10 principais vantagens dos Fundos Imobiliários

vantagens dos fundos imobiliários

São inúmeras as vantagens dos Fundos Imobiliários, e neste artigo irei elencar as 10 principais.

Será que é mais vantajoso comprar Fundos Imobiliários ou imóveis para alugar? Confira!

1) Investir com pouco dinheiro

A primeira vantagem dos Fundos Imobiliários é poder investir, ou seja, comprar cotas, com bem pouco dinheiro.

A partir de 50 reais você já consegue, ou até menos. Existem cotas de 10 reais, outras de 100. Você decide. Dessa forma você recebe uma renda mensal de aluguéis sem precisar desembolsar milhares de reais que envolveria comprar um imóvel físico comum.

2) Segurança pela supervisão da CVM

A supervisão da CVM é excelente para garantir a transparência e a segurança das informações.

Pense comigo: você passa a ser dono daquele negócio! Deverá exigir total clareza sobre tudo que se refere ao empreendimento. E isso estará garantido para você.

3) Liquidez

Se você tem um imóvel e deseja vender, pode demorar muito tempo até aparecer alguém com dinheiro o suficiente para comprar. Inclusive anos. Pode acontecer até mesmo de você ter que baixar o preço para conseguir vender o imóvel, acabando assim com certo prejuízo.

Como os Fundos Imobiliários lidam com cotas, é muito mais fácil alguém ter o dinheiro para comprar aquela fatia da sociedade. Veja o depoimento do Helio, nosso cliente, por exemplo:

fundos imobiliários

Ou seja, a todo momento tem gente querendo comprar e vender, então fica muito fácil se desfazer da sua cota quando você precisar do dinheiro.

4) Você não paga imposto sobre o aluguel recebido

Quem recebe aluguel dos seus imóveis pode pagar até 27,5% de imposto sobre o rendimento. Mas quem tem Fundos Imobiliários não precisa pagar nada, ou seja, no final das contas a rentabilidade pode ser até quase 30% maior do que num imóvel comum.

Você só paga imposto sobre o lucro na venda da cota, mas não do aluguel que ele gera para você. Só isso, para mim, já é extremamente vantajoso!

RANKING: Confira o nosso Ranking dos Top 10 Fundos Imobiliários Pagadores de Aluguéis

5) Diluição do risco

Se você tem um imóvel comum e ele pega fogo, é interditado ou desaba, o que acontece? Se não tiver seguro, você perde tudo, não é mesmo? Se o seu inquilino sai, você também fica sem o aluguel e ainda arca com os custos de condomínio, reparos, etc.

Já com os Fundos Imobiliários, se acontece alguma coisa com o imóvel que você é sócio por possuir suas cotas, o rendimento no seu bolso praticamente não é afetado. Pois você divide o risco com milhares de outros sócios. Você não acha isso fantástico?

Mas não acaba por aí. Ainda tem mais.

6) Não dá dor de cabeça

Essa é uma das melhores vantagens. Quando você tem um imóvel com infiltração de água, ou que precisa ser reformado, você acaba tendo uma tremenda dor de cabeça para resolver esses problemas. Ainda mais se você não residir próximo ao imóvel que possui.

Já com os Fundos Imobiliários, você conta com os melhores profissionais contratados para resolver esse tipo de problema. Você não precisa se estressar com nada disso. Tem gente para cuidar dessa parte para você.

7) Gestores de fundos

Os gestores dos fundos são experts em negócios imobiliários, logo, eles sabem onde estão as melhores oportunidades e sabem estimar exatamente o preço dos imóveis para fazer bons negócios.

Essa é uma segurança muito grande para o investidor pequeno, como você e eu.

8) Menor custo na aquisição dos imóveis

Além da liquidez, da isenção de imposto sobre rendimentos mensais, do menor risco com a diversificação, da menor quantidade de problemas para resolver, de não precisar ter muito dinheiro para investir, ter a supervisão da CVM, enfim… Além de tudo isso, você ainda tem um menor custo na aquisição dos imóveis. 

Mas como assim, Laura?

Vou explicar…

Quando você compra um imóvel comum, cerca de 5% do valor você paga com taxas como ITBI, certidão, reconhecimento de firma, escritura, registro, uma infinidade de burocracias… 6% do valor fica para o corretor que fez a venda e para a imobiliária.

Ou seja, você paga 11% a mais do que comprando Fundos Imobiliários.

Na verdade, os fundos continuam tendo esses custos, mas como os preços das cotas oscilam, é possível que você aproveite oportunidades na queda do preço para comprar as cotas “com desconto”, onde esses custos já serão abatidos.

9) Os Fundos Imobiliários são indexados à inflação

O que isso significa? Conforme os índices de inflação sobem, o preço das cotas acompanha essa variação. Ou seja, você fica protegido da inflação, que tanto tira o valor do seu dinheiro.

10) Possibilidade de investir em empreendimentos de alto padrão

Se você tem o dinheiro para comprar um imóvel, provavelmente terá que optar por um apartamento comum, às vezes simplista, ou uma sala comercial pequena.

Através dos Fundos Imobiliários, você tem a possibilidade de investir em empreendimentos de alto padrão nas grandes metrópoles, o que de outra forma seria praticamente inacessível.

Você pode ser dono de uma pequena parte de um prédio moderno, de um shopping, de agências bancárias, de hotéis, enfim, são muitas as opções para você.

Já imaginou? Toda vez que você for levar sua família para passear no shopping vai poder dizer que é dono de uma parte daquele lugar. 🙂

E então, que você achou das vantagens dos Fundos Imobiliários?

Se deseja se aprofundar um pouco mais neste assunto, ou ainda, preparar-se para começar a investir nesta modalidade através de conhecimentos práticos, convido você a assistir a nossa mais recente masterclass inédita.

Nela, o André ensinará a você:

  • O único jeito viável de receber R$ 1.256,00 em aluguéis mensais sem ter um imóvel. E para isso, você vai descobrir um tipo de investimento simples, seguro e acessível a qualquer brasileiro.
  • Você vai saber exatamente quais as vantagens dessa alternativa de investimento desconhecida de 99,91% da população brasileira.
  • Você também vai aprender o passo a passo do método Redbox que permite criar um fluxo de aluguéis mensais em 4 semanas.
  • E por fim, você descobrirá a corretora de valores que tem taxa de corretagem zero para esse tipo de investimento. Só com essa dica, você vai economizar R$ 680,40 por ano.

Inscreva-se gratuitamente aqui.

Tudo Sobre o Treinamento Red Box para Fundos Imobiliários

treinamento red box para fundos imobiliários

Deseja saber se o Treinamento Red Box para Fundos Imobiliários é a melhor opção para você? Confira este artigo!

Se você chegou até aqui é porque percebeu que a necessidade de gerar uma renda extra é também presente na sua vida. E claro que isso não quer dizer que você esteja passando por dificuldades, nada disso. Costumo dizer que você só deve se sentir satisfeito com o seu salário se assim quiser. Se estiver totalmente conformado com ele.

Como você é nosso leitor, acredito (espero e desejo) que você tenha ambições maiores do que isso.

Provavelmente você já tenha pesquisado um pouco sobre o mercado de ações, sobre os investimentos de renda fixa, mas por algum motivo quer ir além.

Acredito até que talvez você já invista nessas modalidades, mas provavelmente está sentindo falta de um dinheiro pingando na sua conta com maior frequência… Ou quem sabe você sempre sonhou em viver de imóveis mas tem dor de cabeça só de pensar no investimento inicial?

Bom, o que você vai encontrar neste artigo é tudo que você precisa saber para tomar a decisão final: será que o Treinamento Red Box para Fundos Imobiliários é para mim? 

De antemão já lhe adianto: é. Ah, se é!

Vou explicar em detalhes e você vai perceber isso com seus próprios olhos, confira.

O que é um Fundo Imobiliário?

treinamento red box para fundos imobiliários

Para muitos brasileiros, investir em imóveis e viver da renda deles é, ou já foi, um grande sonho. No entanto, os custos iniciais para isto são extremamente altos. Comprar um imóvel envolve muita burocracia, muito dinheiro e muita responsabilidade.

Agora… você já imaginou comprar ou vender imóveis em poucos segundos, do conforto da sua casa, sem burocracia e sem precisar de todo aquele investimento inicial? Receber aluguéis de grandes empreendimentos, como shoppings em São Paulo, edifícios comerciais no Rio de Janeiro, ou em quaisquer outros lugares da sua preferência?

É essa a praticidade que faz do Fundo Imobiliário uma alternativa tão elogiada pela maioria dos investidores.

O Fundo de Investimento Imobiliário (FII) é o instrumento mais eficiente para qualquer tipo de pessoa que deseja investir em imóveis e garantir uma renda extra mensal e praticamente imediata. Exatamente como se você tivesse imóveis físicos para alugar, mas sem todas as preocupações que isso envolveria.

Sem se preocupar com decoração, com pagamento ou reuniões de condomínio, com inquilinos indesejados, com zelador. Sem pagar IPTU e ITBI. Sem custos de escritura, registro de imóveis e manutenção do imóvel. Sem precisar falar com imobiliárias e corretores, nem pagar imposto de renda sobre os aluguéis recebidos.

Tudo de maneira muito simples, rápida, segura e eficiente.

O Treinamento Red Box para Fundos Imobiliários é para mim? 

treinamento red box para fundos imobiliarios

Vamos tentar descobrir isso juntos… Acompanhe comigo.

Eu poderia dizer que: se você já for um investidor, então este treinamento é para você. Se você for completamente leigo no mundo dos investimentos, também. Vou explicar melhor…

Através de uma metodologia simples e extremamente didática, o nosso Analista de Investimentos, Eduardo Voglino, transmite um conhecimento que, junto com a qualidade de ensino do GuiaInvest, abrange perfeitamente os dois públicos: o experiente e o leigo. Mas como?

Bem, se você já for experiente, com este Treinamento poderá fazer pequenos ajustes na sua estratégia que complementarão os seus ganhos, reduzirão o risco, e ampliarão o seu potencial de lucro significativamente. Você conhecerá o nosso método para o Investimento em Fundos Imobiliários.

Não há nada melhor do que ampliar a sua performance em qualquer área da vida sem muito esforço, não é mesmo? Ainda mais quando o resultado disso é sentido bem aí, no seu bolso.

Você irá aprender o mesmo método utilizado pelo próprio instrutor do curso, o Eduardo. Método utilizado por mim, utilizado pelo André Fogaça e por todos aqui do GuiaInvest. Você estará “bebendo diretamente da fonte”, como dizem por aí.

Agora, se você for leigo no assunto, você será merecedor de parabéns.

Você estará começando na frente de muita gente experiente. Não precisará passar por aquela fase inicial onde há infinitas dúvidas e desconfianças. Você terá a segurança que precisa para investir em Fundos Imobiliários de acordo com uma estratégia que foi muito estudada até ser desenvolvida.

Foram meses de dedicação intensa aqui no GI, até o resultado final ser essa grande obra prima.

Através do Treinamento Red Box para Fundos Imobiliários, você descobrirá ao longo de 4 módulos tudo que precisa saber para não só investir em fundos imobiliários, mas investir com o mesmo potencial de lucro (ou até superior) dos investidores mais experientes.

Veja o depoimento que o Juarez nos enviou mês passado…

treinamento red box para fundos imobiliarios

Módulo por Módulo

treinamento red box para fundos imobiliários

Confira o que você irá aprender em cada um dos módulos do fantástico Treinamento Red Box para Fundos Imobiliários.

• MÓDULO 1: O que são os Fundos Imobiliários?

Neste primeiro momento, você irá conhecer todos os detalhes sobre o que são os fundos imobiliários; quais as classificações existentes; as vantagens de investir em FIIs e também os riscos (alguns que talvez você nem imagine). Além disso, aprenda estratégias de como escolher os melhores fundos disponíveis no mercado. Há pequenos segredos que trazem grandes melhorias nos resultados das suas escolhas. E é isto que você vai aprender neste primeiro módulo.

• MÓDULO 2: Segmento dos Fundos Imobiliários

Assim como os imóveis físicos, nos FIIs não é diferente: há uma grande variação de segmentos, e você deve escolher o que se adeque melhor aos seus objetivos. Conheça os principais detalhes de cada segmento, desde lajes corporativas até empreendimentos em logística, shoppings, agências bancárias, hotéis, hospitais e universidades. Entenda todas as diferenças existentes entre eles que farão você tomar a melhor decisão. Lembre-se: você é a melhor pessoa para tomar a decisão final de qualquer coisa que envolva o seu próprio dinheiro.

• MÓDULO 3: Tributação e Cálculos

Esta parte é de extrema importância. Aqui você vai aprender quais os tributos que são pagos e quais tributos você está isento. Saber disso vai lhe dar o know-how que precisa para identificar as melhores oportunidades. Além disso, você entenderá como funciona a emissão secundária, o que são os eventos corporativos, como calcular o preço médio (com direito a planilha para download) e como apurar/declarar os FIIs no imposto de renda (muito importante).

