Antes restritos para Investidores Qualificados, agora abertos ao público em geral

Caro leitor,

Hoje escrevo para quem gosta de fundos de papel.

Fundos Imobiliários de Papel são fundos que não compram imóveis físicos, mas sim títulos de renda fixa ligados a operações imobiliárias.

Eles podem ter ou não um imóvel físico atrelado, mas apenas como forma de garantia da operação.

O principal papel comprado por este tipo de fundo é o CRI – Certificado de Recebíveis Imobiliários.

Quem emite esse tipo de papel tem um contrato imobiliário (pode ser financiamento, aluguel ou outro) que garante recebimentos futuros.

Imagine que você possua um imóvel que está locado por 10 anos. Quer dizer que você tem um aluguel para receber pela próxima década inteira. Certo?

Das duas uma:

Você pode deixar tudo como está e ir recebendo os aluguéis aos poucos;

Ou então pode optar por receber esses valores à vista. Para isso, você precisará emitir um CRI e encontrar quem queira comprá-lo.

Claro que esse recebimento à vista vem com um desconto né?

Afinal quem irá te entregar este dinheiro à vista para receber a prazo vai querer ganhar alguma coisa com isso.

Esse “desconto” é a remuneração do investidor do CRI. É a diferença entre o quanto ele vai te pagar hoje para o quanto ele vai receber no futuro.

O Fundos de Papel fazem esse tipo de investimento. Procuram quem tem algum recebível imobiliário e antecipam estes valores em troca de um bom desconto.

As novidades nesse mercado ficam por conta de dois fundos da gestora Kinea, uma das mais tradicionais no mercado de FIIs.

Essa gestora possui dois bons fundos de papel.

Até pouco tempo atrás, esses fundos eram restritos a investidores qualificados e, portanto estavam fora do alcance do investidor comum como você e eu.

O Kinea Renda Imobiliária (KNCR11), há poucas semanas mudou seu público alvo para investidores em geral. Agora, ele está ao seu alcance.

Esse fundo é focado em compra de CRIs com rentabilidade atrelada ao CDI.

O Kinea Índices de Preços (KNIP11) anunciou que seguirá o mesmo caminho na próximo assembléia: mudar o público alvo para investidores em geral.

Se for aprovada a medida (e a expectativa é que seja), o fundo ficará acessível ao investidor comum em dezembro.

Esse fundo também é focado em compra de CRIs, mas com rentabilidade atrelada a índices de inflação.

Os dois são excelentes alternativas entre os fundos de papéis.

Estou sempre atento: o KNCR11 entrou na seleção de FIIs do Aluguel Inteligente assim que mudou o público-alvo.

O KNIP11 terá o mesmo destino assim que se confirmar a mudança de público-alvo.

Abraço!

Gringos tirando grana do Brasil!

Com o cenário de um risco global é normal que os gringos retirem seu dinheiro do Brasil, mas isso não é uma exclusividade nossa.

É natural que investidores de países desenvolvidos busquem países emergentes em busca de ampliar os seus ganhos, quando a renda fixa paga juros baixos nos seus países.

Mas em momentos de risco global é natural que eles retirem o dinheiro dos países emergentes e levem “para casa” visando obter retornos melhores e com maior segurança na renda fixa de seus países.

Parece sensato, não é mesmo?

Nós devemos seguir o mesmo raciocínio com o nosso dinheiro.

Quando há juros baixam devemos aumentar nossa posição em renda variável e quando os juros sobem devemos aumentar nossa posição em renda fixa.

Em relação ao Brasil os investidores estrangeiros já resgataram, desde o início do ano, cerca de 19 bilhões de reais da nossa bolsa. Vale lembrar que o mês ainda não terminou.

O fluxo desses recursos está no mesmo patamar de agosto de 1996, quando foi registrado, desde o início da série, o pior nível.

Pra você ter uma ideia lá em 2008, há quase 10 anos (lembrou da crise, né?!), no mesmo período de janeiro a agosto foi retirado cerca de 16 bilhões de reais.

O ibovespa está rondando os 100 mil pontos, desde quando atingiu esse patamar em junho deste ano.

A força que vem impulsionando a bolsa é de origem de investidores pessoas físicas e de institucionais locais.

A reforma de previdência parece já estar definida, faltando apenas alguns detalhes.

A reforma tributária pode ser a bola da vez.

Então imagine quando todo esse dinheiro estrangeiro voltar…

A questão que vejo não é se o Brasil vai retomar o crescimento, mas sim quando.

Até porque essa questão sempre foi assim por aqui. Independente de quem esteja definindo os rumos do país, sempre passamos por cenários adversos e soubemos lidar com isso.

Em momentos de instabilidade econômica, a exposição a ativos perenes trás uma segurança maior para carteira de investimentos, uma vez que possuem menor volatilidade.

Ações de bancos, elétricas e saneamento fazem parte deste grupo atualmente.

E ainda por cima costumam pagar bons dividendos…

Que tal aproveitar a oportunidade para comprar empresas boas pagadoras de dividendos, compor a carteira com ativos menos voláteis e ainda por cima ver os dividendos aumentar com a recuperação da economia?

Para auxiliar vocês eu criei um canal que conta com uma lista de ações atrativas que pagam bons dividendos, além de te ensinar a escolher as melhores oportunidades do mercado.

Que tal conhecer e se aprofundar mais no assunto? Clique aqui e saiba mais.

Te vejo por lá!

Me siga no meu Instagram @severoadriano e aproveite pra conferir as dicas de investimentos e educação financeira que compartilho por lá.

Abs e bons investimentos

A morte da renda fixa

Estamos de olho no Copom. O que fazer com -0,5 bps?

Caro leitor,

Hoje o Copom decidirá o futuro da Taxa Selic.

