Incêndio no Fundo Imobiliário

Aconteceu há poucos dias…

Caro leitor,

Essa história tinha tudo para ser o pior pesadelo de um investidor de Fundos Imobiliários.

Um incêndio atingiu o galpão Copobras, em João Pessoa/PB, na madrugada de sábado (21).

O fogo começou por volta das 2h da madrugada e só foi controlado 5 horas depois, pelos bombeiros.

O imóvel é um galpão industrial que pertence ao fundo imobiliário GGRC11.

Antes de ficar nervoso com seus investimentos em FIIs, leia até o fim.

Analisemos sob diferentes óticas:

Humana
Comecemos pelo mais importante. Não houveram vítimas nem feridos. Algumas pessoas foram levadas ao ambulatório em função da inalação de fumaça. Nada grave.

Do imóvel
Já pelo lado material, o incêndio destruiu uma área de aproximadamente 2.500 metros quadrados. A área total do imóvel é de 22.360 metros quadrados. O incêndio afetou cerca de 10 por cento do imóvel.

Do inquilino
Esta parte do imóvel era destinada a estocagem de bobinas e não afeta a sua estrutura de produção fabril. O imóvel onde o incêndio ocorreu é uma das quatro fábricas que a Copobras possui no Brasil.
Nada de tão grave assim para a empresa.

Do fundo
O fundo por sua vez é um fundo multi ativo e multi inquilino. Este imóvel representa apenas 4,75 por cento do patrimônio do fundo.O imóvel conta com seguro patrimonial e, segundo o fundo, todos os procedimentos perante a seguradora já foram adotados para comunicar o sinistro.

O fundo comunica que o fato não acarreta qualquer alteração na relação contratual com o locatário ou no fluxo de pagamento dos aluguéis.

Do investidor
O fundo não deve ser afetado negativamente de forma significativa. Os fluxos de rendimentos devem permanecer inalterados. A cotação do fundo opera em leve alta na manhã desta segunda-feira.

Parecia assustador, mas para o investidor atento, que não investe em fundos mono ativo e mono inquilino, é só mais um passeio no parque. Nada de mais. Vida que segue.

Agora imagine alguns pequenos detalhes diferentes, como um incêndio maior em um fundo mono ativo.

Isso seria realmente um pesadelo, concorda? Você sofreria perdas significativas de patrimônio.

No final das contas, o que quero te explicar com essa história é que não podemos ter controle de tudo. Acidentes acontecem.

Porém, escolher mal os seus ativos é algo que você não pode fazer. Isto é evitável.

Só depende de você.

Abraço!

3 dicas para ganhar dinheiro com ações

Nunca esqueça de nenhuma dessas dicas…

Olá amigo investidor,

Talvez você não saiba, mas ser um investidor de longo prazo bem-sucedido é fácil, a princípio.

Sabe por que?

Porque a estratégia de comprar e manter uma carteira de ações diversificada, com a abstenção de qualquer capacidade de previsão, está ao alcance de todos os investidores, independentemente de sua inteligência, julgamento ou posição financeira.

Mas na prática começam a surgir as dificuldades.

Todos nós somos vulneráveis a forças emocionais, que podem nos fazer desviar do caminho pré-estabelecido.

Existem muitas histórias sobre pessoas que ganharam muito dinheiro de forma rápida no mercado.

Você está fazendo tudo certo e vê alguém ganhando mais dinheiro que você. Pronto. Você está a um passo de se virar para direção errada.

Essas histórias nos levam a participar de um jogo muito diferente daquele que inicialmente tínhamos como objetivo.

A memória seletiva também pode nos conduzir para a direção errada.

Aqueles que acompanham o mercado de perto com frequência, afirmam com grande convicção:

“Eu sabia que as ações (ou o mercado) estavam subindo… quem me dera se eu tivesse agido de acordo com minha avaliação. Teria ganhado uma fortuna!”

Mas a compreensão tardia, a posteriori, engana nossa mente.