• MÓDULO 4: Método Red Box

O nosso método! Aprenda o método que fará você escolher os melhores fundos imobiliários para investir de uma maneira simples, evitando riscos e potencializando toda a sua rentabilidade. Veja exemplos na prática de como o GuiaInvest seleciona as melhores opções do mercado e aprenda também como comprar o seu primeiro FII na prática, direto do seu computador. Ao encerrar este módulo, você estará com os dias contados para receber a sua primeira renda extra mensal proveniente de Fundos Imobiliários.

E o melhor: se você for rápido, ela demorará pouco mais que 30 dias para chegar.

E se eu tiver dificuldades?

É perfeitamente normal que durante o percurso do Treinamento surjam muitas dúvidas para você. Por este motivo, gostaríamos de deixar você tranquilo. Temos uma equipe de suporte incrível pronta para atendê-lo através do email contato@guiainvest.com.br. A nossa principal missão é levar você até a Liberdade Financeira, e por isso estaremos ao seu lado a todo momento.

treinamento red box para fundos imobiliários

Você pode contar sempre conosco.

Para quem não é este Treinamento?

treinamento red box para fundos imobiliarios

Claro que eu gostaria que todo mundo tivesse sucesso com o Treinamento Red Box para Fundos Imobiliários. Mas preciso ser sincera com você: não, não é para qualquer um.

Se você se identificar com as questões abaixo, pode fechar esta aba que infelizmente este curso não é para você. Vamos a elas:

O Treinamento Red Box para Fundos Imobiliários não é para você que:

  • Acha que imóveis não são bons investimentos;
  • Já possui bastante dinheiro e não precisa de uma renda extra;
  • Deseja manter a sua vida financeira como está, sem muitas ambições;
  • Pensa que é muito difícil entender FIIs e prefere deixar para depois;
  • Prefere uma vida arriscada ao prazer de atingir a Liberdade Financeira.

Quais benefícios terei com o Treinamento?

treinamento red box para fundos imobiliarios

Ah, essa é a parte que mais gosto. Na verdade, nada do que ler aqui será suficiente para explicar a sensação de receber mensalmente uma renda que nada tem a ver com o seu salário. Você pode, inclusive, deixar o seu salário para as suas contas e os seus aluguéis para o seu lazer.

Ou quem sabe reinvesti-los para chegar ainda mais rápido à Liberdade Financeira. Aposentar-se daqui 10, 20 anos. Já pensou? Eu já. Bom, vamos ao que interessa.

Com o Treinamento Red Box para Fundos Imobiliários, você pode…

• SER DONO DOS MELHORES IMÓVEIS DO BRASIL: Construa um patrimônio sólido sendo sócio dos melhores e mais bem sucedidos imóveis do Brasil. Desfrute dos inúmeros benefícios de ser um proprietário sem a necessidade de fazer aquele grande investimento inicial.

• RECEBER UMA RENDA EXTRA MENSAL: Ao investir em fundos imobiliários, você recebe uma renda mensal dos aluguéis dos imóveis que você possui sociedade. Além dessa renda, você ainda pode obter lucro no momento da venda, caso as cotas se valorizem. É uma renda extra e imediata!

• FICAR ISENTO DE IMPOSTO DE RENDA E IOF*: Rendimentos mensais de fundos imobiliários para pessoas físicas são isentos de imposto de renda e IOF! Dessa forma, os rendimentos caem líquidos na sua conta, ou seja, sem desconto algum. Você não vai precisar se preocupar em dividir o seu lucro com outra pessoa que não você mesmo.

• COMEÇAR COM APENAS R$ 50: É muito difícil você dividir a compra de um apartamento com mais pessoas, por isso o investimento inicial é muito alto. Através dos fundos imobiliários, o contrário é possível: com apenas 50 reais você já se torna sócio de um excelente imóvel e desfruta da paz de espírito por estar cuidando com responsabilidade dos seus bens.

treinamento red box para fundos imobiliários

• VENDER O IMÓVEL E RECEBER EM ATÉ 3 DIAS: Os fundos imobiliários são negociadas na Bolsa de Valores, portanto é muito simples vender o ativo no momento que você quiser. Além disso, você estará livre de toda a parte burocrática de vender um apartamento, como escrituras, certidões, locação, vacância, reforma, cobrança, etc. Traga mais simplicidade e lucro para a sua vida.

• APROVEITAR A SIMPLICIDADE E A DIVERSIFICAÇÃO: Para comprar fundos imobiliários você não precisa nem sair de casa: tudo é feito pelo seu computador, necessitando apenas de um acesso a internet. Você poderá ser dono de parte de uma universidade, shopping ou de um grande prédio corporativo, possibilitando maior diversificação, menor risco e mais lucratividade.

Mas se, apesar disso tudo, eu não gostar?

Não tem problema. Entendemos que chega um ponto que a questão de gosto pode falar mais alto. Se você não gostar da cor da área de membros, por exemplo, pode nos enviar um email que devolveremos todo o seu dinheiro através da nossa garantia incondicional de 7 dias.

Estou decidido: quero a minha renda extra mensal!

Parabéns. Sabia que você estava no caminho certo! Agora convido você a conhecer a página oficial do Treinamento Red Box para Fundos Imobiliários e saber um pouco mais sobre ele.

Qualquer dúvida que você tiver, não esqueça: envie para contato@guiainvest.com.br que, dentro de no máximo 48h, teremos imenso prazer em atender você.

Por enquanto, fique com mais depoimentos de alunos… O próximo será o seu!

treinamento red box para fundos imobiliários

treinamento red box para fundos imobiliários

Rumo à Liberdade Financeira! 😉

4 investimentos para gerar uma renda passiva

viver de renda passiva

Renda não é apenas aquilo que você obtém através do seu suado trabalho. Não, não é… Hoje eu vou mostrar para você que viver de renda passiva é possível. É praticamente um salário que parece sonho: pois, ele não exige esforço.

Esse tipo de recurso é diferente da chamada renda ativa: aquela em que você trabalha para receber. Esta provém de um trabalho contínuo, exige empenho e, se você interromper a rotina, não receberá mais nada. Nessa forma de geração de capital, você trabalha pelo dinheiro. São casos em que você recebe renda ativa:

  • Trabalhador remunerado: ao receber salários mensais em troca de seu esforço laboral;
  • Trabalho autônomo: pois estará dedicando tempo a um trabalho específico, seja ele no desenvolvimento de produtos ou entrega de serviços;
  • Empresário: pois está gerenciando a produção de uma equipe ou companhia que busca o lucro e, a partir disso, tem o chamado recebimento pró-labore;
  • Dedica tempo e esforço a qualquer atividade remunerada, até mesmo no caso do pedinte de semáforo (sim, isto é uma piada, mas talvez deixe o conceito mais claro).

Do outro lado do ringue temos uma opção interessante, que pode ser combinada com seus esforços diários.

São características da renda passiva: não precisar trabalhar para ganhar dinheiro, requer um esforço inicial (e só!) e continua mesmo que você pare de trabalhar. É como plantar: você coloca a semente e colhe os frutos. Esta modalidade também é conhecida como renda residual. Aqui se aplica a expressão: faça seu dinheiro trabalhar por você.

Tipos de renda passiva ou residual

viver de renda passiva

Logo de cara você pode ter matado [parte] da charada: renda passiva é aquela que provém de investimentos. Se fosse uma questão escolar, você acertaria a resposta pela metade. Por quê? A verdade é que há mais de uma fonte. Basicamente, são duas modalidades de renda passiva / residual:

  1. Com capital: é a rentabilidade obtida através de aplicações realizadas junto a instituições financeiras, investimentos em imóveis que geram renda através de aluguel, lucros de dividendos de empresas, ações, entre outros.
  2. Sem capital: proveniente de realizações anteriores, como rendimentos obtidos a partir de direitos autorais, licenças de uso de nomes e patentes, cliques em sites de internet, pagamentos de pensão, etc.

O que isso tudo significa?

Significa que, a menos que você seja músico, artista ou filho de pessoas famosas que desenvolveram um produto artístico ou tecnológico, sua renda passiva será proveniente da modalidade “com capital”.

Isto posto, como começar a ter renda uma passiva paralela à ativa?

Comece a economizar

viver de renda passiva

Recentemente apresentei métodos para economizar que realmente funcionam. Para começar a ter uma renda residual, você precisa deste capital.

Feito esse trabalho, é hora de eleger os melhores investimentos disponíveis para o seu perfil. Hoje vou apresentar alguns dos mais simples [e rentáveis] meios para gerar renda passiva.

Vamos a eles?

O melhor caminho para viver de renda passiva: os dividendos 

viver de renda passiva

Dividendos são participações pagas pelas empresas aos acionistas da empresa. Cada companhia tem uma política específica de participação nos lucros. Quando a empresa dá lucro, ela divide esse montante com quem comprou ações ou tem uma fatia da companhia.

Este é o resumo básico, mas se você quer se especializar no assunto a dica é simples: assista ao meu treinamento online que mostra “Como Ganhar de R$ 1 mil a R$ 5 mil Por Mês Com Dividendos”. A inscrição é gratuita e nele eu dou algumas dicas essenciais de como escolher ações de empresas na Bolsa de Valores e que oferecem excelente remuneração por meio de dividendos.

Por lei, as companhias são obrigadas a distribuir dividendos do lucro líquido obtido durante um período de exercício. Esse pagamento pode ser mensal, trimestral, semestral ou anual. Tudo vai depender do estatuto social da organização.

Neste sentido, é importante saber: são as ações do tipo preferencial (PN), como diz o próprio nome, que têm preferência no recebimento dos dividendos. As ações do tipo ordinário (ON) também recebem, mas o dividendo dos preferencialistas deve ser 10% maior do que o atribuído por ação ordinária (está na lei!). Quem tem ações do tipo ON, contudo, tem direito a voto e decisões de longo prazo da companhia.

Outra vantagem das ações PN é o “direito de participar do dividendo a ser distribuído, correspondente a, pelo menos, 25% do lucro líquido do exercício”. Tudo isso está presente na Lei das SA em seu art. 17, §1º, que determina as vantagens das ações preferenciais. Em geral, as companhias brasileiras pagam esses 25%. Contudo, há aquelas que pagam bem mais, com o propósito de atrair investidores.

Resumindo: você precisa escolher os melhores momentos e as melhores ações para ter garantia de um bom dividendo. Portanto, eu insisto: assista ao meu treinamento que mostra como.

Lucrando com LCIs: Letras de Crédito Imobiliário

viver de renda passiva

Letras de Crédito Imobiliário (LCI) são uma modalidade de investimentos de renda fixa. Uma grande vantagem é a isenção do imposto de renda sobre o lucro obtido neste investimento.

A LCI funciona assim: você compra títulos que serão destinados a créditos a serem utilizados em financiamentos que as instituições financeiras fazem no mercado imobiliário. A partir desse dinheiro aplicado, a instituição irá pagar juros sobre o empréstimo que você fez a ela – que a instituição, consequentemente, repassará a outros clientes.

Além da garantia de hipoteca, o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) garante um capital de até R$ 250 mil caso ocorra a quebra da instituição. Isso quer dizer que a LCI é um investimento seguro, que tem as seguintes modalidades:

  • Pós-fixado: quando o capital está atrelado à variação da taxa Selic. Momentos de alta de juros são os mais indicados.
  • Pré-fixado: como diz o nome, a rentabilidade será contínua. Bom para momentos em que há tendência de queda de juros.
  • Atrelada à inflação: você tem um rendimento fixo mais a correção da inflação anual, medida pelo índice de mercado IPCA.

A rentabilidade de uma LCI pode ser próxima a 100% do CDI – traduzindo, em bom português: dependendo do período que você está lendo este artigo, se a Selic estiver acima dos 10%, ela pode se aproximar de 1% ao mês.

E quanto de dinheiro você precisa para começar? Há instituições, como os grandes brancos, que podem apresentar opções a partir de R$ 5 mil. Mas cuidado: a rentabilidade oferecida pelos bancos não costuma ser tão alta. Se você tiver um montante maior, prefira investir através de corretoras ou outras instituições com melhor remuneração.

Quer uma dica? Antes de investir faça uma simulação.

Fundos Imobiliários são diferentes de LCI

como viver de renda passiva

A semelhança é que ambos são boas opções. Apesar disso, diferente das Letras de Crédito Imobiliário, os Fundos de Investimentos Imobiliários oferecem quotas de um fundo a investidores. E melhor: não tem Imposto de Renda sobre o lucro obtido.

Todo o capital arrecadado será reinvestido no mercado imobiliário como um todo. Isso quer dizer que a captação dos recursos pode ser utilizada, pelo administrador do fundo, no oferecimento de financiamento e aquisição de imóveis (rurais ou urbanos), aluguéis, assim como a aquisição de títulos e valores mobiliários, o que inclui Letras de Crédito e Certificados de Recebíveis Imobiliários. Cada fundo tem uma política de investimento.

Não se assuste: parece mais complicado do que realmente é. O que descrevi no parágrafo acima é apenas o que o administrador do fundo fará com o dinheiro. Como são profissionais do ramo, não se preocupe: você tem uma garantia de rentabilidade. 