A queda já não será surpresa para ninguém.

O que está dividindo opiniões é o tamanho da queda.

São poucas as instituições que ainda projetam manutenção da Selic para reunião de hoje.

Da seleção de 18 instituições, apenas 4 apostam na manutenção da taxa em 6,5 ao ano, ao passo que 6 apostam em queda de 0,5 bps e 8 apostam em uma queda de apenas 0,25 bps.

Claro que ainda existe incerteza quanto a reforma da Previdência e ao cenário externo, mas a inflação está controlada, as expectativas de crescimento caíram muito durante o primeiro semestre e o Banco Central perdeu algum tempo.

Fato é que a nossa economia está há algum tempo pedindo novas quedas e esse atraso do Banco Central deve ser compensado com uma queda de 0,5 pontos base na Selic, deixando ela em 6 por cento ao ano.

Isso significa que qualquer aplicação que renda 100 por cento do CDI irá render apenas 6 por cento em um ano, sem descontar os impostos pagos no vencimento e sem descontar as taxas de administração.

Se formos descontar a inflação, chegaremos em uma conta que se aproxima de zero por cento ao ano de rendimento.

A renda fixa está morta.

Se antes ela servia como um instrumento de acumulação de patrimônio, hoje ela apenas cumpre a função de preservação de patrimônio.

O jogo mudou.

Quem não mudar junto, vai deixar dinheiro na mesa.

O brasileiro finalmente vai ter que se mexer para ganhar dinheiro no mercado.

E claro, não é para você tirar todo o seu dinheiro da renda fixa. Isso sequer é responsável.

Mas é importante que você abra mão de uma parte do seu Tesouro Selic, do seu Fundo DI, do seu CDB, LCI, LCA ou mesmo a sua caderneta de poupança…

…e destine esse valor para outros ativos, como títulos do Tesouro Direto com vencimento longo, Fundos Imobiliários, ações de dividendos e Small Caps.

Tenha um pouco de cada coisa, é muito importante estar exposto a diferentes classes de ativos e de forma diversificada.

Qualquer acerto irá mais do que compensar os seus erros e, acredite, isso já basta para colocar a sua rentabilidade em outro patamar.

A renda fixa morreu, mas o seu dinheiro não.

Aqui temos uma seleção de 6 ações para o segundo semestre. Essa é a hora de se expor um pouco mais.

Um abraço e até semana que vem.

Cobranças abusivas: você sabe como identificá-las?

Cobranças abusivas: você sabe como identificá-las?

Cobranças abusivas: você sabe identificá-las?

Em meio a dificuldades financeiras, o atraso do pagamento das contas é uma consequência quase óbvia. A depender do prolongamento da quitação do débito, é bem provável que o inadimplente seja cobrado por isso.

O problema, no entanto, é a forma utilizada pelas empresas para reaver o dinheiro referente à dívida. Seja feita pela própria empresa credora ou por uma organização terceirizada, a prática da cobrança abusiva tem sido cada vez mais recorrente.

Desinformadas, muitas pessoas são constrangidas por cobranças desse tipo. Por isso, é extremamente importante que você saiba identificar uma cobrança ilegal. A partir daí, basta buscar a orientação jurídica adequada para exercer os seus direitos como consumidor.

Mas, afinal, quais são os aspectos que caracterizam uma cobrança abusiva? É exatamente isso o que nós abordaremos na sequência. Continue a leitura para descobri-los!

Como identificar uma cobrança abusiva?

Para se certificar que uma cobrança ultrapassou os limites legais, basta consultar o CDC (Código de Defesa do Consumidor). Vejamos o que diz alguns artigos do referido Código.

Exposição da vida pessoal do consumidor

De acordo com o Art. Nº 42 do CDC, as empresas credoras não podem, em hipótese alguma, causar qualquer tipo de constrangimento ao consumidor inadimplente.

Isso inclui, naturalmente, qualquer tentativa de expor a vida particular do indivíduo. Em outras palavras, as organizações credoras precisam preservar a dignidade de quem será cobrado — independentemente dos valores em aberto.

Cobrança em tom ameaçador

O Art. Nº 71 reforça o teor manifestado pelo Art. Nº 42, versando sobre o tom que deve ser utilizado durante as cobranças: o direito de cobrar existe e, entre os canais disponíveis, o telefônico é um dos mais frequentes. No entanto, o ato da cobrança jamais deve ocorrer com uma entonação agressiva.

O mesmo se aplica aos e-mails ou mensagens enviadas via SMS, outros meios de comunicação muito usados pelas empresas credoras.

Cobranças excessivamente frequentes

O mesmo artigo (nº 71) também fala sobre a frequência dos contatos feitos com o consumidor inadimplente. Na prática, isso significa que é necessário muito bom senso.

Infelizmente, é bastante comum que a pessoa devedora seja importunada em todos os períodos do dia. Desse modo, ela sofre uma pressão indevida e prejudicial à realização de várias atividades.

Ao serem cobrados quase o tempo todo, muitos inadimplentes perdem a concentração no trabalho. Não raro, os contatos telefônicos também se repetem aos fins de semana, o que só agrava a infração legal cometida pela empresa credora.

De fato, as ligações até podem ser feitas no fim de semana. No entanto, isso só é válido nos casos em que o consumidor inadimplente se recusar a atender às ligações em outros dias.

Vale ressaltar que as ligações tendem a ficar ainda mais excessivas quando o serviço de cobrança é terceirizado. Nessas circunstâncias, o agravamento do abuso é nítido, já que os funcionários das agências de cobrança têm metas a serem batidas. Pressionados, esses colaboradores ficam propensos a repassarem a pressão para os devedores.

