Qual a rentabilidade das ações?

[rock-convert-pdf id=”9692″]

A rentabilidade das ações é variável e depende diversos fatores. Há diferentes formas de ganhar dinheiro com ações que vão muito além da diferença entre o preço na compra e na venda. Temos ainda os dividendos, juros sobre capital próprio, bonificação, entre outros.

Saber quanto rende as ações e aprender a calcular a rentabilidade dos investimentos é fundamental ter o controle do seu patrimônio.

O Ibovespa é o principal índice da Bolsa de Valores brasileira e ajuda bastante na hora acompanhar a rentabilidade média das ações.

Para muitos brasileiros a Bolsa ainda é vista como algo muito difícil e fora da sua realidade. Isso acontece porque muitos ainda acreditam nos mitos sobre investimentos e somente 1% da população investe em ações. Temos muito o que evoluir na parte da Educação Financeira.

Se os brasileiros soubessem da rentabilidade das ações e as possibilidades de ganhos que são proporcionadas, com certeza o número de investidores seria muito maior.

Investir no mercado de capitais pode ser muito vantajoso e o cenário em 2019 promete ser o melhor momento para investir em ações.

Rentabilidade das ações nos últimos anos

O desempenho da bolsa brasileira em 2018 foi o melhor entre os principais índices de ações do mundo.

Com o terceiro ano consecutivo de alta, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, encerrou 2018 com valorização de 15,03%.

O índice se recuperou depois de seis anos de péssimos resultados, registrando ganhos de 38,9% em 2016 e 26,86% ao longo de 2017.

No de 2018, mesmo diante de um cenário interno apreensivo com as eleições e com o cenário externo turbulento, o Ibovespa entregou um rendimento de 15,03% acumulado no período. Sendo que metade dos papéis que fazem parte dessa carteira teórica encerram com valorização superior a isso.

O ano de 2018 foi marcado por muita volatilidade na rentabilidade das ações. Em janeiro de 2018 a Bolsa subiu 10%, depois teve uma queda de quase 20%, mas fechou o ano em alta e se consolidou como o investimento mais rentável do ano.

As perspectivas para o desempenho da Bolsa em 2019 continuam favoráveis.

Os analistas estão otimistas com a expectativa de retomada do crescimento econômico, consolidação das reformas estruturais, privatizações e a manutenção dos juros baixos. Isso cria um ambiente favorável para novos investimentos e altos retornos.

Média histórica da Bolsa de Valores

O principal indicador do mercado acionário brasileiro, o índice Ibovespa, foi criado em 1968. Durante seus 51 anos de história, ele demonstra um pouco da história do mercado e da economia brasileira.

Ao analisar os dados ajustados pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), podemos verificar 4 grandes ciclos de valorização e rentabilidade das ações. Bem como o pico do dia 20 de maio de 2008, quando o Ibovespa alcançou 124.269 pontos.

O 1º grande ciclo

O primeiro ciclo da bolsa brasileira aconteceu no período de maio de 1965 a junho de 1971, período que ficou conhecido como o Milagre Econômico Brasileiro.

Nessa época o país crescia fortemente atingindo PIB na casa dos 2 dígitos. Em 6 anos bolsa saiu de aproximadamente 45 pontos e chegou a 1364 pontos, alta de 2.931%.

Porém, em 1971 o mercado acionário sofreu uma queda, na qual só viria a se recuperar décadas depois.

O 2º grande ciclo

O segundo ciclo da bolsa aconteceu de agosto de 1983 e foi até abril de 1986. Durante esses 3 anos, a rentabilidade foi de 1.573%, saindo de 246 pontos para 4.108 pontos.

O 3º grande ciclo

O terceiro grande ciclo aconteceu de janeiro de 1991 a julho de 1997. E teve duração de 6 anos com alta de 3.415%.

Esse foi o ciclo mais intenso até hoje e foi impulsionado pela abertura econômica e as perspectivas sobre o plano real.

Nesse período, a Bolsa saiu de aproximadamente 370 pontos e chegou a 13.000 pontos.

O 4º grande ciclo

O quarto ciclo da bolsa teve duração de 5 anos, de outubro de 2002 a maio de 2008.

Nesse período a bolsa saiu de 2.081 pontos e foi até 44.760 pontos em dólares. Uma alta de 2.051%.

 

Depois disso, teve o pico de euforia em 2008 seguido de seis anos de perdas (de 2010 até 2015) . Seguida pela retomada nos últimos 3 anos registrando uma valorização real (acima da inflação).

Estamos em um momento de valorização da Bolsa Brasileira, com possibilidade do Ibovespa atingir os 500 mil pontos. Será esse o 5º grande ciclo?

Como você pode aproveitar esse momento? Escolhendo as ações que pagam os dividendos mais “gordos” do mercado.

Assista nossa Masterclass e conheça os segredos por trás do GI Stock Guide, e descubra como é possível receber R$ 2.154 por mês de dividendos.

É Possível Ficar Rico com Pouco Dinheiro?

Você pode ficar rico com pouco dinheiro. Mesmo que você não faça parte da pequena e privilegiada parcela da população que é milionária, é possível construir um patrimônio com o seu salário.

Existem muitos casos de pessoas que conquistaram suas riquezas do zero!

Porém, ficar rico com pouco dinheiro não acontece do dia para a noite. Sempre desconfie de promessas de ganhos altos em pouquíssimo tempo.

Construir um patrimônio investindo de forma segura e honesta é uma tarefa de longo prazo que exige esforço, dedicação e estudo.

Pode até não ser um caminho tão fácil, mas justamente por isso, é o mais compensador.

Fique com a gente para saber como é possível enriquecer com pouco dinheiro se você manter o foco.

Pense como os ricos

Um passo importante para ficar rico com pouco dinheiro é começar a pensar igual os ricos. Aí sim, você passará a agir como eles em busca da sua Liberdade Financeira.

Lembre-se que sua independência financeira é mais importante do que a ostentação. Melhor do que parecer rico, é ser, de fato, rico.

Muitas pessoas querem viver de aparência. E para isso, compram carros que não podem pagar, roupas, frequentam lugares luxuosos.

Use esse seu desejo de consumir para inspirá-lo a investir.

Você só vai enriquecer com pouco dinheiro quando cultivar hábitos que te ajudem a poupar dinheiro.

Ficar rico com pouco dinheiro: parte do sucesso está no ato de agir

A grande maioria das pessoas almejam o sucesso financeiro, porém, poucas se propõe a mudar seus hábitos financeiros.

Para ficar rico com pouco dinheiro é preciso economizar e investir.

Você pode acumular patrimônio investindo R$ 100 ou até menos todos os meses!

Sim, você pode investir com pouco dinheiro.

