O Que São os Dividendos e Como Eles Podem Fazer Você Enriquecer

Descubra o que são os dividendos e como eles podem fazer você ganhar renda passiva na bolsa de valores.
André Fogaça

André Fogaça

Co-fundador do GuiaInvest, pós-graduado em Economia e Consultor de Investimentos CVM

O que são os dividendos e como eles podem fazer você enriquecer

Já pensou em viver de renda recebendo os lucros de seus investimentos, sem esforço? Isso é possível depois que você descobrir o que são dividendos e como eles podem fazer você enriquecer!

A bolsa de valores é um excelente meio para multiplicar seu patrimônio, seja pela valorização dos ativos ou pela distribuição de dividendos.

Quando você compra uma ação, na prática, está se tornando sócio de uma empresa e passa a ter direito de receber parte dos lucros.

Uma das formas adotadas pelas empresas para compartilhar os lucros de determinado período é o pagamento de dividendos.

Através dos dividendos é possível potencializar seus ganhos com investimentos em ações, sem precisar investir mais dinheiro.

Continue a leitura e veja como aumentar seu patrimônio e viver de renda de forma simples e prática com os dividendos.

O que são dividendos?

Os dividendos são uma parte do lucro líquido da empresa que é distribuída para seus acionistas.

Para que haja a distribuição de dividendos é preciso que a empresa obtenha lucro no período. Por isso, a maioria das empresas estáveis distribuem dividendos. 

Os dividendos são distribuídos como forma de remuneração para aquelas pessoas que possuem suas ações na Bolsa de Valores e são usados para atrair mais investidores.

Para os acionistas, os dividendos são uma forma de receber renda passiva com suas ações.

Isso permite comprar mais ações da companhia sem desembolsar mais por isso.

Essas novas ações geram mais dividendos, criando uma bola de neve de riqueza para aumentar seu patrimônio.

Quanto as empresas pagam de dividendos?

As empresas de capital aberto, ou seja, aquelas que têm suas ações negociadas na Bolsa de Valores, são obrigadas, por lei, a dividir parte dos lucros com seus sócios e acionistas.

A determinação vem da Lei das S/As (lei nº 6.404, de 1976), que rege todas as empresas listadas na bolsa de valores.

Não existe um valor mínimo ou máximo para o pagamento de dividendos. O valor a ser pago é determinado pelo estatuto de cada empresa.

A maioria das empresas brasileiras adota o percentual de 25% para calcular o dividendo obrigatório, mas esse valor pode mudar conforme o estágio da empresa e suas estratégias.

Geralmente, as empresas não distribuem todo seu lucro porque, apesar de ser um dos motivos principais do interesse de investidores, ela precisa de parte desse dinheiro para reinvestir em si mesma e crescer. 

Esse reinvestimento pode ser para comprar máquinas mais modernas, ampliar a estrutura, adquirir concorrentes e demais coisas que possam fazer com que a companhia gere ainda mais lucros no futuro.

O que é a agenda de dividendos?

A agenda de dividendos é a previsão de quando as empresas irão distribuir os lucros aos acionistas.

Ela costuma ser acompanhada de perto pelos investidores, já que as empresas podem pagar os dividendos em prazos diferentes

A periodicidade do pagamento é determinada pela aferição de lucro e pelo que está descrito no estatuto da empresa.

Existem poucas empresas que distribuem dividendos mensalmente. A maioria o faz trimestralmente ou semestralmente. 

Vale lembrar que essa agenda é apenas uma previsão do que pode ocorrer, uma vez que o pagamento de dividendos só acontece se a empresa gerar lucro líquido de fato.

Além da data de pagamento, a agenda de dividendos traz outras datas importantes que precisam ser acompanhadas por quem pretende receber lucros de uma empresa.

Uma delas é a data limite, a chamada data-ex, para compra das ações dos que quiserem receber dividendos ainda daquele exercício.