Algumas vantagens são:

  • Permite investir no mercado imobiliário sem comprar um imóvel;
  • Os ativos do fundo são investidos de forma diversificada: shoppings, estabelecimentos comerciais, residências, hotéis, entre outros.
  • Quando há um aumento de preços no mercado imobiliário, quem aplica aqui sai ganhando.
  • Você não precisa se preocupar com a administração de um imóvel para investir nesse mercado.

Neste caso, siga minha sugestão: antes de entrar em um fundo, analise a rentabilidade passada de mais de uma instituição financeira. Converse com quem entende, estude.

Se você desejar, temos um webinário novinho e totalmente inédito sobre este assunto. Para se inscrever é só clicar aqui.

Tesouro Direto IPCA: uma boa opção

viver de renda passiva

O Tesouro IPCA é a modalidade de títulos do governo (tesouro) ligada a inflação. Ou seja, há uma remuneração ao investidor que considera a correção do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), mais uma rentabilidade pré-definida. Quanto maior o período de investimento, melhor a porcentagem de pagamento.

Você pode escolher sua rentabilidade de duas maneiras:

  • No resgate do seu investimento (por exemplo, em 2024, 2035, 2045, 2050);
  • Recebendo juros semestrais (pagamento da rentabilidade semestralmente).

Atenção, contudo, a esta segunda opção: por não deixar o valor dos juros rendendo junto com o investimento, uma vez que ele é pago semestralmente, sua rentabilidade final será menor.

Dificilmente outros investimentos considerados “seguros” têm uma rentabilidade tão boa quanto o Tesouro Direto, sobretudo em longo prazo.

Investir nessa modalidade é muito simples:

  • Consulte uma instituição financeira habilitada a oferecer esta solução – algumas sequer cobram taxa de administração.
  • Veja qual tipo de título do tesouro se adequa mais a você – neste artigo estou falando especificamente do Tesouro IPCA.
  • Realize o investimento junto à corretora: seu capital pode ser baixo, médio ou alto. Tanto faz!

Claro que você deve fazer isso tudo com calma. Estude e avalie a reputação das corretoras. Contudo, não deixe de ter parte de seu dinheiro no Tesouro Direto. É uma diversificação essencial na carteira de pequenos, médios e grandes investidores.

Busque conhecimento: renda passiva por dividendos

viver de renda passiva

Todas as informações que apresentei aqui são um bom pontapé inicial para fazer seu dinheiro trabalhar por você. Minha recomendação sempre é de buscar mais conhecimento. Por isso, faço aqui um convite. Recentemente, estudei e montei uma aula gratuita para quem busca forma renda passiva através de dividendos.

Você pode acompanhar nossa aula gratuitamente.. Sabe como? Simples: cadastre-se neste link para assistir a aula: Como Ganhar de R$ 1 mil a R$ 5 mil Por Mês Com Dividendos”. Um email será enviado para confirmar sua participação. Juntos, podemos aprender mais. Espero você!

 

Postado inicialmente em 7 de maio de 2017.

Atualizado em 11 de outubro de 2018.

Fundos imobiliários ou dividendos: qual opção é melhor para mim?

fundos imobiliários

O mundo do investimento é bastante amplo e você deve estar atento quanto a sua variedade para conseguir encontrar as melhores alternativas de investimentos para o seu perfil. Entre esses investimentos, destacamos neste artigo os fundos imobiliários e os dividendos de ações.

Explicaremos como cada um funciona e quais são os seus riscos. Além disso, vamos apresentar como eles são calculados e deixamos dicas de como você pode escolher o investimento mais adequado ao seu perfil. Continue lendo este artigo e conheça mais sobre os dividendos e os fundos imobiliários!

Entenda como funcionam o investimento em ações e o recebimento de dividendos

Ao comprar ações de uma determinada empresa, você também se torna proprietário dela e ganha o direito de receber parte dos lucros, que são divididos entre os acionistas na forma de dividendos.

Esses dividendos podem ser pagos de diversas formas, como em dinheiro, outras ações, propriedades, entre outros ativos. Em nosso país, devido a uma exigência legal, o lucro da empresa a ser dividido para os acionistas deve ser de pelo menos 25%.

Vale ressaltar que a distribuição é proporcional à quantidade de ações de cada acionista e que não há cobrança de imposto nos dividendos de forma direta — embora a empresa pague impostos sobre o seu lucro antes de fazer a divisão dos ativos entre os seus acionistas.

Além disso, é importante que você saiba que há a possibilidade de remuneração dos acionistas com juros sobre capital próprio, que sofre de uma tributação de 15% pela Receita Federal.

Empresas mais estáveis e estruturadas são as melhores pagadoras de dividendos e as melhores opções do mercado, pois têm maior resiliência perante crises políticas e econômicas.

Por fim, mas não menos importante, é essencial que você conheça as diferenças entre as ações preferenciais e nominativas. A primeira dá prioridade no recebimento de dividendos; a segunda, por outro lado, não dá, mas garante direito a voto nas assembleias da empresa. Conheça seu interesse ao investir na empresa e escolha a melhor opção para você.

Saiba como funcionam os fundos imobiliários

fundo imobiliario e dividendos

Os fundos imobiliários funcionam da mesma forma que qualquer outro fundo. Reúnem uma série de especialistas em investimento imobiliário e aplicam os ativos disponíveis nas melhores opções existentes no mercado — de qualquer natureza relacionada ao ramo —, desde desenvolvimento de empreendimentos imobiliários a imóveis prontos, como residenciais, comerciais ou institucionais.

Para você, o fundo imobiliário funciona basicamente como a bolsa de valores, só que em vez de ações, você adquire e vende cotas de participação nesses fundos. Os rendimentos são periódicos e variam de acordo com o valor das cotas e com a quantidade que você tem.

Conheça os riscos associados a cada investimento

A seguir, abordaremos os principais riscos que envolvem cada um desses investimentos.

Dividendos

Ações são ativos de renda variável cujo rendimento varia de acordo com diversos fatores — internos ou externos. Por exemplo, uma empresa mal administrada pode passar por turbulências internas. Isso pode refletir no desinteresse do seu mercado, o que reduz o seu lucro e, consequentemente, os dividendos pagos aos acionistas.

Além dos riscos internos inerentes a todas as empresas, há riscos pouco previsíveis, como instabilidades econômicas e políticas. Caso o governo tome medidas hostis em relação ao mercado, os lucros da empresa tendem a diminuir e, consequentemente, os dividendos pagos aos acionistas e o preço das ações também.

Entretanto, isso não é um motivo para eliminar totalmente a possibilidade de investir nesses ativos. Lembre-se que não há investimento sem risco. As ações representam uma boa alternativa para investimentos com bons retornos e riscos moderados.

Para reduzir o risco, há várias estratégias que você pode adotar, como optar por escolher empresas com boa saúde financeira, estrutura interna e perspectiva de crescimento futuro. Além disso, é sempre válido diversificar a carteira tanto entre ações de empresas distintas quanto em investimentos em ativos diferentes (renda fixa e variável, fundos, entre outros).

Fundos imobiliários

Antes de discutir os riscos desse tipo de investimento, vale destacar que ele costuma ser mais rentável e apresentar mais segurança que o investimento direto em imóveis, pois conta com mecanismos de proteção às oscilações do mercado.

No entanto, como todo investimento, apresenta riscos. Há o risco de liquidez, que é a provável dificuldade de se desfazer dos ativos e recuperar o dinheiro investido. Para isso, é necessário encontrar interessados nas cotas.

Além disso, há o risco de inadimplência ou vacância (quando o imóvel fica vazio, sem gerar renda alguma). Há também o risco físico, visto que há a possibilidade de o imóvel sofrer com intempéries e perder o seu valor ou utilidade.

Outros riscos apontados constantemente são: risco de sazonalidade, que ocorre principalmente em aluguéis de imóveis em centros comerciais, em que o aluguel é calculado de acordo com a venda das lojas; risco judicial, quando o imóvel sofre ações na justiça; entre outros.

Entenda como esses investimentos são calculados

dividendos e fundos imobiliarios

Ambos os investimentos são calculados de forma bem simples. Os dividendos são calculados de acordo com o lucro da empresa (já descontando taxas e custos) com os acionistas. Esse lucro deve ser de no mínimo 25% para empresas de capital aberto, conforme a Lei das Sociedades Anônimas.

Eles costumam ser pagos de acordo com a quantidade de ações que cada proprietário da empresa tem. Por exemplo, se o valor dos dividendos da empresa for igual a R$ 1.000 e a ela contar com 10 acionistas com números iguais de ações, cada um receberá R$ 100 de dividendo.

Já para os fundos imobiliários, há duas formas de calcular os recebimentos: por meio das distribuições de rendimentos e da valorização da cota. Por força da lei, os fundos devem, semestralmente, distribuir um mínimo de 95% dos rendimentos dos fundos para os cotistas.

Para ter uma noção do seu rendimento no fundo, basta que você saiba o valor do rendimento mensal e faça a divisão. Após essa etapa, é necessário multiplicar por 100 para chegar na porcentagem.

A outra forma de calcular rendimentos nos fundos imobiliários se dá pela valorização das cotas. Os fundos que apresentarem maior valorização são aqueles que apresentaram também um maior rendimento.

Saiba como escolher a melhor opção

Não há investimentos melhores ou piores — mas sim investimentos mais adequados ao seu atual momento de vida. Antes de escolher entre dividendos ou fundos imobiliários, você precisa conhecer o seu perfil de investidor. Ambas as opções são plausíveis e há a possibilidade de você investir em ambos os ativos para acumular riqueza.

Sendo assim, fundos imobiliários e ações com recebimento de dividendos são ótimas opções. Ao contrário do que você possa imaginar, não é difícil investir nessas modalidades. Atualmente, você pode fazer isso de casa, sendo assessorado por softwares. Fique atento para fazer a melhor escolha e conheça os ativos nos quais você deseja investir!

Se deseja ganhar uma renda mensal com aluguéis de fundos imobiliários, você pode participar da nossa vídeo-aula gratuita que vai ao ar nos próximos dias, clique aqui e verifique se ainda temos vagas.

29 formas de ganhar dinheiro depois de se aposentar

aposentado o que fazer para ganhar dinheiro

Aposentado: o que fazer para ganhar dinheiro depois de se aposentar?

Tempo. Se existe algo que você terá à sua disposição quando se aposentar é isso. Tempo para curtir as pessoas amadas, tempo para relaxar, tempo para se dedicar a seus passatempos, tempo para viajar, tempo para encontrar velhos amigos e fazer novos, e assim por diante. Só não pode haver tempo para jogar fora!

Durante a vida inteira ouvimos falar que tempo é dinheiro. Então, desperdiçar tempo é igual a desperdiçar dinheiro. E agora que você está aposentado – ou pensando em se aposentar –, precisa ter em mente que a partir do momento em que deixar de receber seu salário, seus investimentos passarão a ser sua única fonte de renda.

Ou será que não? Para ajudá-lo a pensar sobre o assunto, preparamos este texto com algumas histórias inspiradoras e uma lista com 29 formas de ganhar dinheiro depois de se aposentar. Confira!

Conheça histórias de quem abriu ótimos negócios após se aposentar

Dorothy Atkins usou parte do pacote de benefícios da aposentadoria antecipada que sua empresa ofereceu para abrir a From Where I Sit, uma empresa de cartões comemorativos. Em tempos de WhatsApp, Facetime e afins, a empresa que vende simples cartões de Natal, aniversário etc., vai bem, obrigado. Ajuda o fato de Dorothy, que se tornou uma artista renomada, ilustrar os cartões com suas pinturas. Bem, talvez os cartões dela não sejam tão simples assim…

Cinde Dolphin trabalhou 24 anos no marketing da cervejaria Coors. Após se aposentar por lá, ela bem que tentou trabalhar em outras empresas. Como não conseguiu conquistar nenhuma vaga, abriu a sua própria agência de marketing. Aproveitando a expertise adquirida em mais de duas décadas na cervejaria, ela focou seus esforços em prospectar empresas de bebidas.

História parecida com a da gaúcha Yamara Maria Eichner. Depois de 25 anos trabalhando na indústria de borracha e plástico, ela se aposentou e abriu a Naturoils, empresa de bioquímica e biotecnologia que desenvolve uma linha de cosméticos em franco crescimento.

A verdade é que não faltam exemplos como esses. E não só nos negócios! Há pessoas que se descobrem atletas depois de se aposentar, ou se tornam forças motrizes de uma comunidade ou organização beneficente. A grande chave é: escolha. Algo que na aposentadoria também costuma existir de sobra. Quer dizer, isso se não faltar dinheiro, não é mesmo?

Você deve ter liberdade financeira para escolher o que deseja fazer depois de pendurar as chuteiras, e não ter que procurar algo para sobreviver. Falamos sobre isso no artigo 13 coisas que você deve parar de fazer para não ter uma aposentadoria miserável.

Pense no que você pretende fazer como aposentado

Aposentadoria só é tempo de relaxar se você quiser. Pode ser também tempo de realizar seu grande sonho. De ser o que você sempre desejou ser.