Nós nos esquecemos das dúvidas e medos que tínhamos quando tomamos as nossas decisões.

A compreensão a posteriori pode distorcer nossas experiências passadas e afetar nosso julgamento, nos estimulando a utilizar palpites e a tentar ser mais espertos que os outros investidores.

A escolha desse caminho leva a resultados desastrosos.

Assumimos riscos em demasia e acabamos por ceder às emoções do momento – ao pessimismo quando o mercado está em baixa e ao otimismo quando o mercado está em alta.

Nossas atitudes equivocadas resultam em retornos consideravelmente menores do que aqueles que poderíamos ter obtido se tivéssemos apenas mantido as premissas do nosso processo de investimento.

Leia com atenção as 3 informações abaixo, elas poderão te ajudar a investir da maneira correta:

1 – As ações são bem mais estáveis a longo prazo do que a curto prazo.

Veja o gráfico de 2 meses das ações ITSA4:

Agora veja o gráfico da mesma ação em um período de 10 anos:

2 – Se você não é adepto do Value Investing (estratégia onde preço é uma parâmetro muito importante), compre ações sempre.

Se você tivesse comprado 120 mil reais a 10 anos atrás das ações da GGBR4, hoje você teria um pouco mais de 84 mil reais…

Contudo, se você ao invés de comprar tudo em uma única vez, optasse por efetuar aportes de mil reais nos últimos 10 anos (total 120 mil), hoje você teria acumulado mais de 135 mil reais…concordo que não é um grande resultado, mas os aportes geraram o benefício do preço médio.

Bem ou mal, ganhar pouco é melhor que perder.

3 – Compre sempre boas empresas, pois os lucros justificam os preços.

Quando compramos ações, acreditamos que a empresa irá prosperar e gerar cada vez mais lucros. O racional sempre deve ser esse.

O motivo é simples, os lucros justificam os preços SEMPRE.

Veja na sequência a correlação do preço com respectivo lucro da empresa:

Linha azul – Preço
Linha laranja – Lucro

WEGE3 – Weg S.A

LREN3 – Lojas Renner

MGLU3 – Magazine Luiza

ROMI3 – Industrias Romi

O simples é o mais funcional quando o assunto é investimentos em ações!

Concorda?

Me responda no instagram:@eduardo_voglino

Um abraço e bons investimentos

Cuidado com o que você lê

Essa foi para matar…

Caro leitor,

Sabe a diferença entre uma notícia interessante e uma notícia importante?

Hoje eu li uma notícia sobre fundos que me deixou indignado.

Seu título era: “Menos da metade dos fundos de ações batem a bolsa”.

Interessante não? Está colocado em xeque a ideia de que investir em fundos é uma boa.

Continuei lendo a notícia.

O subtítulo era: “Estudo mostra que apenas 43,9% das carteiras de renda variável dão retorno acima do Ibovespa num prazo de três anos”

Nesse ponto minha paciência acabou. Fiquei irritado. Duas frases me bastaram para que eu perdesse minha paciência.

Pensa comigo.

Se o Ibovespa é, a grosso modo, a média do comportamento das ações, é de se esperar que mais ou menos a metade dos fundos consiga superar a média e a outra metade não consiga.

Faz sentido para você?

Antes que um entendido venha me dizer que o correto seria usar a mediana e não a média, eu sei disso.

Por isso usei o “mais ou menos” acima.

Faz sentido também que um pouco menos da metade deles supere a média, pelo simples fato de que o fundo cobra taxa de administração, que é descontada do seu desempenho.

Isso faz com que um fundo “médio” naturalmente renda menos do que o Ibovespa, a não ser que ele seja (pasme!) acima da média.

Portanto, por mais interessante que essa notícia seja, é uma conclusão inútil e redundante.

Já falei uma vez e vou falar de novo: leia menos notícias.

As notícias são sempre interessantes, mas poucas vezes são importantes.

Para eu não ser chamado de radical, quer saber um exemplo de notícia importante?