Invista regularmente com o horizonte no longo prazo

Para alcançar a independência financeira com investimentos, o que conta é a frequência de aplicações e o tempo que o dinheiro ficará investido.

Assim, quanto mais dinheiro, com mais frequência, maior também será o retorno.

Porém, é possível enriquecer com pouco dinheiro, uma vez que com a partir de R$ 30 você já pode investir em títulos do Tesouro Direto.

Investir não é só para ricos, torna você rico.

O importante é que você invista regularmente, o quanto puder, e aumente o fluxo de aplicações conforme organizar suas finanças.

Mesmo aplicando R$ 50, você já estará um passo à frente de milhares de brasileiros que não conseguem planejar suas finanças.

Aprenda também a buscar os melhores investimentos para cada caso, para investir com segurança e alcançar sua liberdade financeira.

Compre ativos

Para conquistar a Liberdade Financeira você precisa acumular patrimônio.

O jeito certo de fazer isso é comprando ativos, ou seja, tudo que gera dinheiro.

Como, por exemplo, um imóvel que você aluga para terceiros, ações que pagam dividendos, títulos públicos que pagam juros regularmente, entre outros.

Mas o que acontece normalmente é que as pessoas, ao invés de adquirirem ativos, adquirem passivos. Isso é, coisas que tiram dinheiro do seu bolso.

O seu carro, por exemplo, é um passivo. Você tem gastos com gasolina, o IPVA, o seguro, a manutenção.

Sua casa também. Você precisa pagar a conta de luz, de água, IPTU.

Você deve sim ter sua casa e carro, mas esses foram exemplos para você entender o poder dos ativos de gerarem renda.

E com a renda dos ativos, você pode comprar os passivos.

O ativo mais poderoso para a construção de riqueza são as ações.

Mas, para ficar rico e alcançar sua Liberdade Financeira, não basta investir em qualquer ação.

Existem maneiras seguras de investir e para você criar um patrimônio sem deixar de aproveitar o agora, mesmo sem ser um especialista em finanças, ou ter muito dinheiro.

 

Veja no nosso webinario Os Três Passos para a Liberdade Financeira como construir um caminho simples para você realizar seus sonhos investindo apenas R$ 100 por mês.

Foco no que importa. Esqueça a Reforma da Previdência.

Caro leitor,

Depois do Ibovespa bater os 100 mil pontos, só vieram notícias tensas: prisão de Temer, briga entre Rodrigo Maia e Jair e a saga interminável de tweets destrambelhados do cabeça laranja nas terras do Tio Sam.

Teve gente que dormiu achando que o Brasil seria uma nova Suíça na terça-feira, mas achou que estaria na Venezuela na sexta-feira.

Enquanto o Boletim Focus projeta um crescimento ainda menor do PIB para 2019, aumenta o medo do mercado de não termos Reforma da Previdência em 2019.

Seria o fim da lua de mel entre Paulo Guedes e o mercado financeiro?

Quer saber? Nada disso importa para bolsa.

Pense comigo…

Em Maio de 2017 vazou o áudio da ligação entre Temer e Joesley.

A bolsa despencou, os mercados entraram em pânico.

Não teve Reforma da Previdência.

Temer não renunciou.

Tivemos greve dos caminhoneiros.

Geraldo Alckmin, que à época era o único candidato que agradava o mercado, teve menos votos do que o vencedor da última eleição para síndico do meu prédio.

E desde lá, a bolsa saiu de 61 mil pontos e hoje está em 93 mil… alta de 50 por cento em menos de 2 anos.

Sabe por quê? Porque bolsa de valores não é política, não é Reforma da Previdência, não é Temer, não é Lula, não é Maia, Trump ou Jair.

Bolsa de valores é o lucro das empresas listadas. E desde o Joesley Day, as melhores empresas da bolsa tiveram um excelente crescimento de seus lucros.

E isso é o que realmente importa.

Compre ações de boas empresas a um bom preço. Mire o longo prazo. Foco no que importa.

A bolsa é uma estrada esburacada. O carro vai sacudir durante todo o percurso, tanto para você quanto para o melhor gestor de fundos que existe. Mesmo em ciclos de alta, correções de 10, 20 e 30 por cento são comuns. Você precisa ter paciência para chegar ao seu destino.

E você só chega lá comprando ações de boas empresas. Compre depois de quedas. Compre as que subiram pouco. Tenha calma.

Se é para ganhar dinheiro de verdade com ações, o Score Line System  é a solução definitiva para você. Com ele você terá em mãos um mecanismo que encontrará as melhores ações da bolsa e que estão com um preço descontado. 27

Um abraço e bons investimentos.

Ps.: como já dito, Boletim Focus trouxe expectativas de crescimento do PIB mais modestas para 2019. Apenas 2 por cento. Enquanto isso, o Banco Central prega cautela quanto a novas reduções na Taxa Selic. Ao que parece, Maia e Jair irão selar uma trégua a pauta da Previdência volta a ser conversada em tom mais brando.

Martin faz parte da equipe do GuiaInvest desde início de 2017. É Mestre e Bacharel em economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

DISCLAIMER: As informações colocadas nessa editoria são produzidas de forma independente e não possuem qualquer influência de empresa ou instituição que venha a ser mencionada. As informações aqui contidas refletem a opinião do autor e não de todos os membros do GuiaInvest. Apesar de ter sido tomado todo o cuidado necessário de modo a assegurar a credibilidade das informações no momento em que as mesmas foram colhidas, suas precisão e exatidão não são de qualquer forma garantidas e o GuiaInvest não se responsabiliza pelas mesmas. Os preços, as opiniões e as projeções contidas nos nossos conteúdos estão sujeitos à mudanças a qualquer momento, sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. Nenhum relato desse texto pode ser interpretado como sugestão de compra ou de venda de quaisquer ativos, tratam-se apenas de opiniões. Não podemos garantir nenhum retorno financeiro sobre qualquer operação feita através das informações que fornecemos, sejam elas pagas ou gratuitas. Negociações de ativos no mercado financeiro envolvem riscos e rentabilidade passada não garante rentabilidade futura.

Como avaliar uma ação de forma simples e segura?

Como avaliar uma ação da bolsa? Muitos investidores se sentem perdidos em meio a tanta informação e inseguros por não conhecerem um método simples e seguro para avaliar as melhores oportunidades.

Ao entrar no mercado de ações é fundamental ter um bom método para investir. Essa é a diferença entre aqueles que fazem verdadeiras fortunas investindo em ações e aqueles que fracassam miseravelmente.

Você já parou para pensar como os homens mais ricos do mundo construíram suas fortunas? Como avaliar uma ação como os grandes investidores?

Warren Buffett se tornou milionário seguindo o método criado por Benjamin Graham, o Value Investing. Que também é seguido por uma série de outros grandes investidores.

