Os 12 Principais Erros Financeiros que as Pessoas Cometem aos 20 e Poucos Anos

Nesta fase da vida muitos cometem graves erros financeiros que podem por o futuro em risco. Veja quais são os mais comuns e como fugir deles.
Andre Fogaca

Andre Fogaca

Sócio-fundador do GuiaInvest e formado em Administração e pós-graduado em Economia pela UFRGS.
Os 12 Principais Erros Financeiros que as Pessoas Cometem aos 20 e Poucos Anos

Nesta fase da vida muitos cometem graves erros financeiros que podem por o futuro em risco. Veja quais são os mais comuns e como fugir deles.

A terceira década de vida de qualquer pessoa é um período fantástico.

É quando damos os primeiros passos para a independência, quando passamos a nos conhecer melhor e a aproveitar de fato o que a nossa passagem pela Terra tem a oferecer.

É, também, quando nossa relação mais próxima com o dinheiro começa a ser construída.

Ao menos é isso que deveria acontecer…

A verdade é que essa época é marcada por muitos erros financeiros.

Há tanta coisa acontecendo que, para muitos, é natural que dinheiro não receba a atenção que merece. E isso é, no mínimo, trágico.

Atitudes bobas, compras mal planejadas e a falta de maturidade podem ser fatais para o seu futuro.

Sabendo disso, reuni os principais erros que os jovens cometem quando o assunto é dinheiro nas linhas a seguir.

Se você está nessa faixa etária ou já passou por ela, tenho certeza de que vai se identificar.

Depois, não se esqueça de me contar nos comentários o que achou de tudo isso, combinado?

1- Ostentar

Ostentar

O início dos “20 e poucos anos” é uma época emblemática.

É quando a maioria das pessoas dá os primeiros passos para a independência e quando se começa a ganhar um dinheiro que, na adolescência, parecia ser impensável.

Só que, na prática, a grana é quase sempre mais curta do que gostaríamos.

Ao mesmo tempo, é nessa idade que os não nascidos em berço de ouro conseguem realizar suas primeiras extravagâncias.

Isso pode significar a compra de um tênis novo para o jovem menos favorecido ou a realização da primeira viagem internacional para um jovem de classe média.

Realidades à parte, a verdade é que é fácil se perder e cometer erros financeiros.

Se você não tiver uma relação responsável com o dinheiro, certamente irá se atolar em dívidas logo no início de sua vida adulta.

Remédio contra isso: saber o valor que o dinheiro tem, estudar finanças pessoais e refletir muito sobre o quanto essa ou aquela compra é necessária.

Um exercício simples pode ajudar muito: antes de comprar qualquer coisa, pare por algumas horas (de preferência, tenha uma boa noite de sono) e só então decida.

Ao fazer isso, você terá feito uma escolha mais racional. É importante treinar seu cérebro para resistir aos impulsos – muito marcantes nessa idade, aliás.

2 – Achar que o limite de sua conta corrente faz parte do seu orçamento

Achar que o limite de sua conta corrente faz parte do seu orçamento

Os bancos não fazem sua parte, é bom lembrar. E isso é uma das causas de tantos erros financeiros.

Aquele dinheirinho extra, fácil, quase mágico, que fica ali à sua disposição toda vez que a situação aperta, é cercado por muitas armadilhas.

A primeira e mais óbvia delas são os juros que você vai pagar ao banco no mês seguinte por essa “gentileza”.

Só que o pior castigo para as pessoas que se acostumam a contar com esse “extra” é que elas acabam criando um ciclo vicioso terrível para a saúde financeira.

Entenda: aquele dinheiro não é seu. E ele custa caro!

Eu sei que muitas vezes a conta não fecha. Não estou dizendo que seja fácil, mas se você tem ambições maiores para o seu futuro, precisa cortar esse péssimo hábito de sua vida.

Ao contrário do que ele tenta vender a você, acredite, o banco não é seu amigo.