Da mesma publicadora, para ser justo: “Número de famílias endinheiradas atendidas por gestores independentes cresce 7,5%”

Essa turma sabe o que faz.

Eles estão migrando para gestores independentes, com menos ou nenhum conflito de interesse na prestação de serviço, e com uma dedicação muito mais atenta ao investidor do que os grandes bancos o fazem.

Já escrevi antes sobre gestores independentes.

Eles estão revolucionando o mercado. Para o bem.

Esteja atento e vá na mesma direção.

Peça para seu gerente do banco a lista de fundos que ele pode lhe oferecer.

Depois abra conta na XP Investimentos, por exemplo, e veja os fundos de investimentos disponíveis.

Você vai lembrar de mim.

Me siga no Instagram (@marcelofayh). Me xingue, me acalme ou apenas me mande uma pergunta qualquer por lá.

Abraço!

O que fazer com renda fixa morta e bolsa turbulenta

Com juro baixo e bolsa caindo, onde você deixa o seu dinheiro?

Caro leitor,

Hoje o Copom se reúne para decidir o futuro da Taxa Selic.

A expectativa é de que tenhamos mais uma queda.

Dados os últimos ocorridos na Arábia Saudita, o clima de “certeza” de queda no juro sumiu. As principais instituições financeiras agora dividem opiniões.

Pessoalmente, sigo acreditando em uma queda de 0,5 pontos percentuais, o que levaria a Selic para 5,5 por cento ao ano.

Que a renda fixa morreu todo mundo já sabe, mesmo que não haja queda. A questão é que de agora em diante ela pode “morrer cada vez mais”.

Já se fala em Selic a 4,75 ao ano ainda esse ano.

Você já parou para pensar que até lá o brasileiro vai ser obrigado a se mexer?

Todo mundo já vai estar sentindo na pele os baixos rendimentos de aplicações tradicionais.

O dentista vai ter que saber sobre ações. O motorista de Uber vai ter que saber o que é dividendos. O psicólogo vai precisar saber se a Magazine Luíza já deu o que tinha que dar.

Eu vejo muita gente falando de crise lá fora, tensões entre Trump e Xi Jinping, dívida pública das economias avançadas em níveis inimagináveis, juros negativos e sei lá o que.

Argentina passando por uma crise típica da década de 1990.

Mario Draghi anunciando estímulos fiscais na Europa.

Fed intervindo no mercado com mais injeção de liquidez.

Paulo Guedes e Jair Bolsonaro se desencontrando nos discursos e uma Reforma da Previdência que se arrasta.

Mas com o mundo confuso, incerto, complexo, com a bolsa volátil e a renda fixa pagando uma miséria, o que fazer?

Olha, não se compra ações a bons preços no meio do paraíso.

O fato do Ibovespa estar em máxima histórica não quer dizer que ele esteja caro.

Os múltiplos das empresas estão abaixo da média histórica. Ibovespa está negociando com um Preço sobre Lucro de 13x, a média dos últimos 10 anos é de 14x.

No último ciclo passamos das 15x.

Isso que as empresas estão muito enxutas: qualquer incremento de receita gera um aumento de lucros muito grande.

Múltiplo baixo atrelado ao crescimento rápido dos lucros é a fórmula mágica para ver os preços subindo.

Os fundos brasileiros estão pouco alocados em ações.

Os gringos possuem pouco Brasil no portfólio.

Com um mundo de juros negativos, gringo vai ser forçado a comprar Brasil, dada a matriz de risco e retorno.

A nossa economia está parada e com muita capacidade ociosa: apesar disso não ser uma boa notícia em si, isso permite que a Taxa Selic siga baixa e possa até cair mais.

Uma hora o grosso da caderneta de poupança vai ter que migrar para o mercado de ações.

O caminho é longo. Vai ter muita notícia ruim e sobe e desce no meio do caminho.

Todos os dias vão ter milhares de notícias horripilantes que farão você não ter nenhuma vontade de investir.

Isso sempre existiu e nunca vai mudar.

