Investir ou não investir: Você também já passou por este dilema?

Investir ou não investir? Eis a questão! Você também já passou por isso? Já sofreu em tentar largar um péssimo hábito?

 

Se você é como eu, apostaria que já teve sérios problemas em se livrar de alguns destes hábitos nocivos.

E quando estes hábitos prejudicam a forma que lidamos com nosso dinheiro e nossos investimentos, o problema pode ter sérias implicações.

Um dos muitos erros que cometi durante o início da minha carreira como investidor foi ser imprudente com o meu dinheiro.

Podia ser um aumento de salário, um bônus de final de ano ou até mesmo um presente de família.

Eu pegava esse dinheiro extra e investia tudo nas ações que eu gostava, independentemente da situação do mercado naquele momento.

Para mim, naquela época, dinheiro no banco era considerado uma oportunidade perdida e todas as chances de “comprar ações agora” eram agarradas instantaneamente.

A pergunta que eu costumava perguntar a mim mesmo era:

Por que eu deveria deixar meu dinheiro “parado” na poupança ou em fundos de renda fixa, que rendem quase nada, quando as ações podem fazer meu dinheiro crescer muito mais rápido?

Investir ou não investir: por que é tão importante não estar 100% investido?

investir ou não investir

Ao longo dos anos e depois de aprender minhas lições da maneira mais difícil, eu encontrei várias razões para deixar algum dinheiro “fora do mercado” e resolver o dilema do investir ou não investir.

Aqui estão as três maiores delas:

  1. Se eu não tenho dinheiro fora do mercado, é quase impossível tirar vantagem das oportunidades que podem se apresentar no futuro.
  2. Ter alguma reserva para emergências é sempre uma boa ideia.
  3. E por fim, quando o seu dinheiro está parado, sem render nada, e suas ações estão caindo, render “nada” é melhor do que perder, não concorda?

Algum dinheiro no banco ou em fundos com liquidez me ajuda em situações de emergência ou mesmo me permite aproveitar grandes oportunidades.

É mais fácil falar do que fazer

investir ou não investir: é mais facil falar do que fazer

Segurar dinheiro, e não ganhar nada sobre ele, é muitas vezes uma decisão dolorosa.

Em uma carta escrita em 2004, o lendário investidor Seth Klarman escreveu sobre esta dolorosa decisão de manter o dinheiro que a maioria dos investidores enfrenta.

Ele escreveu…

Os investidores devem escolher entre duas alternativas:

Uma é manter ações a preços historicamente elevados. Se os preços nunca caírem, causando retornos para níveis mais normais, esta terá sido a decisão certa.

No entanto, se os preços caem, os investidores vão experimentar perdas potencialmente substanciais, saindo assim consideravelmente pior do que se tivessem sido mais pacientes.

A alternativa em permanecer com dinheiro é verdadeiramente difícil. Como Klarman disse:

A alternativa é permanecer líquido, ignorar as pressões de desempenho, e esperar que os preços de pelo menos algumas ações caiam. Você não precisa que todo o mercado se torne barato para pôr dinheiro significativo para trabalhar, apenas um número limitado de ações.

Esse caminho também envolve riscos em que não há certeza sobre se ou quando isso vai ocorrer. De fato, os preços das ações podem aumentar ainda mais a partir de níveis elevados de hoje, e tomar a decisão de manter o dinheiro não investido será ainda mais dolorosa.

E porque é doloroso, e muitas vezes exige uma enorme paciência, a maioria dos investidores, grandes ou pequenos, irá optar por permanecer 100% investido, e também investir todo dinheiro novo que aparecer. É difícil escolher entre investir ou não investir.

Klarman escreve (e aposto que você vai concordar com ele sobre isso):

Os seres humanos não costumam ter muita paciência. Poucos são capazes de olhar além dos retornos de curto prazo.

Além disso, dada a sua natureza competitiva orientada para o desempenho relativo, os investidores detestam a possibilidade de mau desempenho ou se verem sentados nas arquibancadas.

Eles acham que é melhor estar no jogo (a menos, claro, se o mercado cair). Eles permanecem altamente enviesados em direção à extremidade da ganância (o quanto você pode ganhar?) e para longe da extremidade do medo (o quanto você pode perder?) do espectro das emoções dos investidores.