3 – Tomar decisões precipitadas

Tomar decisões precipitadas

Por serem uma extensão da adolescência, os 20 e poucos anos são uma época caracterizada por atos impulsivos seguidos de grandes arrependimentos.

Muito em razão de a mentalidade adolescente continuar viva, apesar de ser acompanhada pelos perigos dos “primeiros dinheirinhos” no bolso.

Por isso, é comum (e muito perigoso) que nessa época se aumente o padrão de vida e se passe a ter o cartão de crédito como melhor amigo, ali para tudo e em todas horas.

Muito cuidado! É justamente aqui que residem grandes perigos e erros financeiros.

4 – Perder o controle sobre a conta na balada

Perder o controle sobre a conta na balada

Arrisco dizer que todo jovem que gosta de sair à noite e tomar umas e outras já passou por essa ao menos uma vez na vida.

Diz aí: você já extrapolou seu orçamento em razão de uma noite memorável?

Acontece e faz parte do momento. Em alguns casos, até vale a pena. Não estou aqui para julgar ninguém nem para ser o maior muquirana de todos os tempos.

O que você não pode, bem como no erro anterior, é deixar tudo e mais um pouco na balada todo fim de semana.

Aqui vale uma reflexão e autoanálise sobre prioridades, maturidade, autoconhecimento e consciência.

Conheço pessoas que gastam R$ 500 numa noite, mas deixam a conta de luz atrasar.

Não é difícil imaginar como será o futuro de alguém que age dessa forma, certo? Apagadinho, apagadinho…

5 – Não pensar no futuro

Não pensar no futuro

Os vinte anos trazem com eles a sensação de que a vida está apenas começando, que é hora de aproveitar muito e deixar para se preocupar com o futuro quando ele chegar.

E é aí que muitos cometem vários erros financeiros e perdem uma oportunidade única de construir uma ponte para um futuro livre de preocupações.

Uma pessoa que, aos vinte anos de idade, preocupa-se em investir para o futuro, tem uma chance enorme de atingir a independência financeira muito antes do esperado.

Se você pertence a esta faixa etária e ganha R$ 1.000 por mês, por exemplo, pode achar que guardar 5% disso (50 reais) não vai fazer diferença alguma. Mas não é bem assim…

Prometa que não terá esse pensamento. Não só pela quantia investida, mas pela mentalidade que estará desenvolvendo.

Com o passar dos anos, a tendência é que você cresça profissionalmente e tenha mais condições de poupar.

Se mantiver o foco, é muito provável que chegue aos trinta anos com uma conta de investimentos invejável.

O futuro chega muito mais rápido do que imaginamos. Preocupe-se com ele agora!

6 – Gastar muito no casamento

Gastar muito no casamento

Por mais que os hábitos tenham mudado e que hoje os jovens se casem mais tarde, muita gente ainda firma laços eternos no início da vida adulta.

Este momento, que certamente é um dos mais especiais da vida, pode se tornar um pesadelo se não for bem planejado.

Conheço muitos casais que organizaram festas de casamento épicas na mesma proporção do tamanho das dívidas que contraíram.

Começar um casamento com uma dívida estratosférica é a última coisa que você precisa.

Por isso é importante planejar esse momento muito bem, com antecedência, muita pesquisa e ciente dos seus limites para não cometer erros financeiros.

7 – Não falar sobre finanças com seu parceiro

Não falar sobre finanças com seu parceiro

A vida a dois, aliás, merece um cuidado extra. Muitos casais têm uma relação perigosa com o dinheiro.

Infelizmente, é comum que a responsabilidade sobre a gestão do dinheiro fique a cargo de apenas uma pessoa. Existem muitos tabus com relação ao dinheiro dentro de casa, mas você precisa quebrá-los!

O casal precisa estar em sintonia, ciente do que compete a cada um, e ter uma relação transparente sobre o dinheiro.

Deixe as surpresas para cultivar o amor, não para ter sustos quando for consultar o extrato bancário.