A estratégia de Investimento em Valor (Value Investing, em inglês), se baseia em comprar ações de ótimas empresas com desconto sobre seu verdadeiro valor.

A metodologia para avaliar uma ação que nós recomendamos e ensinamos, é o método desenvolvido a partir da análise fundamentalista e, principalmente do value investing.

A análise fundamentalista avalia os resultados da empresa, seu histórico, dados econômicos, indicadores do mercado financeiro, entre outros dados a fim de identificar perspectivas e oportunidades.

Existem 11 critérios de como avaliar uma ação seguindo a análise fundamentalista que devem ser observados para identificar ações com potencial.

Essa é uma forma simples, rápida e, principalmente, confiável de filtrar boas empresas para investir e que pode te ajudar a ser um investidor de sucesso.

CRITÉRIO #1 – Valor de Mercado é maior que R$ 500 milhões?

Empresas com “pequeno” valor de mercado estão mais sujeitas à adversidades e instabilidades do mercado.

Já as empresas com grande valor de mercado não são tão afetadas e podem superar melhor as variações.

CRITÉRIO #2 – Possui um bom nível de Governança Corporativa?

As boas práticas de governança corporativa têm a finalidade de aumentar a transparência e a qualidade na divulgação de informações aos acionistas. Consequentemente, aumentam também sua credibilidade.

CRITÉRIO #3 – A Liquidez Corrente é maior que 1,5x?

A liquidez corrente é um índice que ajuda a medir a saúde financeira das empresas, indicando sua capacidade de pagamento no curto prazo.

Esta é calculada dividindo o ativo circulante pelo passivo circulante. Ou seja, a relação de quanto a empresa tem a receber no curto prazo com as suas dívidas no mesmo período.

Dessa forma, quanto maior esse índice, mais alta a capacidade da empresa de honrar com seus compromissos, ou seja, pagar as dívidas. Já, quanto menor a liquidez corrente, mais alta s chances da empresa em dar um calote.

CRITÉRIO #4 – O Retorno sobre o Patrimônio Líquido (ROE) é maior que 20%?

O ROE é a relação entre o lucro líquido dos últimos 12 meses e o patrimônio líquido da empresa.

Ele indica a rentabilidade que a empresa está gerando sobre o seu próprio patrimônio. Dessa forma, quanto maior melhor!

CRITÉRIO #5 – A relação Dívida Bruta / Patrimônio Líquido é menor que 50%?

A dívida bruta total refere-se a soma de empréstimos, financiamentos e debêntures de curto e longo prazo, ou seja, tudo o que a empresa tem de dívidas, dividido pelo patrimônio líquido da empresa.

Assim, quanto maior esse índice, maior o risco. Por isso, ao avaliar uma ação, é importante buscar empresas com baixo endividamento.

CRITÉRIO #6 – Possui Crescimento dos Lucros acima de 5% ao ano nos últimos 5 anos?

Esse critério avalia a se a empresa está obtendo sucesso. Ao apresentar crescimento dos lucros, a empresa demonstra que ela está se consolidando e que a administração e a estratégia de mercado estão convergindo para o sucesso do empreendimento.

CRITÉRIO #7 – Possui Lucros Constantes nos últimos 5 anos?

A capacidade de uma companhia apresentar lucros constantes em determinado período demonstra a estabilidade da empresa e o interesse da gestão na sua evolução.

CRITÉRIO #8 – Distribuiu Dividendos nos últimos 5 anos?

Pagar dividendos de forma recorrente demonstra que os interesses dos acionistas estão sendo atendidos de acordo com a legislação vigente.

Empresas que apresentam regularidade de pagamento de dividendos são mais procuradas pelos investidores, o que é positivo para a empresa.

CRITÉRIO #9 – A relação Preço / Valor Patrimonial (P/VPA) é menor que 2x?

O P/VPA é a relação do preço da ação da empresa com seu valor patrimonial por ação.

Em tese, quanto menor este índice, mais “barata” está a empresa. Ou seja, a ação está mais barata do que deveria estar, ou como se fala no mercado, essa ação “está na baixa”.

CRITÉRIO #10 – A relação Preço / Lucro (P/L) é menor que 15x?

O P/L indica a relação do preço atual da ação pelo seu lucro nos últimos 12 meses.

Assim, ele mostra quanto que os investidores estão dispostos a pagar por cada R$ 1 de lucro que a empresa tiver.

Em tese, quanto menor esta relação, mais barata está a empresa e mais atrativas estão suas ações.

Porém, CUIDADO: quando o P/L está negativo, significa que a empresa está no prejuízo.

Logo este indicador deve estar entre o intervalo de 0 a 15x.

CRITÉRIO #11 – O Volume Médio Diário de negociações nos últimos 21 dias é maior que R$ 1 milhão?

O volume médio representa o volume financeiro médio negociado nos últimos 21 pregões.

Assim, quando maior for este volume, maior a liquidez da ação. Ou seja, as ações dessa empresa são bastante negociadas, logo, mais fácil é a compra e venda da ação, o que é bom para o investidor.

 

Esses são os 11 critérios de como avaliar uma ação de forma simples e segura. Sendo assim, quanto mais critérios a empresa atender, maiores as possibilidades de crescimento.

É claro que o checklist não vai garantir a rentabilidade de seu investimento, mas vai aumentar consideravelmente suas chances de sucesso.

E se eu te dissesse que você pode fazer essa análise de maneira simples e automatizada?

Te convido para conferir uma análise na prática e conhecer um método simples, seguro e eficiente para ajudá-lo a investir melhor.

Conheça o GuiaInvest PRO

 

5 Formas de Ganhar Dinheiro com Ações

Muitos futuros investidores desconhecem todas as formas de ganhar dinheiro com ações. Se engana quem acha que somente é possível acumular patrimônio na Bolsa de uma forma. O mercado oferece diferentes formas de enriquecer com ações.

A valorização das ações pode até ser a forma mais conhecida de ganhar dinheiro na bolsa de valores, mas não é a única.

Há outros tipos de remuneração que o investidor pode obter ao investir em ações. Tem empresas que beneficiam seus acionistas sob a forma de proventos, bem como dando a preferência na aquisição de ações.

Veja as 5 principais formas de ganhar dinheiro com ações:

1- Valorização de capital

A valorização das ações é a forma mais comum de ganhar dinheiro com ações. Nela, se compra ações a um preço considerado baixo, e as vende quando seu preço aumentar, lucrando assim com a diferença.

Comprar na baixa e vender na alta é uma pratica muito usada por quem faz Day Trade. Esta é também uma estratégia arriscada, uma vez que o valor das ações flutua constantemente influenciados tanto pelos indicadores da empresa com os da economia nacional e global.