Entretanto, é fato que nem você (e nem ninguém) deve arcar com essa espécie de transferência. Conforme o estudo do caso, cada verificar se há infração do Art. Nº 187 do Código Civil. O texto também trata dos excessos e constrangimentos característicos da prática de cobrança abusiva.

Utilização de juros abusivos

Finalmente, outro fator que identifica a prática abusiva de uma cobrança é a incidência de juros fora da realidade do mercado. O parágrafo IV do Art. 51 do CDC define que as empresas não podem deixar o consumidor em condições de extrema desvantagem.

A presença de juros desmedidos costuma tornar as dívidas impagáveis. Você não deve aceitar tal situação sem verificar quais são os seus direitos enquanto consumidor.

O que fazer em caso de cobrança abusiva?

Diante de qualquer uma das situações mencionadas anteriormente, você precisa comparecer a uma delegacia de polícia militar e registrar a ocorrência.

De posse do B.O (boletim de ocorrência), você precisa verificar quais são os passos para iniciar uma ação movida por danos morais. No que tange à veracidade das informações relatadas, a participação de testemunhas também é imprescindível.

Quando a empresa exagera na cobrança, é bem provável que um ou mais amigos (ou familiares) também recebam ligações sobre a dívida. Todas essas pessoas podem atuar como testemunhas.

Além disso, é altamente recomendável que você seja orientado por profissionais peritos no assunto. Por mais que você tenha aquele advogado de confiança, é preciso levar em consideração a probabilidade de sucesso do processo.

Ao lado de um advogado especialista, as chances de ganho de causa são significativamente maiores. É esse profissional que tem a experiência necessária para argumentar favoravelmente perante a Justiça. Ele saberá exatamente o que fazer no seu caso, pois já vivenciou uma série de situações similares.

Assim, o jurista em questão conhecerá o melhor caminho a ser percorrido, evitando qualquer perda de tempo. A mesma agilidade já não pode ser garantida por um advogado não especializado em danos morais. Além da extensão do tempo de análise do processo, você corre o risco de a ação ser em vão.

Com isso, você ficará com aquela sensação de que as empresas, principalmente as de grande porte, sempre são favorecidas pelo Poder Judiciário. Na verdade, a decisão do juiz depende — e muito — dos elementos reunidos na confecção do processo.

Nós estamos falando em quantidade de evidências, claro, mas sobretudo de qualidade. Todos esses aspectos fazem uma enorme diferença, influenciando profundamente na deliberação final da Justiça.

O que fazer após se livrar das dívidas?

Uma vez que você seja devidamente indenizado, é chegada a hora de pensar no destino do dinheiro, certo? Neste caso, você precisa verificar quais são os melhores investimentos do momento.

Se ainda não sabe por onde começar e sente perdido na hora de fazer o dinheiro render, você não está sozinho: muitas pessoas estão na mesma situação.

Sabe como elas resolvem o problema? Por meio do acesso a uma plataforma digital que ensine a cuidar do seu dinheiro da melhor maneira possível. Lá, é possível aprender a poupar, administrar e investir.

A cobrança abusiva é um hábito que precisa ser eliminado da sociedade brasileira. Diante disso, é fundamental que cada consumidor exija o cumprimento dos seus direitos. Caso você tenha se identificado nas situações relatadas anteriormente, não hesite em reagir legalmente e amparado pelos melhores profissionais. No fim, é possível que você tenha uma ótima quantia para investir.

Por falar nisso, que tal ampliar a reserva financeira para aplicar o seu dinheiro em excelentes opções de investimento? Basta aprender a economizar o dinheiro gasto com o seu carro!

Por que você precisa pagar a si mesmo para conseguir ficar rico?

A conquista da liberdade financeira depende invariavelmente da realização contínua de investimentos. No mínimo, essa é a forma mais rápida e viável de se alcançar um patamar de vida realmente confortável e estável. O que muita gente não sabe é que para isso, é imprescindível pagar a si mesmo.

Quando se fala em ficar rico, muitas pessoas dizem que adorariam começar a investir. No entanto, uma boa parte delas não investe por causa da desorganização financeira. E, de fato, a bagunça nas finanças não combina com as oportunidades de acumular renda ao longo dos anos.

Para esclarecer esse tema, preparamos esse artigo. Aqui, você saberá o que é pagar a si mesmo e como manter esse hábito todo mês. Confira as dicas e comece o caminho rumo a sua liberdade financeira!

Pague a si mesmo antes de pagar aos outros.

O que significa pagar a si mesmo?

Para simplificar o entendimento da expressão “pagar a si mesmo”, é necessário enxergar o modo como você utiliza o seu dinheiro.

Independentemente da renda, é preciso definir que a reserva financeira e os investimentos serão mantidos todos os meses. Esta regularidade corresponde ao “pagar a si mesmo”. Por mais simples que pareça, o conceito pode transformar profundamente a sua realidade financeira.

Por que esse hábito é importante para ficar rico?

Se tratando de investimentos feitos de forma estratégica, os melhores resultados não advêm de aportes financeiros esporádicos. Quanto mais oscilante forem os investimentos, mais distante você ficará da rentabilidade. Ou seja: sem pagar a si mesmo mensalmente, você não investirá com regularidade.

Mas antes de investir, você deve aprender a poupar. A criação de uma reserva financeira é de extrema importância, pois ela será a base do montante aplicado mensalmente em investimentos. Em termos porcentuais, considere uma reserva financeira entre 10% e 15% da sua renda mensal.

Com essa quantia poupada todos os meses, o total do valor investido tende a se acumular com o passar do tempo. Afinal, a nova reserva mensal será somada à rentabilidade alcançada até aquele momento. Perceba que há um ciclo de constante renovação do capital acumulado.

Ao manter este ritmo em pleno equilíbrio, a riqueza será questão de tempo. Tempo que, obviamente, varia de acordo com o dinheiro investido e, essencialmente, com o tipo de investimento realizado.

