Ações: como funcionam e como investir

Ações: como funcionam e como investir

Quer investir em ações e não sabe por onde começar? Então esse artigo é para você. Entender como funcionam as ações é o primeiro passo.

À primeira vista, o mercado de ações pode parecer bastante assustador e complicado. Porém, ele é acessível para investidores comuns, como eu e você.

E mais: é uma ótima oportunidade de enriquecer no longo prazo e alcançar a Liberdade Financeira!

Vamos aqui introduzir conceitos básicos para te ajudar a entender um pouco mais sobre essa classe de ativos e te ajudar a mudar de vida.

O que são ações?

As ações representam frações do capital de uma empresa que são negociadas na bolsa de valores e podem ser adquiridas por qualquer investidor.

O investidor que comprar esses papéis, automaticamente se torna sócio da empresa e por isso terá participação nos lucros.

Como não se sabe exatamente qual será o ganho ao final do período de investimento, as ações funcionam como um investimento de renda variável.

No mercado brasileiro existem dois tipos principais de ações: as Preferenciais (PN) e as Ordinárias (ON).

As ações ordinárias dão poder de voto nas assembleias, ou seja, o investido participa das decisões da empresa. Quanto mais ações o investidor tem, maior é seu poder de decisão.

As ações preferenciais, por sua vez, dão preferência aos seus titulares no pagamento de dividendos e no reembolso do capital.

As ações são um investimento de longo prazo, apesar de existirem estratégias para obter ganhos no curto prazo. Porém, estas são arriscadas, devido as oscilações do mercado. Por isso são somente aconselháveis para quem tem um bom conhecimento e experiência.

Os índices de ações

Obter bons rendimentos com ações não é apenas questão de “sorte”. É necessário um pouco de estudo para avaliar se seu preço está bom ou ruim. A partir daí surgiram os índices de ações.

O índice de ações indica o desempenho de um grupo selecionado de ações. Onde seus valores são expressos em pontos e sua variação é medida em percentual.

Os índices podem se diferenciar de acordo com os segmentos da economia ao qual as empresas pertencem. Tais como setor financeiro, industrial, tecnologia, saúde, energia, mineração, consumo, entre outros.

O Índice Ibovespa é o mais popular no Brasil. Ele mede o comportamento das ações mais negociadas, bem como e o desempenho médio das cotações de uma carteira teórica.

Na BM&F Bovespa há também outros índices como o IBrX-50, IBrX-100, o IEE (Índice das Empresas de Energia Elétrica), entre outros.

Como investir em ações

Agora que você já viu como funcionam as ações, precisa saber que existem diferentes maneiras de investir, seja por conta própria, ou contratar um profissional que tomará as decisões por você.

Os Fundo de Ações funcionam como uma carteira de ativos da renda variável, onde os investidores interessados compram cotas desse fundo e recebem parte do rendimento dos ativos que compõem o portfólio.

Existem também os ETFs (Exchange Traded Funds). Que são fundos de ações que buscam replicar a carteira de um índice de referência no mercado.

Como você terceiriza as decisões, estes dois são oferecidos como uma forma mais “simples” de investir na Bolsa de Valores.

Você pode também investir em ações por conta própria, comprando os papéis diretamente via corretora.

Nós do GuiaInvest acreditamos que o investidor que cuida ativamente do seu próprio dinheiro tem uma imensa vantagem sobre os gestores de fundos e gestores de carteiras profissionais.

E, por isso, ensinamos como você pode fazer isso com conhecimento, segurança, para obter bons lucros sem ter que correr riscos.

Ações: como funcionam e como investir

Veja aqui como comprar e vender ações na Bolsa de Valores.

Custos e tributação

Assim como na maioria dos investimentos financeiros, investir em ações tem um custo. Estes envolvem a taxa de custódia e taxa de corretagem, que variam conforme a corretora escolhida, e emolumentos (tarifas) da BM&FBovespa.

No caso dos fundos de investimento também podem ocorrer outras taxas como a taxa de administração e de performance.

Quanto ao Imposto de Renda (IR), as operações acima de R$20.000,00 têm incidência de Imposto de Renda sobre os lucros na alíquota de 15% para operações comuns e de 20% para operações day-trade.

Já, as ações negociadas cujo valor seja igual ou inferior a R$ 20.000,00, mesmo que você tenha tido lucro na operação, você não é tributado.

Veja mais sobre imposto de renda e como declarar ações.

A Bolsa brasileira foi considerada, a melhor Bolsa de Valores do mundo.

Agora que você já sabe como funcionam as ações, não perca mais tempo e descubra como aproveitar essa onda de lucros da Bolsa de Valores.

Pensando nisso, elaboramos uma palestra inédita totalmente online onde o André Fogaça arrisca dizer: Ibovespa a 500 MIL pontos?

Verifique os horários para você ficar rico!

5 Mentiras Sobre o Mercado de Ações

Você já deve ter ouvido muitas mentiras sobre o mercado de ações. É tanta informação desencontrada, promessas de dinheiro fácil, que acabam surgindo dúvidas sobre o que é verdade e o que é mentira sobre a bolsa de valores.

O problema disso tudo é que essas mentiras sobre o mercado de ações ou acabam afastando as pessoas da bolsa, ou fazem as pessoas perderem muito dinheiro por acreditar em alguma delas.

A verdade é que o mercado de ações é um ótimo investimento para você criar renda passiva e alcançar a sua Liberdade Financeira.

Ao contrário do que muita gente pensa, para ganhar dinheiro com ações não precisa se arriscar. Pensando a longo prazo, é possível construir um grande patrimônio, independente do momento da economia.

Veja a verdade por trás das 5 maiores mentiras sobre o mercado de ações.

Mentira 1: Investir em ações é arriscado

“Investir em ações é muito arriscado”. Com certeza você já ouviu essa frase. Na verdade, o grande “risco” das ações é a falta de conhecimento.

Riscos fazem parte de qualquer investimento. No caso da bolsa de valores não é diferente, mas você sabe que riscos são esses?

Risco de liquidez, de mercado, da empresa. Entenda o que é mito e o que é verdade sobre risco e ações.

Todos esses riscos podem ser facilmente contornados se você tiver uma boa estratégia de investimento. Mas o principal risco de investir em ações envolve o próprio investidor.

O mito de que investir em ações é arriscado vem da especulação. A maioria das pessoas que perdem dinheiro quando investem na bolsa investem da maneira ERRADA!