Essa sobe e desce no preço das ações influencia ainda mais quem investe pensando no curto prazo.

A análise do marcado nos mostra que, empresas com bons fundamentos, mantém expectativas otimistas no longo prazo. Isso faz com que as oscilações dos preços das ações não sejam tão sentidas. Protegendo, desse modo, o investidor de possíveis perdas.

2- Dividendos

Dividendo é a parcela do lucro da empresa que é usada para remunerar os acionistas, a qual é repartida conforme o número de ações de cada investidor.

Por lei, empresas de capital aberto na bolsa de valores são obrigadas a distribuir no mínimo 25% do lucro líquido anual entre seus acionistas. Algumas empresas inclusive distribuem mais que isso.

Investir em ações com a expectativa de receber dividendos é o verdadeiro poder do investimento na Bolsa. Neste caso é importante escolher empresas boas pagadoras de dividendos.

Payout é um termo usado para o percentual do lucro que a empresa distribui aos seus acionistas. Já o dividend yield a razão entre o valor do dividendo e o preço da ação.

Não existe uma periodicidade pré-definida para o pagamento de dividendos. Ele é definido pela própria empresa.

Quem investe pensando nos dividendos, se torna sócio da empresa para participar dos lucros. Ou seja, está interessado na qualidade e nos resultados da empresa.

Assim, quando a empresa obtém lucro, destina parte do dinheiro para novos investimentos e reservas e outra para pagamento de proventos aos acionistas.

Os dividendos são dados em dinheiro, o qual é depositado na conta do investidor na corretora. Este fica disponível para saque ou reinvestimento no mercado e é isento de tributação.

3- Juros sobre capital próprio

Os juros sobre capital próprio também funcionam como uma forma de distribuição dos lucros da empresa aos seus acionistas.

Apesar de não serem exigidos por lei, mas muitas companhias acabam pagando como forma de atrair mais investidores.

Para o acionista, essa é uma forma de ganhar dinheiro com ações muito similar aos dividendos. A grande diferença entre elas está na parte da tributação.

Para a empresa, a principal vantagem de distribuir juros sobre o capital próprio é contábil. Uma vez que esse valor é contabilizado como custo e, portanto, reduz o montante do imposto de renda pago pela companhia.

Sendo assim, o investidor obrigatoriamente será tributado na alíquota de 15% sobre o valor recebido. Este é descontada direto na fonte.

4- Bonificação

A bonificação consiste na distribuição de resultados da companhia mediante emissão de ações quando a empresa decide por incorporar parte do lucro no capital social.

Assim, novas ações são distribuídas gratuitamente para os atuais acionistas na proporção da quantidade de ações já possuídas.

A bonificação pode gerar um pequeno ajuste no preço devido ao aumento da base acionária. Porém, como não há entrada de novos recursos, o valor da empresa não se altera.

5- Direitos de subscrição

O direito de subscrição ou bônus de subscrição é o direito e a prioridade na compra de novas ações da empresa em quantidade proporcional às possuídas.

Isso acontece quando há aumento do capital da empresa e mais ações serão emitidas. Então, para os atuais acionistas terem a oportunidade de manter a mesma proporção do capital social, a empresa dá a oportunidade de eles comprarem mais ações, muitas vezes por um valor mais barato do que o negociado na bolsa de valores.

As subscrições são uma das formas de ganhar dinheiro com ações que podem ser vantajosas para aqueles investidores que desejam investir em mais ações da empresa.

Como os direitos de subscrição também são negociáveis, o investidor que não deseja aumentar adquirir mais capital dessa empresa, pode ainda vender os direitos de subscrição na bolsa de valores.

A melhor forma de ganhar dinheiro com ações

A melhor forma de ganhar dinheiro com ações é através dos dividendos. Pois, além de receber uma parcela dos lucros, você pode usar esse dinheiro para reinvestir e assim, aumentar seus ganhos.

Quer saber como receber R$ 2.154 por mês de dividendos?

Conheça nessa Masterclass os segredos por trás do GI Stock Guide, um sistema único e exclusivo, desenvolvido pelo Centro de Inteligência de Investimentos do GuiaInvest que revela as ações que pagam os dividendos mais “gordos” do mercado.

O que é Ibovespa, para que serve e como funciona?

Certamente você já ouviu falar do Ibovespa, que ele subiu ou caiu tantos pontos, Ibovespa a 500 mil pontos

Mas, o que significam esses pontos?

Entender como o Ibovespa funciona é o básico da Bolsa de Valores. Não o confunda com a BM&F Bovespa, que é a denominação antiga da Bolsa de Valores de São Paulo, que hoje leva o nome de B3.

O Ibovespa é o principal índice do mercado de ações brasileiro.

Cada Bolsa de Valores tem seus índices. Na Bolsa de Nova York, o mais importante é o índice Dow Jones. Já na Bolsa brasileira, principal é o Índice Bovespa ou apenas Ibov.

Esse índice calcula a média de desempenho das principais ações negociadas na B3. Sendo assim, sua pontuação revela o ânimo do mercado acionário.

No seu home broker você pode se deparar com a ação BOVA11. Este, nada mais é do que um fundo que replica exatamente a composição do índice Bovespa.

Ibovespa: O termômetro do mercado

O Ibovespa é o principal indicador da Bolsa de Valores do país. Dessa forma, ajuda bastante na hora acompanhar a rentabilidade média das ações.

Esse índice é basicamente uma carteira teórica com as ações mais representativas e negociadas em Bolsa brasileira. Entre elas, estão: Petrobras (PETR4), Vale (VALE3) e Ambev (ABEV3).

A B3 reavalia a composição da carteira IBOV a cada 3 a 4 meses levando em consideração a liquidez e o volume financeiro negociado de cada ação.

Sendo assim, as ações que integram o Ibovespa precisam atender alguns pré-requisitos:

Fazer parte dos ativos elegíveis que, no total e dentro do período de um ano, representem 85% do índice de Negociabilidade.
– Ter presença em pregão de 95% no último ano.
– Ter participação de volume financeiro a partir de 0,1% no mercado à vista.
– Não ser Penny Stock, ou seja, ações que possuem cotações abaixo de R$ 1.

Como o índice Ibovespa é calculado?

Para acompanhar o seu desempenho, foi desenvolvida uma pontuação do Ibovespa. Esta é calculada com base na cotação de cada ação que integra o índice, multiplicado pela quantidade dos ativos que compõem a carteira.

O peso de cada ação na pontuação do índice Ibovespa pode variar de acordo com o volume de ativos presente na composição da carteira.

Isso quer dizer que, quando o índice sobe ou desce, não significa que, necessariamente, todas as ações que compõem a carteira seguiram o mesmo padrão, uma vez que ativos com peso maior ajudam a puxar o índice.

