O que fazer com os dividendos que caem na conta

Caro leitor,

Nos últimos quatro anos precisei me mudar três vezes. Em duas dessas mudanças envolveram mudanças profissionais e de cidade.

A primeira delas foi mais tranquila. Apesar de envolver troca de cidade, era só eu e minha esposa envolvidos.

Pouco mais de um ano depois, veio a segunda mudança. Dessa vez não mudamos de cidade mais tínhamos um bebê de colo.

Mais dois anos e lá vem outra mudança, desta vez troca cidade, troca atividade profissional e agora com mais uma criança no colo.

Sim, dois pimpolhos.

Será que foi estressante? Óbvio que sim.

Mas nem tão óbvio assim. O estressante em todos os casos foi DECIDIR.

Decidir ir ou não. Decidir para onde ir. Decidir quando ir.

Pensar em prós e contras, analisar cenários, pensar no que pode acontecer, planejar, ajustar expectativas, entre tantas outras coisas para decidir.

Enfim… um inferno do cão!

Mas depois de DECIDIR, a execução é tranquila.

Nessa hora, a cabeça se recupera e o corpo paga o trabalho.

Existe um termo para esse stress causado pela necessidade de tomar decisões importantes: fadiga de decisão.

Basicamente se descobriu que a qualidade das nossas decisões vai caindo conforme o dia vai passando.

Cansamos de decidir tanta coisa, mesmo as mais básicas e rotineiras.

Sabe aquelas decisões que parecem inofensivas, como decidir a roupa, o que comer, se atende ou não o celular no trabalho?

Elas gastam parte da sua energia que vai fazer falta para decisões realmente importantes que você precisa tomar no seu trabalho ou na sua vida pessoal.

Por que eu estou falando isso em um texto sobre dividendos?

Pois eu tenho certeza que uma das decisões mais difíceis de tomar é onde investir nosso suado dinheiro.

Também sou investidor. Falo por mim também. Investir em ações que pagam constantemente dividendos é se colocar em situação de estar seguidamente decidindo onde reinvestir este dinheiro.

A questão é simplificar essa decisão. Decidir uma vez só. E depois só executar.

Minha sugestão é: com o dividendo recebido dá para comprar mais ações da mesma empresa?

  1. Sim, então compre da mesma e facilite sua vida.
  2. Não, então junte com os dividendos das outras ações ou FIIs e compre aquele que subiu menos (ou caiu mais) desde sua última compra. ​

Essa é a solução simples e de fácil execução.

A condução dos seus investimentos precisa ser leve. Você precisa focar mesmo é no seu trabalho e na sua vida.

 Investimento só é possível pois você tem uma renda do seu trabalho para começar.

Então foque nisso e coloque o reinvestimento no piloto automático.

Abraço.

Marcelo Fayh atua profissionalmente no mercado financeiro desde 2007. Começou como operador de Bolsa, ministrou cursos e palestras pela XP Educação e teve seu próprio escritório de investimentos. Antes de virar analista, atuou como assessor de operações de Fusões e Aquisições. Acredita que qualquer pessoa é capaz de melhorar sua qualidade de vida através de escolhas e investimentos inteligentes. Escreve para o TheCap na coluna Fundos a Fundos.

Você não é um expert em ações

Olá, investidor!

Se você comprou ações este ano, tenho certeza que deve estar se sentindo praticamente um super-herói.

Você comprou uma ação e ela subiu.

Em seguida comprou outras ações e, para sua surpresa, elas também subiram.

Como é fácil o trabalho de um analista, afinal, você, de casa, está conseguindo excelentes resultados.

Mas preciso te alertar!

Seus acertos não são de super poderes que você adquiriu assistindo vídeos de “influencers” do Youtube, são apenas consequências de um mercado altista.

Citando alguns colegas jovens aqui do Guiainvest:

“Bovespa é Lua!”

Infelizmente você não é um gênio, ao menos não da bolsa.

Estou recebendo parabéns de muitos investidores simplesmente pelo fato de ter indicado um portfólio de ações onde duas delas (Small Caps) estão com mais de 85% em um pouco mais de 4 meses.

Óbvio que uma alta tão significante como essas gera contentamento, mas o fato é que, em mercado altista, não é tão difícil de altas dessa magnitude acontecerem.

Claro que conhecimento suficiente para encontrar alguns gatilhos de alta é importante.

