Como Utilizar o Poder dos Juros Compostos Para Enriquecer

Saiba como estar do lado certo dos juros compostos e faça dele seu aliado para multiplicar o patrimônio.
André Fogaça

André Fogaça

Co-fundador do GuiaInvest, pós-graduado em Economia e Consultor de Investimentos CVM

Como Utilizar o Poder dos Juros Compostos Para Enriquecer

Saber utilizar o poder dos juros compostos pode multiplicar o seu patrimônio. Ele talvez seja o mais perto do que podemos chamar de “fórmula mágica” para gerar mais dinheiro.

Através dos juros compostos podemos transformar pequenas quantias em um grande montante no futuro, mas muitas pessoas não sabem utilizá-lo de forma consciente e rentável.

Se “os juros compostos são a força mais poderosa do universo”, como diz a frase atribuída ao gênio da física Albert Einstein, esse é um tema que deveria ser ensinado desde a infância.

Você pode não ter se dado conta, mas os juros compostos estão presentes constantemente na sua vida financeira e servem tanto para o bem quanto para o mal.

Contas, cheque especial, empréstimos e financiamentos vencidos geram uma bola de neve por causa dos juros compostos.

Por outro lado, nos investimentos, ele faz o seu dinheiro render mais.

Então, é fundamental entender como os juros compostos agem para escolher o lado certo e utilizar esse poder para enriquecer.

O segredo para viver de renda é fazer seu dinheiro trabalhar por você. É exatamente isso o que acontece quando se decide investir e ter os juros a seu favor.

Por isso, quanto antes começar suas aplicações financeiras, maiores são as chances de atingir seus objetivos. 

Veja como usar os juros compostos para ganhar dinheiro investindo.

O que são juros compostos?

Juros Compostos é uma taxa de juros que incide tanto sobre o valor inicial, quanto sobre o valor dos juros acumulados ao longo do tempo, aumentando os valores a cada mês.

Por isso é conhecido como “juros sobre juros” e pode ser uma boa forma de geração de riqueza ao longo prazo.

Como o rendimento é exponencial, quanto maior o tempo de investimento, maior o valor acumulado ao final. 

A dinâmica dos juros compostos se assemelha a uma bola de neve, seja para o bem ou para o mal.

O sistema financeiro utiliza os juros compostos para empréstimos, financiamentos e multas de atrasos no pagamento.

Por isso, ter uma dívida com juros compostos é uma péssima ideia. Já que seu valor vai aumentando com o tempo.

A boa notícia é que ele também vale para os investimentos.

Nesse caso, é possível utilizar o poder dos juros compostos a seu favor e fazer seu dinheiro render mais. 

Os juros compostos incidem sobre a rentabilidade de todas as aplicações de renda fixa, como CDBs, LCI, LCA e Tesouro Direto.

Na renda variável, apesar de não ter diretamente os juros, também é possível aproveitar esse efeito ao reinvestir os dividendos em um mecanismo semelhante ao dos juros compostos.

Como calcular os juros compostos?

O cálculo dos juros compostos é dado pela seguinte fórmula:

M = C (1+i)t

Em que:

  • M = Montante Final (resultado)
  • C = Capital aplicado
  • i= Taxa de juros
  • t = Tempo da aplicação

Assim, para calcular o rendimento de um investimento de R$ 1.000,00 ao longo de 2 anos (24 meses), a uma taxa de 1% ao mês, deve-se fazer a conta:

M = 1.000 (1 + 0,01)24

M = 1.000 x 1,269

M = 1269,73

O montante final seria de R$ 1.269,73 ao longo de dois anos.

Já a fórmula de juros compostos com aporte mensal é um pouco mais complicada.

Nesse caso, a fórmula é:

juros-compostos-rico1-0

Onde:

  • FV =  Valor Futuro
  • PMT = Valor dos Aportes Mensais
  • n = Número de meses da aplicação
  • i = Taxa fixa.

Contudo, não é necessário decorar a fórmula para calcular os juros compostos. O Banco Central possui uma Calculadora do Cidadão, na qual é possível realizar simulações.

Exemplo de juros compostos

Imagine que você invista R$ 1.000 em uma aplicação que rende 5% ao ano.

Daqui a um ano, o valor aplicado e o rendimento vão somar R$ 1.050.

No segundo ano, serão R$ 1.102,50, porque os juros de 5% serão calculados sobre os R$ 1.050 e não mais sobre os R$ 1.000 iniciais.

No terceiro ano, sua aplicação valerá R$ 1.157,63 e assim por diante.

Em dez anos você terá R$ 1.628,89, ou seja 60% a mais, só deixando os juros compostos trabalharem.

Se isso já faz diferença em uma quantia pequena, imagina quanto que poderia acumular com um valor maior.

Você pode ainda potencializar o fenômeno dos juros sobre juros ao realizar aportes mensais.

Imagine que você tenha apenas R$ 100 para investir e decida aportar essa quantia todos os meses por 20 anos em uma aplicação que remunera em 1% ao mês.

Colocando apenas R$ 100 por mês, em 20 anos, você terá aportado cerca de R$ 24 mil, mas terá mais de R$ 100 mil graças ao poder dos juros compostos.

Investimentos com Juros Compostos

Você pode utilizar o poder dos juros compostos para enriquecer ao investir seu dinheiro na renda fixa ou na renda variável.

Para que funcione, é preciso reinvestir o rendimento da sua aplicação, fazendo com que seu patrimônio cresça de forma exponencial.