Cada ponto na Bolsa de Valores vale 1 real. Sendo assim, se a pontuação estiver a 500 mil pontos, o valor do portfólio com as ações mais líquidas da bolsa de valores brasileira vale R$ 500 mil.

Então, quando a o índice Bovespa sobe, a média das ações que o compõe se valorizaram. Se cair, a média dos papéis desvalorizaram.

Ibovespa a 500 mil pontos

O índice Ibovespa é um ótimo termômetro para sentir como está a economia do país, uma vez que reflete o comportamento das principais ações da Bolsa.

O Ibovespa vem em um crescente. Na última segunda-feira dia 18, alcançou a importante marca dos 100 mil pontos!

Temos muitos motivos para acreditar que isso é só o começo!

Descubra os 7 sinais que apontam a melhor oportunidade dos últimos 10 anos para VOCÊ FICAR RICO investindo em ações no Brasil. Assista nossa Palestra Online: IBOVESPA a 500 mil pontos?

Qual a maneira mais segura de investir?

Muitas pessoas têm medo e insegurança de começar a investir. Isso é normal, mas existe uma maneira mais segura de investir e alcançar o sucesso esperado.

O mercado de ações é uma ferramenta poderosa na geração de riqueza no longo prazo. Sem dúvida é a melhor e mais eficiente maneira de se alcançar a Liberdade Financeira.

O melhor, é que a Bolsa de Valores é democrática. Não é preciso ter uma mente brilhante ou muito dinheiro para conquistar o sucesso nos investimentos.

Porém, ainda assim existe uma parcela significativa de pessoas que fracassam miseravelmente. Existem diversas formas de perder dinheiro na Bolsa quando se investe de maneira errada.

Por isso, te ensinamos uma maneira mais segura de investir para que você se torne um grande investidor.

Os erros mais comuns de quem perde dinheiro na Bolsa

Escolher as ações da “moda”

O mercado de ações é repleto de modismos. De tempos em tempos, aparecem boatos de “ações do momento”, “fórmulas milagrosas”.

Um dos maiores erros que os investidores cometem é fazer seus investimentos baseadas em dicas sem fundamentos.

Assim, ao invés de selecionar empresas boas, acabam sendo influenciados pelo comportamento de manada e escolhendo os chamados micos da bolsa.

Uma maneira mais segura de investir é desenvolver sua própria estratégia e ser fiel ao que acredita.

Em geral, somos fortemente influenciados pela opinião das outras pessoas, porém, um investimento seguro não está baseado em bolhas especulativas. Portanto, não siga a manada.

Querer ganhar dinheiro rápido

A maioria das pessoas começam a investir na bolsa esperando por resultados rápidos. Com essa ânsia de lucrar da noite para o dia, acabam se frustrando quando descobrem que não é assim que funciona.

Para lucrar na bolsa é preciso ter paciência. Se você for ver, os maiores investidores da Bolsa de Valores são senhores de cabelos brancos e não jovens especuladores.

Não espere ganhar dinheiro rápido. Assim você não estará investindo e sim, especulando. Existe uma grande diferença entre investir e especular.

É por causa das especulações e da esperança de ganhar dinheiro rápido que a Bolsa de Valores ganhou a fama de ser tão arriscada.

No curto prazo os movimentos do mercado são aleatórios e você pode ser pode ser muito arriscado caso você invista pensando em ganhar dinheiro rápido.

Invista de forma séria e mais segura possível

Depois que você entende os riscos de se investir é possível aprender a contorná-los e assim, fazer um investimento seguro.

Para investir de forma segura, devemos seguir alguns princípios e entender que enriquecer na Bolsa é um processo que deve ser construído aos poucos.

Selecione empresas boas e com bons fundamentos

Ter sucesso nos investimentos passa por saber escolher os papéis para compor a sua carteira.

Selecionar boas ações é algo que exige muito estudo, disciplina e dedicação.

Podemos considerar uma empresa boa aquela que gera lucro e distribui dividendos aos seus acionistas.

Warren Buffett, o investidor mais bem-sucedido de todos os tempos, nos ensina que a maneira mais segura de investir é comprando ações de empresas sólidas, com histórico consistente e boas perspectivas do mercado.

No Brasil, Luiz Barsi faz a mesma coisa: compra ações de boas empresas e investe no longo prazo.

Veja a Bolsa de Valores como uma oportunidade de crescer junto com as empresas, pois quanto maior o lucro da empresa, maior a distribuição de dividendos.

Invista no longo prazo

Investir em ações no curto prazo envolve mais riscos e pode trazer grandes prejuízos. As ações são investimentos de renda variável e, portanto, estão sujeitas a oscilações que não necessariamente representam o futuro da empresa.

Porém, investir em no longo prazo é uma forma bem mais segura de investir e capaz de gerar retornos atrativos independentemente da situação do mercado.

Isso, porque, historicamente, mesmo em períodos de retração, a Bolsa de Valores se mostrou como um bom investimento quando com uma boa estratégia.

Um investimento seguro em ações é a estratégia chamada de “buy and hold”, ou seja, você compra ações de boas empresas e as mantém por um longo período.

Empresas sólidas tendem a manter um crescimento contínuo e lucros sólidos crescentes. Assim, reinvestindo esses dividendos, no longo prazo seu retorno poderá alcançar grandes marcas.

Tenha uma reserva financeira

Quer começar a investir e traçar seu caminho rumo à Liberdade Financeira? Ótimo! Essa é uma excelente escolha. Mas antes de começar a investir, comece a poupar de modo que você tenha uma reserva financeira.

Não comprometa dinheiro que você poderá ter que utilizar pelos próximos 5 anos em ações.

É muito mais seguro e prudente você construir uma reserva financeira em investimentos de renda fixa, do que ter que vender suas ações e possivelmente perder dinheiro porque precisa usá-lo para alguma emergência.

Uma boa porcentagem é começar a investir cerca de 10% do seu patrimônio em ações.

Diversifique sua carteira

Uma carteira de investimentos sólida, diversificada e visando o longo prazo é uma ótima estratégia para você ficar mais tranquilo e reduzir os riscos de investir em ações.

Diversificando suas ações você protege seu investimento de possíveis oscilações negativas, ao mesmo tempo que possibilita maiores rentabilidades.

Uma estratégia é combinar na sua carteira ações, títulos públicos, fundos de renda fixa. Assim, você tira o melhor de diferentes modalidades de investimento.

 

Você sabe o que a regra número um pode fazer por você? Te convido a descobri a única regra que você precisa seguir para não perder dinheiro na bolsa.