Em mercado de altista, para não ganhar dinheiro com ações, você precisa ser muito bom em escolher empresas muito ruins.

De um pouco mais de 400 ações, apenas 36 ações permanecem negativas na bolsa.

Como mencionei, a maioria dessas empresas são péssimas, gerando prejuízos contínuos.

Tenho certeza que elas não chamariam sua atenção.

Tenho certeza que você nunca pensou em comprar uma OIBR3… rsrs.

Dois pontos merecem destaques em mercados de alta:

1 – Você deve comprar ações de empresas com bons fundamentos, independente da situação do mercado.

2 – Quando a tendência do mercado mudar, as ações irão cair, logo, então você irá descobrir que nem você nem eu somos deuses do mercado.

Você deve ter compreensão que existirão diversos momentos em que o mercado passará por longos períodos de alta, assim como de baixa.

O mais importante é que você trate os investimentos em bolsa de forma séria.

Você estará preparado para quando o mercado mudar de direção?

Lembre-se de sempre comprar empresas com ROE elevado, endividamento adequado ao setor, margens suficientes para momentos de poucas vendas e múltiplos baixos, afinal não adianta apenas ser bom, tem que ser barato.

Não existe mágica, não existe bola de cristal e não existem super-heróis…

Fazendo o dever de casa, suas ações irão se valorizar muito em mercados de alta e cair pouco (comparado ao índice Bovespa) em mercados de baixa.

Forte abraço!

Eduardo Voglino atua no mercado financeiro desde 2007 e já assessorou diretamente centenas de pessoas quando teve seu próprio escritório vinculado à XP. É um entusiasta de buscar valor e assimetrias no mercado de ações. Escreve para o TheCap na coluna Fórmula Buffett.

KNRI11: um dos melhores FIIs do mercado

Caro leitor,

Vamos começar bem o ano de 2020.

Este é para mim, um dos melhores Fundos Imobiliários do mercado: KNRI11.

Ele é gerido pela Kinea, uma gestora “independente” que pertence ao Itaú. Calma que eu explico…

Ela é “independente” pois está fora da estrutura física do Itaú.

Tem outra marca e independência na gestão.

Aproveita a estrutura de controles e compliance do sócio rico mas mantém a agilidade e eficiência de uma independente.

O fundo tem por objetivo gerar renda de aluguel mensal através de um portfólio diversificado de prédios corporativos e galpões logísticos.

Por menos de duzentos reais, você leva um dos, senão o fundo mais diversificados da bolsa.

Ele possui dezenove ativos em três estados diferentes.

São seis edifícios e sete (um deles em construção) galpões em São Paulo; um edifício e um galpão em Minas Gerais e três edifícios e um galpão no Rio de Janeiro.

Sessenta por cento da receita dele vem dos imóveis de São Paulo, dezoito de Minas e o restante do Rio.

45 por cento da receita vem de contratos atípicos.

São contratos onde o inquilino tem multas pesadas de rescisão que representam até 100 por cento do valor restante do contrato.

Mais ou menos algo do tipo: “Pode até sair antes, desde que pague o aluguel até o final do contrato”.

No total são oitenta e cinco contratos de locação e mais de cinquenta inquilinos. Sessenta e oito por cento deles vão vencer só lá de 2023 em diante.

Somando todos os imóveis, a área bruta locável é equivalente a 91 campos de futebol (parece aquelas comparações feitas por repórteres de televisão) ou mais de setecentos e cinquenta mil metros quadrados.

É um dos maiores fundos do mercado somando R$ 3,6 bilhões de patrimônio líquido.

Ele ainda possui quase duzentos milhões de reais livres em caixa, para adquirir mais imóveis e incrementar sua receita com aluguéis.

Poucos fundos no mercado tem este nível de diversificação e qualidade.

Por isso ele é um dos meus preferidos.

Ele é a blue chip dos FIIs.

Assim como não faz sentido esperar que o Itaú se multiplique de tamanho, afinal ele já é um gigante, não espere que o KNRI11 seja o campeão de rentabilidade do ano.

Ele já tem muito de sua qualidade embutido no seu preço.

Pela sua qualidade, precisa estar presente em uma carteira de FIIs que se preze.

Abraços.

Marcelo Fayh atua profissionalmente no mercado financeiro desde 2007. Começou como operador de Bolsa, ministrou cursos e palestras pela XP Educação e teve seu próprio escritório de investimentos. Antes de virar analista, atuou como assessor de operações de Fusões e Aquisições. Acredita que qualquer pessoa é capaz de melhorar sua qualidade de vida através de escolhas e investimentos inteligentes. Escreve para o TheCap na coluna Fundos a Fundos.