Segundo o estudo perfil do potencial empreendedor aposentado, realizado pelo instituto Meta Pesquisas de Opinião para o Sebrae, em maio de 2017, com 1.200 pessoas com mais de 50 anos, entre aqueles que estão para se aposentar:

Ou seja, 29,5% dos entrevistados que estão próximos de se aposentar pensam em conquistar ativos e ganhar dinheiro de uma forma ou de outra. O 1% referente aos voluntários quer “apenas” continuar a ser ativo e útil. Você pode tomar qualquer um desses caminhos, uma vez que tenha investimentos para garantir que suas contas e necessidades serão pagas sempre.

Falamos sobre isso na nossa aula gratuita Como incrementar a sua Aposentadoria de 10 a 60% dentro dos próximos 30 dias.

Confira 29 formas de manter-se ativo no mercado e ganhar dinheiro depois de se aposentar

Uma vez que as finanças estejam em ordem, se quiser, ofereça algo a mais à sociedade. Se você não tiver uma ideia clara de como aproveitar seu tempo de forma lucrativa e prazerosa, aqui vão algumas ideias:

1. Abra uma franquia

Revistas e sites especializados na área frequentemente publicam listas de empresas que buscam franqueados aposentados. São modelos de negócios já prontos para você, alguns com a possibilidade de trabalhar em horário flexível.

2. Seja um recrutador

Esse serviço pode ser feito na sua antiga empresa. Afinal, você a conhece como poucos. Um recrutador avalia os currículos enviados para preenchimento de vagas e pode fazer uma pré-entrevista ao telefone com os candidatos mais adequados, enviando assim apenas os melhores para a empresa. Como não se precisa de funcionários novos todos os meses, é uma função temporária, mas muito importante – e pode remunerar bem.

3. Seja um vovô ou vovó de aluguel

Há algum tempo, uma das carreiras em alta era a de marido de aluguel, pessoas que eram contratadas para fazer simples serviços elétricos e similares. Um vovô de aluguel é alguém que entretém crianças ou idosos por um curto período, dá dicas rápidas de carreira e posicionamento pessoal, entre outros. É uma ótima maneira de conhecer mais pessoas e compartilhar seu conhecimento e sua experiência profissional.

4. Cuide de casas

Esse mercado é perfeito para os idosos, por passarem uma aura de responsabilidade e confiança. E, melhor ainda, pode ser uma desculpa para férias, se você der a sorte de cuidar de uma casa de veraneio de um milionário em uma praia paradisíaca do Nordeste. Essa maneira de ganhar dinheiro e ocupar o tempo só não é recomendada para fãs do livro/filme O Iluminado.

5. Seja um professor particular

Que tal ensinar português para estrangeiros? Existem até instituições de caridade procurando tais profissionais. E se suas aulas fossem sobre algo relacionado a sua profissão? Pode apostar que muitos empreendedores em potencial adorariam ouvir sua experiência!

6. Seja um palestrante

Se você é um profissional que está prestes a se aposentar, já tem uma longa trajetória no mercado de trabalho, não é mesmo? Existe uma grande possibilidade de você tem presenciado diversos obstáculos pelo caminho, como crises, hiperinflação, mudança de governo e moedas, avanço tecnológico e extinção de algumas profissões.

Então é correto afirmar que você tem um grande conhecimento sobre como lidar com flexibilidade e ainda ser ágil perante conflitos. Diante desse cenário, muitos jovens estão se inserindo agora no mercado e compartilhar sua vivência com esse público pode ser uma grande oportunidade para você ganhar dinheiro depois de se aposentar.

Portanto, ofereça palestras para quem está atrás de experiência que só uma vida inteira de profissionalismo pode mostrar. Uma boa forma de colocar isso em prática é trabalhar com escolas e faculdades, instituições de ensino que estão sempre procurando palestrantes para seus alunos.

7. Compartilhe conhecimento pela internet

O YouTube está aí — e os blogs também (assim como as demais redes sociais). Certo, não é fácil ganhar a vida assim — principalmente com as constantes mudanças de regras nas plataformas comandadas por Mark Zuckerberg —, mas você pode disponibilizar conteúdo útil nesses canais e ganhar alguns trocados com inscrições e visitas, além de abrir espaço para potenciais patrocinadores, que gostariam de ver você falando sobre seus produtos ou serviços.

8. Seja pet sitter

Basicamente, este é um trabalho em que você se dispõe a tomar conta de um bichinho de estimação de pessoas que estejam viajando. Não tem comprometimento e nem horário fixos, mas tem diversão e dinheiro entrando na conta de vez em quando. Se você fizer um bom trabalho de divulgação e usar sua rede de contatos para espalhar a novidade, ela pode gerar um bom retorno!

9. Ofereça serviços como guia de sua cidade

Novatos na região, estudantes e outros precisam de alguém que mostre os melhores locais da cidade, as feiras que vendem mais barato, onde conseguir cartões de ônibus e assim por diante. Que tal aproveitar essa oportunidade para aumentar seus rendimentos? Ah, esses serviços também podem fazer parte do cotidiano de um vovô de aluguel!

10. Ofereça serviços de conselheiro administrativo

Fazer parte do conselho de uma empresa ou de uma entidade profissional é uma ótima maneira de continuar ativo no setor da economia que você conhece, com menos trabalho. Se você tiver ações da empresa desejada, o setor de conselho de acionistas também estará disponível.

11. Transforme seu passatempo em negócio

Gosta de cozinhar? Dê aulas de culinária. Você não precisa nem usar a cozinha da sua casa para isso. Faça um acordo com o supermercado ou padaria do bairro, dê aulas lá em troca de propaganda e venda dos ingredientes utilizados.

Se morar perto de algum fabricante de gêneros alimentícios, vale conversar com eles, também. Uma parceria interessante pode surgir! Ou, quem sabe, una-se a alguns amigos e abram uma empresa de buffet, de catering, entregando comida para eventos profissionais e festas.

Seu negócio é jardinagem? Vale o mesmo princípio! Dê aulas, venda mudas, frutas ou vegetais. Na verdade, o mesmo vale para todos os hobbies. Ensine a pintar, fotografar, fazer artesanato. Venda o resultado de seu esforço! Acredite: sempre tem alguém disposto a investir em coisas assim.

12. Seja um curador

Você sabe quais produtos são indispensáveis para seu hobby, quais são as marcas mais recomendadas e que têm o melhor custo-benefício. Entre em contato com empresas da área para desenvolver kits ou aulas patrocinadas sobre esse assunto. Ou abra uma empresa de caixas, na qual você envia a seus assinantes todos os meses algum produto relevante sobre o assunto.

13. Escreva um livro

Sim, mesmo se você não tiver a mínima imaginação! Nem todo livro precisa ser longo, ou se enquadrar na categoria de romance ou ficção. Você pode escrever guias profissionais rápidos, manuais sobre seus interesses ou experiência. Dificilmente você será a única pessoa interessada em determinado tema no mundo.

E você não precisa nem se preocupar em buscar uma editora para investir na sua obra e imprimi-la, se não quiser. O universo de livros digitais está aí para ser explorado. E é muito mais fácil conseguir ter um e-book vendido do que um livro. Pesquise e comprove!

14. Considere a carreira de comprador

As pessoas têm pouco tempo disponível hoje em dia, e muitas vezes dariam tudo para que alguém as auxiliasse na compra de roupas, mantimentos e outros. Alguns compradores profissionais – ou personal shoppers, como desejam ser chamados – se especializam em certas cidades do mundo e viajam com grupos de turistas. Uma bela forma de unir trabalho e lazer, não acha?

15. Seja conselheiro de carreira

Você passou décadas de sua vida em determinado setor da economia. Sabe muito bem o que o currículo de uma pessoa interessada deve conter, como ela deve se vestir, que livros deve ler, entre outros. Além disso, você possui uma miríade de contatos no setor. Esse conhecimento de pessoas e conexões vale ouro!

Venda todo esse material e experiência para jovens em busca do primeiro emprego ou a profissionais querendo uma recolocação. Pode ser uma segunda carreira bem lucrativa. Só não esqueça de levar em conta a realidade atual. Ninguém vai querer conselhos ultrapassados!

16. Considere tirar o carro da garagem para trabalhar para aplicativos de transporte

Mas, antes, faça as contas para ver se vale a pena! Muitas das pessoas que trabalham para o Uber e similares descobrem, da pior maneira possível, que pagaram para trabalhar. Coloque na ponta do lápis o gasto que você terá com combustível, desgaste do carro, de peças, horas disponíveis… tudo que conseguir imaginar, para ver se vale a pena.

Se o saldo for positivo, por que não? Você vai conhecer gente nova, ter um novo olhar sobre sua própria cidade, conversar sobre assuntos completamente diferentes e ainda alimentar seu caixa.

17. Considere também alugar quartos em sua casa

As residências compartilhadas vieram para ficar e trazer facilidade quando se aluga um imóvel. Essa é uma inovadora maneira de ganhar dinheiro depois de se aposentar, conhecida como economia compartilhada. O Airbnb funciona de maneira semelhante ao Uber, porém o objetivo dessa plataforma é alugar cômodos (ou o imóvel todo) em diferentes localidades do mundo.

Segundo Christian Gessner, diretor do Airbnb no Brasil, existem pessoas que estão ganhando mais dinheiro com aluguel do que com seus empregos. A avaliação é feita por usuários, sendo assim sempre mantenha a casa ou apartamento organizado e limpo e seja cordial ao receber as pessoas. Não bastassem todas essas facilidades, o Airbnb é uma troca de culturas, já que você receberá hóspedes de diferentes países e ainda, como bônus, pode fazer novas amizades.

18. Seja um cliente secreto

Procure agências de publicidade e de pesquisa e ofereça seus serviços como cliente secreto ou membro de focus group. Um cliente secreto é alguém que vai anonimamente a empresas e analisa o atendimento, a limpeza, a organização e assim por diante.

Focus groups são grupos de pessoas com determinadas características que testam e dão opinião sobre produtos e serviços. A demanda pode não ser altíssima, mas vai dizer que não é algo interessante de se fazer com tempo livre?

19. Fique de olho na oferta de trabalhos temporários

A maioria das empresas passa por meses ou épocas do ano em que seus serviços ou produtos estão em maior demanda. Pode ser o fim de ano para uma loja, o mês anterior à Páscoa para uma fábrica de chocolate, e assim por diante.

Um desses locais pode precisar de sua ajuda. Fique de olho em anúncios ou leve seu currículo para agências de emprego, especificando sua disponibilidade para trabalhos temporários.

20. Trabalhe com transcrições

Hoje em dia, muito da informação disponível está em vídeo – e, muitas vezes, esse vídeo precisa ser transcrito. O serviço também coloca no papel discursos, pronunciamento, Podcasts e outros. O inverso também acontece. O setor de audiolivros, por exemplo, ainda é incipiente no Brasil, mas tal situação pode mudar no futuro. De novo, procure por empresas de press-release, de trabalhos como freelancer, de comunicação e editoras.

21. Seja secretário/assistente virtual

Existem vários serviços que podem ser feitos somente com um computador conectado à internet. O secretário virtual organiza a agenda de pessoas ocupadas, marcar viagens e hospedagens em hotéis, pesquisa e realiza outros pequenos serviços que descomplicam a vida de qualquer um.

Ainda é uma profissão pouco conhecida no Brasil, entretanto no exterior tem ganhado muito espaço por ser um trabalho homeoffice — pode ser feito na própria residência. Considerada a profissão do futuro, você irá lidar com diferentes áreas como marketing, mídias sociais, atendimento, administração, etc.

É preciso entender que existe uma demanda de aumento para essa carreira em consequência do surgimento de microempreendedores e de startups com o objetivo de terceirizar serviços.

Dito isso, essa pode ser uma ótima opção para ganhar dinheiro depois de se aposentar. A plataforma Workana mostra as diferentes oportunidades nesse setor, e por lá você poderá se candidatar para uma ou mais oportunidades.

22. Seja um freelancer

Trabalhar como freelancer pode ser uma boa forma de ganhar dinheiro depois de se aposentar. Com uma rápida pesquisa no Google, é possível encontrar plataformas que fazem uma ponte entre você e o cliente. Existem muitas opções no mercado de trabalho independente como redator, revisor, editor de vídeos, design gráfico etc.

Então, se você tem alguma habilidade em que poderia investir mais tempo, essa pode ser uma grande oportunidade para faturar uma renda extra. Todavia, no trabalho como freelancer é essencial saber lidar com a ansiedade, pois trabalhos podem aparecer em excesso ou escassez.

Aprenda a organizar sua rotina ao entrar nessa ocupação e procure agir como um profissional autônomo. Com isso, o estresse e pressão serão evitados se tornado algo prazeroso de ser feito.

23. Venda algum imóvel que não utiliza

Tem um imóvel que não consegue alugar? Quer viver uma aventura com muitas viagens na sua aposentadoria? Vender a propriedade vaga ou até mesmo sua própria residência pode ser algo a se considerar. Com o valor resultante da venda, é possível colocar o dinheiro para render no mercado financeiro. Os dividendos gerados podem ser maiores que o seu atual custo de vida e superiores ao que seria arrendar a habitação.