O que aprender com 7 mulheres que ficaram milionárias antes dos 30

mulheres milionárias

O ano de 2018 vai entrar para história como o ano da mulher: a pauta do empoderamento feminino ganhou importância na sociedade. A china com seu mercado em ascensão criou uma geração de novas mulheres bilionárias.

Elas têm se posicionado em lugares de destaque em grandes empresas globais, apesar de ainda haver poucas na lista de bilionários essa situação tem começado a se reverter. Além dos negócios, o mundo do entretenimento tem ficado mais inclusivo, a atriz e diretora Robin Wright assumiu a direção e protagonismo para finalizar a aclamada série House of Cards da Netflix.

Neste artigo, você conhecerá uma lista de sete mulheres milionárias, suas trajetórias e características importantes que as tornaram cases de sucesso. Portanto, se você está em busca de aprendizado para aumentar seus investimentos, conheça essas empreendedoras!

1. Luiza Helena Trajano

Conhecida por comandar a rede de lojas varejista Magazine Luiza, ela está a vinte e sete anos à frente da empresa. Luiza Trajano revolucionou os negócios de sua família por meio de uma liderança visionária.

Sua forma de inovadora de liderar colocou a Magazine Luiza entre as varejistas mais conceituadas do mercado brasileiro. Isso se deu pela proximidade que criou com seus funcionários e clientes.

Desde os doze anos, Luiza trabalha no negócio, entretanto, foi ao atingir a maioridade que ela mudou o modelo empresarial da rede oferecendo e-commerce, bonificações aos funcionários e uma gestão humanizada, que deu à loja o título de uma das melhores empresas para se trabalhar.

2. Cristina Junqueira

Definitivamente uma das maiores inspirações para os Millennials, Junqueira é a única sócia brasileira e mulher da fintech Nubank que estremeceu o setor bancário no Brasil — conhecido por ser um dos mais concentrados.

Junqueira é graduada em engenharia de produção na USP, tem mestrado em engenharia na Escola Politécnica da USP e, MBA em finanças e marketing de uma das mais prestigiadas faculdades de administração dos EUA, a Kellogg School of Management.

Após sua passagem pelo Unibanco, onde pediu demissão por desconcordância de ideias, se juntou aos sócios David Vélez e Edward Wible e criaram uma das fintechs mais inovadoras do mundo, com valores de desafiar e dar espaço ao novo.

3. Laurene Powell Jobs

Com uma fortuna avaliada em US$ 18,8 bilhões é a 6ª mulher mais rica do mundo. Essa empresária e filantropa americana fundou a Emerson Collective, voltada para atividade de impacto social, preservação ambiental, reforma migratória e políticas de educação. Além disso, é cofundadora e presidente do College Track, uma instituição que auxilia estudantes desfavorecidos do ensino médio a ingressar na universidade.

Ela cresceu em West Milford, New Jersey. Tem bacharel de artes em ciências políticas pela University of Pennsylvania School of Arts and Sciences e um bacharel de ciência em Economia pela Wharton School of the University of Pennsylvania. Em 1991, recebeu seu MBA pela Stanford Graduate School of Business.

Powell Jobs também possuiu 38,5 milhões de ações da Apple Inc. e coordena o Laurene Powell Jobs Trust, antigamente conhecido como Steve Jobs Trust — antes do falecimento de seu marido Steve Jobs — que detém 7,69% da participação da The Walt Disney Company, cerca de 130,6 milhões de ações tornando-se a maior acionista.

4. Roberta Ramalho

Ramalho é uma jovem empreendedora brasileira que comanda um dos mais conceituados estaleiros do Brasil. O desafio da presidência da Intermarine veio logo na adolescência, após o falecimento de seu pai.

Entretanto, antes de assumir a presidência, passou por muitos departamentos da empresa aprendendo sobre os processos operacionais de fabricação de barcos. A infância foi essencial, já que conviveu próximo aos funcionários.

Em um meio masculino, Ramalho encontrou dificuldades, mas sempre teve firmeza e convicção para dar continuidade aos negócios. Os objetivos não param por aí, ela pretende contratar mais funcionários e uma expansão global. Toda essa seguridade garante espaço na lista de mulheres milionárias.

5. Kylie Jenner

Essa empresária e digital influencer americana conquistou um feito inimaginável. Três anos após fundar a Kylie Cosmetics, acumulou uma fortuna avaliada em US$ 900 milhões. Com apenas 21 anos, está prestes a se tornar a pessoa mais jovem bilionária dos EUA com sua própria fortuna.

Distante do mundo empresarial, Jenner também é uma das pessoas mais requisitadas pelas marcas globais para comerciais. O sucesso do comercial da empresa de equipamentos desportivos PUMA é um exemplo disso, já que existe uma maior dinâmica com jovens.

A Kylie Cosmetics tem apenas sete funcionários, os processos de produção são terceirizados. Essa forma concentrada de administração tem inspiração em startups que recebem milhões em aportes financeiros.

6. Susanne Klatten

A herdeira da BMW, Susanne Klatten, ajudou a transformar a empresa em uma corporação global listada no DAX-30 (índice alemão das 30 companhias abertas com melhor desempenho financeiro).

Após a morte do seu pai, recebeu ações da Altana, uma empresa europeia de químico-farmacêuticos de grande porte. Sua fortuna atualmente está avaliada em US$ 25 bilhões, sendo a mulher mais rica da Alemanha e a terceira mundial.

Ela tem formação de administração e economia em Frankfurt, e mestrado em administração pela Universidade de Lausanne na Suíça. O setor automobilístico tem poucas mulheres e Susanne Klatten reescreveu esse paradigma.

7. Alice Walton

Walton conquistou um feito gigantesco ao encabeçar a lista de mulheres mais ricas do mundo. Com uma fortuna de US$ 46 bilhões é a 16.º na classificação geral. É filha do fundador do Walmart e, não participa diretamente na gestão da empresa, contudo tem ações da companhia e recebe dividendos.

Sua formação foi feita na Trinity University, vive em um rancho no estado do Texas. Suas paixões são cavalos e o museu Crystal Bridges Museum of American Art, fundado no Arkansas, que abrange uma coleção de US$ 500 milhões.

Ao longo de sua carreira trabalhou como analista de patrimônio e gerente financeira da First Commerce Corporation, esteve na liderança de atividades de investimentos do Banco Arvest e foi corretora da EF Hutton. Walton também foi fundadora, presidente e CEO do Llama Company um banco de investimentos americano.

As características dessas importantes mulheres milionárias

A trajetória dessas mulheres milionárias e empoderadas não foi nada simples de se conquistar. Mesmo as que herdaram fortunas precisaram dar continuidade e reinventar os negócios familiares.

Essas mulheres compartilham traços semelhantes como perseverança, inovação e capacitação. São inspirações para todos os públicos, femininos e masculinos, que buscam a liberdade financeira e sucesso. Elas desafiam uma sociedade extremamente conservadora, quebram arquétipos e abrem espaço para outras mulheres conquistarem cada vez mais representação.