8 – Não traçar metas financeiras

Não traçar metas financeiras

Este erro está atrelado ao apresentado no item “5”.

Se pensar no futuro é importante, fazer um exercício de antecipação de como ele será, é primordial.

Onde você quer estar daqui a cinco, dez, vinte anos?

É claro que muito do que virá a acontecer em sua vida não pode ser planejado, mas quando você tem um plano, ao menos sabe que caminhos precisa percorrer para chegar até lá.

Para isso, colocar seus sonhos e metas financeiras no papel é fundamental.

Esse simples gesto será o combustível para a realização de seus planos e diminuirá a probabilidade de cometer erros financeiros.

Mais ao fim do artigo darei uma dica excelente para você colocar suas metas no papel de forma produtiva.

9 – Não salvar para emergências

Não salvar para emergências

Se você está no alto dos seus 20 e tantos anos e não nasceu em berço de ouro, já deve ter percebido a gangorra que é a vida.

Os altos e baixos fazem parte da “brincadeira”. E quando falamos em nosso suado dinheiro isso se torna ainda mais evidente e perceptível no dia a dia.

Há meses em que a conta insiste em não fechar, certo? E quando alguma emergência surge, algo que vai impactar suas finanças no curto prazo fortemente de forma inesperada, o que você faz?

Se você não tiver uma reserva para emergências terá que, provavelmente, contrair dívidas e acabar agonizando com taxas de juros abusivas.

Faça um bem para si mesmo: crie uma poupança a que tenha acesso facilmente para lidar bem com essas adversidades. Acredite: cedo ou tarde você vai precisar.

Entenda, porém, que essa poupança para emergências não elimina a necessidade de um investimento voltado ao longo prazo.

São duas frentes diferentes com que você precisa se preocupar para evitar mais erros financeiros.

10 – Comprar um carro

Comprar um carro

É verdade que boa parte das cidades brasileiras não oferece uma estrutura convidativa para que não tenhamos carro. Mas, ainda assim, antes de efetivamente comprar o seu, reflita.

O automóvel é um dos maiores sonhos de consumo do brasileiro. A propaganda é sempre muito agressiva, mas você não necessariamente precisa de um.

Já colocou no papel os custos que um carro traz consigo?

Além do valor do automóvel em si, que é absurdo em nosso país, com ele vem IPVA, licenciamento, gasolina, seguro, manutenção, estacionamento, eventuais multas e por aí vai.

Será que não existe uma alternativa? Uber, bicicleta, táxi, transporte público ou mesmo um aluguel muitas vezes acabam tendo um custo final bem mais interessante.

Basta colocar na ponta do lápis e ver se isso funciona na sua realidade.

A ideia aqui é que você pense um pouco sobre os benefícios práticos de comprar um carro antes de correr para a concessionária e se enfiar em mais erros financeiros, contraindo uma dívida que vai acompanhá-lo por longos anos.

Se a compra for realmente necessária, reflita, também, sobre qual carro irá comprar. Um seminovo adquirido em uma loja confiável pode servir às suas necessidades tanto quanto aquele carrão zero km.

De novo, minha intenção aqui é tirá-lo do piloto automático e fazê-lo refletir sobre seus hábitos de consumo.

11 – Acomodar-se e deixar de investir em você

Acomodar-se e deixar de investir em você

Graduar-se não é sinal de missão cumprida no que diz respeito aos seus estudos. Não é de hoje que um diploma deixou de ser um diferencial.

Aproveite a energia e o tempo livre para estudar, aprender coisas novas, ler muitos livros, testar possibilidades, conhecer gente, trabalhar em áreas diferentes… Enfim, seja curioso e aproveite seu tempo para conhecer melhor a si mesmo.

Não tenha medo de trabalhar. É possível (e provável) que a grana seja curta no início, mas ao manter-se sempre ativo, você estará no caminho certo.

A semente que você plantar hoje, quando está iniciando sua vida profissional, vai gerar frutos.