Os 4 passos para seguir ainda em 2019 e que vão te enriquecer em 2020

Olá, investidor!

Hoje acordei às 6h da manhã, como de costume, e tomei minhas duas xícaras “sagradas” de café colombiano.

Até esse momento era uma manhã como todas as outras, mas percebi que estava rolando uma “palestra”.

Inicialmente achei estranho, já que o Sr. “Palestrinha” de casa sou eu.

Rapidamente, descobri o que estava acontecendo: a excelentíssima Sra. Voglino estava ouvindo um podcast sobre proatividade e execução.

Teve um momento naquele podcast que o palestrante me chamou a atenção ao dizer: “Sabe aquela dieta que você pretende começar na próxima segunda? Comece hoje, comece agora! Desta forma você irá iniciar a próxima segunda já com energia certa e poderá prosseguir com foco no resultado.”

Agora restam poucos dias até a virada do ano. Especificamente, nesses últimos dias, todas as pessoas começam a refletir no que fizeram de bom no ano e iniciando a famosa lista com projetos para o próximo ano.

É estimulante listar as “promessas” para o próximo ano, difícil é executar. Duas dessas promessas sempre se repetem:

  • Começar academia (cuidar da saúde)
  • Começar a investir (cuidar das finanças)

Bom, no item “começar academia”, não posso te ajudar! Mas posso afirmar que no mínimo três vezes por semana eu treino musculação e isso me ajuda a melhorar a saúde e a cabeça (minhas melhores teses de investimentos acontecem durante os treinos).

Já no item de investimentos, poderei te ajudar diretamente!

Mas me prometa que irá executar hoje!

Não deixe para o início de 2020, faça como foi dito no podcast. Desta forma você já começará o ano em execução.

A palavra-chave é execução

Se você tivesse feito o que vou te falar agora, no início de 2019, veja o que teria acontecido:

Grafico de valorizacao 2019

Seus investimentos poderiam ter rendido mais 20%.

E isso com apenas 30% em ações.

Excelente resultado, concorda?

Então, vamos lá! Este é o momento da execução. Siga os passos abaixo:

Passo 1 – Caso não possua conta em alguma corretora, clique no link abaixo e faça a abertura:

Abrir conta na corretora – Preencha o cadastro e em minutos sua conta estará aberta. Este escritório de investimento é o que eu utilizo (XP Investimentos).

Passo 2 – Chegou o momento de efetuar o investimento que pertence a sua reserva de emergência. Aqui iremos escolher um investimentos de renda fixa e com liquidez diária. Sugiro alocar o equivalente a seis meses de suas despesas.

Investimentos sugeridos: Tesouro Selic ou o fundo Trend Pós-Fixado FIRF Simples.

Passo 3 – Separe entre 10 e 30 por cento do total para comprar ações de boas empresas. Aqui não precisa inventar a roda, basta comprar as ações que apresentam os melhores resultados financeiros no longo prazo.

Ações como ITSA4, LREN3 e WEGE3 são indispensáveis em uma carteira de longo prazo… Claro não é prudente concentrar os investimentos em apenas 3 ações.

Lembre-se sempre de se atentar a indicadores fundamentalistas como: ROE, LPA, Endividamento, Margens, etc…

Caso queira uma ajuda direta, acesse a lista de 10 ações para ter em 2020​ que separei.

Passo 4 – O excedente de capital, sugiro que você invista em um ou dois bons fundos multimercados.

Minhas sugestões: Kinea Chronos, Absolute Hedge Fic, Trend, Mauá Institucional Fic ou XP Macro Institucional. Você pode selecionar outra opção, mas cuidado para não sobrecarregar muita volatilidade na carteira através dos fundos.

Veja o exemplo da distribuição da carteira:

Diversificacao de carteira

O mais simples funciona no mercado! Não precisa ser um gênio das finanças para construir uma boa carteira de investimentos.

O importante é começar hoje​ e deixar os juros compostos trabalharem para você.

Comece e termine o ano de 2020 cuidando da sua saúde financeira. Comece a construir seu patrimônio: cada dia postergado é menos dinheiro no seu futuro.

E não esqueça de iniciar a academia também. Dinheiro sem saúde não serve para nada.