Em suma, os investidores continuam em busca de alto retorno sem levar em conta a probabilidade de realmente alcançá-lo ou para o risco incorrido no processo.

Invista somente quando as chances estão a seu favor

invista quando as chances estão a seu favor

Quando eu falo sobre a importância de se ter algum dinheiro em sua carteira quando oportunidades de investimento atraentes são difíceis de encontrar, um monte de pessoas argumenta que isso é semelhante a fazer timing do mercado.

Quem sabe se o mercado vai cair ou subir a partir de agora?

É o que eles me perguntam.

E se eu guardar dinheiro e o mercado continuar subindo?

Essa é uma pergunta válida, mas a decisão crucial em investir não é normalmente responder apenas “sim ou não”. Quem diz que investir significa sempre comprar alguma coisa, renuncia talvez da ferramenta mais valiosa disponível para ele.

No mundo dos investimentos, estar com as chances a seu favor significa comprar ações de excelentes empresas por um ótimo preço. Simples assim.

Como Charlie Munger diz…

Procure mais valor em termos de fluxo de caixa futuro descontado do que você está pagando. Mova-se apenas quando você tem uma vantagem. É muito básico. Você tem que entender as probabilidades e ter a disciplina para apostar apenas quando as probabilidades estão em seu favor.

E, em seguida, aqui estão umas palavras clássicas de sabedoria de Warren Buffett

Letargia beirando a preguiça continua a ser a pedra angular do nosso estilo de investimento.

Você não precisa estar sempre em ação. Segurar dinheiro quando você não tem nada para comprar é uma boa decisão.

Não saber o que você está fazendo com o seu dinheiro e por que você está fazendo isso, muitas vezes acaba sendo péssimo para o seu retorno no longo prazo.

Então, por favor, faça suas escolhas com cuidado quando se deparar com o dilema de investir ou não investir.

Agora me conte, você consegue ficar fora do mercado tendo algum dinheiro na mão?

Um abraço!

A bolsa é um concurso de beleza?!

Ele acredita que sim…

Alguma vez você já parou para refletir por que, muitas vezes, observamos ações de empresas ruins (micos) se valorizarem exponencialmente num curto espaço de tempo.

Enquanto, por outro lado, ao mesmo tempo presenciamos ações de empresas com ótimos fundamentos se valorizarem muito menos?

Bom, você já deve saber que o mercado costuma agir irracionalmente no curto prazo, mas no longo prazo costuma prevalecer os fundamentos das empresas.

Isso é fato incontestavel.

No entanto, além disso existe uma outra explicação interessante para esse comportamento do preço das ações de empresas ruins.

A dinâmica de curto e médio prazo da bolsa de valores funcionaria de forma semelhante a um concurso de beleza.

Em 1936, o famoso economista John Maynard Keynes fez uma analogia interessante ao comparar o mercado de ações a um concurso de beleza.

Imagine um concurso de beleza lançado por um jornal, em que sejam mostradas as fotos de 100 mulheres bonitas.

Como forma de incentivo à participação dos leitores, o concurso se propõe a pagar um prêmio para todos aqueles que acertarem qual será a candidata campeã.

Nesta situação, presumindo que os leitores votarão com base no interesse que possuem em receber o prêmio, é de se esperar que eles não votarão nas candidatas que consideram as mais bonitas: votarão, ao invés, naquelas em que eles acreditam que serão votadas pela maioria dos demais leitores.

E podemos ir além…

Os leitores realmente espertos nortearão os seus votos levando em consideração as estratégias de escolha a serem utilizadas pelos demais votantes.

Obviamente, neste formato, o resultado final não refletirá a candidata considerada mais bonita pelos leitores, mas, sim, aquela na qual a maioria acredita que realmente será a vencedora.

Se traçarmos um paralelo com a Bolsa de Valores, podemos perceber que, em muitas situações, os investidores não investem naquelas empresas cujos desempenhos julgam serem os melhores, mas nas empresas nas quais os investidores acreditam que os demais irão investir.