Nesse último aspecto, é crucial estudar todas as possibilidades disponíveis no mercado. Para não errar na hora de investir, o segredo é seguir fontes confiáveis.

Como adquirir esse hábito?

Inicialmente, você precisa criar um fundo financeiro emergencial. Depois de 6 meses de reserva, a remuneração seguinte (o seu salário, por exemplo) já pode ser alocada para os investimentos.

O objetivo é transformar o processo em uma rotina e o hábito de guardar dinheiro envolve uma série de mudanças comportamentais. Em outras palavras, é necessário ter um controle mais rigoroso quanto aos gastos mensais. Tal disciplina é fundamental para que a sua reserva financeira e, consequentemente, os seus investimentos aumentem.

Ao notar os resultados positivos, fica mais fácil poupar. O vislumbre de um futuro próximo e tranquilo evidenciará que vale a pena pagar a si mesmo todos os meses — sem exceção. Nesse contexto, a paciência é uma das virtudes primárias de toda essa estratégia voltada à liberdade financeira.

Qual o valor mensal que deve ser investido?

O total a ser investido varia de acordo com as possibilidades do momento de cada pessoa. A estratégia em destaque só funciona se houver equilíbrio. Isso significa que o pagamento de todas as despesas deve se manter em dia.

O investimento só fará sentido se ele partir de uma sobra financeira. Em hipótese alguma, o dinheiro deve ser retirado de uma conta fixa, como a mensalidade de uma residência ou de um carro.

Feitas as contas, basta verificar qual é o montante realmente disponível para iniciar o hábito de pagar a si mesmo. Caso o valor inicial não seja tão empolgante, mantenha a calma e aumente o montante de forma gradual.

Esse marco inicial pode partir, por exemplo, de apenas 3% da sua renda atual. Lembre-se que esse índice subirá, desde que você consiga diminuir os gastos mensais. A lógica da estratégia consiste em destinar mais dinheiro para os investimentos. Se isso não for efetuado, o esforço será em vão.

Como uma plataforma de aprendizado pode ajudar a investir?

Felizmente, você não estará sozinho em nenhum momento dessa caminhada rumo a sua liberdade financeira. Quer uma dica infalível? Comece agora mesmo a frequentar uma plataforma de investimentos completa.

Quando falamos em plenitude, nos referimos a uma plataforma que proporcione uma dinâmica interativa entre diferentes experiências de investimentos. Ao entrar em contato com elas, você saberá quais são os melhores locais para colocar o seu dinheiro.

De nada vale priorizar você mesmo, se os investimentos forem ruins. Caso isso aconteça, o risco de sua reserva financeira se esvair é bem considerável. Obviamente, ninguém quer que isso aconteça.

Em uma plataforma de investimentos, você pode realizar treinamentos que o tornarão mais preparado para investir com segurança. Acredite: a alta rentabilidade pode caminhar tranquilamente ao lado de uma aplicação segura.

É normal se sentir inseguro na hora de selecionar um determinado ativo financeiro. Um dos objetivos de uma plataforma de investimentos é, justamente, explicar os detalhes associados a cada ativo. Assim, o processo de escolha se torna bem mais fluido e descomplicado. Lá, você perceberá que efetuar bons investimentos é mais simples do que parece.

Para isso, é necessário que você seja bem orientado. Um excelente exemplo é o mercado de ações. Diversas pessoas tem muito medo de investir na bolsa de valores devido ao risco das operações.Mas, e se você soubesse avaliar cada um dos papéis disponibilizados pelo mercado?

A plataforma de investimentos está aí para apresentar o melhor caminho. Além disso, ela fornece todas as ferramentas necessárias para que você se torne um investidor de sucesso. Então, o que você está esperando para começar a pagar a si mesmo?

Agora que você já está pronto para iniciar essa transformação da sua vida, compartilhe essa novidade com seus amigos e familiares nas suas redes sociais!

Um abraço e bons investimentos.

Plataforma GuiaInvest: 24 Ferramentas para Lucrar com Ações

Tutorial da Plataforma GuiaInvest

Nesse artigo você vai conhecer 24 ferramentas da plataforma digital do GuiaInvest para te ajudar a enriquecer com segurança.

Com essa plataforma, você poderá encontrar as melhores oportunidades de lucrar com as ações da bolsa de valores.

A plataforma digital do GuiaInvest é utilizada por investidores iniciantes até avançados, assim como traders do mercado financeiro.

Com ela é possível encontrar oportunidades de lucrar na bolsa de valores aplicando filtros e indicadores numa ampla base de dados intuitiva que qualquer pessoa consegue usar.

Se você quiser ver a opinião de outras pessoas sobre a plataforma digital do GuiaInvest, recomendo esse artigo criado pelo Clube dos Poupadores (clique aqui). 

Você também vai encontrar vários vídeos no Youtube de usuários que utilizam e recomendam a plataforma do GuiaInvest. Um exemplo é o Miguel, engenheiro de embalagens português, que lucrou 30% em um único ano usando as ferramentas do GuiaInvest.

Veja agora, quais são as 24 ferramentas que a plataforma digital do GuiaInvest tem à sua disposição.