Mas uma coisa é certa: se você investir quando “estiver tudo bem”, vai chegar tarde demais, vai pagar caro.

Provavelmente terá sido o último a entrar.

Não existe mais ganho fácil sem dor. Quer ter algum retorno interessante? Vai investir na bolsa.

Não precisa ir tudo de uma vez só.

Você vai investir devagar.

Vai investir mês a mês.

Pouquinho a pouquinho.

Você vai diversificar sua carteira.

Vai ter várias ações de diferentes setores.

Vai ter ações somente de boas empresas, de negócios inquebráveis.

E mais, você vai comprar o que está barato, o que subiu pouco, o que ainda não subiu, o que caiu mais do que o razoável.

O importante é você começar, colocar um pé na água e ver o que você sente.

Parece clichê ou frase de coach, mas não é exagero dizer que mercado calmo não faz bom investidor.

E isso não está no domínio técnico do assunto, e sim na sua psicologia e no seu processo de investimento.

Se você estiver disposto a começar, tá cheio de gente querendo ajudar.

Aqui no GuiaInvest não é diferente.

Você pode sair do zero até um objetivo bem ambicioso, mas factível. que tal 100 mil reais investidos na bolsa?

Nós queremos ajudar você.

Temos todo um passo a passo para você entender como funciona o processo e depois ter autonomia para aplicar sozinho.

Não temos interesse que você seja dependente da gente para o resto da vida.

A gente te ajuda, mas uma hora você mesmo vai querer tirar as rodinhas da bicicleta e pedalar sozinho.

O que importa para gente é que você dê o seu primeiro passo rumo a um grande objetivo.

Você vem?

Um abraço e até semana que vem.

Gringos degringolando, queda na selic, e o Brasil?

Caro leitor,

A Taxa Selic caiu, em julho, para o patamar mínimo histórico de 6 por cento ao ano. Hoje se inicia mais uma reunião do Copom.

Será que a taxa pode cair mais?

Na minha opinião, sim, claro que pode.

Depois desse encontro ainda temos mais duas reuniões, sendo uma em outubro e a outra em dezembro.

O fato é que agora não há mais consenso de que haverá uma redução na taxa.

Muitos dos que acreditavam na queda da Selic agora apostam em uma manutenção. Outros ainda seguem com a ideia de queda para a taxa de juros.

Em um cenário global cada vez mais hostil e com a economia do Brasil ainda patinando, qualquer decisão é possível, fica difícil de saber para qual lado a coisa pende mais.

O fato é que não há expectativa de aumento.

E o melhor, se a taxa de juros não cair agora, mais para frente provavelmente continuará a perspectiva de queda.

Com nossa inflação controlada, os cortes na Selic são vistos como um meio de potencializar o crescimento econômico brasileiro, que já mostrou alguns avanços nas vendas de imóveis e veículos.

No cenário externo não há qualquer sinal que aponte um acerto entre EUA e China, ao passo que as tensões seguem aumentando a ameaça de recessão nos EUA.

Aqui do lado, a Argentina, que vive outra crise. Nossos vizinhos seguem sem conseguir solucionar seus problemas econômicos.

Eles estão renegociando as dívidas visando alongar os prazos de pagamento.

Dado o cenário, já há expectativa de redução do PIB e uma forte desvalorização cambial.

Para não ser afetado pelos problemas externos e conseguir deslanchar, o Brasil deve apostar no crescimento interno e se aproveitar das negociações com os demais países, sem criar atritos.

Nesse momento nos investimentos, se é pra seguir alguém, então vamos seguir os melhores, não é mesmo?

Me vem à cabeça o nome de Warren Buffett..

Para mim, essa é a melhor estratégia defensiva de investimentos, seguindo muitos ensinamentos desse mestre dos investimentos.

Continuo investindo em empresas pagadoras de dividendos. E você pode fazer o mesmo.

Se você deseja desenvolver seus conhecimentos sobre dividendos, clique aqui e assista essa palestra totalmente online e gratuita.