Afinal de contas, o que todos investidores querem é comprar as ações (ao fim) vencedoras, não importando se elas são as melhores (na analogia de Keynes, “as mais bonitas”).

Mas por que eu estou trazendo este ensinamento de Keynes para você?

É simples: trago essa analogia porque ela contribui para que você entenda melhor a dinâmica do mercado de ações.

Considero a sacada de Keynes uma dica essencial para você que está começando a investir ou que já investe há um certo tempo.

Olhar sob esta nova ótica pode ajudar você a compreender melhor o mercado de ações. E tirar proveito disso ganhando mais dinheiro.

Um abraço,
André Fogaça

P.S. Nesta última quinta-feira lancei o que considero ser o Grande Legado do GuiaInvest.

Um projeto para ajudar investidores iniciantes, que nunca investiram fora do banco, a iniciarem a maior e mais importante transformação financeira em suas vidas.

Siga o seu próprio caminho ou…

Aprenda com Rockefeller

Numa manhã de outubro de 1929, o bilionário John Rockefeller, empresário do ramo de petróleo, encontrou seu engraxate como fazia costumeiramente.

Enquanto fazia seu trabalho, o garoto olhou para Rockefeller e fez o seguinte comentário:

“Senhor, ouvi falar de alguns papéis que irão subir bastante nos próximos dias”.

Em estado reflexivo, Rockefeller levantou-se, pagou o garoto, agradeceu-lhe e ao voltar ao seu escritório, mandou vender boa parte de suas ações na Bolsa de Valores de Nova York.

A justificativa para tal atitude foi simples e direta:

“Se até o garoto que lustra meus sapatos está sabendo tudo sobre o mercado de ações, então é por que algo muito errado deve estar acontecendo”.

Após uma semana, no dia 24 de outubro, a Bolsa de Nova York iniciava a mais traumática queda de sua história. Era o estopim da terrível crise de 29, levando milhares de pessoas à falência.

Investidores de todos os tipos perderam muito dinheiro de forma rápida e sem aviso.

Sabe-se que é bastante provável que a história de Rockefeller seja lenda, mas ela ilustra de forma categórica as consequências do efeito manada para aqueles que são persuadidos a seguir a multidão sem critérios.

É sobre isso que quero falar com você hoje.

Imagina que você está de férias visitando uma cidade que não conhece.

Você está caminhando no centro da cidade e decide procurar um café.

E aí você se depara com a seguinte situação: de um lado da esquina há um café com apenas duas pessoas e do outro lado há outro café com uma grande quantidade de clientes.

Diante desta situação eu te pergunto: qual café você escolhe? Provavelmente você irá escolher aquele com mais pessoas.

Sabe por quê?

Simplesmente por que nós humanos estamos automaticamente procurando pistas de como agir ao observar como os outros estão agindo.

Isso se chama prova social. Se aquele café está cheio é porque aquelas pessoas devem saber qual é a melhor opção de café. Tantas pessoas não podem estar todas erradas ao mesmo tempo.

E o mais incrível é que isso acontece em diversos aspectos de nossas vidas, o tempo inteiro.

Na bolsa de valores isso é ainda mais nítido, mas também perigoso, podendo levar a grandes prejuízos. Em geral, somos fortemente influenciados pela opinião das outras pessoas.

E na tomada de decisão de investimento isso não é diferente, pois é uma forma comum de simplificar o processo decisório.

Cometer um grave erro de avaliação junto com outras pessoas tem um significado distinto de auferir o mesmo erro sozinho.

Agir em conformidade com o restante das pessoas gera uma sensação de conforto e segurança.

Adotar um comportamento em que indivíduos com as mesmas percepções executam ações similares gera um efeito cascata, que no mercado financeiro é conhecido como efeito manada.

Portanto, fique atento aos momentos em que o mercado de ações parece agir prevalecendo mais o lado emocional do que racional.

Pode ser um típico efeito manada acontecendo diante dos seus olhos.

E nestes momentos, a recomendação é tomar muito cuidado com suas decisões, pois você pode estar sendo influenciado, sem perceber, pelo comportamento irracional de outros investidores.

As bolhas especulativas são os mais típicos casos de efeito manada no mercado de ações.