Essa atitude ajuda a ganhar dinheiro depois de se aposentar. Com isso, pode-se viver viajando pelo mundo, o que é ideal para os aventureiros. Entretanto, é muito importante se programar com antecedência e avaliar bem ao fazer essa opção, já que envolve riscos.

24. Diminua os gastos recorrentes da sua rotina

Ao cortar despesas, não é necessário eliminá-las, apenas escolha a melhor opção. Dessa maneira, você vai conseguir gerar mais renda para desfrutar. Atualmente, serviços de streaming de vídeo têm um custo muito menor que a tradicional TV a cabo, e o streaming de música pode ser ideal para ter acesso a um catálogo gigante e economizar com mídia física.

A internet redefiniu o mercado de consumo e você pode contratar um personal trainer digital mediante aplicativos no seu celular. Assim, seus gastos com esse tipo de consumo serão muito mais econômicos do que frequentar uma academia.

Não tem mais dependentes financeiros? Considere cancelar sua apólice do seguro de vida. Limite-se a apenas um automóvel diminuindo gastos com manutenção e combustível. Além disso, você também pode diminuir gastos com restaurantes, presentes e resistir ao impulso de comprar coisas sem necessidade.

25. Realize uma mudança de residência

A taxa do condomínio está muito elevada? As contas de água e energia estão pesando sobre sua renda?

Uma boa ideia seria mudar para um local menor e com custo inferior, pois você não teria os mesmos gastos em relação a uma casa maior. É possível encontrar moradia em regiões serranas e litorâneas por um preço mais justo do que em uma metrópole.

26. Não deixe de exercer seus benefícios

Um jeito de ganhar dinheiro depois de se aposentar é usar a criatividade. Isso pode ser feito exercendo seus direitos: aposentados pagam meia-entrada em eventos culturais, musicais e clubes. Idosos não precisam gastar com transporte público e essa diminuição nos gastos pode ajudar a guardar dinheiro.

Estabelecimentos costumam dar descontos aos aposentados para adquirir carros ou qualquer bem material. Por isso, sempre faça uma pesquisa antes de realizar uma compra em algum local.

27. Trabalhe com artesanato

Essa fonte de renda extra tem a vantagem de gerar bons resultados e ainda ser algo prazeroso de se fazer. Se você tem habilidade manual para produzir peças de cerâmica, velas aromatizantes, customização de louças, crochê e trabalho com material reciclado, pode vendê-los em sites de e-commerce ou feiras locais.

Não é preciso ter um dom especial para realizar esses trabalhos manuais. Existem variados cursos digitais e presenciais sobre o assunto que vão te ensinar a fazer artesanato.

28. Crie um blog

Se você tem alguma formação e experiência, tente criar um blog para um determinado nicho de mercado. Essa opção é uma ótima forma de ganhar dinheiro depois de se aposentar, uma vez que sua renda é gerada por recurso de monetização com venda de e-books, consultorias, Google Adwords e posts patrocinados.

Empresas online criam sites e blogs em poucos minutos sem muito esforço, sendo necessário apenas escolher o layout desejado. Sendo assim, não é preciso muito esforço — inclusive pode ser feito em seu tempo livre.

29. Faça um pouco de vários desses itens

A chave de tudo é o poder de escolha, lembra? Então, crie sua própria lista de formas de se manter ativo e no mercado mesmo depois da aposentadoria tendo como ponto de partida a que apresentamos aqui. Dessa forma, sua aposentadoria tem tudo para ser mais divertida e lucrativa.

Tenha sempre em mente! Aposentadoria deve ser algo prazeroso, por isso se for fazer algo para ganhar uma fonte diferente de renda, prefira opções que não tragam estresse e te deixem feliz e realizado.

Comece agora mesmo seu projeto para ter uma renda extra na aposentadoria

Essas opções são apenas algumas disponíveis no mercado: você pode modificá-las de acordo com suas próprias ideias e criar diferentes projetos. Não existem regras, apenas a liberdade para escolher o que vai a você proporcionar contentamento e, é claro, uma nova fonte de dinheiro. A liberdade vem de fazer as coisas se quiser!

O artigo mostrou maneiras de ganhar dinheiro depois de se aposentar e vai ajudar você a ter uma iniciativa e colocar isso em prática. Independentemente do que for realizar, continuar trabalhando, de maneira adequada, depois de se aposentar, traz vantagens como melhorar o bem-estar físico e mental. Invista agora para obter a liberdade de escolher!

O que achou dessas dicas? Agora que você já conhece diversas formas de ganhar dinheiro depois de se aposentar, assista nossa aula sobre como investir em ações, com uma estratégia simples de ser aplicada. Assim, monte sua estratégia para ter a liberdade financeira que lhe permitirá desfrutar da aposentadoria.

O que fazer para se aposentar antes dos 40 anos?

Muitas pessoas têm dúvidas sobre o que fazer para se aposentar antes dos 40 anos ou apenas conseguir uma aposentadoria antecipada. Será que isso é realmente possível? Quais métodos e hábitos podem ajudar a concretizar esses objetivos?

Pensando nisso, nós elaboramos este artigo. Durante a leitura, você entenderá melhor o cenário atual da aposentadoria em nosso país. Além disso, também mostraremos algumas dicas práticas para que você consiga se aposentar mais cedo. Vamos lá?

Aposentadoria no Brasil

Boa parte dos brasileiros e brasileiras se aposentam por meio do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). No entanto, na maioria dos casos, o benefício só pode ser resgatado após o contribuinte atingir determinada idade ou tempo de contribuição mínimo.

Em geral, a contribuição exigida é de 35 anos para os homens e 30 anos para as mulheres. Quem se aposenta por idade, por sua vez, deve esperar até os 65 anos, se for homem, ou até os 60, caso seja mulher.

À parte disso, pessoas que fazem um planejamento a longo prazo conseguem se aposentar mais cedo. Isso acontece graças às alternativas de investimentos que elas escolhem. Afinal, existem opções mais rentáveis e com condições mais flexíveis para se alcançar esse objetivo.

5 dicas para se aposentar mais cedo

como-se-aposentar-antes-dos-40-guiainvest-2

1. Esqueça o INSS

Cada vez mais, cresce a média de idade da população brasileira. Devido a esse e outros fatores, o número de contribuintes do INSS só diminui, fazendo com que ele tenha um verdadeiro rombo financeiro.

De acordo com matéria publicada pela Gazeta do Povo, o INSS teve déficit de quase R$ 86 bilhões no ano de 2015. Em 2016, o saldo ficou em R$ 150 bilhões negativos.

Isto é, as condições do Instituto pioram progressivamente, assim como o valor que ele pode pagar aos aposentados. Embora seja útil para outras finalidades — como em casos de doença ou invalidez —, o INSS não oferece grandes vantagens do ponto de vista financeiro.

2. Não acredite em fórmulas mágicas

Saiba que não existe nenhum atalho ou receita de bolo para se aposentar antes dos 40. Para alcançar ganhos extraordinários e ter um bom padrão de vida no futuro, você precisa se preparar, poupar e planejar. Sem conhecer muito bem os seus objetivos, a tarefa tende a ser muito mais complexa. Portanto, comece a lidar com essa necessidade o quanto antes.

3. Poupe agora

Se você não começar a poupar enquanto ainda é jovem, dificilmente reunirá as condições necessárias para desfrutar uma aposentadoria antecipada.

Mais do que encontrar o rendimento perfeito, é fundamental entender que você precisa economizar, abandonar os gastos superficiais e exercer um verdadeiro controle sobre o seu dinheiro. Além de uma necessidade, saiba que poupar deve ser um hábito constante.

4. Aprenda a investir

Muitas pessoas têm medo de tirar o dinheiro da poupança e investir por conta própria. Porém esse receio está mais atrelado à falta de conhecimento do que a uma real dificuldade de aplicar.

Você pode, por exemplo, fazer cursos sobre investimentos e alcançar a liberdade financeira usando aquilo que viu durante as aulas. Eles ensinam de forma simples, didática e muito direta como você pode organizar o seu dinheiro e escolher as melhores ações, títulos públicos e fundos imobiliários.

Lembre-se de que os bons cursos são pensados tanto para quem não entende nada do assunto quanto para aqueles que já conhecem um pouco. Portanto, procure um que seja condizente com a sua fase financeira. Também existem diversos livros e textos (como os publicados em nosso blog) que podem ajudar.

Dedicando alguns minutos do seu dia a esse aprendizado, você saberá como usar o seu patrimônio acumulado, fazendo com que ele trabalhe para você — e isso é ótimo, concorda? Até mesmo quem não tem muito dinheiro acumulado pode gerar renda extra utilizando-o de maneira estratégica.

5. Abandone os velhos preconceitos

Você provavelmente já ouviu alguém dizer que “é preciso ter muito dinheiro para investir”, não é mesmo? Na prática, contudo, a história é outra, já que existem inúmeras opções de investimentos e elas podem se encaixar no bolso de qualquer pessoa. No Tesouro Direto, por exemplo, é possível investir com apenas R$ 30,00 por mês.

Outro mito recorrente é aquele de que “não é seguro investir”. É claro que alguns investimentos são mais arriscados que outros, mas isso não significa que não sejam seguros.

O ato de investir em ações, geralmente, é classificado como uma aplicação arriscada. Ainda assim, para quem foca o longo prazo, ele se torna uma opção mais segura. Afinal, o sobe e desce da Bolsa de Valores torna-se irrelevante em horizontes de mais de 10 anos. Você, de fato, só perde dinheiro no momento em que vende as suas ações estando no prejuízo. Por isso, é importante ter paciência.

Investimentos que garantem uma aposentadoria tranquila

como-se-aposentar-antes-dos-40-guiainvest

Quanto investir?

Antes de tudo, defina o quanto você pretende receber quando estiver desfrutando sua aposentadoria. Pense na renda mensal e também na anual, ou seja, se você quer receber R$ 5.000,00 mensais, sua renda anual será de R$ 60.000,00.

Para conseguir essas quantias, você precisará investir, ao todo, algo entre R$ 780.000,00 (projeção otimista) e R$ 1.020.000,00 (projeção conservadora). Olhando assim, parecem valores absurdos, certo? Porém, ao dividi-los ao longo dos anos, você perceberá que não é tão complicado assim.

Se você investir cerca de R$ 500,00 ao mês em ações, reinvestindo todos os dividendos recebidos, durante 15 anos, é possível chegar a essas quantias.

Em quê investir?

De acordo com os números apresentados, podemos dizer que o investimento em ações se mostra como um dos mais consistentes para o longo prazo. Portanto, esqueça aquelas velhas lendas sobre essa modalidade de aplicação.

Além delas, vale mencionar que os títulos públicos indexados à inflação e com vencimento a longo prazo também são boas opções. É o caso do Tesouro IPCA+ (antiga NTN-B Principal) e do Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (antiga NTN-B).

Enfim, demonstramos ao longo do texto como se aposentar antes dos 40 anos de idade. Além de adquirir conhecimento relevante e criar alguns hábitos financeiros, você também precisa se preparar para esse momento. Assim, ele será tão especial quanto você deseja.

Agora que você já sabe o que fazer, aproveite para descobrir como ganhar um salário vitalício de R$ 7.137,50 sem precisar trabalhar!

E se o governo tributar dividendos?

Vamos ouvir falar disso nos próximos meses, inevitavelmente.

Se muitos investidores estavam rindo à toa por receber dividendos sem ter de pagar Imposto de Renda, já se vê que muitos agora estão rindo de nervosos.

Faz parte da vida.

O Brasil enfrenta um problema fiscal há pelo menos 4 anos e tributar dividendos sempre surge como pauta para melhorar as contas do governo. Mais do que isso, parece ser um consenso entre as equipes econômicas dos 4 principais candidatos à presidência da república (Bolsonaro, Marina, Alckmin e Ciro).

Mas afinal, é justo com o investidor tributar dividendos?

Do ponto de vista da experiência da maioria dos países, sim.

Somente o Brasil e a Estônia(!) não tributam a distribuição de dividendos. Todos os outros países o fazem.

Isso serviria também para dar mais progressividade à carga tributária brasileira, que hoje ainda pesa muito sobre consumo de bens e serviços e pouco sobre renda e patrimônio.

No entanto, há um ponto controverso: se por um lado tributar dividendos parece ser razoável, por outro, no Brasil muitas empresas já são muito tributadas no processo de produção, o que causaria um efeito de “bitributação” na distribuição dos dividendos, caso venha a existir esse imposto.

Qual seria o mundo ideal?

Se as empresas pudessem ser menos oneradas no circuito produtivo e somente tributadas na hora de distribuir os lucros, certamente viveríamos em um mundo melhor. É assim que funciona tanto nos países da Europa, quanto nos Estados Unidos e membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Teimo em acreditar que o Brasil não seguirá nessa direção tão cedo. Por mais que os principais candidatos flertem com essa ideia, julgo que são medidas que não passariam fácil pelo nosso estimado Congresso Nacional.

Mas e você diante de tudo isso?

Vou ser direto: isso em nada deve alterar sua postura de investidor.