 

24 Ferramentas da Plataforma do GuiaInvest

1. Visão Geral da Plataforma

2. Raio-x das Melhores Ações da Bolsa

3. G.I. Score – Pontuação de Ações por Histórico de Performance

4. G.I. Line – Cálculo Automático de Valulation

5. Método G.I. Way de Avaliação de Ações

6. Resultados Trimestrais

7. Checklist Automático de Avaliação Fundamentalista de Ações

8. Checklist Automático de Avaliação de Ações de Dividendos

9. Principais Dados e Indicadores de Empresas

10. Estratégias Personalizadas para Encontrar as Jóias da Bolsa de Valores

11. Modelos de Estratégias para Encontrar Oportunidades na Bolsa de Valores

12. Monitor do Mercado Financeiro

13. Ranking de Ações por Indicadores

14. Pesquisa de Ações Personalizada

15. Comparação de Resultados Trimestrais de Ações

16. Indicadores Setoriais do Mercado

17. Criação de Gráficos Personalizados

18. Modelos de Gráficos de Análise Técnica

19. Acesso a Treinamentos

20. Guia de Fundos de Investimento

21. Relatórios Diários do Mercado Financeiro

22. Calculadoras para Planejamento Financeiro

23. Consultor Virtual de Investimentos

24. Planilha RTD para acompanhamento dos investimentos

Vamos detalhar, abaixo, como usar cada uma das ferramentas.

1. Visão Geral da Plataforma GuiaInvest

Descubra, de forma simples e rápida como usar a plataforma digital do GuiaInvest e explore o mundo das ações para lucrar na bolsa de valores.

Nesse primeiro vídeo, conheça tudo o que a plataforma pode oferecer a você.

 

2. Raio-X da Bolsa de Valores

Com essa ferramenta você fica por dentro de todos os dados sobre suas ações preferidas.

3. G.I. Score: Descubra as Melhores Ações pela Pontuação Histórica

Nesse vídeo você vai descobrir como usar a pontuação da plataforma do GuiaInvest para encontrar as ações com melhor oportunidade de investimento.

 

4. G.I. Line: Calculo Automático de Valuation

Quer saber se sua ação preferida vai subir no futuro? Descubra a relação entre risco e retorno das suas ações preferidas através de um cálculo automático de valor instrínseco (valuation).

Além disso, você também pode projete os lucros futuros da empresa para saber se ela continua sendo uma boa oportunidade frente a outras opções de investimento.

Para ver o uso do G.I. Score e G.I. Line na prática, clique aqui e veja como o André utiliza essas ferramentas.

 

5. G.I. Way: Lucre com as Ações Descontadas da Bolsa.

Com o G.I. Way você pode encontrar ações descontadas da bolsa. Para isso basta analisar a relação entre preço e lucro das empresas, assim como o valor patrimonial de cada ação.

 

6. Compare a Performance Trimestral das Empresas

Através da comparação trimestral, você pode descobrir se sua ação preferida está melhorando ou piorando os resultados. Com isso, você pode tomar decisões mais assertivas e rápidas de acordo com os acontecimentos.

 

7. Checklist Fundamentalista de Ações em 1 Clique

Descubra em um único clique se sua ação preferida atende todos os critérios fundamentalistas para receber investimentos. O ideal é que uma ação atenda no mínimo 8 critérios fundamentalistas.

 

8. Checklist de Dividendos em 1 Clique.

Descubra em um único clique se sua ação preferida atende a todos os critérios de dividendos para poder receber investimentos. O ideal é que uma ação atenda no mínimo 8 critérios de dividendos.

 

9. Explore o Mundo de Dados das Empresas da Bolsa de Valores

 

10. Crie sua Própria Estratégia e Descubra Oportunidades Únicas de Investimento

Supere os grandes investidores para encontrar as melhores oportunidades de lucro da bolsa de valores.

Crie sua estratégia única utilizando centenas de filtros e indicadores de desempenho.

 

11. Utilize Estratégias Criadas pelo GuiaInvest para Encontrar as Melhores Ações

Utilize diversos modelos criados pela equipe de especialistas do GuiaInvest para encontrar oportunidades de lucro com ações da bolsa de valores.

 

12. Descubra os Melhores Setores para Investir e Quais Ações Mais se Valorizaram

Através do monitor do mercado você descobrirá quais os setores tem obtido o melhor desempenho, assim como quais ações mais se valorizaram e diversos períodos.

 

13. Conheça o Ranking das Melhores Ações do Momento

 

14. Pesquise Ações Usando Diversos Filtros e Indicadores de Desempenho

Recentemente o André revelou como ele seleciona ações de bancos na prática, utilizando essa ferramenta. Você pode conferir o vídeo clicando aqui.

 

15. Descubra Como Obter Dados Trimestrais Consolidados

 

16. Indicadores Setoriais

Descubra os indicadores mais relevantes de cada setor da bolsa.

 

17. Veja Gráficos de Ações e Use Filtros e Indicadores para Encontrar Oportunidades

Através dos gráficos de ações, você pode fazer análises técnicas, usar filtros e indicadores e assim encontrar as oportunidades de investimento.

 

18. Use Modelos de Gráficos Criados pelo GuiaInvest

Descubra oportunidades de investimento usando gráficos de análise técnica criados pela equipe de especialistas do GuiaInvest.

 

19. Aprenda e Pratique num Único Lugar

Obtenha acesso fácil a seus treinamentos dentro da plataforma do GuiaInvest. Com isso, você pode aplicar o conhecimento praticando dentro da própria plataforma.

 

 

20. Guia de Fundos de Investimento

Não quer perder tempo analisando ações? Sem problema.

A plataforma fornece um guia de fundos com indicadores de risco e retorno. Com isso você pode selecionar os fundos de investimento mais adequados ao seu perfil com um simples olhar.

 

21. Receba Relatórios Diários do Mercado Financeiro no Seu E-mail

Receba relatórios diários sobre o que aconteceu de mais relevante no mercado e fique por dentro de tudo o que pode influenciar o seu dinheiro.

O relatório é enviado diretamente para o seu e-mail no fechamento do mercado e você pode acessá-lo no conforto do seu celular ou de um computador.

Com ele você saberá quais ações mais subiram e cairam no dia, as notícias mais relevantes, conteúdos de aprendizado e palestras gratuitas criadas pela equipe de especialistas do GuiaInvest.