Feliz 2020!

Forte abraço!

Eduardo Voglino atua no mercado financeiro desde 2007 e já assessorou diretamente centenas de pessoas quando teve seu próprio escritório vinculado à XP. É um entusiasta de buscar valor e assimetrias no mercado de ações. Escreve para o TheCap na coluna Fórmula Buffett.

Aqui está meu presente de Natal

Olá, como você vai?

Bom, dia de Natal chegou e aqui vai o meu presente, a ação que eu acredito que irá despontar em 2020.

É a Log Properties (LOGG3).

Além de ser uma recomendação do Eduardo Voglino no Canal Joias da Bolsa, comentei sobre ela aqui​, quando ela ainda era cotada a 24 reais.

Claro, de nada vale ter essa ação sem compor ela em uma carteira completa.

O que quero dizer é que você não deve ter mais de 5% do seu patrimônio alocado em uma única ação, independente de que ação seja.

Por mais que eu acredite no grande potencial da empresa, sugiro muita parcimônia.

Dito isso reforço outro ponto: 2020 não é ano para se deixar de investir em ações. Alguma exposição à Renda Variável é necessária.

De toda forma, não compre ativos ruins. Coisa ruim sobe muito durante a euforia, mas o tombo é muito doloroso na primeira crise a frente.

Quanto maior a euforia do mercado, mais você terá vontade de ganhar mais com investimentos mais exóticos. Cuidado com isso.

Ganhar dinheiro de forma simples te permite comprar as mesmas coisas do que se você ganhar de forma complexa.

Em 2020, estude, comece, se mexa, invista.

A bolsa passará por um ótimo momento bom e provavelmente veremos valorizações expressivas.

Um último aviso: agora no final de ano teremos uma promo especial para quem quiser se tornar aluno do Árvore da Riqueza, um curso completo sobre value investing e que ensina você a encontrar as barganhas da bolsa.

Clique aqui​ se quiser ser notificado.

É isso aí. O último recado de 2019 é curto, mas não menos importante do que os outros.

Cuide bem do seu dinheiro. Um grande abraço e boas festas.

Martin faz parte da equipe do GuiaInvest desde início de 2017. É Mestre e Bacharel em economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escreve para a TheCap na coluna Contra a Corrente.

Os dias que cada ação paga dividendo

Caro leitor,

Hoje trago um presente de Natal para você!

Uma ferramenta que vai te ajudar a montar uma carteira de dividendos com pagamentos durante o ano todo.

Eu fiz um estudo que mostra quando as empresas do Ibovespa mais pagam proventos.

Essa tabela​ responde uma das dúvidas mais pertinentes dos investidores em dividendos.

Afinal de contas, quando essas empresas costumam pagar seus dividendos?

Eles são em datas completamente aleatórias? Pagam todos os meses? Ou sempre na mesma época do ano?

Com base no comportamento das empresas dos últimos cinco anos, pude observar que há empresas que pagam, sim, todos os meses.

Tem aquelas que pagam todo final de ano.

Tem aquelas que pagam todo abril.

Enfim… cada uma com o seu padrão.

O setor bancário é o que paga com mais frequência. E de quebra tem os melhores Yields.

Telefonia é outro setor com frequência alta nos pagamentos.

As elétricas apesar de ótimas pagadoras de dividendos, tem os pagamentos concentrados em abril, maio e final do ano.

E por aí vai… Com essa informação você vai conseguir se planejar melhor para montar uma carteira que faça pingar na sua conta dividendos quase todo mês.

Nada mal, hein?

De nada.

É meu presentinho​ de Natal nesse dia 24.

Ah, tem mais.

Essas empresas já anunciaram que vão pagar Juros Sobre Capital Próprio para quem tiver ações no dia 30 de dezembro (dá tempo de comprar ainda e ganhar): Sanepar, Banco ABC e Telefônica Brasil.

Será que elas vão pagar a sua fatura do cartão de crédito pós-Natal?

Abraço.

Marcelo Fayh atua profissionalmente no mercado financeiro desde 2007. Começou como operador de Bolsa, ministrou cursos e palestras pela XP Educação e teve seu próprio escritório de investimentos. Antes de virar analista, atuou como assessor de operações de Fusões e Aquisições. Acredita que qualquer pessoa é capaz de melhorar sua qualidade de vida através de escolhas e investimentos inteligentes. Escreve para o TheCap na coluna Fundos a Fundos.