Diversos investimentos fazem essa reaplicação automática dos rendimentos.

É o caso da remuneração das aplicações de renda fixa, que é calculada utilizando os juros compostos.

Renda Fixa

Os investimentos de renda fixa, como CDB (Certificado de Depósito Bancário); LCI (Letra de Crédito Imobiliário); LCA (Letra de Crédito do Agronegócio); Tesouro Direto; entre outros, calculam sua rentabilidade acumulando o saldo investido e os juros rendidos.

Dessa forma, enquanto você não resgatar, seu dinheiro estará rendendo juros sobre juros. 

Renda variável

Embora o investimento na bolsa de valores não pague juros diretamente sobre os investimentos, também é possível usar o poder dos juros compostos a seu favor.

Para isso, basta reinvestir os dividendos e outras bonificações recebidas comprando novas ações dessa empresa.

Assim, com o passar do tempo, você terá cada vez mais ações e mais lucro. 

Por exemplo, imagine que você tem 10.000 ações de uma empresa que paga 10% de dividend yield. 

Nesse caso, com o dinheiro dos dividendos, você poderá comprar mais 1.000 ações.

Agora você terá 11 mil ações. É como se recebesse essas ações de graça no 1º ano.

Ao fazer a mesma coisa no segundo ano terá 12.100 e assim por diante

Diferença entre Juros Compostos e Juros Simples

Os juros simples são o tipo de juros que incidem somente sobre o valor inicial e nunca sobre o outro juro. Por isso, possuem uma curva de crescimento linear.

Nesse caso, o pagamento dos juros é feito de maneira constante, geralmente mensal, onde o investidor recebe os lucros em cima do montante inicial e o consome (não reinveste).

Por outro lado, os juros compostos incidem sobre o valor inicial e sobre o valor dos juros acumulados. Então, possui uma curva de crescimento exponencial.

Ao contrário dos juros simples, o pagamento normalmente é realizado ao final do vencimento da aplicação.

Assim, os juros do período seguinte incidem sobre os juros do período anterior, resultando no chamado de “juros sobre juros”.

Dessa forma, os juros compostos têm o poder de transformar uma pequena quantia em um grande montante com o passar dos anos.

Veja a diferença no resultado final de um investimento com a mesma quantia e com a mesma taxa de juros em uma aplicação de juros simples e outro com juros compostos:

  • Investimento de R$ 10 mil com juros de 1% ao mês por 12 meses.

Juros simples:

Juros = C. i. t (Juros = capital inicial x taxa de juros x tempo)

Juros = R$10.000 x 0,01 x 12

Juros = R$1.200

Agora, vamos ver esses valores no cálculo dos juros compostos:

M = C (1+i)t (Montante = capital x (1 + taxa de juros) elevado ao período)

Montante = 10.000 x (1 + 0,01)¹²

Montante = 10.000 x 1,01¹²

Montante = 11.268,25

Os R$ 10 mil investidos em taxa simples renderiam R$ 11.200 em 12 meses, nessas mesmas condições nos juros compostos, o montante final seria de R$ 11.268,25.

Agora, imagine as seguintes opções de investimentos para investir R$ 1.000 por 10 anos:

Investimento 1:

  • Rentabilidade de 10% ao ano;
  • Não reinveste os rendimentos (juros simples).

Investimento 2:

  • Rentabilidade de 8% ao ano;
  • Rendimentos são reinvestidos (juros compostos).
AnoInvestimento 1Investimento 2
0R$1.000R$1.000
1R$1.100R$1.080
2R$1.200R$1.166
3R$1.300R$1.260
4R$1.400R$1.360
5R$1.500R$1.469
6R$1.600R$1.587
7R$1.700R$1.714
8R$1.800R$1.851
9R$1.900R$1.999
10R$2.000R$2.159
Fonte: The Capital Advisor

Note que o investimento 2, mesmo com um rendimento menor (8% a.a.), obteve um retorno maior no longo prazo.

Isso acontece porque nos juros compostos, os rendimentos são contados também sobre os juros já recebidos, ou seja, sobre uma quantia maior a cada mês.

Enquanto que com juros simples você recebe juros somente sobre o investimento inicial.

Resumindo

Nos juros compostos, a taxa não incide apenas sobre o principal, mas também sobre os juros do período anterior incorporados ao capital.

Assim, o valor cresce muito mais rápido do que com juros simples, tornando-se uma ferramenta importante para os investimentos. 

Para utilizar o poder dos juros compostos a favor, o período que o dinheiro será aplicado é importante, pois quanto mais tempo, maior o montante acumulado.

Por isso, é necessário paciência e disciplina em seus investimentos.

Foque no longo prazo. O tempo só fará bem às suas aplicações que remuneram os juros sobre juros.

Depois, tenha disciplina com os aportes. Ao investir um pouco mais a cada mês, seu patrimônio vai crescer a uma velocidade muito maior.

Quer saber mais como investir do zero e atingir sua liberdade financeira?
Então, venha comigo nessa jornada de conhecimento e assista a aula online grátis para conhecer os 7 princípios para ganhar de R$ 5 mil a R$ 20 mil por mês com dividendos.

Compartilhe essa publicação:

Introdução a
Bolsa de Valores

Partindo do zero até a compra da sua primeira ação

Assista à primeira aula gratuita

Outras Publicações

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de navegação e a nossa plataforma. Ao utilizar os nossos serviços, você concorda com tais condições. Para mais informações, visite nossos Termos de Uso e Serviços.