Essas bolhas de alta ocorrem quando os investidores estão comprando ações enquanto todos os outros também estão, neste caso, ambos influenciados pelo efeito manada, que nada mais é do uma reação que se retro-alimenta até estourar a chamada bolha.

A verdade é que seguir a maioria o tempo inteiro só vai levar você a alcançar retornos medíocres no melhor dos casos. O único jeito de ter um retorno destacado da maioria é fazer coisas diferentes da maioria.

Por isso deixo aqui um recado importante para você que me acompanha.

Aprenda a investir seu próprio dinheiro e nunca dependa de terceiros. Não é tão complicado quanto parece.

E estou aqui para lhe ajudar.

Verdade seja dita: quem já conquistou a verdadeira liberdade financeira não seguiu a maioria.

Um ótimo final de semana para você!

Um abraço,
André Fogaça

P.S. Recentemente finalizei um estudo que apontou uma lista de ações small caps com potencial de subir 1.247% (ou mais) com a aprovação da Reforma da Previdência

Veja agora o estudo e tire suas próprias conclusões.

Um abraço

Meu colega milionário

Em uma bela tarde de verão em Porto Alegre, há 20 anos atrás, dois jovens se formavam no ensino médio.

Eles eram muito parecidos, esses dois jovens. Ambos foram alunos medianos, mas ambos eram extrovertidos e populares entre os colegas.

Curtiam Rock in Roll e tocavam guitarra. Gostavam de cerveja, mulheres e futebol. A afinidade entre eles era grande.

Como todo jovem prestes a entrar na faculdade, ambos estavam cheios de ambições e sonhos para o futuro.

Recentemente, reencontrei eles.

Eles são meus amigos. Eu estava junto com eles na formatura porque éramos colegas de turma.

Eles continuam muito parecidos. Mesmos gostos, mesma personalidade, mesmas piadas.

Ambos haviam se formado em engenharia civil. E ambos estavam casados e já tinham 1 filho pequeno.

O padrão de vida deles é muito semelhante. Camionete na garagem e apartamento de 3 quartos em bairro nobre.

Férias de 3o dias todos anos com direito a belas viagens para o exterior.

As fotos no Instagram não me deixam mentir. Europa, EUA, ilhas no caribe, américa do sul…

É até um pouco espantoso a tamanha semelhança de vida entre eles.

Os dois estão trabalhando há mais de 10 anos na mesma empresa na área de construção civil. Responsabilidades e salários praticamente iguais.

Mas existe uma diferença tremenda entre eles.

Um revelou que acabará de juntar seu primeiro milhão de reais em investimentos, enquanto que o outro confessou, constrangido, ter somente R$ 10 mil reais aplicados na poupança.

Você já se perguntou, como eu, o que faz esse tipo de diferença na vida das pessoas?

Nem sempre é inteligência, talento ou dedicação.

A diferença está no que cada pessoa sabe e em como ela usa esse conhecimento. Não é porque uma pessoa quer ser bem-sucedida e a outra não.

E é por isso que estou escrevendo para você sobre a importância de dominar a habilidade de investir dinheiro de forma inteligente.

E mais do que isso.

De estar atento às oportunidades que surgem de tempos em tempos no mercado financeiro.

Especialmente no mercado de ações, minha especialidade. Há 15 anos respiro diariamente este mercado.

Porque essa é a minha missão no GuiaInvest: dar o conhecimento que elas podem usar para multiplicar dinheiro investindo em ações e alcançar uma vida mais plena e feliz.

E algo me chamou a atenção nestas últimas 2 semanas.

Neste momento, você está diante do que poder ser o maior salto financeiro de sua vida investindo em ações.

Quero te mostrar o recente estudo que apontou 6 ações Small Caps esquecidas dos grandes investidores.

E que, segundo minhas estimativas, têm o potencial de subir 1.247 por cento (ou mais) com a aprovação da Reforma da Previdência.

Confesso que fiquei cético com o expressivo potencial de valorização dessas ações.

Foi difícil de acreditar no que estava vendo.

A ideia de que alguém poderia se tornar milionário a partir dessas 6 ações parecia ridícula.