Se você for fazer apenas day trade, focando no curto prazo, é realmente arriscado. Principalmente se você não tiver experiência e conhecimento de mercado.

Agora, quando você foca no longo prazo, uma eventual queda de preço não é motivo para entrar em pânico.

Para investir com segurança no mercado de ações:

  • invista a longo prazo
  • invista em empresas sólidas, capazes de sobreviver à crises
  • diversifique sua carteira
  • reinvista os dividendos

Mentira 2: Investir em ações traz retorno rápido

O segundo mito sobre o mercado de ações é a promessa de retornos altos e rápidos. Quando as pessoas percebem que isso não acontece, acabam se frustrando e muitas vezes vendendo as ações e tendo prejuízo.

É preciso ter consciência de que as ações são investimentos de renda variável e sofrem oscilações decorrentes das mudanças do mercado.

Isso nos leva novamente ao que falamos no tópico anterior. Se fizermos estratégias pensando no longo prazo, veremos que é possível obter altos rendimentos com ações e de forma segura.

Agora, se você focar no curto prazo, fazendo day trade, por exemplo, estará arriscando.

Assim como é possível obter bons lucros com essa estratégia, as perdas também podem ser grandes se você não tiver o perfil nem a experiência necessária.

Investir no mercado de ações pode ser muito lucrativo. É sem dúvida a melhor maneira de alcançar a sua Liberdade Financeira desde que o investidor tenha paciência, saiba escolher boas ações e diversificar a carteira com empresas boas pagadoras de dividendos.

Mentira 3: É preciso muito dinheiro para investir em ações

5-mentiras-mercado-acoes

Uma das mentiras sobre o mercado de ações que afasta muitos possíveis investidores diz que é preciso ser rico para investir na bolsa.

Não é preciso muito dinheiro para investir em ações. Muitos grandes investidores começaram com pouco.

Não existe um valor mínimo para investir em ações. Seja com R$ 100, R$ 200 ou R$ 1.000.

Hoje em dia existem muitas alternativas para quem quer ingressar no mercado acionário e diversificar sua carteira mesmo tendo pouco dinheiro.

Como por exemplo:

  • Mercado Fracionário
  • Fundos de Ações
  • ETFs

Mentira 4: É preciso tempo para acompanhar o mercado todos os dias

A não ser que você faça day trade, não é preciso acompanhar o sobe e desce da bolsa a toda hora.

Até porque, se você escolher ações de boas, nenhuma empresa boa vai piorar da noite para o dia. Se por acaso oscilações ocorrerem, ela terá forças para se reerguer.

Ao usar a estratégia buy and hold você muda seu pensamento para comprar ações de boas empresas e ver seu patrimônio crescer juntamente com o crescimento dessas empresas.

E o melhor, sem precisar acompanhar o mercado a toda hora. Você pode monitorar mensalmente seus investimentos de longo prazo, bem como verificar a situação das empresas a cada 3 meses.

Mentira 5: É preciso muito conhecimento para investir no mercado de ações

Você não precisa ser nenhum especialista para começar a investir em ações.

Logicamente é importante que o investidor esteja informado sobre a economia mundial e sobre as empresas que pretende investir.

Apesar de não existir uma fórmula mágica para ganhar dinheiro, o segredo é fazer uma boa análise das ações e ter em vista o longo prazo.

No primeiro momento, a bolsa de valores pode parecer complicada, porém não é nenhum bicho de sete cabeças.

De fato, você vai aprender a lucrar com ações conforme for estudando, conhecendo o mercado e ganhando experiência.

É claro que o dinheiro não vem sem esforço. Apesar de ser fácil de operar, é preciso um certo conhecimento e dedicação para dominá-las.

Mas não é necessário ser formado em economia ou um expert em finanças para investir e ser bem-sucedido.

E então, preparado para começar? 

 Agora que você já conhece as mentiras sobre o mercado de ações, que tal aprender mais e começar a investir?

Para isso não perca nossa palestra online: Ibovespa a 500 mil pontos?

E descubra a melhor oportunidade dos últimos 10 anos para VOCÊ FICAR RICO investindo em ações no Brasil.

Não dá para perder esta oportunidade de ganhar dinheiro com ações.

Por que devemos investir em ações no Brasil?

Por que investir em ações no Brasil

Com a recuperação econômica e a queda de juros e da inflação, investir em ações no Brasil se torna cada vez mais favorável.

O desempenho da bolsa brasileira cresceu em 2018, alcançando o melhor desempenho entre os principais índices de ações do mundo. Enquanto isso, mercados na China, EUA e Europa desvalorizaram.

Quem investiu na bolsa brasileira no ano passado teve motivos para comemorar. O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, encerrou 2018 com valorização de 15,03%.

Este foi o terceiro ano consecutivo de alta. Em 2017, acumulou ganho de 26,86% e, em 2016, registrou 38,93%, depois de perder 13,31% em 2015.

A Bolsa sempre busca antecipar os movimentos da economia. A alta de 2018 reflete os sinais de recuperação da economia brasileira e foi puxada pelo avanço das ações da Petrobras e dos bancos Itaú e Bradesco.

Se você pensa em investir em ações no Brasil este ano, o otimismo permanece. Muito disso se deve à expectativa de aprovação da reforma da Previdência apoiada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Se entre novembro e dezembro o índice da B3 voltou a renovar sua máxima histórica e chegou perto dos 90 mil pontos, já no início de janeiro encerrou o pregão a 93.625 pontos.

Essa foi a primeira vez que o índice de referência do mercado acionário brasileiro supera os 93 mil pontos!

Diversos fatores podem repercutir no desempenho da Bolsa de Valores. Onde investir em 2019? Quais as tendências de investimento e por que investir em ações no Brasil?

Confira mais sobre isso neste post!

Cenário interno favorável

Por que investir em ações no Brasil? Para responder a essa pergunta, precisamos analisar os motivos que fizeram com que a B3 se destacasse frente à outras bolsas mundiais.

Dentre as perspectivas do mercado financeiro para 2019, existe uma expectativa otimista de recuperação da economia brasileira.

Após dois anos consecutivos de retração, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1%. Há, inclusive, uma projeção de crescimento de 2,57% para o final de 2019.