Investir em ações pagadoras de dividendos olhando para longo prazo seguirá sendo uma forma maravilhosa de acumular patrimônio. Se tivermos esse contratempo, paciência e vida que segue. Não é isso que vai mudar o final da história.

Enquanto isso, vamos aproveitar o que temos por hoje.

Top 10 ações pagadoras de dividendos da bolsa brasileira (atualizado).

Masterclass de Dividendos: como montar uma carteira capaz de gerar um Salário Vitalício.

Os 3 tipos de investimentos que geram renda extra.

Copom decide hoje qual a direção da taxa Selic. Expectativa é de manutenção em 6,5% ao ano. A dificuldade de retomar a atividade econômica já coloca a previsão da Selic para 7,5% em 2019 por alguns integrantes do mercado.

Que me desculpem os críticos, mas com um juro baixo desses, sinto cada vez mais que a bolsa tem tudo para subir, independente de quem seja eleito presidente.

Ps.: me responda abaixo: o que impede você de começar a investir em ações por conta própria? Lembre-se que para investir bem é necessário… investir.

Ps2.: Bolsonaro jogou para o seu eleitorado e, na minha opinião, foi mal sabatinado no debate do Roda Viva de segunda-feira. Quem amava continua amando, quem odiava odeia ainda mais. Mas é impressionante como fica claro seu desconhecimento acerca de temas mais técnicos (e quem sabe muito mais importantes dos que ele gosta de abordar). Será que ele tem equipe para dar conta disso se for eleito?

Tudo o que você precisa saber sobre INSS, PGBL, PVBL e outras formas de aposentadoria

Há uma frase emblemática do grupo Casseta & Planeta que dizia: “No Brasil, as leis são feitas para serem compridas”. Sim. Longas. Complexas. Com palavreado desnecessário, o que faz a festa de advogados, juristas, analistas. E isso vale para todos os setores de nossa vida. Inclusive para a aposentadoria.

E não precisa ser assim.

Outros países possuem sistemas de previdência muito melhores e mais simples.

Da mesma forma, para não acharmos que tudo é pior no Brasil, vale destacar que alguns locais têm pensões bem mais estranhas e complexas. Vejamos alguns exemplos.

1 – Cingapura

Por lá, todo mundo precisa contribuir para o estatal Central Provident Fund. Porém, os cidadãos podem usar o dinheiro arrecadado a qualquer momento de suas vidas, para ajudar em despesas médicas ou na compra de residências.

Ao se aposentar, a lei exige que o contribuinte retire um valor mínimo “x” do seu Central Provident Fund todos os meses. No entanto, quem arrecadou ao longo de seu período de contribuição um valor que, dividido pela expectativa de vida, vale mais que esse “x” mínimo, pode usá-lo da maneira que quiser. Se quiser, pode inclusive pegar esse excesso e comprar um carro esporte para resolver qualquer crise de meia-idade.

2 – Canadá

A fórmula canadense nós conhecemos: a partir dos 18 anos de idade, o trabalhador e o empresário contribuem, cada qual com sua parcela, para o Canada Pension Plan (CPP). O trabalhador pode retirar benefícios mensais a partir de… bem, de quando quiser.

O Canadá não tem idade mínima para se aposentar. Se ficar contente retirando um ou dois centavos por mês aos 20 anos, pode. Além disso, o país incentiva previdências privadas ou individuais. Agora, se você se aposentar e receber do CPP menos que uma determinada quantia por ano, tem direito, a partir dos 65 anos, ao Old Age Security, que lhe garante uma renda extra todos os meses. O dinheiro para sustentar esse segundo fundo vem de uma sobretaxa paga pelos mais ricos nos seus impostos de renda.

3 – Finlândia

Todos os finlandeses têm dois planos de previdência. O principal é tocado por várias empresas autorizadas pelo governo, que recolhem recursos no esquema conhecido: trabalhador paga uma parte, empresário outra.

“Então, os finlandeses têm liberdade de escolher quem cuida de seus planos de aposentadoria?”, você pode perguntar. “Bem, sim e não”, respondemos.

O sistema é consolidado, e são poucas empresas que preenchem as exigências em cada região. E eles não podem escolher se contribuem ou não, ou quanto desejam recolher. É obrigatório fazer, e o governo dita o valor mínimo.

O segundo é o estatal National Pension. Todos contribuem para ele a partir dos 16 anos, e têm duas escolhas: se aposentar entre 63 e 68 anos recebendo certo valor mensal ou segurar um pouco e se aposentar depois dos 69, recebendo muito mais benefícios.

4 – Colômbia

Nosso vizinho é o paraíso dos indecisos. Ali, você é obrigado a ter um plano de previdência – trabalhador paga uma parte, empresário outra, ponto. O que muda é que você pode escolher entre fazer isso com a previdência estatal ou com certas empresas de previdência privada. E pode mudar de uma para outra a cada cinco anos. A estatal é mais segura? Corre para lá. Ah, mas agora as privadas estão pagando mais… muda de novo.

5 – Índia

O National Pension System é bem estranho. É estatal, mas é voluntário. Contribui quem quiser. O governo gere os recursos, mas dá a opção de cada segurado escolher uma de duas instituições financeiras que vão lhe dizer como o dinheiro é investido e quanto se tem disponível.

Que tal esses exemplos?

Bom conhecê-los, é verdade, mas o que interessa é essa nossa esquina do planeta.

Aposentadoria no Brasil ontem, hoje e amanhã (?)

Entre opções estatais e privadas, entre discussões de mudanças nas regras, aposentar-se com rendimentos decentes no Brasil não é tarefa fácil. Caso sirva de consolo, porém, já foi bem mais difícil.

No início do século XX, o Brasil começou a pensar nos seus velhinhos, nas pessoas que não podiam mais trabalhar. A primeira ação do governo nesse sentido foi regulamentar o funcionamento do embrião dos fundos de pensão de hoje.

Na época, apenas algumas categorias possuíam suas “caixas de pensão e aposentadoria”. Essas instituições passaram por mudanças em suas regras e nomenclatura, até 1966, quando o governo resolveu juntar todas em um lugar só, sob seu controle – o Instituto Nacional da Previdência Social, INPS.

Quer dizer, em um local só, por pouco tempo.

Com recursos vindos dos trabalhadores, empresários e governos, o INPS cresceu, agigantou-se, complicou-se, corrompeu-se.

Para tentar resolver o problema, mais e mais órgãos foram criados, tirando responsabilidade do INPS. Toda a área de medicina foi para o INAMPS (Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social) e sua administração migrou para o IAPAS (Instituto da Administração Financeira da Previdência e Assistência Social). Como eram muitos dados para processar, uma nova empresa foi criada apenas para isso: a Dataprev.

Então, por um tempo as coisas funcionavam assim:

A DataPrev dizia ao IAPAS que havia tanto dinheiro em caixa, o IAPAS passava para o INPS, se fosse previdência; ou para o INAMPS, se fosse caso de saúde, tudo gerando burocracia e atrasos, além de inchamento em vários órgãos, em vez de um só.

Em 1990, foi tudo fundido de novo em uma única empresa: o INSS.

Atualmente, o Instituto Nacional do Seguro Social é o responsável pelo pagamento de aposentadorias e pensões, auxílio doença, auxílio reclusão, licença maternidade e despesas por afastamento por acidente de trabalho.

Vamos nos fixar nas aposentadorias.

Enquanto o governo não conseguir votar a reforma – e, pelo jeito, vai ficar para o próximo governo mesmo, o que equivale a dizer que tudo o que foi discutido até agora provavelmente não vai valer muito, dependendo de quem sentar nas cadeiras de presidente e do congresso –, as idades continuam as mesmas: homens se aposentam aos 65 anos, mulheres aos 60.

Também existe a aposentadoria por tempo de serviço. Os homens que contribuíram por 35 anos e as mulheres que o fizeram por 30 podem requerer as suas aposentadorias.

Teoricamente, leitora, você pode se aposentar oficialmente aos 46 anos.

Explica-se: de acordo com a lei, todo brasileiro com mais de 16 anos pode contribuir voluntariamente para o INSS, mesmo que não tenha renda.

Uma menina que comece a dar dinheiro ao governo aos 16 pode, assim, começar a receber seus rendimentos mensais aos 46, desde que não interrompa os pagamentos durante sua vida. E, aos 46, qualquer pessoa está com tudo em cima, física e mentalmente, cheia de energia para começar uma nova etapa em sua vida e carreira.

Uma vez que a pessoa esteja trabalhando, as contribuições para o INSS são feitas pela fórmula já consagrada: o trabalhador coloca uma parte, o empregador outra, e o governo entra com o que é necessário para fechar as contas.  

Ainda na esfera pública, existe o FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço.

Foi criado com a intenção de ser um salva-vidas: caso algum brasileiro seja demitido sem justa causa, pode contar com o dinheiro do FGTS para pagar suas contas nos próximos meses, até conseguir um novo emprego.

Isso criou uma modalidade de demissão bem brasileira: o acerto. Não importa a motivo da demissão, nem se a pessoa tenha um outro emprego em vista, ou se vai abrir uma empresa, o acordo é feito, a papelada de demissão sem justa causa é emitida e a pessoa saca o dinheiro do FGTS.

Com o tempo, de acordo com as necessidades econômicas ou políticas dos governos, o FGTS passou a poder ser sacado para outros fins: ajudar no financiamento de imóveis, pagar dívidas etc. Não faltam críticas a esse sistema, entretanto. Principalmente porque seu rendimento costuma ser pior do que a poupança.

Porém, como todo brasileiro sabe, só com esse sistema oficial, dificilmente se consegue viver bem os anos de aposentado. Por lei, em 2018, o máximo que uma pessoa pode receber mensalmente da Previdência Social são R$ 5.645,00. Se você gasta mais do que isso a cada mês, são necessárias outras maneiras de garantir o ganha-pão dos seus melhores anos.

Primeiro, os fundos de pensão.

Vez por outra, ouve-se notícias dos fundos gigantescos das estatais brasileiras, mas todas as empresas podem fazer seu fundo.

O funcionamento é simples: os funcionários investem um valor determinado por mês (pode ser um valor fixo ou variável) e, quando a pessoa sair da empresa ou for demitida, saca aquele dinheiro.

Simples, com pouca burocracia. E você ainda pode ampliar esses recursos ao se aprimorar em investimentos. Assista a nossa aula “Como incrementar a sua Aposentadoria de 10 a 60% dentro dos próximos 30 dias“.

Se a sua empresa ainda não tem nada desse tipo, pense em apresentar um projeto para seus colegas e líderes.

E, finalmente, existem os planos de previdência privada.

Aqui temos um outro exemplo de leis feitas para serem compridas. Por isso mesmo, é importante descomplicar. Vamos lá!

Existem dois planos de previdência básicos que podem ser feitos no Brasil, cada um com características específicas de rendimento e tributação:

  • PGBL – Plano Gerador de Benefícios Livres
  • Se você faz a declaração completa do imposto de renda, este plano é o mais indicado para você. Você consegue abater o que investiu no PGBL a cada ano de seu imposto de renda, até o limite de 12% de seu rendimento. Em contrapartida, você pagará imposto, lá na frente, sobre tudo o que retirar – tanto o rendimento quanto o principal.
  • VGBL – Vida Gerador de Benefícios Livres
  • Primeiro, essa modalidade de investimento tem possivelmente o pior nome possível. Não faz nem sentido nem concorda em gênero, mas é “Vida Gerador”, mesmo. É o mais indicado para pequenos empresários, para quem usa o formulário simplificado do imposto de renda e para quem é isento. Aqui, não importa o quanto você investe por ano, não poderá abater do seu imposto. Em compensação, no final do plano, quando começar a retirar seus rendimentos mensais, pagará imposto apenas pelos rendimentos, e não pelo principal.

Em suma:

  • PGBL: pague menos imposto agora, mais depois.
  • VGBL: pague mais imposto agora, menos depois.

Pelo menos por enquanto.

Como dissemos antes, as regras podem mudar, de acordo com o entendimento de cada possível presidente sobre a reforma previdenciária.

A composição do congresso também vai pesar muito na possível nova redação da reforma previdenciária. Por isso, o primeiro passo é pesquisar bem o que cada candidato defende e escolher a melhor opção. Porque, quando sair, a reforma da previdência será responsável por, em parte, garantir o seu futuro.

E existe uma outra maneira de você investir em sua aposentadoria: através de fundos e investimentos que você mesmo escolhe, investe e retira quando quiser. Através do rendimento em dividendos de ações. Para isso, você também irá precisar pesquisar, analisar, falar com profissionais da área, participar de cursos e aulas como as que oferecemos gratuitamente aqui no GuiaInvest – verifique as mais adequadas para você em nossa página.

A grande vantagem dessa forma de complementar a sua aposentadoria é que você terá a liberdade de investir como preferir, sem a interferência de planos feitos por terceiros, sejam bancos ou governo.

Ou seja, é possível fazer seu dinheiro trabalhar para você, e sem sombra de dúvidas, essa será a sua melhor aposentadoria. Basta encontrar o caminho ideal para você! Tudo o que você precisa para tomar a melhor decisão para o seu futuro – e também para o seu presente –, você encontra aqui no GuiaInvest. Navegue pelo nosso blog e comprove!