Mas, dado os números e as evidências históricas que estão por trás da análise, resolvi trazer isso a público.

Neste documento explico todos os detalhes.

Sobre os dois amigos que mencionei no início desta mensagem. Eles se formaram juntos e começaram juntos no mundo profissional.

Então o que fez sua vida financeira diferente?

Conhecimento, conhecimento útil. E seu uso.

Um abraço,

Como lidar com o imprevisível humor do “Senhor Mercado” e o sobe e desce da bolsa

como lidar com o senhor mercado

O Senhor Mercado, personagem criado por Ben Graham, ilustra perfeitamente os movimentos de sobe e desce da Bolsa de Valores, em que a manada fica descontrolada. Neste artigo, você vai aprender a lidar com o humor imprevisível do Senhor Mercado. Acompanhe.

As más notícias vindas da China causam um terremoto nos mercados. A volatilidade movimenta o noticiário e as redes sociais.

Nessas horas, é engraçado como as chamadas na mídia sempre se repetem. Você deve ter visto por aí manchetes como: “A bolsa caiu. E agora?” e “Dá para se animar com a alta do Ibovespa?”.

Quando isso acontece, gosto sempre de lembrar dos conselhos dos gurus que guiam minhas decisões e sobre os quais já escrevi aqui tantas vezes.

Um deles, em particular, é bastante oportuno quando o sobe e desce faz você ter vontade de arrancar os cabelos: Se você investe em valor fique longe do noticiário, especialmente nesses dias malucos do mercado.

E é sobre o “Mr. Market” que quero conversar com você hoje.

Quem é o inconstante “Senhor Mercado”

quem é o senhor mercado

Imagine que você é dono de parte de um negócio e tem um impetuoso, mas muito prestativo sócio chamado Senhor Mercado.

Diariamente, ele fala com você sobre seus interesses e se oferece ora para comprar a sua parte do negócio, ora para vender a dele para você. Às vezes, as ideias dele parecem plausíveis e bem justificadas, é verdade. Mas, por outro lado, não raramente o Senhor Mercado é afoito e se deixa levar pelo entusiasmo ou pelo medo.

É comum que sua visão e as suas propostas pareçam não fazer sentido. Você nunca sabe o que esperar dele. Seu humor é imprevisível! Se você conhece alguém assim, sabe que tem que tomar cuidado, não é?

Agora, se você é um investidor prudente ou um homem de negócios sensato, você vai deixar as investidas diárias do Senhor Mercado determinarem a SUA visão?

Você pode, é claro, ficar feliz em vender a ele quando ele sugere um preço ridiculamente alto ou comprar dele quando oferece um desconto, digamos. Porém, em outros momentos (lembre-se que o senhor Mercado é impulsivo e um tanto maluco), você se sairá muito melhor se formular suas próprias ideias a respeito do valor do que tem em mãos baseado em profundas análises e seguindo os conceitos e dicas que tenho comentado aqui em todos os artigos.

Uma pausa antes de continuar: Se você é novo aqui no blog, não deixe de ler os artigos anteriores, combinado? Tudo o que estou dizendo aqui fará muito mais sentido se você compreender a fundo as características do investimento em valor.

Flutuações de preço têm apenas um significado para o verdadeiro investidor

como lidar com o humor do senhor mercado

As flutuações de preço oferecem uma oportunidade para o investidor comprar com sabedoria quando os preços caem bruscamente e para vender de forma inteligente quando eles sobem vertiginosamente. Em qualquer outro momento você fará melhor se “esquecer” o mercado de ações.

Esse é o ponto central da metáfora do Senhor Mercado. Se ele sofre com variações de humor, seu trabalho é tirar proveito disso e não tentar encontrar, por exemplo, evidências a respeito de uma empresa quando o mercado está volátil.

Você precisa se concentrar em avaliar o desempenho real da empresa que investe ou deseja investir. E não se basear no comportamento, tantas vezes irracional, do Senhor Mercado.

O Senhor Mercado não está nem aí se você diz sim ou não para ele

Diariamente, o Senhor Mercado continuará batendo em sua porta. Não se importe com o que ele diz ou com o que (e por quê) outras pessoas estão fazendo. Sua missão é (e sempre será) comprar uma ação quando ela está valendo menos do que deveria. Simples assim.