Durante o período de crise, as empresas reduziram os custos e investimentos. Com a melhora da economia, elas estão preparadas para voltar a crescer, e isso reflete na Bolsa.

Outro fator que contribuiu para puxar o Ibovespa para cima, foi a redução da taxa básica de juros.

A taxa Selic terminou o ano em 6,5% ao ano, sua menor taxa histórica. A previsão é que a taxa de juros suba um pouco em 2019, para cerca de 7%. Mas ainda assim, é uma taxa baixa.

O juro baixo diminui o custo de captação de recursos, o que ajuda ainda mais para melhorar a rentabilidade das empresas.

Somado a isso, o mercado financeiro vive na expectativa da aprovação da aguardada reforma da Previdência no Brasil, bem como a privatização de algumas estatais, prometida durante a campanha eleitoral do presidente eleito.

Cenário externo

Por que investir em ações no Brasil

Não somente o cenário interno favorável que refletiu no desempenho da B3. A alta foi influenciada também pelo cenário externo, que se mostra complicado.

O Brasil segui o fluxo contrário dos outros países nos últimos anos. Enquanto as bolsas dos países estrangeiros subiam, o Brasil estava se recuperando das perdas acumuladas durante os anos de crise.

Agora a situação mudou e investir em ações no Brasil se mostra ainda mais vantajoso.

As bolsas americanas, por exemplo, estão com um desempenho bem abaixo dos anos anteriores. Em 2016 e 2017, o principal índice americano, S&P 500 obteve retorno em torno de 18 a 20%.

Enquanto que em 2018 somente acumulou 3%.

O aumento modesto se explica com o aumento das taxas de juros no país e com a insegurança do investidor devido à guerra comercial dos Estados Unidos com a China.

Isso interfere também nas bolsas asiáticas, resultando na queda de 20% ano da SSE Composite (Bolsa de Xangai) e na desvalorização de 5% ano da bolsa japonesa, o Nikkei 25.

Na Europa, o desempenho das bolsas também não é bom. A maior preocupação está como o Brexit, o processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

Sem um acordo de relações comerciais entre eles, o Banco da Inglaterra projeta uma desvalorização de até 25% da libra esterlina e inflação a 6,5%.

Confira o desempenho dos principais índices em 2018:

– Ibovespa (Brasil): 15%

– S&P 500 (Estados Unidos): 3%

– SSE Composite (China): -20%

– Nikkei 25 (Japão): -5%

– DAX 30 (Alemanha): -13%

– CAC 40 (França): -10%

– FTSE 100 (Inglaterra): -9%

– Merval (Argentina): 0,76%

– Ipsa (Chile): -8%

Investir em ações no Brasil – o momento é agora!

Não perca mais tempo e comece a investir em ações no Brasil agora! As perspectivas para o desempenho da Bolsa em 2019 são ótimas.

Os analistas estão otimistas com a expectativa de retomada do crescimento econômico brasileiro, da realização de reformas estruturais, e da manutenção dos juros baixos.

Tudo isso torna os investimentos em renda fixa ainda menos atraentes. Consequentemente, as oportunidades nos investimentos de renda variável aumentam.

Já imaginou o Ibovespa em 500 mil pontos?

Descubra na nossa nova Masterclass a melhor oportunidade dos últimos 10 anos para VOCÊ FICAR RICO investindo em ações no Brasil. Não perca essa oportunidade de fazer parte da nova geração de milionários até 2022.

Verifique aqui os horários disponíveis.

Como Funciona o Aluguel de Ações?

Como funciona o Aluguel de Ações?

O aluguel de ações é um recurso seguro, intermediado pela Bolsa de Valores. Ele permite emprestar os seus papéis em troca de uma taxa extra.

Para quem disponibiliza as ações, essa é uma forma de aumentar a rentabilidade da carteira. Para quem loca, vê nisso uma oportunidade de investimento.

Já notou como muitas coisas estão sendo alugadas e compartilhadas? Casa, carro, vaga na garagem, brinquedos para festas, bicicleta, cortadores de grama, guarda-sol… O mesmo pode acontecer com ações.

Na operação de aluguel de ações temos o doador e o tomador.

O doador é o proprietário das ações que resolve disponibilizá-las para o aluguel. Já o tomador é quem toma as ações emprestadas mediante a uma garantia e uma taxa prefixada.

O aluguel de ações é semelhante ao processo de qualquer outro aluguel, como um apartamento, por exemplo.

O doador informa à corretora seu interesse de alugar seus papéis, define a quantidade, o prazo do aluguel e a quanto quer receber.

Vantagens do aluguel de ações

Como funciona o Aluguel de Ações?

Para o doador, alugar suas ações significa aumentar a sua rentabilidade.

Como na maioria das vezes o detentor dos ativos tem uma estratégia de longo prazo, ele decide disponibilizar suas ações para rentabilizar (ainda mais) um ativo que estava “parado”.

Pode até parecer uma rentabilidade baixa, mas, além do valor do aluguel, o doador ainda continua recebendo dividendos e tendo seus ativos valorizados conforme os anos passam.

Já o tomador desse empréstimo, muitas vezes são traders experientes que precisam dos ativos para viabilizar algumas operações a curto prazo.

É comum o tomador, logo após receber essas ações, vende-las acreditando na queda do preço e depois recomprá-las a um preço menor para devolvê-las ao doador, obtendo, assim, lucro na operação.

Essa operação é conhecida como venda a descoberto.

Vantagens para o doador

A principal vantagem do aluguel de ações para o doador é o recebimento dos aluguéis. Como ele continua recebendo os dividendos das ações, mesmo com elas alugadas, são duas fontes de renda: dividendos + dinheiro do aluguel.

Essa então pode ser uma boa opção para ter mais rentabilidade e manter a carteira de ações sem ter que vendê-las.

Como a operação de aluguéis de ações é garantida pela CBLC – Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia, a negociação possui baixo risco para o doador.

Não há custos de operação para o doador e a renovação é automática e feita pela taxa de mercado.

Vantagens para o tomador

O aluguel de ações é ideal para investidores que querem operar no curto prazo e apostar na queda das ações para poder lucrar com isso.

Por isso, costuma ser indicado para investidores que aceitem assumir riscos. Uma vez que estes são inerentes a operações de curto prazo na bolsa.

Além da possibilidade de ganhar com a oscilação do mercado, o aluguel de ações possui um custo fixo de 0,25% sobre o volume da operação.

