passo.

Será um evento online e 100% gratuito, em uma série de 4 vídeos com material inédito, de um jeito que você nunca viu.

No link abaixo você poderá confirmar sua vaga no Workshop da Liberdade Financeira.

[QUERO GARANTIR MINHA VAGA NO WORKSHOP DA LIBERDADE FINANCEIRA]

Garanta agora a sua inscrição e junte-se a uma comunidade que irá buscar um futuro financeiro melhor através do mercado de ações.

Nesse Workshop eu vou mostrar para você tudo o que eu passei na minha vida de investidor ao longo dos últimos 14 anos.

Lá você vai saber exatamente onde eu errei e onde eu acertei, sabendo assim o que você deve fazer se está recém iniciando ou querendo iniciar a sua jornada de investidor, quais caminhos seguir e quais não seguir.

Será uma semana que eu tenho certeza que terá um impacto muito grande na sua vida financeira, foi tudo preparado com muito cuidado por mim e toda a minha equipe.

Por isso, preencha seu cadastro para receber as instruções sobre o evento em primeira mão.

Lembrando que ele será 100% gratuito e online.

[QUERO PARTICIPAR DO WORKSHOP DA LIBERDADE FINANCEIRA]

Espero você lá.

Um abraço,

André Fogaça e Equipe.

Atualizado em 10/07/2018