8 coisas para fazer antes de se aposentar

8-coisas-fazer-aposentar

Se você está lendo este artigo, sabe que sua aposentadoria está no horizonte. Depois de anos cumprindo horários, participando de reuniões, fazendo relatórios, enfrentando trânsito todos os dias, você está prestes a mudar de vida. Deixar tudo isso para trás.

Surge, então, uma pergunta inevitável: E agora?

E agora, como você vai viver? E agora, o que vai fazer com todo o tempo livre?

Vamos começar com a segunda pergunta, que é mais fácil de responder…

O que fazer com o tempo livre pós-aposentadoria

Alguém já definiu a época de se aposentar e envelhecer com a emblemática frase: “Quando eu podia, eu não podia. Agora que eu não posso, eu posso”.

 

Mas isso foi antes do avanço da qualidade de vida, da medicina e do nosso entendimento de saúde. Dentro de algum tempo, você vai se aposentar, vai poder e vai poder!

É a época de aproveitar para fazer coisas como:

 

  • Viajar. Para aqueles lugares que você sempre quis, com toda a liberdade do mundo.
  • Aprender algo novo. Inscreva-se em um cursinho de língua estrangeira ou instrumento musical, aprenda algo que aprimore seu hobby, ou que lhe ensine um novo passatempo.
  • Dedicar-se a seu passatempo. Pintura, artesanato, jardinagem, culinária… esses e outros passatempos, além de o satisfazerem como pessoa, podem lhe render um dinheiro extra. Venda seus produtos, ensine o que você sabe para outras pessoas.
  • Fazer trabalho voluntário. Muito provavelmente existem inúmeras organizações, igrejas, projetos na sua cidade que precisam de ajuda. Em vez de dinheiro, doe seu tempo, experiência e conhecimento!
  • Reunir a família. Organize sua família em volta de você. Seja o responsável por organizar encontros, churrascos, festas (atenção: organizar é bem diferente de pagar tudo. Pense em abrir uma conta conjunta da família para comemorações, em que cada um deposita um pouco). Além de ocupar o tempo, ajuda a manter os laços de sangue juntos e ajudando-se e curtindo-se mutuamente.
  • Manter-se ativo. Faça caminhadas, exercícios, informe-se sobre ligas de esporte sênior na sua cidade.
  • Ser um mentor/professor. Voluntarie-se em escolas da região para contar aos estudantes sobre sua profissão e carreira. Pense em dar aulas particulares para alunos com dificuldades.
  • Envolver-se com a comunidade. Encontre o partido político que mais se adequa às suas ideias e envolva-se com ele, entre ou organize sua associação de bairro.

 

  • Escrever um livro ou peça de teatro. Realize aqueles sonhos que estavam abandonados.
  • Ser um blogueiro ou youtuber. Por que não?

 

  • Começar uma segunda carreira ou um negócio próprio. Muitos fazem isso por necessidade, mas você pode fazer por prazer.

Enfim, há muita coisa interessante a se fazer quando falta de tempo não é um problema.

A britânica Doris Long, por exemplo, desceu de rapel a torre Emirates Spinakker (de 170 metros), na cidade inglesa de Portsmouth. Aos 101 anos.

Sim, os idosos podem muito, assim como você vai poder. Quer dizer, se tiver recursos para aproveitar tudo isso…  

O que nos leva ao primeiro “e agora” deste artigo. E agora, como você vai pagar por tudo isso? E agora, como você vai viver?

Como você vai realizar os itens acima?

Primeiro, saiba que você não está sozinho nessa preocupação. De acordo com uma pesquisa feita em 2016 pela seguradora Allianz com 3 mil norte-americanos na casa dos 50 anos (os chamados baby-boomers), 63% dessas pessoas perto da aposentadoria têm mais medo de ficar sem dinheiro durante sua velhice do que da morte.

Sim, para eles, viver na pobreza é pior que morrer.

O brasileiro provavelmente tem preocupação semelhante. Afinal, segundo dados de 2016 da Secretaria da Previdência Social, de cada três aposentados no Brasil, dois recebem um salário mínimo.

Não, não dá para curtir muita coisa com isso.

A boa notícia é que não importa a sua idade. Você pode começar a se preparar para a aposentadoria agora mesmo. Vamos dividir isso no lado financeiro e não-financeiro.

Preparando o lado não-financeiro pré-aposentadoria

1 – Aceite as mudanças

Agora você está firme e forte, cheio de disposição, e certamente vai continuar assim por bem mais de uma década ou duas. Quem sabe, se você começar um bom programa de exercícios adequado, vai se sentir até melhor do que está hoje.

Mas, aos oitenta, noventa anos, as coisas mudam.

Por melhor que nossa medicina seja, por mais exemplos que existam, é inegável que a ciência é mais rápida que nossa evolução.

Ainda somos aquelas criaturas da floresta, projetadas para comer quando encontram caça ou frutas. Por isso – infelizmente – temos uma capacidade alta de estocar gordura no corpo.

— Isso mesmo. Estoca gordura que você não sabe quando vai comer de novo.

— Evolução, agora nós temos geladeira e disque-pizza.

— Hein?

— Geladeira, Evolução. Desde 1856.

— Vá, vá, 150 anos para mim é menos que uma piscadela.

E, infelizmente, ela não nos projetou para correr de predadores indefinidamente. Aos oitenta e muito, noventa e tantos, você deve aceitar a ideia de que precisa de ajuda em seu cotidiano.

2 – Comece com a papelada

Organize seus seguros, suas contas bancárias, escrituras, tudo. Sabemos que muitos acham que isso atrai má sorte, mas fale com um advogado e prepare seu testamento. Isso pode evitar muitas brigas familiares pela frente.

Defina quem você quer que, daqui a duas, três décadas assuma as responsabilidades por suas contas e seja o seu responsável por assuntos médicos. Você pode (e deve) atualizar esses papéis e responsabilidades com frequência durante os anos. Novamente, isso vai evitar discussões e tornar a sua aposentadoria mais tranquila.

3 – Não se prive de nada, mas pense sobre o que você não precisa

Talvez você não precise mais de uma casa tão grande, sem os filhos morando junto, nem de mais de um carro.

Viver com menos, desapegar, é uma forma tanto de conseguir aumentar seu investimento nos anos vindouros ou de conseguir recursos para realizar aquele sonho antigo. Então, faça um exame de consciência, fale com sua pessoa especial, e transformem o que vocês não precisam em recursos para se preparar para o depois – ou para curtir o momento.

Preparando o lado financeiro pré-aposentadoria

1 – Entenda qual é o seu estilo de aposentadoria

É importante escutar a opinião de especialistas, mas, saber como usar tais ensinamentos é ainda mais importante.

Assim como existem vários estilos de investidores, existem vários tipos de aposentados, cada um com suas necessidades de recursos. Estes são alguns dos perfis mais comuns:

  • Desacelerado
    Neste grupo estão as pessoas que continuam a usar seus conhecimentos e experiência depois que se aposentam. Podem virar consultores, ou entrar para associações ou sindicatos da sua profissão. Como elas continuam a trabalhar depois de se aposentar, podem guardar menos recursos para a aposentadoria.

  • Deixe a vida me levar
    Este é o cidadão que espera ansiosamente a sua aposentadoria para fazer… não sabe o quê. Não tem planos, não tem ambições, o que acontecer, aconteceu. Por isso mesmo, precisa de uma aposentadoria muito bem planejada, feita para o inesperado.

  • Rendido
    Ao contrário do aposentado acima, esse tem a ideia fixa de não fazer nada. É o aposentado típico das novelas, que passa o dia todo vendo televisão e brigando com sua esposa/com seu marido. Os rendidos não precisam economizar muito para possíveis viagens ou cursos. Afinal, não vão sair do sofá tão cedo assim!

  • Espectador
    Mantém-se a par do que está acontecendo no mundo, mesmo sem fazer muita coisa a respeito. É grande consumidor de notícias, livros, cinema, teatro e afins. Por isso, precisa ter dinheiro planejado para curtir o lado bom da vida.

  • Buscador
    Este talvez seja aquele que precisa de mais recursos para suas aposentadorias. Ele não sabe o que deseja para seus anos de aposentado, então vai tentando várias coisas, acumulando diferentes experiências. Dinheiro para viagens, cursos, esportes, passatempos, tudo deve ser considerado perto do máximo.

  • Aventureiro
    Esse sabe que vai experimentar coisas novas depois que se aposentar. Pensa em comprar um barco, ficar cinco anos velejando por aí, ou em dar aulas na África, ou… você entendeu! Ao contrário do buscador, o aventureiro sabe quanto dinheiro precisa para bancar seus sonhos ousados.

Tenha em mente que um tipo não é necessariamente melhor ou pior que o outro. São apenas diferentes, assim como existem diferentes tipos de personalidades e de investidores. Descubra o que você quer para sua aposentadoria, e planeje seu pé-de-meia de acordo com os seus sonhos, projetos e planos.

2 – Faça as contas

Quanto ($) você tem, hoje, para parar de trabalhar? Essa é uma conta que precisa ser feita. Sem isso, fica difícil iniciar qualquer planejamento.

3 – Considere aumentar o caixa para sua aposentadoria

Que tal trabalhar por mais um ano e investir qualquer renda extra que aparecer? A mágica dos juros compostos ou do aumento das suas ações pagadoras de dividendo pode fazer toda a diferença em alguns anos. Para auxiliá-lo nesse ponto, assista a nossa aula gratuita Como Incrementar a Sua Aposentadoria de 10 a 60% Dentro dos Próximos 30 Dias.

4 – Tenha em mente que é melhor estar sem dívidas antes de se aposentar

Nos passos acima, você planejou sua aposentadoria para não ter que se preocupar mais. Porém, dívidas podem rapidamente comer uma grande parte de seus ganhos todos os meses. Muitas vezes não é fácil, mas, se for preciso, considere trabalhar um pouco mais para se ver livre de suas obrigações que podem ser, na verdade, uma ameaça a sua vida tranquila.

Se não conseguir pagar tudo, pegue todas as suas contas, veja aquela que você paga mais juros ou é a maior, e pague-a. Renegocie as outras, buscando vantagens com sua instituição financeira. A partir daí, comece a separar um dinheiro para pagar a segunda maior dívida, e a terceira, até se ver livre de compromissos. Não arrisque o resto de sua vida por causa de uma prestação!

5 – Pense em dividir a sua aposentadoria

Quando parar de trabalhar da maneira como trabalha agora, pegue tudo o que você economizou e separe seus rendimentos mensais em três categorias:

  • Cotidiano. Em suma, aqui vai o dinheiro para pagar suas contas, alimentação, remédios. Ou seja, o que você precisa para sobreviver.

  • Curtição. Dinheiro para lazer, viagens, projetos pessoais.

  • Emergência. É isso mesmo, dinheiro para ser usado para trocar um eletrodoméstico com defeito, algum sobressalto médico, ajudar o genro que bateu o carro, entre outros.

Apenas a primeira parte você gastará completamente todos os meses. O resto, você pode reinvestir ou guardar em investimentos separados.

Se você quiser comprar um barco, por exemplo, precisará do equivalente a vários meses de “curtição”. E, quanto às reservas de emergência, vale o que valia enquanto você trabalhava: junte o necessário para pagar as contas do cotidiano por quatro a seis meses, e pare. Isso é o necessário para a maior parte das emergências (diga para o genro que levar a família para Disney não é emergência). A seguir, você pode redistribuir o dinheiro para as duas outras partes.

E se você estiver em cima do laço?

Suponha que você queira se aposentar em poucos anos e tenha poucos recursos investidos em sua aposentadoria. Não precisa se desesperar. Você vai precisar de um plano especial, de tomar medidas únicas, mas ainda pode ter tranquilidade em seus anos vindouros.

Para isso, primeiro, aumente drasticamente o valor que guarda e investe em sua aposentadoria. Além disso, neste cenário também é recomendável fugir de planos de aposentadoria privada.

Ah, e se você pretende se aposentar em pouco tempo, sempre preste atenção na liquidez e nas taxas de imposto de todo investimento. Estes podem atrapalhar seus planos. Busque os investimentos que realmente façam a diferença no que importa – a sua aposentadoria.

Novamente, podemos lhe ajudar nesse aspecto com nossa aula Como Incrementar a Sua Aposentadoria de 10 a 60% Dentro dos Próximos 30 Dias.

O segundo passo é rever os seus planos

Se planeja se aposentar saindo praticamente do zero nos próximos cinco anos, talvez tenha que rever o seu estilo de vida e cortar alguns luxos.

Também considere continuar a trabalhar, pelo menos por meio-período, por algum tempo. Além de ser ótimo para sua saúde mental, uma fonte de renda extra é fundamental nos primeiros anos de aposentadoria.

Então, em vez de pensar em parar de uma vez em cinco anos, pense em desacelerar, mantendo um emprego de meio período, por mais algum tempo. Talvez até em outro setor ou atuando como professor/coach. Você irá explorar outras oportunidades e beneficiará outros com sua experiência e conhecimentos.