Taxas e custos

É comum os investimentos terem taxas e custos para realizar a operação. No caso do aluguel de ações, tem a vantagem de não ter nenhum custo para o doador.

Já para o tomador das ações, além do valor do aluguel, existe a taxa de registro da BM&F Bovespa que corresponde a 0,25% ao ano sobre o valor total negociado.

Além destes, ainda há a taxa de corretagem que pode variar conforme a corretora.

Aproveite o ótimo momento do da Bolsa de Valores para lucrar muito com Ações! Assista à nossa mais recente palestra gratuita e descubra como lucrar muito neste cenário favorável.

Verifique aqui os horários disponíveis.

Taxa de corretagem: o que é e como funciona? Aprenda já!

taxa de corretagem

Para investir o seu dinheiro e desfrutar o máximo dos lucros obtidos, ficar atento aos custos das transações é imprescindível. Por isso, uma das taxas mais importantes a se observar é a taxa de corretagem.

Hoje, falaremos tudo que você precisa saber sobre os custos das corretoras de valores e como funcionam suas taxas.

Acompanhe a leitura!

O que são as corretoras de valores?

Para poder comprar e vender ações e fazer qualquer outro tipo de investimento da melhor forma, primeiro você precisa de uma corretora de valores.

De uma maneira muito simples para entender, as corretoras são empresas que intermedeiam a compra e venda dos ativos financeiros.

Ou seja, você compra as suas ações, por exemplo, por intermédio delas. Quando quiser vender, também será através da corretora.

Portanto, para poder investir, é necessário que você escolha uma corretora de valores.

Temos um artigo especial, que vai te ajudar a escolher a Melhor Corretora para Investir. Também temos um onde ensinamos a criar uma conta na corretora. Confira!

Esse é um procedimento muito simples e necessário. No entanto, é importante que você saiba o que as corretoras pedem em troca desse serviço. Ou seja, os custos.

Afinal, elas também têm que ganhar, não é mesmo?

Sendo assim, existem alguns custos importantes para você ficar atento, e entre eles, a taxa de corretagem. Então vamos entender um pouco mais sobre ela.

Taxa de corretagem. O que é?

Aprenda tudo sobre taxa de corretagem

Imagine que você esteja procurando um imóvel para comprar.

Você tem o dinheiro em mãos, mas não tem tempo disponível para procurar a melhor oferta e nem entendimento de mercado para poder lidar com os donos de imóveis que lhe interessam.

O que você pode fazer, nesse caso? Procurar uma imobiliária e acionar os serviços de um corretor de imóveis, certo?

Sendo assim, será ele que irá intermediar a transação de compra da casa que você irá adquirir. Em troca disso, você paga a ele um valor que é relativo à sua comissão.

É assim que geralmente funcionam as taxas de corretagem.

Você abre sua conta em uma corretora de valores, faz a compra através da home broker e a empresa cobra uma porcentagem por essa transação.

Essa é a taxa de corretagem.

Tipos de corretagem

Essa é a parte onde a corretagem das home brokers se diferencia de uma imobiliária. Veja bem: na imobiliária, você irá deduzir um valor fixo sobre o custo no negócio.

Já na corretora, esse valor pode ser cobrado ou de forma fixa, ou como um percentual sobre o volume das operações.

Entenda melhor como funciona cada uma das taxas.

Corretagem fixa

Essa é a taxa de corretagem mais comum que vemos entre as corretoras brasileiras. Onde o valor de cobrança é fixo sobre as operações.

Portanto, independentemente de qual será o montante aplicado na operação, o valor de corretagem é o mesmo.

Não importa se você realizar uma operação de R$ 1.000 ou R$ 100.000, o custo da corretagem será X em ambas.

Corretagem variável

Já neste cenário, o valor da corretagem pode mudar.

Neste caso um percentual é cobrado sobre cada operação em separado, levando em consideração o volume da mesma.

Usando o mesmo exemplo dado acima, a operação de R$ 1.000 terá uma taxa de corretagem bastante diferente da operação de R$ 100.000.

O valor desse percentual é sugerido a partir de uma tabela disponibilizada pela Bolsa de Valores. Normalmente, esse valor gira em torno de 0,5%.

Corretagem gratuita

Claro que, se tratando de uma empresa de confiança, quanto mais barato for o custo, melhor.

Neste sentido é válido lembrar que hoje em dia, algumas corretoras já estão com taxas totalmente gratuitas para alguns investimentos, ou para todos como é o caso da Clear.

Dessa forma, a empresa recebe sua comissão de outras formas.

Qual tipo de corretagem é mais vantajoso?

Isso depende de você.

A vantagem da corretagem fixa, é que você tem total noção de quanto irá desembolsar para a corretora, a fim de pagar sua taxa. A desvantagem é que o valor pode se tornar oneroso demais, dependendo do valor da operação.

Já a vantagem da corretagem variável, é justamente a variação de valor, de acordo com a aplicação. Sua desvantagem é a óbvia, de que o custo pode se tornar muito alto.

No entanto, se você deseja aproveitar o potencial máximo do seu dinheiro, opte sempre pela opção mais barata desde que seja de confiança.

Nunca esqueça: ao escolher a sua corretora de valores, verifique quais são as taxas de corretagem cobradas antes mesmo de abrir a sua conta.

Todas as corretoras cobram o mesmo valor?

Não. Por isso, é importante que você analise suas opções, a fim de determinar qual mais te agrada. Além disso, os valores podem ser diferenciados de acordo com o tipo de operação que realizará.

Por exemplo, há corretoras que cobram uma taxa X para ações mas não cobram para fundos imobiliários, outras cobram taxa 0 em todos investimentos.

Uma pesquisa é sempre a melhor coisa a fazer quando não temos certeza de onde escolher.

Tomei a minha decisão!

Ótimo! Se você já entendeu como funciona uma das principais taxas na hora de investir, o que está esperando para aprofundar seus conhecimentos e começar a lucrar neste mercado valioso?

Se ainda tiver alguma dúvida sobre como deve prosseguir, assista a nossa mais recente palestra online!

Nela o André ensina os 7 sinais que apontam a melhor oportunidade dos últimos 10 anos para VOCÊ FICAR RICO investindo em ações e a única coisa que você precisa fazer AGORA para não perder esta oportunidade.

Confira os horários disponíveis.