O pagamento de dividendos segue o seguinte protocolo:

1- Aprovação do pagamento pelo Conselho de Administração da empresa;

2- Aprovação do protocolo na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que fiscaliza o mercado financeiro;

3- Divulgação das datas de pagamento no site da empresa, na seção “Relação com os Investidores”;

4- Divulgação da data ex-dividendos;

5- Data de registro;

6- Data de pagamento.

Veja as principais datas da agenda de dividendos de uma empresa:

1. Data de Declaração

A data de declaração é o nome dado ao momento em que o conselho de administração de uma empresa oficializa e anuncia de forma pública que haverá o pagamento de dividendos.

Juntamente com essa declaração ela revela também:

  • Valor do dividendo: quanto será pago por cada ação.
  • Data de registro: quando a empresa registra todos que vão receber os lucros.
  • Data de pagamento: quando os investidores vão receber.

Após a Data de Declaração, a empresa é obrigada por lei a honrar o compromisso e realizar o pagamento de parte do seu lucro.

2. Data ex-dividendo (ou data ex)

A data ex-dividendo, também chamada de data ex é a data limite para definir os investidores que irão receber os dividendos que a empresa acabou de anunciar e quem não os receberá.

Os investidores que compraram as ações antes da Data Ex terão direito aos dividendos

Já quem investiu na companhia depois dessa data não terá o direito a receber e deve esperar o próximo repasse.

Como o pagamento de dividendos é divulgado publicamente, muitos investidores poderiam investir nos papéis da empresa só para se beneficiar dos dividendos. 

Por isso, essa data é importante para limitar quem tem direito a receber os dividendos.

3. Data de Registro

Depois de anunciar a distribuição dos lucros e ter a data ex-dividendo definida, a empresa determina a data de registro. 

Ou seja, o dia em as empresas listam exatamente quais acionistas terão direito ao repasse dos dividendos e enviam relatórios financeiros, procurações e outras informações.

4. Data de Pagamento

A data de pagamento é o dia previsto para que os valores sejam pagos aos acionistas.

Os valores são proporcionais a quantidade de ações da empresa que cada investidor possui.

O dividendo pago pode ser utilizado como o acionista bem entender. 

Com o intuito de viver de dividendos, muitos investidores costumam usar os valores recebidos para comprar mais ações que pagam dividendos para aumentar os recebimentos nos próximos repasses.

Veja na tabela a seguir um resumo das datas da agenda de dividendos que acabamos de explicar:

Data de declaração
Data ex-dividendo

Data de registro
Data de pagamento
A empresa anuncia o pagamento dos dividendos.Data que delimita quais acionistas vão receber os dividendos do período.A empresa registra os acionistas que receberão o pagamento.Dividendos são pagos aos acionistas.

Tipos de dividendos e proventos 

Existem diferentes formas de pagamento dos lucros de uma empresa. 

Os diferentes benefícios distribuídos pelas empresas aos seus investidores são chamados de proventos.

Veja os mais comuns abaixo:

Dividendos

Dividendo é o provento mais comum pago pelas companhias com ações listadas na bolsa de valores.

O dividendo é pago em dinheiro e é creditado diretamente na conta da corretora do investidor.

Este valor pode ser sacado ou reinvestido em mais ações. 

Juros Sobre Capital Próprio (JSCP)

Os Juros Sobre Capital Próprio são semelhantes aos dividendos, mas diferem na forma de ser contabilizado pela empresa. 

O pagamento de JCP é considerado como despesa para empresa por ser realizado antes do lucro líquido. 

Dessa forma, pode ser utilizado como um artifício contábil para pagar menos impostos.

Bonificação

Bonificação é quando a empresa paga um provento por meio de ações adicionais.

Ou seja, ao invés de distribuir dinheiro, a empresa converte o valor equivalente em ações. 

A quantidade de ações recebidas é definida com base no número de ações que o acionista já possui. 

Dividendo Especial Extraordinário

Um dividendo especial é um pagamento extra de dividendos que as empresas fazem aos seus investidores.

Isso pode acontecer quando há um ganho inesperado ou quando a empresa faz alguma venda ou operação que aumenta subitamente o caixa da organização.

