O Coronavírus é uma péssima notícia para bolsa

Coronavírus: dessa vez a tragédia é no Brasil (...e não é clínica).
Martin Kirsten

Martin Kirsten

Sócio do GuiaInvest. Mestre em Economia pela UFRGS e assina o Recado do Economista.
Impacto do corona virus no Brasil

Olá, como você vai?

Quero que você entenda de uma vez por todas o impacto do Coronavírus no Brasil até agora.

Além de de ser uma infecção que já ultrapassou mais de 1.000 mortos, sendo que 108 baixas ocorreram somente na segunda-feira (10), a epidemia tem dado muito trabalho para o governo chinês.

O vírus se alastrou em uma velocidade maior que o vírus da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), que desencadeou um surto de pneumonia entre 2002 e 2003.

No Brasil há 7 casos suspeitos de infecção de Coronavírus e nenhum ainda confirmado.

Ainda não há vacina para prevenção do vírus e também não se sabe se uma pessoa uma vez contaminada poderá pegar o vírus novamente.

Também não se tem certeza sobre o período de incubação do vírus.

No entanto, está ocorrendo uma queda gradual do número de novos casos, o que faz com que as bolsas da China fechem o sexto pregão seguido em alta desde ontem.

No Brasil, o vírus também impactou a bolsa de valores, com uma queda de 7 por cento do Ibovespa desde o seu último recorde.

E isso foi péssimo.

Parece pouco e é pouco mesmo.

Mas depois de um mês de dezembro espetacular para a bolsa de valores no Brasil, uma leva de curiosos acabou chegando porque também queria participar da festa.

Obviamente que os meses de euforia que precederam a entrada dos curiosos geram uma expectativa enorme nos novos entrantes.

Existe aquele sentimento de que a bolsa só varia para cima.

Com uma correção de menos de 10 por cento (que não precisaria de nenhum Coronavírus para ter acontecido, aliás, não precisa sequer haver uma justificativa), já tem gente pensando em desistir, em sair da bolsa.

Já começa a aparecer um ou outro que se perguntam se a bolsa brasileira já não subiu demais.

De alguma forma, somos culpados por isso, porque isso é um sintoma claro de falta de educação financeira.

Para tentar ilustrar o caso, vou recorrer a dois gráficos que Henrique Bredda, o gestor na Alaska Asset, publicou nas suas redes sociais.

​Primeiro, o impacto do Coronavírus na bolsa brasileira no atual bull-market:

Grafico do Bredda - impacto corona vírus na bolsa

Sinceramente, talvez o investimento em bolsa não seja para quem sente calafrios com uma queda dessa… e isso não é demérito algum. As pessoas possuem diferentes apetites por risco.

Agora se você está achando que o Coronavírus vai interromper o ciclo de alta da bolsa, pense aqui comigo…

Desde 2016, tivemos Impeachement, Brexit, Joesley Day, Greve dos Caminhoneiros, Eleições, crise no atual governo, Guerra Comercial, bombardeios no Irã e milhares de outros motivos para se sentir medo.

No Brasil, o estrago do Coronavírus não é clínico.

Temos 7 suspeitos isolados, nenhuma confirmação de infecção e nenhuma morte.

O estrago do Coronavírus no Brasil foi no bolso dos impacientes de embolsaram prejuízos com posições de menos de 3 meses.

Não esperaram sequer uma divulgação de resultados das empresas que “investiram”.

Mas para onde vai a bolsa com o Coronavírus?

A bolsa vai para onde forem os lucros das empresas. No longo prazo, ela ignora qualquer Coronavírus, Sars, Ebola e H1N1.

​Abaixo você pode ver o gráfico do Ibovespa (linha azul) em dólares desde 1965 (desculpe Bredda, mas o meu ficou mais bonito que o seu):

Valorizacao do Ibov em dolar

A linha amarela apenas aponta para uma tendência que pode ou não se confirmar.

Se você quer investir em ações, foque no que importa: a qualidade das empresas​.

Nisso o GuiaInvest pode ajudar você.

Todo o resto é detalhe e é se apegando a esses detalhes que você acaba caindo em armadilhas.

Martin faz parte da equipe do GuiaInvest desde início de 2017. É Mestre e Bacharel em economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escreve para a TheCap na coluna Contra a Corrente.

Compartilhe essa publicação:

Introdução a
Bolsa de Valores

Partindo do zero até a compra da sua primeira ação

Assista à primeira aula gratuita