Qual diferença entre Itaúsa (ITSA4) e BMW X5?

Percebi instantaneamente que o Gabriel iria perder muito dinheiro. 

Gabriel é um típico investidor de ações que toma decisões com base em suas emoções. 

Ele havia comprado, em Fevereiro de 2017, o equivalente a 15000 ações da ITSA4, ao preço de 7,66 reais, somando um total aproximado de 114 mil reais. 

Me lembro de ter dado parabéns pela escolho das ações, afinal, Itaúsa é uma das melhores empresas da bolsa. 

No dia 17 de Maio de 2017, ele já havia finalizado a construção da sua carteira. 

A carteira estava bem diversificada e composta por empresas de alta qualidade. Nesse momento, bastava  efetuar aportes periódicos e manter os investimentos por um longo prazo. 

Empresas boas, aportes periódicos e visão de longo prazo… O simples normalmente funciona. 

Um dia após a compra  da última ação, Gabriel enfrentou seu primeiro circuit breaker — um mecanismo que interrompe os negócios da bolsa por 30 minutos para tentar conter a forte queda nos preços dos ativos. 

Lembra do  fatídico dia conhecido como Joesley Day?

Para quem compreende o racional de comprar ações baratas, esse dia foi maravilhoso. Pena que são poucos que compreendem. 

Eu estava em uma cafeteria de Porto Alegre fazendo uma  reunião com um cliente. Notei que meu telefone tocava insistentemente; contudo, não quis interromper a conversa.

Próximo das 11h, a reunião terminou. Enquanto pagava a conta, peguei meu celular do bolso. 

Havia 7 chamadas não atendidas, todas do Gabriel. 

Rapidamente, retornei a ligação. De forma ofegante ele despejou suas emoções:

“Edu, você viu? O mercado despencou, minhas ações estavam caindo todas mais 7%… A ITSA4 caiu 8%. Vendi tudo, acho que tomei a decisão certa, né?”

Não respondi nada, apenas pedi para ele me encontrar. 

Caro leitor, consegue me responder se a decisão do Gabriel foi certa?

Lembre-se de um ponto importante: ele havia comprado apenas ações de boas empresas. 

Pense comigo…

Se você fosse um revendedor de veículos e seu melhor carro fosse uma  BMW X5 (Sou fã de BMW). O preço de uma nova é mais de 450 mil reais

Agora, imagine você acordando em um dia qualquer e perceber que elas estão sendo negociadas a 200 mil reais.

Você venderia as BMWs que tem por 200 mil reais ou compraria mais para revender ao seu preço justo no futuro? 

A resposta é quase automática… 

Por que com ações de boas empresas deve ser diferente? 

O Gabriel vendeu uma das melhores ações da bolsa (ITSA4) por 6,40 reais, quando, na verdade, ele deveria ter aumentado sua posição (lembre-se da BMW).

Infelizmente, é muito raro encontrar aqueles que conseguem enxergar além de da turbulência do curto prazo.

Adoro dias turbulentos! 

São raros os momentos em que boas empresas são negociadas a preços de barganha. 

Não desperdice esses momentos.

Particularmente, busco momentos onde o mercado é irracional. 

Muitas vezes, uma empresa pode cair em descrença pelo mercado ou simplesmente não chamar a atenção. 

Quando isso ocorre, a lei da oferta e demanda impera, fazendo com que os preços caiam. 

Sabe qual é o nome disso? 

Oportunidade.

Uma empresa boa, não se torna ruim por uma queda de seus preços, assim como uma empresa ruim, não se torna boa por uma alta de seus preços.

Se amanhã o mercado apresentasse uma queda intensa e a ITSA4 estivesse sendo negociada a 6,44 reais, você compraria?

Gabriel vendeu… Gerou um prejuízo de 18.900,00 mil reais no total.

Não seja um Gabriel.

Busque por boas empresas e, quando seus preços caírem muito, compre! 

Forte abraço!

Eduardo Voglino atua no mercado financeiro desde 2007 e já assessorou diretamente centenas de pessoas quando teve seu próprio escritório vinculado à XP. É um entusiasta de buscar valor e assimetrias no mercado de ações. Escreve para o TheCap na coluna Fórmula Buffett.