Direito de Subscrição

O direito de subscrição dá ao acionista o direito de preferência na compra dos papéis em uma eventual nova rodada de emissão de ações.

Às vezes, essas ações são disponibilizadas por um valor abaixo do mercado.

Nos direitos de subscrição há um prazo para escolher se vende o direito ou o subscreve.

Como calcular os dividendos?

Normalmente, os dividendos são calculados como um valor por ação ou porcentagem

Cada investidor recebe um valor de acordo com a quantidade de ações que possui em carteira. Ou seja, quanto mais ações tiver da empresa, mais receberá.

Para calcular o valor exato a ser pago, o investidor deverá acompanhar o que foi determinado pela assembleia da empresa. 

Caso a empresa tenha decidido pagar dividendos em um valor fixo por ação, basta multiplicar o valor pelo número de ações que possui.

Por exemplo, no caso da empresa pagar R$ 1 por cada ação, um investidor que possui 20 ações receberá R$ 20 (20 ações x R$ 1 por ação).

Esse valor também pode ser definido por um percentual sobre o preço atual da ação.

Se uma empresa aprovar o pagamento de dividendos no valor de 2% da ação (dividend yield), o valor recebido por seus acionistas será de 2% do preço atual da ação.

Para saber o valor exato que irá receber, basta multiplicar a porcentagem pelo valor atual da ação e depois pela quantidade de ações que possui.

Imagine que o preço atual de uma ação é R$ 60 e que ela esteja oferecendo um dividendo de 2%.

Com isso, o valor do dividendo seria de R$1,20 por ação (2% do dividendo x R$60 por ação). Assim, se você tiver 10 ações, receberá R$ 12.

Quais são os custos para receber dividendos?

Atualmente, os dividendos são isentos de Imposto de Renda. 

Ou seja, o investidor que recebe dividendos não precisa pagar IR, uma vez que a empresa que distribui os lucros já paga o imposto antes de repassar os valores aos acionistas.

Essa isenção é válida somente para pessoas físicas. No caso, uma pessoa jurídica terá que pagar imposto também.

A exceção é o Juros sobre Capital Próprio (JCP). Neste caso, o investidor tem 15% do valor retido na fonte. 

Porém, as regras podem mudar ainda em 2022. 

Existe um projeto que está no Senado, após ser aprovado pela Câmara em setembro do ano passado, para taxar os dividendos.

De acordo com o texto, os lucros e dividendos serão taxados em 15% a título de Imposto de Renda na fonte.

Como escolher empresas que pagam bons dividendos?

Se sua estratégia é lucrar com o recebimento de dividendos, é importante identificar quais empresas pagam bons dividendos, avaliando a consistência e o histórico dos pagamentos.

Uma vez que não são todas as empresas que pagam dividendos e nem todas são boas pagadoras de dividendos.

Cada empresa tem a sua própria política de pagamento de dividendos. Algumas distribuem apenas a porcentagem mínima, enquanto outras pagam mais.

Para isso definir as melhores empresas será necessário utilizar alguns indicadores.

Talvez o mais importante dos indicadores para aqueles que se preocupam com dividendos é o Dividend Yield.

Ainda assim, ele não é e nem deve ser o único indicador analisado na hora escolher as ações para construir uma boa carteira.

É necessário considerar ainda fatores como:

  • Preço da ação;
  • Saúde financeira;
  • Gestão.

Para escolher boas ações pagadoras de dividendos, dê atenção especial aos seguintes indicadores fundamentalistas:

Dividend yield 

O dividend yield é o indicador mais usado para avaliar uma empresa com foco nos dividendos pagos. Ele mede a relação entre os dividendos pagos e o preço das ações.

Ele resulta em um percentual que indica o rendimento gerado por ação pelo pagamento de dividendos. 

Em geral, quanto maior o dividend yield, maior o percentual de retorno que cada ação proporcionou ao investidor.

Vale ressaltar que um Dividend Yield alto não significa, necessariamente, uma coisa boa.

É preciso avaliar outros indicadores em conjunto para classificar uma empresa como uma boa pagadora de dividendos.