Se você se interessa em saber mais sobre esses assuntos me siga no meu Instagram @severoadriano e aproveite pra conferir as dicas de investimentos e educação financeira que compartilho por lá.

Abs e bons investimentos.

Quando vender o seu Fundo Imobiliário?

Ninguém casa para se separar, mas e se…

Caro leitor,

Sempre que me perguntam quanto tempo ficar investido em Fundos Imobiliários eu respondo:

“Para sempre!”

Mas isso é uma simplificação! Já que na maioria das vezes não tenho tempo de discorrer sobre o tema.

Vou trocar minha resposta para: “Que seja eterno enquanto dure”

Vou explicar.

O ideal é comprar os fundos para obter deles aquilo que é sua vocação: renda mensal passiva. Ou seja, compre e fique com eles para sempre.

Acontece que vão surgir oportunidades ao longo do tempo que você poderá aproveitar.

Vão surgir também, acidentes no percurso. Eles exigirão atitude de sua parte.

Portanto, você pode sim vender seus FIIs em algum momento. Aliás, tem horas que você deve vender mesmo.

Exemplos de quando você pode vendê-los:

1- Em caso de valorização excessiva. Imagine que você comprou seu FII a 100 reais, muito próximo de seu valor patrimonial (VP), e hoje ele está 140 reais e muito acima do seu VP. Faz sentido vender? É uma boa oportunidade se você conseguir repor este fundo por outro com o mesmo nível de rendimento considerando o seu preço de compra.

2 – Em caso de estar sem caixa para aproveitar uma nova oportunidade. Você identifica que há um outro FII que esteja a um preço atrativo, com bons fundamentos e que performa melhor do que algum fundo que você possui atualmente. Faz sentido vender um dos seus FIIs para comprar esse? Contanto que você tenha cuidado para não desbalancear sua carteira nessas trocas (e acabar concentrado em um único tipo de FII), sim.

Exemplo de quando você deve vendê-los:

1- Caso o FII perca os fundamentos. Algo aconteceu com o fundo e ele deixou de ser bom. Quando você se der conta, provavelmente o preço já caiu e você não fará um grande negócio na hora da venda. Paciência. Sem essa de querer sair no zero a zero, pois esse dia pode nunca chegar. Se desfaça da posição sem lamentações e bola para frente. Mais fácil recuperar em outro FII que seja bom, do que neste que deixou de ser.

Faz parte do jogo, e por isso que a diversificação é muito importante. Nem tudo vai dar certo sempre. Quando der errado tem que dar pouco errado e não muito. Ok?

E você? Já vendeu algum FII seu? Me diga qual o motivo, vamos falar a respeito.

Me siga no Instagram (@marcelofayh) que toda semana respondo perguntas sobre Fundos Imobiliários e outras coisas mais.

Ou me envie uma resposta por aqui.

Abraço!

Small caps exponenciais

Leia antes do mercado abrir na segunda-feira

Olá,

A compra da ação certa realmente poderá mudar sua vida.

Entenda…

Quando acertamos a escolha da ação capaz de multiplicar o capital, o resultado é impressionante.

E olha que não estou falando do “case” da MGLU3, que subiu na casa dos 20 mil por cento…

A Magazine Luiza é tão utilizada nos exemplos, que gera a impressão que este tipo de ganho ocorreu exclusivamente com as ações da empresa.

Quero te provar que este potencial está intrínseco na maioria das small caps de boas empresas.

Veja o desempenho das empresas listadas abaixo em apenas 4 anos:

Agora vamos transformar em retorno financeiro?

Percebeu o potencial? Isso acontece sempre com as ações Small caps, desde que, selecionadas de forma correta.

No final de todos os anos, se você for analisar as ações que mais subiram no período, o topo da lista estará recheado de ações Small caps.

Quando você visualiza uma evolução de preços significativas como os exemplos anteriores, na verdade você está visualizando um crescimento do valor de mercado da empresa.

Explico…

LCAM3 (Locamerica) em 2015 possuía um valor de mercado de 622 milhões, hoje ela vale 7,67 bilhões…o negócio cresceu mais de 12x.