Como abordado no artigo, esses exemplos de mulheres milionárias traçaram caminhos diferentes e viveram realidades distintas. Ainda assim, compartilham os desejos de mudanças, de fazer diferente e tornar o mundo um lugar mais igualitário, por isso conquistaram sua liberdade tão cedo e, mostram a você como é possível chegar a sua autonomia financeira.

Agora que você conhece casos de mulheres milionárias que desafiaram o status quo, que tal assistir a uma aula sobre dividendos para um dia poder viver da rua renda? Não perca essa oportunidade incrível!

Gastos com carro: como diminuí-los e usar dinheiro para investir?

gastos com carro

Quem tem um carro sabe bem como a comodidade e a praticidade que ele oferece são sempre acompanhadas de muitos gastos, não é mesmo? São custos com combustível, manutenção, seguro, impostos, entre outros, que consomem boa parte do orçamento dos motoristas.

Em muitos casos, todas essas obrigações acabam dificultando o planejamento financeiro, impedindo que esses recursos possam ser utilizados para outros fins, como o de investir. Pensando nisso, decidimos mostrar neste post como você pode reduzir os gastos com carro e destinar esse dinheiro aos seus investimentos. Confira!

Descubra quanto os gastos com carro impactam em seu orçamento

No entusiasmo do momento da aquisição de um carro novo, muita gente acaba se esquecendo de que as despesas não terminam após a compra — muitas delas estão, na verdade, apenas começando. Por isso, além do valor das parcelas, caso o negócio tenha sido fechado a prazo, é fundamental se organizar para lidar com esses custos que surgem.

De acordo com as estimativas de especialistas em finanças, um motorista gasta, em média, 2% do valor do próprio veículo por mês para mantê-lo em ordem. Embora em alguns meses a despesa seja menor, em outros pode ser necessário fazer uma manutenção mais expressiva ou arcar com o pagamento de impostos, o que joga o valor para cima e exige muito planejamento.

Por isso, é importante fazer a cada mês uma estimativa do que será preciso gastar com o veículo, levando em consideração a sazonalidade de alguns desses custos. Como imprevistos também podem acontecer, a dica é também reservar uma margem para não ter grandes problemas nesse caso.

Conheça os principais custos para os motoristas

Para fazer um bom planejamento a fim de reduzir os gastos com carro, é preciso conhecer cada um de seus custos a fundo. Dessa forma, você poderá definir quais deles poderão ser reduzidos e também quais não podem ser deixados de lado em nenhuma hipótese.

Combustível

Como um veículo sem combustível simplesmente não anda, esse é um custo que certamente fará parte do planejamento todos os meses. E como os valores praticados no Brasil costumam ser altos, esse costuma ser um dos gastos mais significativos para quem tem carro.

Para tentar reduzir essa conta, o ideal é se planejar para rodar menos quilômetros por dia, substituindo o veículo por uma caminhada ou pela bicicleta quando for possível. Quando a visita ao posto de combustível for inevitável, vale apostar nos aplicativos e promoções que ajudam os motoristas a conseguir preços mais atrativos.

Na busca por valores mais baratos, também não dá para descuidar da qualidade do combustível. Produtos adulterados podem afetar o desempenho do veículo e até causar grandes prejuízos aos componentes do motor, fazendo o barato sair bem caro.

Taxas e impostos

Os custos com taxas e impostos costumam ser os primeiros para quem adquire um carro, já que é preciso fazer a transferência da documentação e, em alguns casos, o emplacamento. Depois disso, ainda é necessário arcar anualmente com o pagamento do IPVA (Imposto Sobre a Propriedade de Veículo Automotor) e do licenciamento, essenciais para rodar sempre dentro da lei.

Alguns estados oferecem descontos aos motoristas que pagarem o imposto em uma cota única. Por isso, vale a pena se programar ao longo do ano, juntando o valor necessário para honrar com esse compromisso de uma vez e com o preço reduzido.

Manutenção

Manter a manutenção do carro em dia não é importante apenas para o seu desempenho e segurança, mas também para o seu bolso. Para isso, é preciso atentar aos cuidados preventivos, que são mais simples, rápidos e, principalmente, mais baratos.

Outra vantagem de se fazer revisões periódicas no veículo é que esse se torna um custo programado. Por outro lado, os defeitos que exigem intervenções corretivas costumam acontecer de surpresa, obrigando o motorista a arcar com um gasto maior e não planejado.

Então, confira regularmente os componentes do seu veículo, como o sistema de freios, de suspensão, alimentação e motor. Mantenha também os pneus sempre calibrados, pois isso aumenta sua vida útil e reduz o consumo de combustível.

Seguro

Para proteger nosso patrimônio, um bom seguro auto é fundamental. Por isso, esse é mais um custo que deve entrar na conta dos gastos com carro. A dica para economizar é fazer um contrato que se ajuste às suas necessidades, analisando bem os itens adicionais para avaliar se realmente são necessários, já que eles fazem o valor da apólice aumentar.

Além do seguro complementar, também é preciso pagar o seguro DPVAT. De caráter obrigatório, ele deve ser pago até a data do licenciamento. Em 2019, o valor para automóveis foi reduzido em 71%, o que representa uma boa folga ao bolso dos motoristas.

Saiba como investir o valor economizado

Seguindo as dicas que passamos, é muito provável que você chegue ao final do mês com mais recursos do que antes. E o melhor destino que você pode dar ao dinheiro economizado são os investimentos.

Apesar de a caderneta de poupança ser uma das primeiras opções que surgem na mente de muitas pessoas, existem outras alternativas que podem ser muito mais rentáveis. Para escolher a melhor aplicação para você, é preciso considerar o seu perfil, conciliando riscos, liquidez e bons rendimentos.

Quem quer ter segurança no investimento, pode fazer um bom negócio ao adquirir papéis de títulos públicos atrelados à Selic. Eles são negociados por meio da plataforma do Tesouro Direto, o que garante praticidade e baixo risco, além de evitar a perda do poder de compra do valor aplicado.

Os CDBs (Certificados de Depósito Bancário) também são boas opções para perfis mais conservadores. Além da remuneração baseada no CDI, essa opção conta com a proteção do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), que cobre eventuais perdas das pessoas que investem caso a instituição venha à falência.

No entanto, a opção de maior destaque nos últimos anos tem sido a aplicação em fundos imobiliários. Neles, os participantes recebem dividendos do mercado de imóveis mesmo sem ter nenhuma propriedade registrada em seu nome. Essa é uma excelente maneira de diversificar a sua carteira de investimentos e conseguir rendimentos que dificilmente alcançaria em outras aplicações.