Pessoas inteligentes não ganham dinheiro com ações

bovespa-alta-recorde

Calma…

O título deste e-mail não quer dizer que eu enlouqueci…

Peço que você acompanhe meu pensamento e me diga se isso faz sentido para você também.

Esses dias me deparei com um texto que explicava a diferença entre inteligência e sabedoria.

De acordo com o autor, inteligência é estudar sobre algo e conseguir aplicar este conhecimento na prática.

Você provavelmente tem em sua memória as noites que ficou estudando para provas…Como o vestibular por exemplo.

Vocês estudou, aplicou aquele conhecimento adquirido e pronto.

Já sabedoria é a habilidade de aprender com situações e estar atento aos acontecimentos presentes.

Sabedoria pode ser interpretada como uma espécie de sinônimo de experiência.

Pois bem, isso faz sentido para você?

Pensando nessas definições aplicadas ao nosso contexto, me dei conta do seguinte…

Pessoas inteligentes não ganham dinheiro com ações, pessoas com sabedoria sim.

Vou explicar…

Uma pessoa sábia é capaz de identificar sinais que apontam para grandes oportunidades de ganho.

Como o nosso contexto atual…

Terra Economia

G1 Economia Ibovespa

Ibovespa Recorde Valor Econômico

Diante deste cenário um investidor sábio fica atento para a janela de grandes oportunidades que está se abrindo dentro da Bolsa brasileira.

Não adianta você ter todo o conhecimento do mundo sobre ações e não ter a sabedoria necessária para identificar os superciclos de valorização.

Mas sei que se você acompanha nossos conteúdos você é uma pessoa que está atenta ao momento em que estamos vivendo.

Por isso tenho um presente…

Nesta palestra inédita o André revela 7 sinais que indicam que o Ibovespa irá bater os 500 mil pontos.

Parece difícil de acreditar?

Você tem razão… e sugiro que você duvide desta promessa e assista o que o André tem a dizer para tirar suas próprias conclusões.

Palestra Inédita e Gratuita | Ibovespa 500 mil pontos?

Depois, me conta o que achou.

Bom, por hoje era isso.

Até a próxima!

Manu

A FNAM11 causou o meu divórcio… LREN3 meu segundo casamento

Eu abri meu coração no último e-mail da série “Recado do Economista”… expus a dor de perder algo tão valioso. Sim pessoal… perder dinheiro é muito doloroso 😉

Dizem que ao superar um obstáculo, o ser humano “retorna” diferente!

Fato! Após a traumática separação… do meu dinheiro, eu realmente aprendi a investir de maneira correta.

Busquei empresas sólidas para investir, direcionei meu foco em busca de segurança e tranquilidade (como um casamento saudável).

Em 2011 me esbarrei com as ações da LREN3 (lojas Renner) e com a minha mais nova futura esposa.

Desta vez analisei muito os fundamentos… da empresa e da futura esposa 😉

Ambas apresentaram um grande potencial futuro.

Martelo batido, compra feita e casamento marcado!

2019 e a certeza de boas escolhas!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lojas Renner acumulam quase 500% de alta desde a compra!

E meu casamento? Vai muito bem… primeiro filho programado para este ano 😉

Se você quiser, eu posso te ajudar a alcançar esse tipo de resultado. Me refiro as ações é claro!

Assista essa palestra e tenha a certeza que o que aconteceu no meu passado, poderá acontecer no seu futuro!

Eduardo Voglino

Investimentos pro futuro: como ter maior segurança?

Investimentos pro futuro: como ter maior segurança?

Na presença de um novo cenário econômico, é normal que você se sinta mais apto a dar um salto na diversificação de alocação do dinheiro. Diante disso, seria possível ter mais segurança em relação aos investimentos pro futuro?

Gerar patrimônio para desfrutar de uma aposentadoria tranquila, poder viajar e passar mais tempo com a família é o conceito da Liberdade Financeira.

Mesclar o uso de recursos é o que grandes aplicadores buscam para potencializar a rentabilidade — já que é a partir dela que se torna possível vislumbrar um futuro mais seguro e tranquilo.

Neste artigo, você entenderá como investir de forma segura, bem como conferir exemplos de investimentos, saber como estabelecer objetivos e, por fim, como se destacar na bolsa de valores.

Portanto, se você tem o objetivo de viver de renda e garantir o futuro econômico pessoal, continue a leitura!

Como fazer investimentos pro futuro de forma segura?

De forma simples, a melhor maneira para realizar isso é sempre buscar o conhecimento por meio de livros, vídeos e ferramentas que te aproximem de outros casos de sucesso.

Antes de partir para a prática, é preciso se preparar corretamente, entender o montante e acumular um valor seguro em sua reserva de emergência.

Confira abaixo alguns passos recomendados e fundamentais!

Estabeleça um planejamento com propósitos

O ponto de partida para se sobressair é olhar para si mesmo e definir qual objetivo você pretende conquistar.

Estabeleça o destino dessa aplicação, seja a sua reserva de emergência, conquistar a liberdade financeira, comprar uma casa ou ter uma aposentadoria. Isso é fundamental para estimular a acumulação de patrimônio.

Para começar uma diversificação, é importante manter uma boa organização financeira. A disciplina e elaboração auxiliam todo o processo.

Especialistas na área recomendam estabelecer alguns objetivos principais e dividi-los em períodos de curto, médio e longo prazo.

Descubra o seu perfil pessoal para investimentos

Entender a aversão de risco é algo necessário para saber como você vai lidar com perdas, o que ajuda a liquidar uma série de erros cometidos em investimentos.

Você já conhece o seu perfil de investidor? Para isso, responda às perguntas: você prefere risco ou rentabilidade? Até que nível você se arriscaria? Qual seu nível de ambição?

Sabendo isso, perfeito: nada melhor do que conhecer a si próprio para saber escolher os investimentos que mais se adequam. Entretanto, é comum essa característica mudar em um determinado período no decorrer da vida.

Você pode criar mais aversão a riscos ou estar mais disposto a enfrentá-los de acordo com o conhecimento e aprendizado que se adquire. Por exemplo, você pode ser conservador até que crie uma boa reserva de emergência.

E tendo essa reserva criada, pode começar a experimentar investimentos mais arriscados pela sua rentabilidade (uma vez que parte do seu patrimônio está guardado em investimentos seguros).