Seus lucros cresceram, expandiu sua operação, se tornou uma empresa madura.

É esse tipo de empresa que você precisa encontrar para montar sua carteira de Small caps.

Já pensou em compor uma carteira com 7 LCAM3?

Isso pode acontecer…

O mais incrível é que na verdade você não precisa acertar todas…apenas um grande acerto poderá resolver tudo.

Acontece que nós temos mais de 200 Small caps na bolsa.

Esse tipo de empresa realmente poderá mudar sua vida, mas caso você não tenha conhecimento suficiente para se beneficiar da oportunidade, ela poderá mudar para pior.

Um queda de 98 por cento em pouco mais de 4 anos poderá ser bem doloroso.

Não permita que isso ocorra com você…

Para ajudar quem quer se beneficiar com ações Small caps, criei o canal Lucros Exponenciais.

No canal você vai ter acesso a uma carteira com as 7 small caps de grande potencial da bolsa brasileira.

Nas próximas semanas eu devo fazer mais 3 indicações ainda.

Você terá acesso a carteira recomendada com essas 7 small caps, live toda semana, publicações explicando cada recomendação da carteira, grupo de discussão fechado dentro da nossa plataforma, acesso a nossa ferramenta e muito mais.

A ação que mais performou na carteira, apresentou uma valorização de mais de 100 por cento em 12 meses.

A partir desse momento até segunda-feira, dia 16, tá rolando o pré-lançamento desse meu canal e quem quiser aproveitar até lá, as condições de assinatura serão especiais.

Está rolando um desconto de 70 por cento no valor da assinatura.

Entre em contato com nossa equipe comercial

Vale a pena comprar VLID3?

Informações que você deve estar atento!

Olá, amigo(a) investidor(a),

Pegue sua CNH e olhe para o canto superior esquerdo.

Conseguiu enxergar as 5 letrinhas pequenas?

Pois é! A Valid atua fortemente na área de emissão de carteira de habilitação.

VALID é uma empresa Global em segurança digital e física, com mais de 60 anos de experiência nos setores de meios de pagamento, telecomunicações, sistemas de identificação, Marketing Digital e Certificação Digital.

Em 2011, iniciou uma nova etapa tecnológica para prestação de serviço a clientes, nascendo assim a VALID Certificadora Digital, uma empresa totalmente dedicada à Certificação Digital.

Atualmente ela marca presença em 17 países.

O seu negócio basicamente é divido em 3 partes:

Identificação: Carteira de habilitação, carteira de identidade e documentos veiculares.

Principais clientes: Autoridades de trânsito, Polícia Federal e Autoridades Tributárias.

Este é o principal segmento de atividade no Brasil em termos de ebitda, possuindo uma market share de mais de 60%.

Mobile: Quinta maior fornecedora de cartões SIM (Chip para celular).

Principais clientes: Maiores operadoras de celular

O Mobile é a maior participação global da empresa, possuindo uma Market Share de 7,5% no mundo.

Prevendo uma evolução do mercado, a Valid está se inserindo no core de assinaturas eletrônicas (Identificação digital e reconhecimento facial) e demais.

Meios de Pagamento: Cartões com chip, cartões magnéticos e soluções de mobile banking.

Em meios de pagamentos a Valid atende principalmente instituições financeiras, transportes públicos e varejistas.

Ser por acaso você já efetuou uma compra através do seu celular utilizando o Google Pay ou Apple Pay, você utilizou o sistema que a Valid desenvolvou.

A empresa possui forte aderência ao mercado nacional nas atividades acima citadas, representando cerca de 53% da receita total (base 2018).

A relevância no Ebitda na linha de negócios relativas a identificação representa mais de 65% do total.

Equivalentes a mais de 200 milhões de resultado em 2018.

Abaixo segue a tabela com indicadores importantes para análise:

Por se tratar de um core diferenciado em termos de atividades, inviabiliza comparações com empresas de mesmo setor.