Aproveitando o debate, queremos saber: como vão os seus planos para a aposentadoria? Deixe um comentário contando sua história.

Viver mais: Você está preparado para viver até os 150 anos?

Cientistas afirmam que as pessoas irão viver mais e melhor. Mas será que você está preparado economicamente para viver até os 150 anos?

Vamos apresentar informações importantes sobre expectativa de vida e como você pode se preparar financeiramente para o futuro.

As receitas variam conforme os especialistas.

Algumas são fáceis: “não fume e ria muito”.

Outras exigem mais esforço: “tenha um corpo em forma, livre de colesterol, e consuma no máximo quatro xícaras de café por dia”.

Tem ainda as que levam em conta o que você faz com o seu dinheiro: “ter uma casa própria antes dos 50 anos ajudaria a ter uma melhor idade tranquila”, dizem.

Tudo depende dos programas a que você assiste, do site que acessa e/ou do guru que ouve. Até que aparece alguém como o Keith Richards e manda toda essa história por água abaixo!

Um grande exemplo de que, seguindo as recomendações ou não, boa parte da geração que está nascendo agora vai passar dos 100 anos de idade. E de que para os que estão no mercado hoje, chegar aos noventa, noventa e tantos anos – e bem! – será cada vez mais comum.

Você não precisa de muitas estatísticas para perceber isso. Basta puxar pela memória. Quando era pequeno e ouvia que alguém com 78 ou 79 anos havia morrido, o que as pessoas diziam?

— Também, já estava na hora. Viveu uma vida longa e feliz!

E hoje?

— Nossa, mas morreu ainda moleque!

Mesma idade, perspectivas totalmente diferentes. Uma mudança que ocorreu durante seu tempo de vida.

Não tem jeito, vamos Viver Mais diz o IBGE

Olha só a evolução da expectativa de vida segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (o nosso IBGE):

Para aqueles que acham que essas pessoas são a exceção, analisemos as médias.

O mesmo instituto revelou que em 1920 o brasileiro médio vivia 34 anos. Em 1960, pulou para 48 anos. Em 2014, ficamos em média 75 anos nesse país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza. Em 2036, a expectativa é que essa média seja de 80 anos.

Outro sinal de que o brasileiro vive cada vez mais: em 2000, eram 14,2 milhões de brasileiros com mais de 60 anos. Em 2015, já eram 24 milhões.

Em tempo: para fins de estatística, as Nações Unidas definem “idoso” como alguém com mais de 60 anos. A maioria dos países e burocracias segue essa definição.

Traduzindo esses dados todos, constatamos que vamos viver mais! E temos ainda muito para crescer, já que o número de pessoas que passam dos três dígitos costuma crescer exponencialmente, ajudado por qualquer melhora na economia.

E não há lugar no mundo onde esse fenômeno não esteja ocorrendo!

Segundo o documento Perspectivas da População Mundial, Revisão de 2017, naquele ano existiam 962 milhões de idosos (novamente, pessoas com mais de 60 anos) no planeta. Espera-se que em 2050 sejam 3,1 bilhões.

Cidades para Aposentados

A situação é tão crítica que a Organização Mundial da Saúde estabeleceu oito metas para se criar cidades amigáveis aos “velhinhos”:

1 – Habitações adequadas.

2 – Transportes adaptados e disponíveis.

3 – Espaços ao ar livre e fechados para convivência e recreação.

4 – Serviços comunitários de saúde e apoio (entregas, limpeza etc.).

5 – Informação sobre como envelhecer bem.

Até aí, tudo bem. Não há dificuldades em construir casas, adaptar ônibus, colocar um vagão extra, exclusivo e bem sinalizado no metrô. Imprimir folhetos, divulgar mensagens educativas nas rádios. Está ao alcance de qualquer prefeito. O problema está nas outras recomendações:

6 – Participação social.

7 – Participação cívica e espaço no mercado de trabalho.

8 – Respeito e inclusão social.

Ou seja, para acolher os idosos, a sociedade precisa mudar.

Se você observar a maneira como os velhinhos são tratados por aí, vai perceber que isso requer muito trabalho. Não, não adianta dizer que é diferente na sua comunidade.

Quando foi a última vez que sua empresa contratou alguma pessoa com mais de 50, 60 anos?

E não para por aí! Cientistas começam a sonhar com pessoas vivendo até os 150, e economistas têm pesadelos com a mesma estatística.

Quem vai pagar a sua aposentadoria?

viver-mais-guiainvest-2

Cientistas e economistas concordam que essa idade deixou de ser apenas possível: agora é provável, com um pezinho na certeza. Enquanto os membros do primeiro grupo buscam estilos de vida, complementos alimentares, exames, terapias e outras soluções para os problemas da velhice, os que fazem parte do segundo reclamam:

— Tá, quem é que vai pagar por tudo isso?

Porque a conta não fecha. São cada vez mais pessoas que já trabalharam sendo sustentadas por cada vez menos pessoas trabalhando.

Pare e pense: Segundo as Nações Unidas, em 1965 cada mulher neste planetinha tinha 5 filhos. Em 2017, cada uma dá à luz, em média, a 2,5 crianças. Lógico, isso é média. Nas Filipinas, cada mulher é mãe de mais de sete crianças, enquanto as mulheres de Luxemburgo carregam menos de duas crianças para cima e para baixo.

Quem paga quem chega aos 100?

Quem pagará a turma dos 150 que começa a botar as manguinhas de fora?

E como anda o índice de natalidade no Brasil?

Segundo o IBGE, em 2004 cada brasileira tinha 2,14 filhos. Em 2014, caiu para 1,74.

Menos de dois brasileiros que já nascem com um imenso débito e responsabilidade, de sustentar uma geração de vovôs que não para de crescer.

Aposentadoria por idade, faz sentido?

Uma das opções aparece aqui e ali na mídia: ter uma segunda carreira depois de se aposentar.

Veja o caso do britânico Reg Buttress, que foi contratado pela rede de supermercados Sainsbury’s aos 59 anos (em 1981). Até o ano passado, quando se aposentou aos 94 anos, ajudava a empacotar, a estocar mercadoria, cumprimentava e conversava com os clientes. Só não queria parar de trabalhar! Ele faleceu dois meses após a aposentadoria.

Ou Patrick O’Halloram. Começou sua carreira como padre, acumulou as funções de psicólogo, deixou a batina para se dedicar apenas à mente humana, se aposentou e se tornou um voluntário no presídio local (ele mora no rico estado da Califórnia, nos Estados Unidos), onde dá aulas de consciência e atitude para aqueles que cumprem pena. Tem 83 anos.

Voltemos um pouco até a definição de “idoso” oficial: pessoas com mais de 60 anos.

Conhecendo essas histórias ela parece injusta, não é mesmo? E é!

Você certamente conhece pessoas nessa faixa de idade repletas de agilidade mental, gana de realizar e alegria de viver. Se, de acordo com o Lancet Child and Adolescent Health Journal, as mudanças no estilo de vida fazem com que a adolescência comece aos 24 anos, a definição de “velho” também deveria ser mudada.

Chegamos aos 60 com muita energia e conhecimento para dar ao mercado. E, se fizemos as escolhas corretas até lá, chegaremos com o luxo de escolher onde desenvolver a segunda carreira.

Reforma da Previdência

viver-mais-guiainvest-reforma-da-previdencia

A previdência no mundo todo enfrenta esses desafios. Dependendo do país, a conta não vai fechar, mais ano, menos ano. Mas todos vão passar por dificuldades, tanto os que possuem um sistema social invejável, como os que deixam seus aposentados e doentes ao deus-dará, ou melhor, ao mercado-cobrará.

E tal desequilíbrio não afeta apenas os aposentados e pensionistas do país. No documento Monitor Fiscal de abril de 2018, o Fundo Monetário Internacional calcula que, se o Brasil tivesse aprovado a reforma da previdência, em uma década teria sido feita uma economia de 9,5% do PIB (Produto Interno Bruto).

Ou seja, imagine tudo o que o Brasil produz – agrobusiness, indústria, serviços, tudo. Tire a média de dez anos. O que está em jogo aqui é quase 10% dessa média.

A situação da previdência não coloca em jogo apenas o nosso futuro, mas o futuro do Brasil, também.

Previdência Privada não compensa

Bom, se não se pode confiar na aposentadoria que vem do governo, o negócio é complementar com um plano de aposentadoria privada, certo?

Bem, sim e não.

Um plano de aposentadoria privada pode funcionar bem para um tipo de público, SE VOCÊ…

  • Começar a aplicar cedo, para driblar as enormes carências de muitos desses planos e se beneficiar da mágica dos juros compostos;
  • Ler muito bem o contrato, pensando em vários cenários, com diferentes taxas de inflação e juros;
  • Não acreditar apenas no gerente de seu banco. Ele é um funcionário com metas de vendas; o plano de previdência que ele lhe oferecer pode ser bom apenas para a instituição financeira;
  • Resistir à tentação de cortar o investimento mensal na previdência na primeira dificuldade, bem como retirar o montante investido cedo demais, correndo o risco de ver o imposto de renda devorar parte de seu rendimento;
  • Não se importar de ver essa parte de seu dinheiro render menos que outros investimentos disponíveis. Dependendo da opção de plano de aposentadoria, apenas os títulos de capitalização são investimentos piores no banco.
  • Não se importar de dar todo o controle de parte de seu patrimônio para o banco, sem garantias. CDB, poupança e outros investimentos têm o lastro do Fundo Garantidor. Ou seja, se o banco falir, você sabe que receberá até um máximo de R$ 250 mil desses investimentos. A previdência privada está fora dessa conta. Se você investir apenas nela, pode não ver seu dinheiro de volta.

Então, não recomendamos que você tenha um plano de previdência privada?

Calma. Não é bem assim!

Se depois de realizar outros investimentos sobrar um dinheirinho no final do mês, você pode aplicar na previdência e garantir mais um trocado fixo todo mês, conforme você se aproximar dos três dígitos.

Apenas entenda que esse não deve ser o seu único colchão para o futuro. Não deve ser nem a primeira na fila na hora de alocar os recursos de tranquilidade dos seus cabelos brancos.

Então, até aqui, você tem dois pilares: a previdência do governo (INSS) e a privada.

Agora, você não consegue sentar e relaxar em uma cadeira com duas pernas. Para lhe dar suporte são necessários, pelo menos, três pilares.

Aposentadoria ou Investimento?

Ter várias fontes de renda passiva é o melhor investimento para garantir uma aposentadoria segura e confortável.

O terceiro pilar da sua aposentadoria – que pode ser o primeiro na quantidade de recursos investidos, depende de você – é baseado na renda passiva.

Renda passiva, você já viu aqui no GuiaInvest, é um dos principais segredos das pessoas que sabem investir e cuidar de seu dinheiro. É dinheiro gerando dinheiro sem que você precise usar as três moedas mais preciosas que você possui: seu tempo, seu conhecimento e seu esforço.

Mencionamos aqui também que a melhor forma de gerar renda passiva é através de ações de empresas boas pagadoras de dividendos. Porém, dizer isso é um pouco como dizer para um moleque de 10 anos que a melhor carreira é ser jogador de futebol. Ele precisa saber, também:

  • Qual clube possui a melhor escolinha de futebol.
  • Se esse clube tem pediatras e fisioterapeutas que entendem do corpo infantil, e em cada passo de seu desenvolvimento (e que saibam que tipo de treinamento é adequado para cada etapa).
  • Como chegar no profissional.
  • E assim por diante.

Isso porque estamos olhando apenas um lado!

Nesse ponto, o jovem sonhador deve ter alguém para ajudar a analisar contratos de marcas esportivas, que clubes são mais interessantes, até se uma naturalização em outro país não seja uma opção interessante. (Cristiano Ronaldo, por exemplo, foi maldito pela geografia. Por melhor que seja, tem pouco apoio de jogadores de nível em seu Portugal.)

Da mesma forma, é necessário saber como gerar renda passiva para sua aposentadoria. Preparamos uma aula com tudo o que você precisa saber nesse sentido. Apresentamos os primeiros passos, os cuidados que você precisa tomar, e ainda revelamos como aumentar a sua aposentadoria de 10% a 60% nos próximos 30 dias, e assim por diante. 

Assistindo a esta aula, você vai perceber que pode começar a assumir o controle de sua aposentadoria e de como pretende passar o resto de sua vida – que, como os números apontam, será longa!

Um aviso, porém: só o conhecimento que você irá obter nessa nossa aula não é o suficiente se, no dia seguinte, você não colocar a mão na massa. É como diz o ditado oriental:

“O melhor momento para se plantar uma árvore foi a dez anos atrás. O segundo melhor momento é hoje.”

O ditado não fala nada sobre amanhã.

Você ainda tem tempo para melhorar seu futuro. Para isso, precisa focar hoje na ideia e assumir o controle agora.

Assista à aula! Ela está disponível em vários horários. Um deles com certeza será o ideal para você!

Depois, conte pra gente o que aconteceu durante sua festinha de 100 anos…