Para receber gratuitamente o relatório diário do mercado, faça seu cadastro através desse link.

 

22. Calculadoras de Planejamento Financeiro

Faça os cálculos para saber em quanto tempo você poderá viver de renda e quanto você vai precisar investir para alcançar esse objetivo.

 

23. Consultor Virtual de Investimentos

Não sabe no que investir?

Descubra seu perfil de investidor e quais os tipos de investimentos mais recomendados às suas características.

 

24. Acompanhe seus Investimento Usando a Planilha RTD da Plataforma

Acompanhe a valorização dos seus investimentos obtendo os dados das ações automaticamente usando a planilha RTD elaborada pela equipe de especialistas do GuiaInvest.

 

Conclusão

Percebeu a quantidade de ferramentas a sua disposição? Impossível não enriquecer com tantas funcionalidades ao seu dispor para te ajudar a fazer os melhores investimentos. Não é verdade?

Se você deseja receber acesso a plataforma agora mesmo, assista a esse vídeo aonde eu apresento todos os detalhes para você obter acesso imediato.

Um abraço e bons investimentos!

A Volta dos Mortos Vivos (Turnaround)

Olá, amigo investidor!

Tenho um amigo de longa data chamado Guilherme. Ele tem uma empresa há mais de 10 anos que desenvolve e produz peças para motocicletas de altas cilindradas.. Seu hobby se tornou sua profissão!

Até o ano de 2016 tudo estava indo bem! As vendas cresciam, novos clientes surgiam, o produto tinha alto grau de aprovação e conseguiam atender às necessidades que vinham surgindo neste setor.

Mas no início de 2017 um concorrente mudou o cenário!

Guilherme percebeu que seus clientes estavam migrando para o concorrente. As vendas começaram a cair e, com isso, lucratividade e rentabilidade despencaram.

O tempo passou e Guilherme percebeu que ainda tinha dinheiro para pagar os funcionários, mas se medidas não fossem tomadas, um caos interno poderia ocorrer.

Ficou claro que em algum momento seu negócio entrou numa rua sem saída e precisava pegar uma nova rota.

Neste momento, preocupado e fragilizado com a situação, ele se deparou com o desafio de descobrir como recuperar uma empresa endividada e quase falida.

Você deve concordar que o ser humano naturalmente aprende na dor…

Guilherme analisou de forma mais detalhada o concorrente e compreendeu os seus principais diferenciais.

Claramente ele percebeu que seu concorrente havia direcionado energia e investimentos para vendas online, ao contrário de sua empresa, que possuía a estratégia comercial apenas no campo físico (offline).

Uma grande reestruturação iniciou neste momento.

Guilherme construiu uma equipe nova, especializada em e-commerce, e remodelou seu negócio.

Por óbvio, o processo foi sofrível, porém necessário. Mas essa medida retomou o crescimento da empresa.

Sabe quando um lutador de boxe está preso no canto do ringue, a ponto de ser nocauteado, e em seu último suspiro, ele aplica esperançoso seu golpe no queixo do oponente?

O golpe certeiro mudou o destino da luta.

É exatamente essa virada de jogo que no mundo dos negócios chamamos de turnaround.

Recuperar-se e revitalizar-se são as palavras-chave para quem passa por esse momento. Os objetivos, claro, envolvem a restauração do equilíbrio financeiro e a volta à competitividade para uma recuperação empresarial por completo.

Sabe qual empresa passou por esta situação recentemente?

A Magazine Luiza (MGLU3)

“O nosso plano tem uma visão, transformar a empresa, que hoje é uma empresa de varejo tradicional com uma área digital, em uma empresa digital com pontos físicos.”

Foram as palavras do CEO (Frederico Trajano) da Magazine Luiza em 2015, quando a ação era cotada a aproximadamente 2 reais.

Após 4 anos e a reestruturação do negócio a ação é cotada em 190 reais.

Quer dizer então que basta eu encontrar uma empresa com resultados ruins, passando por um processo de reestruturação que vou auferir ganhos desta magnitude?

Respondo com um enfático NÃO!

Os riscos de se investir em ações que estão em processo de turnaround são enormes.

A lei da relação risco x retorno sempre irá se sobrepor a tudo.

Empresas em processos de turn around devem ser avaliados caso a caso, buscando analisar o grau de dificuldade.

Considero como turnaround mais desafiadores os que apresentam empresas com alto grau de endividamento, setores em decadência e margens reduzidas.

Mais do que apenas números, nestes momentos é especialmente válido considerar a capacidade técnica dos novos gestores.

Veja algumas empresas que estão em processo de turnaround:

Perceba que essas empresas estão com margens negativas, endividamento elevado (exceção da Oi que recebeu aporte) e com prejuízos.

O único motivo para uma decisão de investimentos sobre estes ativos, seria a possibilidade de um real turnaround.

O risco é grande. Você concorda que as chances de seus negócios se deteriorarem é maior do que uma retomada de lucros, certo?

Entretanto, caso essas empresas acertem seu golpe certeiro, seus retornos serão mais do que satisfatórios.

Veja o exato momento de virada da Magazine Luiza.

Interessante a retomada dos lucros, concorda? E lembrando que os lucros justificam os preços!

*Linha laranja é o lucro e a azul são os preços.

Em sua opinião, vale a pena investir em empresas turnaround? Se preferir, me responda diretamente no Instagram @eduardo_voglino!

Bons Investimentos,

Eduardo Voglino

 

Como Investir Em Ações Na Prática Usando o Home Broker

Não sabe como investir em ações? Acha que usar o home broker é complicado? Vamos te mostrar, na prática, que investir na bolsa de valores online é rápido, prático e fácil.