Bem como um bom investidor, você precisa enxergar sua carreira com um olhar de longo prazo e ter os olhos sempre no futuro.

Não deixe a preguiça e o comodismo tomarem conta. Perder tempo e fazer más escolhas nos vinte e poucos anos custará caro no futuro.

12- Acreditar que sua vida tem que seguir um padrão

Acreditar que sua vida tem que seguir um padrão

Quem não lembra do clássico “nasce, cresce, reproduz, envelhece e morre”, que aprendemos cedo na escola?

Isso pode ser traduzido como “faz faculdade, faz uma poupancinha, compra um carro, compra uma casa, tem filhos…”.

Muitos pais esperam isso de seus filhos simplesmente porque foi assim que construíram suas vidas.

Mas você já parou para pensar, de verdade, sobre as diferenças entre o tempo em que seus pais eram jovens e o tempo de agora?

Vivemos numa era de ruptura de padrões e do status quo.

Nunca tivemos tanta liberdade e possibilidades como hoje. Não seja mais uma ovelha no rebanho. Assuma o controle de sua vida, posicione-se, lute pelo o que acredita.

Não viva no piloto automático e satisfazendo as vontades dos outros. A vida é sua. Você está vivendo ela em sua plenitude?

Dica extra: como criar metas inteligentes e livrar-se dos erros financeiros

criar metas inteligentes e livrar-se dos erros financeiros

Eu espero que, a essa altura, tenha conseguido colocar uma pulga atrás de sua orelha e feito você refletir sobre tudo o que realmente importa quando se tem vinte e poucos (ou muitos) anos.

Eu sei que é muito para processar, mas ninguém realiza grandes feitos na vida sem grandes esforços.

Colocar as metas no papel é o primeiro passo para fazer acontecer tudo o que conversamos aqui hoje, mas eu sugiro que você vá além.

Você já ouviu falar das metas EsMART?

Esse conceito, criado por Raul Candeloro, especialista em gestão comercial, diz que para uma meta funcionar, ela precisa ser:

  • Específica
  • Mensurável
  • Alcançável/atingível
  • Relevante
  • Ter um tempo para ser atingida

Ou seja, você não pode apenas dizer quer ser milionário. Isso é muito vago. Não orienta, não aponta caminhos, não define prioridades e não mostra o que precisa ser feito. Ou seja, não funciona!

Ao invés de colocar no papel que “ser milionário” é uma de suas metas, evolua para algo como:

“Quando tiver 35 anos terei R$ 1,5 milhão bem investidos, uma renda mensal de R$ 20 mil proveniente do meu trabalho e projetos paralelos. Para alcançar isso, mensalmente investirei X, deixarei de gastar com Y, estudarei Z ou A para ficar mais qualificado e faturar mais de forma consistente e gradativa.”

Sentiu a diferença? Uma meta EsMART é como um plano de ação que vai colocar sua vida nos trilhos e seu foco para o que realmente importa para você.

Conte para mim o que você achou deste artigo e o que vai fazer para mudar o que precisa. Tem algo mais que gostaria de ler aqui no blog? Sugira! O espaço é seu!

Aprenda como ganhar de R$1mil a R$5mil por mês com dividendos, mesmo que tenha somente R$100 para começar.

Outras Publicações

Leia Mais

Ebook - Bolsa de Valores para Leigos

Bolsa de Valores Para Leigos

André Fogaça

Nesse e-book você vai dar os seus primeiros passos no mundo dos investimentos e ficar por dentro de alguns detalhes importantes do mercado de ações. Você se sentirá seguro de conversar sobre investimento com qualquer pessoa depois de ler esse livro. Arrisco dizer ainda que você vai ficar louco para começar a investir. Uma boa leitura!

Sem tempo para ler? Assista nossas Palestras Online

Abrir conversa
1
Precisa de Ajuda?
Olá,
Podemos te ajudar?
Powered by