Existem três categorias de perfis estabelecidos como os mais recorrentes: o conservador, que costuma dar muito mais importância a segurança; o moderado, que é o centro entre os dois perfis; e o arrojado, que tem mais tolerância ao risco.

Separe uma reserva emergencial para evitar contratempos

Esse é um passo importante para você tomar, pois tem o intuito de esquivar-se de imprevistos. É a famosa reserva de emergência, que já comentamos acima.

Com isso posto em prática, é possível pagar despesas emergenciais que ocorrem de forma inesperada sem interferir nos investimentos. Exemplos disso é um pneu furado, computador estragado, ou até mesmo um problema de saúde  que pode vir a desajustar o seu orçamento.

O conceito é fundamental para elevar as hipóteses de um dia usufruir de uma rentabilidade mais alta com segurança. Além disso, a reserva garante mais tranquilidade para lidar com as adversidades enquanto mantém seu capital trabalhando de forma contínua.

A aposentadoria, por exemplo, é um investimento de longo prazo e, para construir o patrimônio que será usado no futuro, ter uma reserva emergencial é primordial para começar.

Esse é o primeiro passo para ter seguridade sem ter que gastar o dinheiro já investido. E tendo isso, você pode partir para investimentos infinitamente mais rentáveis para a sua Liberdade Financeira e aposentadoria.

Como montar uma carteira de investimentos pro futuro?

Os pilares essenciais para montar uma carteira de sucesso está em focar nos seus objetivos e na diversificação. Em seguida vem a escolha do produto, a rentabilidade, riscos e como está o comportamento do cenário econômico.

Não é preciso dispor de muitos recursos para começar a estruturar uma carteira.

A diversificação das aplicações é o ponto certeiro para ter um bom desempenho e diminuir a volatilidade do mercado. Conheça algumas medidas seguras:

  • reserva de emergência com alta liquidez e baixo risco;
  • investimentos de curto, médio e longo prazo;
  • adequação das aplicações aos objetivos estabelecidos;
  • manutenção das aplicações de acordo com o cenário.

O objetivo de um portfólio bem feito é justamente ter resultados positivos mesmo com a economia em baixa.

Deixar seu capital investido em apenas uma determinada aplicabilidade, seja ela renda variável, fixa ou poupança, é a receita para o desastre. Por isso, construir uma carteira sólida e independente do montante disponível é essencial.

Quais os investimentos pro futuro que podem ajudar a atingir a liberdade financeira?

Quando você entende o seu perfil, como montar uma carteira e os passos que vão garantir uma melhor rentabilidade, chega o momento de conhecer os produtos disponíveis para alocar o capital de forma inteligente. Veja!

Tesouro Direto

Por ser o mais seguro do mercado, é tido como o ponto de partida de todo investimento. Emitidos pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN), esses títulos públicos são contratos em que você empresta dinheiro ao governo federal e recebe com juros do período.

Os principais títulos públicos emitidos são:

  • o Tesouro Selic, com oscilação de acordo com a taxa básica de juros da economia brasileira;
  • o Tesouro Prefixado, que propicia uma taxa fixada sendo possível calcular o resultado do investimento;
  • e o Tesouro IPCA+, com taxa oscilando de acordo com o índice de preços ao consumidor.

Certificado de depósito bancário (CDB)

Essa aplicação financeira funciona de forma parecida com o Tesouro Direto, mas, em vez de ser oferecido pelo setor governamental, é cedido por financeiras privadas.

A taxa do CDB é, em sua maioria, pós-fixada, usando como base o indicador de certificado de depósito interbancário (CDI). Para chegar a esse valor, os bancos calculam a média das negociações que ocorreram ao longo do dia.

Mercado de ações

O investimento em ações, quando feito com segurança, é o que apresenta maior oportunidade de aumentar o capital. Nessa modalidade, você comprará frações de uma empresa (ações) das listadas na bolsa de valores brasileira.

Por conta da grande volatilidade dos mercados e de acordo com o gerenciamento de cada companhia, o desempenho pode variar bastante.

A análise fundamentalista, que busca rentabilidade futura de acordo com o desempenho anterior da empresa, é um mecanismo para comprar ações de forma segura.

Como ter investimentos pro futuro na bolsa de valores?

Obter um bom desempenho na bolsa de valores é viável se a empresa apresentar um balanço consistente ao longo dos anos.

Para identificar isso, é preciso entender que existem dois tipos de ações: as preferenciais (PN) e as ordinárias (ON). As PNs não dão direito a voto dentro da empresa, mas têm preferência no recebimento de dividendos, enquanto as ONs oferecem esse benefício no conselho da instituição e têm menos preferência.

Investir em ações é a melhor maneira de aumentar o seu patrimônio no longo prazo, com segurança e agilidade.

Se você deseja aprender como aproveitar o ótimo momento brasileiro para investir em ações, participe da nossa mais recente palestra online, onde o André Fogaça explica 7 indícios de que uma incrível onda de valorização da Bolsa está se aproximando.

Além disso, ele mostra o passo a passo de como você pode aproveitar para lucrar com ela. Confira os horários disponíveis, a palestra é totalmente gratuita.

Bolsa de Valores brasileira é a melhor do mundo!

bolsa de valores brasileira

Temos uma excelente notícia para você, investidor: a Bolsa de Valores brasileira foi considerada a de melhor desempenho do mundo!

Segundo a revista Forbes, uma das mais importantes editoras de economia e finanças, a Ibovespa se mostrou espetacular no início deste ano.

O principal motivo para esse bom resultado foi a eleição do presidente Bolsonaro, pois suas propostas políticas e econômicas são vantajosas aos olhos do mercado estrangeiro.

Por isso, o primeiro resultado de 2019 já está marcado pelo bom desempenho da Bolsa de Valores, liderando na frente de grandes Bolsas mundiais.

Quer saber como isso influencia o nosso país? Então, continue a leitura!

 O que é a Bolsa de Valores?

Para compreendermos quão impactante é essa notícia, é preciso definir, com exatidão, o que é uma Bolsa de Valores e qual a sua relação com a economia.

Portanto, entenda bem: Bolsa de Valores é o mercado onde estão situados diversos tipos de investimentos, entre eles, as ações de empresas de capital aberto.

É lá que são feitas as negociações de compra e venda dessas cotas. Também é na Bolsa de Valores que você confere as variações de preço de cada ação.