Como vimos, os gastos com carro costumam ser grandes vilões do orçamento, exigindo boa parte dos recursos que poderiam ser direcionados aos investimentos. Por isso, todas as medidas tomadas no sentido de reduzir essa despesa são fundamentais para quem quer construir um futuro sem preocupações financeiras.

Mas se você ainda está com dúvidas sobre esse assunto, não se preocupe. Confira nosso artigo para descobrir se para você vale mais a pena comprar um carro ou investir!

Como alcançar a independência financeira com investimentos

A independência financeira não é só para ricos. Um futuro mais confortável e sem preocupações com a falta de dinheiro depende da mudança de alguns hábitos, de um plano com foco no longo prazo e na diversificação de investimentos.

Conquistar a aposentadoria antecipada, ter a liberdade para passar mais tempo com as pessoas que você mais gosta, viajar frequentemente, ter uma vida mais confortável. Estes são alguns dos benefícios da Liberdade Financeira.

Entretanto, para se chegar lá é preciso foco e persistência. Alguns hábitos que irão ajudar você a conquistar sua Independência Financeira.

Organize seu orçamento

Você precisa ter consciência sua própria realidade. Parece óbvio, mas muita gente não sabe exatamente para onde vai todo o seu dinheiro.

Portanto, comece com a organização financeira. Saiba exatamente o quanto ganha por mês e o quais são suas despesas. Quanto do seu dinheiro é destinado para despesas fixas? E quanto com as despesas variáveis?

Feito isso, sobra algum dinheiro?

Se a resposta for não, reavalie seus gastos. Onde pode economizar? Pense em formas de obter uma renda extra, pois para alcançar a Independência Financeira você deverá poupar.

Caso a resposta for sim, o que você faz com o dinheiro que sobra? Está investindo com inteligência?

Defina seus objetivos

O segundo passo para alcançar a Independência Financeira é estabelecer objetivos.

Ter objetivos concretos ajudam na organização e na execução dos seus planos.

O que você pretende? Ter uma aposentadoria tranquila, viajar, trocar de carro, pagar a faculdade dos filhos, viver de renda?

Quanto você precisa e em quanto tempo deseja alcançar esse objetivo? Definir um período para atingir a liberdade financeira o guiará na sua organização financeira.

Quanto dinheiro você precisa para viver de renda? Com base no seu padrão de vida atual, faça o cálculo de quanto você pode guardar por mês e qual o montante necessário para seu objetivo.

Com o objetivo definido, é hora de seguir o plano e formar boas reservas. O ideal é começar o quanto antes, assim, com os investimentos certos, mais tempo seu dinheiro trabalha por você.

Aproveite para conversar com sua família sobre seus os objetivos e os incentive a participar do processo.

Poupe para investir

Não existe independência financeira sem poupar. Depois de definidos seus objetivos, você precisa estipular um percentual da sua renda para investir.

Não importa quanto você ganha. Seja R$ 1.000, R$ 10.000 ou R$ 1.000.000, administre seu dinheiro de modo que seja possível direcionar uma parte mensalmente para sua Liberdade Financeira.

Comece destinando cerca de 10 a 15% do seu salário em investimentos de longo prazo, que gerem retornos melhores que a caderneta de poupança.

Os 3 potes da liberdade financeira

Um método eficiente para você administrar seu dinheiro é com a técnica dos 3 potes da liberdade financeira.

Desse modo, separe seu dinheiro em 3 potes: o pote da emergência, da recompensa e da Liberdade Financeira.

No pote da emergência, você destina parte do seu dinheiro para cobrir gastos imprevistos. Como, por exemplo: demissão, emergência médica, multas, reformas e consertos, entre outros.

Coloque o quanto achar necessário nesse pote. Consideramos uma boa reserva ter 3 meses de salário investidos em renda fixa, como o tesouro direto, por exemplo.

O pote da recompensa é uma reserva para a sua diversão, como viagem, roupas, enfim, fazer o que quiser. Destine cerca de 5 a 10% do seu salário mensal para esse pote.

E por fim, temos o pote da Liberdade Financeira, que é o dinheiro investido para trabalhar para você. Destine cerca de 10% ao mês para esses investimentos.

Conheça o seu perfil de investidor

Você sabe qual o seu perfil de investidor? Em geral se considera os perfis: conservador, moderado e arrojado. Cada um deles tem objetivos e níveis de riscos diferentes.

Uma vez que cada um de nós lida com o dinheiro de uma forma única, conhecer seu perfil pode fazer toda a diferença para alcançar a independência financeira com investimentos.

Respeite seu perfil. O que serve para seu vizinho, não necessariamente serve para você, cada investidor precisa passar por um momento de autoconhecimento.

Estude o mercado

Para alcançar a independência financeira com investimentos você não precisa ser um especialista em finanças, mas deve conhecer o mercado e suas opções.

O mercado de investimentos possui uma variedade de opções para diferentes perfis e bolsos. E seu dinheiro pode render mais ou menos em cada uma delas.

Por isso, estude o mercado, busque informações. Aqui no blog do GuiaInvest você tem acesso a diversos conteúdos que te ajudam a administrar e investir seu dinheiro de maneira inteligente.

Invista seu dinheiro de forma inteligente

Se você quer alcançar a independência financeira, investimentos inteligentes são vitais para maximizar a sua renda e ver seu dinheiro multiplicar pelo poder dos juros compostos.

Para quem está começando no mundo dos investimentos, é conveniente investir seu dinheiro em produtos de renda fixa, tais como Tesouro Direto, CDBs, LCI e LCA.

Conforme for se habituando, ganhando confiança e conhecimento de mercado, você pode começar a diversificar sua carteira de investimentos para opções com rendimentos maiores, as ações.

O mercado de renda variável, exige maior dedicação e conhecimento por parte do investidor, porém, o rendimento no longo prazo da Bolsa de Valores se sobrepõe a qualquer outro ativo.

Diversifique seus investimentos

Ter uma carteira de investimentos diversificada é a melhor maneira de obter maior segurança e construir rentabilidades e prazos diferentes.

Existem ótimos investimentos para se mesclar uma carteira com investimentos de renda fixa e variável. Reinvista os juros e, assim, alcance sua independência financeira no longo prazo.

Um dos melhores são ações de boas empresas. Elas podem multiplicar seu dinheiro em alguns anos. Este é o melhor momento para investir na bolsa de valores brasileira.

Existem muitas razões para você acreditar que irá subir muito e multiplicar seu dinheiro. Ela está no início do seu quinto super-ciclo de alta.  Se você quer saber quais são esses motivos e como a bolsa brasileira irá te transformar em milionário, assista a nossa palestra gratuita sobre os 500 mil pontos do índice Ibovespa.