VULC3: a melhor Small Cap para 2020

Olá, investidor!

Você conhece a VULC3?

Será que ela poderá ser a melhor Small Cap em 2020?

Te peço 2 minutos para te apresentar a empresa.

Vulcabras Azaleia – VULC3

O Brasil é um dos maiores mercados calçadistas do mundo e a Vulcabras Azaleia é uma das maiores calçadistas do Brasil, dona de marcas líderes e das mais lembradas pelos consumidores.

São décadas de atuação construindo não só a história dessas marcas, mas também ajudando a formar a tradição do próprio setor. Quem fala de indústria calçadista brasileira, fala de Vulcabras Azaleia.

Com todo esse histórico, a companhia se tornou uma gestora de marcas, utilizando sua indústria como diferencial competitivo. Por sua busca contínua pelo novo, a Vulcabras Azaleia sabe qual é o sapato que as pessoas gostam.

Por isso a empresa é gestora de marcas líderes em seus segmentos, como a Olympikus, primeira em venda de tênis no Brasil, e a Azaleia, uma das mais lembradas quando o assunto é sapato feminino. As marcas são sinônimo de escolha inteligente, com alta qualidade e ótimo custo-benefício.

A partir de 2018, a companhia passou a ser a licenciada exclusiva da Under Armour no Brasil, uma das maiores marcas de confecções, calçados e acessórios esportivos.

Somadas a elas estão Dijean, OLK e as Botas Vulcabras.

Veja a comparação abaixo com os principais players do mercado:

A VULC3 apresenta um excelente ROE frente aos níveis dos seus múltiplos de preço.

Negócio rentável e barato!

Isso ocorre, devido a um passado não muito distante de resultados ruins…

Atualmente a empresa está com resultados semelhantes aos anos anteriores a 2011, entretanto na época a empresa operava a níveis de P/L quase 3x maiores que o de hoje.

O fato é que no passado a Vulcabras operava com um ROE mais elevado, contudo a empresa está apresentando processos cada vez mais alinhados, favorecendo no ganho de eficiência, redução de custos e consequentemente aumento do ROE.

Somado a este fato, nossa economia nos próximos anos irá retomar seu crescimento (já visível), alinhando os drivers para um crescimento de resultado da empresas.

Os fundamentos da empresa estão melhorando a cada resultado, isto é fato, e pode ser comprovado com a visível melhora no indicador GI SCORE:

O que você acha, vale a pena?

Se uma é pouco, aqui deixo a lista das 10 small caps que vão bombar em 2020​.

Forte abraço!

Eduardo Voglino atua no mercado financeiro desde 2007 e já assessorou diretamente centenas de pessoas quando teve seu próprio escritório vinculado à XP. É um entusiasta de buscar valor e assimetrias no mercado de ações. Escreve para o TheCap na coluna Fórmula Buffett.

BRCR11 e HGRE11: o que esses fundos imobiliários têm em comum?

Dicas

Caro leitor,

Sabe aquelas leituras obrigatórias para o vestibular?

Os Fundos Imobiliários também tem as leituras obrigatórias para os investidores.

E não se preocupe que eu não vou te oferecer nenhum eBook meu ou te vender algum livro.

A leitura obrigatória para quem gosta de FIIs e quer entender mais é o Relatório Gerencial.

É uma publicação mensal que a maioria dos gestores de Fundos Imobiliários faz. Nela o gestor fala sobre o próprio fundo e o mercado como um todo.

Para cada tipo de fundo há uma abordagem diferente, afinal cada um vai falar aquilo que seja pertinente para o seu caso.

Os mais ricos de todos, para mim, são os de Fundos de Fundos. Pois ali você vai ler o que pensa e faz um cara que é investidor como você.

Com a diferença que este cara é o gestor do fundo e investe um dinheiro que não é dele.

Outra diferença importante é que o cara é um profissional no que faz.

Isso é uma aula grátis todo mês. Aula prática mesmo. Ele mostra o que fez e ainda explica o por que.

Olha esses trechos do relatório gerencial do MGFF11 de Novembro:

“Aumentamos sensivelmente nossas posições em BRCR11 através de (1) compras a mercado e (2) subscrição da oferta. Isso porque, na nossa visão, o fundo na casa R$ 90 – R$ 95 estava negociando com um desconto bastante expressivo.“

“Aumentamos também significativamente nossas posições em HGRE11. Note que no início de novembro o fundo chegou a cair mais de 8% e foi nesse momento que aproveitamos para alocar boa parte do nosso caixa disponível. Desta forma, dobramos nossa alocação além de já conseguirmos uma valorização de quase R$ 10/quota.”