Leia este artigo para entender como comprar e vender ações

Ter uma Bolsa de Valores com boa visibilidade mundial é, acima de tudo, uma maneira de demonstrar que o país poderá estar se encaminhando para uma economia estável.

Além disso, aumenta a chance de investidores externos se interessarem no mercado brasileiro.

Sendo assim, a notícia de que a Ibovespa é a melhor Bolsa de Valores do mundo, mesmo no início do ano de 2019, impacta diretamente no desenvolvimento econômico do nosso país.

Ou pelo menos, renova as esperanças de um futuro economicamente melhor.

Neste artigo nós explicamos detalhadamente como funciona a Bolsa de Valores brasileira.

O que influenciou para o sucesso da nossa Bolsa?

As influências para o sucesso da Bolsa de Valores brasileira

Podemos considerar que o principal item tenha sido a eleição do presidente Jair Bolsonaro. Isso porque as suas propostas são conservadoras o que, para o mercado mundial, é algo que determina estabilidade.

Desde a campanha do presidente eleito, enquanto candidato, a Ibovespa já oscilava positivamente.

Isso significa que, desde antes de sua efetivação como o líder político do Brasil, os investidores estrangeiros já vinham apostando na modificação da economia do Brasil.

O resultado é este que estamos vendo:

melhor bolsa do mundo

Mas é claro que outros fatores contribuíram, como a valorização dos produtos de exportação, que veremos logo mais abaixo.

E o cenário propõe a possibilidade desta valorização estar só no começo.

A mérito de comparação, vamos comparar os dados referentes ao bom momento da Bolsa de Valores brasileira, com outros índices de países muito mais desenvolvidos:

  • Ibovespa: valorização acumulada de 4,23%;
  • S&P: valorização acumulada de 2,91%;
  • Dow Jones: valorização acumulada de 2,25%.

O que muda para o Brasil?

Em termos bastante simples e fazendo uma analogia muito simpática, o Brasil passa a ser olhado com melhores olhos pelos investidores externos.

Afinal, se a Bolsa de Valores brasileira foi considerada a mais rentável nesse início de ano, é porque a economia do país está a poucos passos de começar a melhorar.

Esse cenário não é estático

Mesmo que o primeiro cenário do ano seja simpático à economia brasileira, precisamos considerar que ele não é estático.

Afinal, do mesmo modo que as prováveis reformas políticas impactaram positivamente a Ibovespa, essas mesmas nuances poderão gerar um mau desempenho.

Precisamos ficar atentos ao governo atual, pois a cada pronunciamento algo se refletirá na Bolsa de Valores.

No entanto, a previsão é positiva.

O mercado mundial, bem como os investidores estrangeiros, estão favoráveis às modificações políticas. Desse modo, o interesse externo torna-se um excelente impulsionador.

Sabendo que a economia mundial reagiu positivamente às suas propostas, torna-se natural que o presidente Bolsonaro faça de tudo para transformá-las em realidade.

As influências externas

Outro motivo que levou a nossa Bolsa ao topo do cenário mundial, é a valorização dos produtos vendidos através da exportação.

Atualmente, o Brasil arrecada parte de sua renda através da venda de produtos primários ao comércio exterior. Entre os nossos principais parceiros de negócios está a China.

No entanto, a China vem sofrendo uma desaceleração de sua economia. Logo, eles estão mais seletivos na compra de produtos estrangeiros.

Com a diminuição da venda dos produtos nacionais para o mercado chinês, automaticamente a nossa economia se desestabiliza.

Além disso, também precisamos considerar as empresas que atuam diretamente no mercado de ações, negociando cotas de corporações voltadas ao comércio exterior.

Portanto, essa demanda diminuída também pode influenciar em nossa colocação frente às outras Bolsas de Valores.

Boas projeções para 2019

O ano que acaba de se iniciar vem com projeções positivas a respeito do crescimento econômico brasileiro.

Independentemente das questões voláteis sobre a política, é inegável que a proposta de conservadora de Bolsonaro é vista com bons olhos pela economia mundial.

Além disso, as modificações nas gestões das estatais, como a Petrobrás, também estimulam o investimento externo no nosso país.

Sendo assim, a previsão é de crescimento. E torceremos para que isso aconteça!

Prevê-se que o PIB brasileiro possa crescer até 2,4% só neste ano. Em comparação com o ano passado, que apresentou um crescimento de 1,3%, esse é um cenário bastante favorável.

Por isso, essa é a hora ideal de iniciar os seus investimentos.

Aproveite a boa fase da economia brasileira e, literalmente, ganhe dinheiro com isso. Para saber como investir com segurança neste momento de valorização da Bolsa de Valores, assista à nossa mais recente palestra gratuita.

Nela o André Fogaça comenta sobre a possibilidade do Ibovespa atingir os 500 mil pontos, e como você pode aproveitar esse momento.

5 sinais para você lucrar este ano com a alta da Bolsa

alta da bolsa

Não é de hoje que vemos por aí manchetes comentando sobre a grande alta da Bolsa de Valores brasileira que vem acontecendo nos últimos meses.

Também não é de hoje que depois da tempestade, vem a conhecida bonança.

Depois de uma crise financeira, o país normalmente passa por um período de verdadeira expansão da economia

Foi assim, por exemplo, depois da crise de 2002, quando a bolsa saiu de 10 mil para chegar aos 73 mil pontos em 2008.

Durante aqueles anos, alguns investidores lucraram como nunca pois houve empresas em que o preço das ações se multiplicaram inúmeras vezes.

Já imaginou quanto dinheiro fizeram os que previram a alta da Bolsa à época? Rentabilidades astronômicas de 1.500, 2.000 e 3.000%!

Foi naquela época que notou-se alguns indícios capazes de identificar uma grande alta da Bolsa, e esses indícios podem ser observados também no momento atual.

De certo, estamos vivendo uma era propícia para quem deseja começar a investir em ações ou até mesmo já investe há certo tempo, pois as oportunidades de valorização das ações nunca estiveram tão eminentes.

É muito provável que essa alta esteja recém no começo… Ou seja, se você conseguir aproveitar agora, pode ser uma grande virada para a sua vida financeira.

Como foi para aqueles investidores que lucraram com a alta da Bolsa em 2008.

Mas eu te pergunto… Como identificar a chegada dessa valorização da Bolsa e ainda aproveitar as oportunidades que ela oferece?