É normal ter dúvidas e receios quando se está começando a investir em ações. Mas agora que você já desenvolveu uma mentalidade focada em poupar e definiu seus objetivos, sabe que a melhor maneira para alcançá-los é através das ações.

O primeiro passo para investir na bolsa de valores é abrir uma conta em uma corretora. Uma vez que estas são as instituições financeiras responsáveis por intermediar a negociação de ativos.

Sua corretora será a sua parceira no mercado de capitais. Por isso, escolher uma corretora para investir é uma tarefa que exige calma e pesquisa.

Para Saber Se Uma Corretora é Confiável, verifique se a instituição financeira está registrada na Comissão de Valores Mobiliários – CVM, entidade responsável por regular este mercado.

Consulte também outras entidades responsáveis pela organização e fiscalização, como a própria BM&FBOVESPA e o Banco Central.

Isso garante que seu patrimônio esteja protegido quando em guarda dessas instituições.

Depois de abrir sua conta na corretora, é preciso transferir o dinheiro da sua conta corrente para a conta da corretora através de uma TED ou DOC.

Esse dinheiro será usado para comprar as ações através do Home Broker, uma plataforma online que conecta o cliente, a corretora e a Bolsa de Valores. Através dele você pode comprar e vender ações, acompanhar as cotações e rentabilidade ao longo do tempo, entre outras funções.

Como investir em ações na prática usando o home broker

Na teoria, você só precisa abrir uma conta em uma corretora, transferir o dinheiro, acessar a home broker e começar a investir.

Agora vamos ver como isso funciona na prática.

#1 – Como Abrir Conta em Corretora de Valores na Prática

Esse passo é essencial para quem deseja comprar ações na bolsa de valores. Você pode abrir conta na corretora rapidamente pela internet.

Basta preencher um cadastro com seus dados pessoas, residenciais e bancários.

Veja o passo a passo para abrir conta na Ável Investimentos.

#2 – Como Transferir Dinheiro do Banco para a Corretora de Valores pelo Computador

Para comprar ações, você precisa transferir o dinheiro da sua conta, para a sua conta da corretora.

Por motivos de segurança, o dinheiro só entra na sua conta mediante transferência bancária de uma conta com o mesmo CPF.

Para transferir o dinheiro pelo internet banking:

  • Entre no site do seu banco
  • Entre na sua conta online
  • Escolha a opção de transferência (TED ou DOC)
  • Preencha os dados da sua conta da corretora
  • Digite sua senha e pronto

Veja na prática como transferir dinheiro do banco para a corretora de valores de forma segura usando TED (Transferência Eletrônica de Dinheiro). Nesse caso a transferência foi realizada usando o computador.

#3 – Como Transferir Dinheiro do Banco para a Corretora de Valores usando o Celular

A transferência do dinheiro também pode ser feita pelos aplicativos bancários. Para isso:

  • Entre no aplicativo do seu banco
  • Entre na sua conta online
  • Escolha a opção de transferência (TED ou DOC)
  • Preencha os dados da sua conta da corretora
  • Digite sua senha e pronto

Veja como funciona na prática:

#4 – Como Comprar Ações na prática pelo Home Broker da Corretora de Valores pelo Computador

A ordem de compra e venda de ações é feita online pelo Home Broker. Como cada corretora possui sua própria plataforma, a interface pode variar.

De modo geral, para comprar um ativo, o investidor clica na opção comprar, insere a sigla do ativo, quantidade e preço.

Essa ordem é enviada automaticamente para a corretora e então para o sistema da Bolsa. Se houver ações disponíveis, pouco tempo depois a ordem é executada com sucesso. Para vender o processo é o mesmo.

Veja na prática:

  • Entre no site da corretora de valores e faça o login
  • Escolha a opção home broker
  • Escolha o código da ação desejada e a quantidade
  • Confirme a compra com sua senha

#5 – Como Comprar Ações na prática pelo Home Broker da Corretora de Valores pelo Celular

Muitas corretoras também oferecem a opção do Home Broker por aplicativo de celular. Nesse caso:

  • Entre no aplicativo da corretora de valores e faça o login
  • Escolha a opção home broker
  • Escolha o código da ação desejada e a quantidade
  • Confirme a compra com sua senha

 

 

Viu como é fácil? Quer se tornar um investidor de sucesso?

Descubra como investir começando do zero. Baixe agora mesmo seu e-book gratuito!

Aumente sua renda com a regra 50-15-35

É provável que nunca tenha se falado tanto em liberdade financeira como nos últimos tempos. Mais do que isso, a ideia de acumular um patrimônio invejável parece realmente mais próxima de ser concretizada. Porém, muitas pessoas ainda se perguntam sobre como chegar lá. Uma das formas de acumular dinheiro de maneira inteligente é por meio da adoção da chamada regra dos 50 15 35.

Antes de aplicá-la a sua realidade financeira, entretanto, é preciso realizar algumas ações, e a mais básica de todas consiste em reorganizar as finanças. Essa é uma etapa de preparação fundamental para qualquer investimento bem-sucedido.

Porém, o que é a regra dos 50 15 35 e por que ela é tão vantajosa? Continue a leitura deste artigo para descobrir!

Por que organizar a vida financeira?

A administração do dinheiro é um grande problema para muitas pessoas. A lista contempla qualquer indivíduo, seja um empresário ou um funcionário. Não raro, essas mesmas pessoas realizam diversos cursos, a fim de desvendarem os mistérios por trás de uma gestão financeira eficiente.

De fato, a melhoria da gestão financeira passa por um profundo processo de aprendizagem. Em geral, os brasileiros cuidam muito mal do próprio dinheiro. Logo, o resultado final quase sempre é desastroso.

Com um ritmo perigoso e marcado pela desorganização financeira, fica praticamente inviável iniciar qualquer tipo de investimento. Assim, você se vê contínua e frequentemente preso em algum ponto de um determinado ciclo.