Quer mais o que? Tem dica mais quente que essa? De cara mais qualificado que um gestor?

Essa é a parte mais genial dos relatórios.

O restante das informações são para você conhecer o fundo. De onde vem o resultado que ele obtém, como o fundo está alocado, entre outras.

A parte menos legal do relatório também é importantíssima: as tabelas resumidas das demonstrações contábeis do fundo.

Se acostume com elas se quiser investir em FIIs. Você precisa compreendê-las para avaliar o desempenho operacional e financeiro do fundo.

Se você acha complicado, então pára tudo e vai espiar um balanço de uma empresa da bolsa.

Quando você voltar dessa espiada, você vai ver a barbada que é olhar aquela tabelinha dos FIIs.

Enfim… é quase véspera de Natal e não quero tomar muito do seu tempo.

Fique com sua família e celebre um ano incrível para Fundos Imobiliários.

Quanto aos relatórios gerenciais?

Coloque na sua lista de leitura. Mesmo.

Por último, acredito que se você der uma olhada nesse material sobre FIIs, o seu Natal de 2020 vai ser mais gordinho do que o de 2019.

Feliz Natal!

Abraços.

Marcelo Fayh atua profissionalmente no mercado financeiro desde 2007. Começou como operador de Bolsa, ministrou cursos e palestras pela XP Educação e teve seu próprio escritório de investimentos. Antes de virar analista, atuou como assessor de operações de Fusões e Aquisições. Acredita que qualquer pessoa é capaz de melhorar sua qualidade de vida através de escolhas e investimentos inteligentes. Escreve para o TheCap na coluna Fundos a Fundos.

Veja a lista das 10 ações que mais subiram

Top 10 acoes que mais subiram
Olá, investidor!

Sem mais delongas, veja quais são as 10 ações que mais subiram em 2019:
Lista das acoes que mais subiram em 2019

Todas subiram mais de 100 por cento! Incrível, não acha?

O problema é que o motivo que levaram algumas dessas ações a subirem tanto, foi a perigosa especulação.

Chamo de perigosa, pois no médio e longo prazo o especulador quase sempre quebra.

Deste ranking de dez ações, duas fazem parte do portfólio do Canal Joias da Bolsa… Isto significa que o canal é especulativo?

Não!

No momento em que essas duas ações foram incluídas no canal, elas apresentavam excelentes fundamentos, ou seja, já eram boas empresas.

Mas o que determinou as compras, além dos fundamentos, foram seus preços. Eram negociadas a múltiplos muito baixos frente ao seus segmentos e as médias delas mesmas.

Na prática isso significa dizer que estavam baratas! ​

A minha intenção aqui, é deixar claro que grandes ganhos poderão surgir quando se investem em boas empresas.

Mas o investimento é direcionado para boas e baratas empresas, o ganho além de grande poderá ser rápido.

Isso não é uma regra!

E para falar a verdade, essas empresas ainda continuam na carteira, afinal, não somos especuladores, somos investidores.

Quando o preço sobe é muito bom, mas melhor ainda é quando o lucro da empresa cresce.

Este deveria ser o foco de todos investidores! Comprar boas empresas, que tenham potencial de crescimento e pagando barato.

Faça isso e possivelmente algumas ações da sua carteira estarão fazendo parte das maiores altas de 2020.

Mas cuidado! Não confunda comprar barato, com comprar as ações que mais apresentaram queda.

Veja o ranking das que mais tiveram queda em 2019:

Lista das acoes que mais cairam em 2019

Dessas dez ações, nove nunca fariam parte da minha carteira. Quer saber o motivo?

Fundamentos ruins, sem perspectiva de crescimento e o preço é justo aos seus péssimos resultados.

Compre o que é bom e barato, nunca somente o que é “aparentemente” barato.

Não temos como acertar todas sempre, mas sempre temos como colocar as probabilidades a nosso favor.

Aqui o meu amigo André listou as 10 small caps que prometem para 2020​.

Forte abraço!

Eduardo Voglino atua no mercado financeiro desde 2007 e já assessorou diretamente centenas de pessoas quando teve seu próprio escritório vinculado à XP. É um entusiasta de buscar valor e assimetrias no mercado de ações. Escreve para o TheCap na coluna Fórmula Buffett.