Por isso é racional analisarmos o histórico de resultados e indicadores, desta forma iremos situar o momento da empresa.

A empresa encontra-se na sua mínima histórica de P/L.

Mas o que fica gritante aos olhos é a divergência de preço e lucro:

Lembre-se os lucros justificam os preços!

O gestor Henrique Bredda possui 20% do total de ações negociadas em bolsa da empresa Valid…Será que ele tem um tese montada sobre a companhia?

Seus últimos resultados não foram bons:

Será que a empresa retomará crescimento e seu preço fechará o gap?

Qual a sua opinião?

Um abraço e bons investimentos,

Instragam @eduardo_voglino

O melhor indicador para Fundos de Investimentos

Caro leitor,

Semana passada eu disse o que não fazer… Agora quero te dizer o que fazer.

Quero selecionar os melhores fundos de investimentos. Mas como?

Vou te apresentar o indicador que eu mais gosto e que poucos olham na hora de escolher um fundo.

Estou falando da Consistência.

Se você não conhece, não é culpa sua. Ele é bem pouco difundido mesmo. Além de muito trabalhoso de ser calculado.

O que ele faz?

Ele me diz o quão consistente o fundo é em superar seu índice de referência (CDI para os renda fixa e multimercados e Ibovespa no caso dos fundos de ações) ao longo de sua existência.

Como ele faz?

Ele pega cada período de um ano (252 dias) possível na vida do fundo e verifica se superou seu benchmark dentro de cada um deles.

A cada dia de existência do fundo há uma nova janela de 252 dias para ser calculada.

O desenho abaixo representa bem a forma como ele é calculado.

O resultado do indicador é um número de 0 a 100.

Quanto mais alto, melhor.

Por que usar a Consistência?

Ao longo dos anos, os fundos passam por bons e maus momentos.

Nos bons, os resultados são expressivos, o fundo ganha projeção e vai para vitrine.

Ficam entre os melhores do ano, são os mais procurados pelos investidores e recebem grandes aportes de recursos.

Já nos maus momentos, os resultados são fracos, o fundo sai da vitrine e os investidores correm para resgatar seus recursos e colocá-los no outro fundo que está em um bom momento.

Acontece que normalmente os campeões de um ano serão os vilões do ano seguinte.

Esse ciclo é perverso para o investidor, que sempre chega no final da festa e acaba por pagar a conta.

Além disso, é o indicador que mais se aproxima do comportamento do investidor.

Os períodos móveis são muito mais importantes do que as janelas anuais do calendário, pois quase ninguém faz suas aplicações no primeiro dia de janeiro e resgatam no último dia de dezembro.

As aplicações e resgates são feitas ao longo do ano, a qualquer momento.

Como usar?

Indicador de 100 significa que o fundo entregou resultado acima do benchmark para quem ficou um ano investido independente do dia em que fez o aporte.

São poucos os fundos que conseguem tal feito.

Devemos ter atenção especial a fundos de Crédito Privado, que normalmente conseguem tal feito, pois o seu risco é oculto e o efeito é abrupto, mas concentrado em um curto espaço de tempo. É aquela velha história de subir de escada e descer de elevador.

Indicador acima de 50 significa que o fundo conseguiu superar seu benchmark na maior parte do tempo.

Indicador abaixo de 50 significa que o fundo não conseguiu superar o seu benchmark na maior parte do tempo.

Indicador de 0 significa que o fundo nunca conseguiu superar seu benchmark.

Apesar de pouco usado, a Consistência é o indicador mais importante na hora de escolher um fundo de investimentos.

É o único que vai te ajudar a não entrar no fundo campeão do ano passado que vira o lanterninha deste ano, justamente quando você estiver dentro.

Este indicador vai te ajudar a ficar entre os mais estáveis e rentáveis do mercado.

É o que eu mais gosto e o que eu mais uso!

Você já conhecia o Consistência? Qual indicador você usa?

Me siga no Instagram (@marcelofayh). Me responda ou mande uma pergunta por lá.

Abraço!