Neste artigo eu vou mostrar para você os 5 sinais que evidenciam a grande alta da Bolsa e o melhor jeito para você lucrar com ela. Confira!

Os 5 sinais de uma alta da Bolsa

1º Promessa de grandes reformas estruturais no país

O novo governo já sinalizou uma série de projetos importantes que irão beneficiar diretamente a economia brasileira.

Existe uma forte probabilidade de acontecer grandes reformas estruturais ao longo de 2019 que serão importantes para a mudança de rumo nas finanças do país.

A principal delas se refere a tão aguardada reforma da previdência.

Basta isto ocorrer para os investidores ficarem confiantes de que haverá uma “reestruturação” das contas públicas de forma eficiente, possibilitando uma retomada de previsibilidade de lucros para as empresas.

Segundo fontes do próprio governo, as reformas irão gerar uma economia na faixa de R$ 1 trilhão de reais para os próximos 10 anos, o que é muito acima das previstas nos projetos do governo Temer, que eram de R$ 689 Bilhões.

Essa reforma vai gerar condições financeiras para estimular novamente a economia, devido ao comportamento favorável do risco-país, do câmbio, dos juros futuros e também do mercado acionário.

Dessa forma a confiança de empresários e consumidores seguirá em recuperação, indicando um quadro favorável para o investimento e para o consumo das famílias.

Em outras palavras, teremos a possibilidade de um ciclo virtuoso de crescimento.

2º Economia dos EUA no pico histórico

Analisando dados históricos é possível perceber que quando a economia dos EUA está próxima do seu pico, é o início de um movimento de queda.

Em contrapartida, a economia brasileira começa a se recuperar. Talvez você esteja se perguntando por que isso acontece…

É o seguinte: o EUA possui a considerada maior e mais sólida economia do mundo.

Quando existe estabilidade por lá, os investidores acabam se sentindo atraído para este porto seguro, atrás de retornos não tão atrativos, já que a taxa de juros americana é historicamente baixa.

Para você ter uma ideia, taxa de juros lá hoje está no intervalo de 2% e 2,25% (enquanto a nossa SELIC, 6,5%).

Contudo, quando a economia americana começa a demonstrar fraquezas e pouca previsibilidade da parte política, os investidores buscam alocar o capital em uma relação risco x retorno mais interessante.

Basta observar o exato momento em que começamos a superar o desempenho americano em relação a performance dos índices de mercado.

3º A relação P/L da bolsa brasileira está próxima da mínima

Como foi comentado antes, a expectativa sobre o novo governo e suas possíveis reformas elevaram o otimismo dos investidores.

O mercado está de olho no noticiário político, aguardando ansiosamente o destravamento da pauta das reformas.

E apesar da alta apresentada neste início de ano, a bolsa brasileira está longe de reduzir sua atratividade e seu potencial.

Ou seja, estamos recém no começo desta grande alta da Bolsa.

O indicador P/L (preço/lucro) máximo histórico das ações que compõe o índice bovespa, já chegou a 14,5 e atualmente estamos em 10,8, muito próximo da mínima histórica.

Na prática isto nos diz que as empresas estão baratas em relação ao lucro que elas geram e existe muito potencial de elevações nos preços das ações.

4º Preço das commodities descasado com o valor das empresas

O preço das commodities é regido pelo livre mercado, obedecendo a lei da oferta e procura e a política monetária mundial.

Se a gente comparar os níveis dos preços das commodities frente ao valor das empresas do S&P500, por exemplo, a gente pode perceber que elas estão muito abaixo.

Houve um nítido descasamento. As empresas cresceram e as commodities não acompanharam.

E o que isso significa na prática?

Significa que a demanda por commodities tenderá a aumentar significativamente para se ajustar aos investimentos das empresas.

Lembrando que as empresas americanas cresceram muito nesses últimos anos, e lucrando mais, elas farão investimentos para continuar crescendo. E isso representa comprar commodities.

E o que isso pode influenciar a bolsa brasileira?

Simples: a questão é que as commodities possuem uma forte influência na economia brasileira, já que o Brasil é dos maiores exportadores de produtores agrícolas do mundo.

Para você ter uma ideia, elas representam mais de 60% das exportações.

Na prática, o aumento da demanda por commodities gera um aumento de preços, por sua vez as empresas produtoras de commodities aumentam seus lucros.

Ou seja, é mais dinheiro entrando no Brasil, o que favorece toda economia, e por consequência, as empresas que estão na nossa bolsa.

5º Os fundos de investimentos irão investir mais em bolsa

Historicamente, alocação média dos fundos de investimentos na bolsa de valores é de 13%, e atualmente estamos em 9%. Em outras palavras, na média, os fundos de investimentos brasileiros estão investindo pouco em ações. Estão abaixo da média histórica.

Quando os fundos começarem a se posicionar mais firmemente em Bolsa, isso pode ser refletido em expressivos movimentos de alta no Ibovespa.

Veja que a alocação tem subido timidamente desde 2015, ano em que a Taxa Selic superou os 14%. Portanto, imagine para onde pode ir a Bolsa quando a alocação dos fundos retomar os níveis de 2007 que foi de 21,7%!

Por isso, para ganhar com esse movimento é preciso estar posicionado. É preciso estar investido em ações. Especialmente ações de boas empresas, para evitar correr o risco de ver seu dinheiro diminuir.

A conclusão é elementar: os fundos tenderão a aumentar esta parcela em ações. Isso significa um aumento em 44% do que está hoje.

De 9 para 13 pontos percentuais. Logo, se prepare para ver uma “enxurrada” de dinheiro entrando na bolsa brasileira já nos nos próximos meses.

Mas como aproveitar este momento?

Como você já viu, estamos recém no começo de um período de grande alta na Bolsa de Valores brasileira. E eu comentei com você apenas 5 dos sinais que evidenciam este provável acontecimento.

Assim como qualquer outra coisa, é importante você ter cautela e investir com segurança e mais assertividade, e por isso todo o conhecimento é importante.

Para isso, convido você a assistir a mais recente palestra online do André Fogaça, onde ele apresenta a você não só as 5, como TODAS as evidências para você identificar uma grande alta da Bolsa

Além disso, ele traz uma super vantagem para que você possa aproveitar este momento investindo com muito mais segurança.

Não perca, os horários estão disponíveis aqui.

A palestra é totalmente online e gratuita. Assista agora mesmo!