Bolsa brasileira: em que fase do ciclo estamos?

Olá, como você vai?

Com o Ibovespa rondando por volta dos 112 mil pontos começam a surgir dois grupos divididos: os que querem entrar agora e os que já querem sair.

O primeiro grupo já não aguenta mais ver a bolsa se valorizar enquanto estão de fora da festa.

O segundo grupo está com medo de que a festa acabe e quer embolsar um lucro que é qualquer coisa acima do que estava acostumado a ganhar na renda fixa.

E a bolsa é isso aí mesmo: para alguém entrar é preciso que alguém saia. Só sai negociação quando há um acordo de compra e venda de determinada ação a um determinado preço.

Mas nessa história aí, quem está certo? Quem quer entrar agora ou quem quer sair?

Nem tanto ao céu e nem tanto à terra.

A bolsa, desde janeiro de 2016, teve uma alta muito considerável.

Saiu dos 38 mil para os 112 mil pontos, uma valorização de +194 por cento, o que equivale a praticamente triplicar o valor de mercado do principal índice de ações da bolsa brasileira.

Era o melhor momento para se e entrar. Quem pegou, pegou.

No entanto, para quem está chegando um pouco atrasado, na minha visão, a parte boa da festa ainda vai durar.

As empresas tem todo um ciclo de aumento de lucros para viver agora com a melhora da atividade econômica.

Os fundos ainda nem aumentaram a sua alocação em bolsa e os gringos ainda não chegaram em peso.

Depois disso tem toda aquela euforia de emprego, consumo e crédito melhorando.

A confiança vai nas alturas, a economia anda e chegam os selos de investment grade para o Brasil.

A verdadeira euforia, o verdadeiro oba-oba não chegou ainda.

Até lá ainda tem muito jogo pela frente.

Como disse o grande gestor Florían Bartunek, “ainda estamos nos 40 minutos do primeiro tempo, falta mais um pouquinho para chegarmos na metade do ciclo de alta da bolsa”.

Lógico, vão haver correções no meio do caminho.

Já tivemos Joesley Day, Greve dos Caminhoneiros, Eleições, Bebiano, filhos do presidente, Trump e mil outras coisas.

Razões para você não investir sempre vão existir aos montes.

Mas isso tudo não impediu que a bolsa chegasse onde chegou.

Diante disso, há 3 coisas importantes a apontarmos.

Primeiro, está na hora de começar. E em última análise, sempre é hora de começar, afinal, não dá para você deixar seu dinheiro no banco parado.

Segundo, hoje em dia, mesmo com as máximas, é insanidade não ter ao menos uma parcela pequena do patrimônio exposta ao ciclo de valorização da bolsa.

Se Florían estiver rigorosamente certo, ainda temos 4 anos e algo de bolsa subindo.

Bolsa de valores é tudo de bom, ainda mais em mercado de alta.

Terceiro, e não menos importante, “os tijolos ainda não estão voando”.

O que quero dizer com isso?

Em um ciclo de alta da bolsa, tudo começa pela alta das principais ações: Petrobras, Vale, Itaú, Banco do Brasil, etc.

Depois aquelas empresas de porte relevante e que sempre foram boas empresas começam a puxar: B3, Natura, Lojas Renner.

Depois é a vez das small caps.

Neste ciclo, as principais small caps a subirem foram a PetroRio (PRIO3) e a Unidas (LCAM3), fora o atípico caso da Magazine Luíza.

Mas ainda vai ter muita small cap disparando neste ciclo.

Por último, e mais perigoso, também há a supervalorização dos micos da bolsa, os verdadeiros tijolos voando.

São ações de empresas que não melhoraram, ou até pioraram, mas sobem só porque tudo subiu.

Essa é a verdadeira hora da euforia, em que você vai precisar ser racional e ficar de fora de uma festa que não tem mais como acabar bem.

É nessas horas é importante você estar focado na qualidade das empresas que você está investindo.

Só empresas boas mantém as suas supervalorizações por anos e anos.

Empresas ruins até disparam. Mas depois devolvem tudo de uma vez só. Tome muito cuidado.

Eu ajudei você nesse artigo de hoje?

Martin faz parte da equipe do GuiaInvest desde início de 2017. É Mestre e Bacharel em economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escreve para a TheCap na coluna Contra a Corrente.