Você sempre será alvo das armadilhas do Senhor Mercado e de sua própria irracionalidade, mas nunca esqueça que você – e mais ninguém – é dono de suas próprias escolhas e é livre para agir.

Concentre-se em controlar o que você pode controlar

O investimento inteligente acontece quando você controla o que pode ser controlado. Você não pode controlar quando uma ação vai bater o mercado hoje, amanhã ou daqui um ano. No curto prazo, seu retorno será refém do imprevisível Senhor Mercado. Por outro lado, você pode controlar:

  1. Seu próprio comportamento: Evite checar o desempenho de seu portfólio constantemente e ler notícias como as que citei no início do artigo. Isso raramente vai leva-lo a tomar uma decisão inteligente e racional.
  2. Suas expectativas: Seja realista e não considere o “e se”. Lembre-se: você não pode controlar o rumo da economia da China ou as decisões que vêm de Brasília.
  3. Seu risco: A primeira regra de investimento de Benjamin Graham era primeiro preservar seu capital, para depois lucrar. O quanto de suas reservas você investe em ações? Se o mercado entrar em colapso amanhã, você está bem protegido?
  4. Seu próprio jogo: Nunca se esqueça de que investir em ações não se trata de ganhar dos outros (ou do Senhor Mercado), mas de controlar a si mesmo em seu próprio jogo.

Uma estratégia indiscutível de Benjamin Graham para lucrar com a volatilidade

lucrar com volatilidade

Você precisa ter em mente que a flutuação é uma característica absolutamente natural do mercado de ações. Se não tem estômago para lidar com ela, o melhor conselho que posso dar é que fique longe do mercado, estude e se desenvolva antes de encará-lo.

Por outro lado, melhor do que temer a volatilidade é usá-la a seu favor – comprando barganhas ou realizando lucros. Para isso, tome nota desta lição de Graham:

Crie um padrão de comprar a mesma quantia de ações num mesmo intervalo de tempo. Por exemplo: todo dia 10 de cada mês ou trimestre, você vai parar para analisar suas posições e tomar decisões. O importante é criar um padrão e respeitá-lo. Isso vai deixá-lo mais confortável e seguro.

É uma lógica semelhante de quando você está planejando uma viagem para o exterior. Você já deve ter lido algo sobre isso, não? Todos os especialistas recomendam que você vá comprando a moeda do local que vai visitar aos poucos para evitar a flutuação.

Toda essa história de volatilidade e Senhor Mercado me fez lembrar de uma frase do imperador Marco Aurélio que eu gostaria de compartilhar com você para encerrar nossa conversa de hoje:

A felicidade daqueles que querem ser populares depende dos outros. A felicidade daqueles que buscam o prazer flutua com humores que fogem ao seu controle. Mas a felicidade dos sábios cresce a partir de seus próprios atos de liberdade.

Nesse momento, a bolsa está subindo e com isso, poucas empresas continuam baratas. Principalmente aquelas fora do radar, escondidas. E dentre elas, existem algumas pequenas com grande chance de valorização. São as 6 small caps esquecidas, que abordamos em nossa nova tese.

Veja e tire suas próprias conclusões.17

Até a próxima.

4 Dicas Valiosas Para Lidar Com Seus Investimentos (#2 é minha favorita)

investimentos como lidar

Você está lidando com seus investimentos da forma correta? Quero apostar que sim, mas sei que existem algumas pessoas que ainda estão dando os primeiros passos no mundo dos investimentos. Talvez você seja uma destas pessoas e por isso preparei algumas dicas para lhe ajudar nessa empreitada. E caso você já tenha algum conhecimento, acredito que reforçar alguns conceitos nunca é demais.

Continue lendo “4 Dicas Valiosas Para Lidar Com Seus Investimentos (#2 é minha favorita)”

Como Investir Em Ações Na Prática Usando o Home Broker

Não sabe como investir em ações? Acha que usar o home broker é complicado? Vamos te mostrar, na prática, que investir na bolsa de valores online é rápido, prático e fácil.