O dividend yield é calculado com base na distribuição de lucros passada, mesmo assim, ele pode ser um bom indicador de quais empresas estão pagando melhores dividendos.

No entanto, ter pago bons dividendos no passado, nada garante que ela continuará pagando no futuro. 

Payout

Payout é a porcentagem do lucro da empresa que será distribuída para seus acionistas através dos proventos.

Quanto maior esse indicador, mais a empresa distribuirá.

Em teoria, quanto maior a distribuição sobre o lucro, melhor. Porém, na prática não funciona exatamente assim.

Empresas com alto payout podem carecer de recursos para investir em si mesmas e consequentemente tendem a crescer menos ao longo dos anos. 

Por outro lado, empresas com payout baixo podem ser consideradas como empresas de crescimento, já que o lucro gerado por elas está sendo reinvestido na própria empresa. 

Existem ainda outros indicadores fundamentalistas bastante importantes a serem levados em consideração como: 

  • PL: preço por lucro;
  • P/VPA: preço pelo valor patrimonial por ação;
  • Endividamento;
  • Qualidade da gestão;
  • Projetos futuros.

Lembre-se sempre: é essencial analisar a empresa como um todo

Ou seja, além da distribuição de dividendos, olhe sua estabilidade diante de crises, a competência do conselho de administração, seus concorrentes, entre outros.

Como montar uma carteira de dividendos?

A melhor forma de construir uma carteira que garanta a recorrência do pagamento de dividendos é pela diversificação.

Adquira ações de empresas diferentes com boas perspectivas e que paguem dividendos.

Apesar de serem obrigadas a distribuir um valor mínimo de lucros, existem períodos em que as empresas podem simplesmente não lucrar, seja em consequência de uma crise setorial ou econômica, ou até por decisões equivocadas dos administradores. 

Por isso, se o investidor quiser contar com os dividendos recorrentes, será preciso diversificar entre ações de diferentes empresas.

Dessa forma, correrá um risco menor de não receber dividendos, além de garantir pagamentos em datas diversas, já que cada empresa possui um calendário diferente de dividendos.

É possível viver de dividendos?

Os dividendos são uma estratégia interessante para a multiplicação do patrimônio. 

Por possibilitarem o recebimento de renda passiva, eles são alvo de muitos investidores que pretendem viver dos ganhos de suas aplicações financeiras.

Mas, afinal, é possível viver de dividendos? 

A resposta é sim. 

Para isso, é preciso muita disciplina, planejamento certo e usar os lucros recebidos como uma ferramenta para enriquecer.

Uma das vantagens de investir em ações de empresas que pagam dividendos regularmente é a chance de aumentar seu capital reinvestindo os lucros.

Quando você está na fase de aumento do patrimônio, pode utilizar o valor recebido em dividendos para comprar mais ações que distribuem lucros.

Assim, essas novas ações vão gerar mais dinheiro e, seguindo essa estratégia, podem impulsionar o valor de lucros a receber.

Isso é semelhante ao que acontece nos juros compostos, no qual os juros se acumulam não apenas sobre o dinheiro investido, mas também sobre os juros acumulados anteriormente.

Depois de selecionar as melhores ações pagadoras de dividendos, seu foco deve estar no longo prazo.

Com o tempo, quando tiver acumulado ações e patrimônio suficiente, poderá usufruir livremente dos lucros pagos e finalmente viver de dividendos.

Agora que você já sabe o que são dividendos, chegou a hora de começar a investir e ganhar dinheiro com ações.

Para te ajudar nessa jornada, assista a aula online grátis e conheça os 7 princípios para ganhar de R$ 5 mil a R$ 20 mil por mês com dividendos.

Compartilhe essa publicação:

Introdução a
Bolsa de Valores

Partindo do zero até a compra da sua primeira ação

Assista à primeira aula gratuita

Outras Publicações

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de navegação e a nossa plataforma. Ao utilizar os nossos serviços, você concorda com tais condições. Para mais informações, visite nossos Termos de Uso e Serviços.