Ao organizar sua vida financeira, você passa a ter aquele montante tão almejado para aplicar em determinado fundo de investimentos. Até a sua participação no mercado de ações se torna mais tangível e rentável.

Aos poucos, o cenário se transforma. Então, você começa a enxergar outras possibilidades atrativas de aplicação financeira. Em outras palavras, você aprende a diversificar a sua carteira de investimentos.

Para alcançar essa posição favorável e tranquila, no entanto, é necessário manter as suas finanças em dia, ou seja, devidamente ordenadas. Isso significa que você deve ficar atento a uma série de aspectos, como:

  • economia atual do país — saber qual é a influência dos aspectos micro e macroeconômicos sobre a seu cotidiano
  • controle de gastos ao longo do mês — estabelecer orçamentos e limites em cada período é uma medida extremamente salutar para as suas finanças;
  • identificação de oportunidades — às vezes, você está diante de uma chance de ouro para realizar um grande investimento. Contudo, a falta de conhecimento necessário ofusca a visualização dessa oportunidade;
  • planejamento financeiro de médio de longo prazo — você só conseguirá efetuar os investimentos mencionados há pouco se souber elaborar um bom planejamento das finanças.

O que é a regra dos 50-15-35?

Tudo o que foi dito até aqui faz todo o sentido do mundo. Mesmo assim, você pode chegar à conclusão de que não faz ideia de como materializar essa organização financeira.

Para facilitar a sua vida, existem métodos que foram desenvolvidos para esse fim. Um deles é justamente a regra dos 50 15 35. Esses números não estão aí aleatoriamente: na verdade, trata-se de índices de porcentagem relacionados aos destinos do seu dinheiro.

50% da renda para os gastos indispensáveis

A regra determina que 50% da sua renda deve ser direcionada aos gastos inevitáveis e fixos, ligados a:

  • alimentação;
  • vestuário;
  • contas de energia elétrica e água;
  • saúde;
  • aluguel;
  • transporte.

15% para contornar ou evitar momentos de crise financeira

Já os 15% se referem aos gastos classificados como prioritários. Esse é um ponto delicado, já que envolve situações distintas. Observe abaixo.

Endividamento
Se esse é o seu caso, obviamente a eliminação de todo o débito pendente deve ser a prioridade. Além disso, os 15% indicados nem sempre serão suficientes, pois existem dívidas que exigem uma fatia bem superior a essa para que sejam realmente liquidadas.

Nessas circunstâncias, é preciso tentar reequilibrar os gastos em todos os 3 grupos (ainda não falamos do terceiro). Muitas vezes, a melhor saída reside na solicitação de um empréstimo, desde que os juros sejam baixos e viáveis.

Criação de uma reserva financeira
Caso você não tenha mais nenhuma dívida, poderá voltar os olhos para a criação de uma reserva financeira. Assim, você pouparia 15% da sua renda mensalmente.

Aqui, o grande objetivo é criar um fundo financeiro emergencial. O ideal é que o montante chegue ao teto de, pelo menos, 3 salários-mínimos. Com esse dinheiro guardado, você sabe que, diante de imprevistos, terá tempo para pensar em soluções de médio prazo. O mais importante: não precisará recorrer a empréstimos com taxas abusivas.

35% para garantir o mesmo padrão de vida

Fechando a conta dos 100%, nós temos 35%, os quais devem ser aplicados nas atividades prazerosas. A vida não é feita só de contas e deveres, logo, você também precisa ter uma parcela dos ganhos voltada ao lazer e à diversão. Então, compõem essa categoria os gastos com:

  • bares;
  • almoços e jantares especiais;
  • viagens;
  • cursos de artes marciais;
  • livros.

Qual é a vantagem de aplicar essa regra?

A primeira e indiscutível vantagem da regra é o norte que ela fornece às pessoas que perderam o rumo de suas finanças. O problema é que as necessidades de todo nós são bem subjetivas, dessa forma, a regra não se aplica a todo o mundo.

Um bom exemplo é uma renda que gire em torno de R$ 10 mil. Não faz sentido reservar 50% para gastos essenciais. Em sentido análogo, essa porcentagem é insuficiente para uma pessoa que sobrevive com somente 1 salário-mínimo. No último caso, é evidente que os gastos com necessidades básicas superarão esse índice.

Mesmo assim, a regra dos 50 15 35 é muito interessante para, ao menos, iniciar a reorganização do próprio dinheiro. Depois, é perfeitamente natural que você decida administrar os seus gastos de outra maneira.

Também é possível alterar um pouco as porcentagens atreladas a cada tipo de gasto. Portanto, o que realmente interessa é o estabelecimento de limites. A regra 50 15 35 cumpre muito bem esse papel de reforçar a importância de se controlar o que entra e sai da sua conta-corrente.

Já acumulei dinheiro, como proceder para investir?

Com 15% da sua renda, já é possível criar um fundo financeiro. Com o passar do tempo, essa reserva pode ganhar gerar um grande acúmulo. Parte dele deve ser investida nas melhores alternativas disponíveis no mercado. Quanto maior for a porcentagem destinada aos investimentos, maior será a sua proteção financeira.

Para saber exatamente o que fazer com o seu dinheiro, você precisa desvendar o mundo dos investimentos. Como? Por meio de cursos objetivos e que ofereçam resultados reais.

Após aplicar a regra dos 50 15 35, é crucial estudar o mercado detalhadamente, buscando as melhores opções de investimento do momento. Para aprimorar o seu conhecimento, é substancial contar com uma plataforma digital capaz de guiá-lo em busca de uma vida financeira confortável e duradoura.

Quer saber como fazer isso? Confira uma aula gratuita sobre como conquistar a sua liberdade financeira!