É normal ter dúvidas e receios quando se está começando a investir em ações. Mas agora que você já desenvolveu uma mentalidade focada em poupar e definiu seus objetivos, sabe que a melhor maneira para alcançá-los é através das ações.

O primeiro passo para investir na bolsa de valores é abrir uma conta em uma corretora. Uma vez que estas são as instituições financeiras responsáveis por intermediar a negociação de ativos.

Sua corretora será a sua parceira no mercado de capitais. Por isso, escolher uma corretora para investir é uma tarefa que exige calma e pesquisa.

Para Saber Se Uma Corretora é Confiável, verifique se a instituição financeira está registrada na Comissão de Valores Mobiliários – CVM, entidade responsável por regular este mercado.

Consulte também outras entidades responsáveis pela organização e fiscalização, como a própria BM&FBOVESPA e o Banco Central.

Isso garante que seu patrimônio esteja protegido quando em guarda dessas instituições.

Depois de abrir sua conta na corretora, é preciso transferir o dinheiro da sua conta corrente para a conta da corretora através de uma TED ou DOC.

Esse dinheiro será usado para comprar as ações através do Home Broker, uma plataforma online que conecta o cliente, a corretora e a Bolsa de Valores. Através dele você pode comprar e vender ações, acompanhar as cotações e rentabilidade ao longo do tempo, entre outras funções.

Como investir em ações na prática usando o home broker

Na teoria, você só precisa abrir uma conta em uma corretora, transferir o dinheiro, acessar a home broker e começar a investir.

Agora vamos ver como isso funciona na prática.

#1 – Como Abrir Conta em Corretora de Valores na Prática

Esse passo é essencial para quem deseja comprar ações na bolsa de valores. Você pode abrir conta na corretora rapidamente pela internet.

Basta preencher um cadastro com seus dados pessoas, residenciais e bancários.

Veja o passo a passo para abrir conta na Ável Investimentos.

#2 – Como Transferir Dinheiro do Banco para a Corretora de Valores pelo Computador

Para comprar ações, você precisa transferir o dinheiro da sua conta, para a sua conta da corretora.

Por motivos de segurança, o dinheiro só entra na sua conta mediante transferência bancária de uma conta com o mesmo CPF.

Para transferir o dinheiro pelo internet banking:

  • Entre no site do seu banco
  • Entre na sua conta online
  • Escolha a opção de transferência (TED ou DOC)
  • Preencha os dados da sua conta da corretora
  • Digite sua senha e pronto

Veja na prática como transferir dinheiro do banco para a corretora de valores de forma segura usando TED (Transferência Eletrônica de Dinheiro). Nesse caso a transferência foi realizada usando o computador.

#3 – Como Transferir Dinheiro do Banco para a Corretora de Valores usando o Celular

A transferência do dinheiro também pode ser feita pelos aplicativos bancários. Para isso:

  • Entre no aplicativo do seu banco
  • Entre na sua conta online
  • Escolha a opção de transferência (TED ou DOC)
  • Preencha os dados da sua conta da corretora
  • Digite sua senha e pronto

Veja como funciona na prática:

#4 – Como Comprar Ações na prática pelo Home Broker da Corretora de Valores pelo Computador

A ordem de compra e venda de ações é feita online pelo Home Broker. Como cada corretora possui sua própria plataforma, a interface pode variar.

De modo geral, para comprar um ativo, o investidor clica na opção comprar, insere a sigla do ativo, quantidade e preço.

Essa ordem é enviada automaticamente para a corretora e então para o sistema da Bolsa. Se houver ações disponíveis, pouco tempo depois a ordem é executada com sucesso. Para vender o processo é o mesmo.

Veja na prática:

  • Entre no site da corretora de valores e faça o login
  • Escolha a opção home broker
  • Escolha o código da ação desejada e a quantidade
  • Confirme a compra com sua senha

#5 – Como Comprar Ações na prática pelo Home Broker da Corretora de Valores pelo Celular

Muitas corretoras também oferecem a opção do Home Broker por aplicativo de celular. Nesse caso:

  • Entre no aplicativo da corretora de valores e faça o login
  • Escolha a opção home broker
  • Escolha o código da ação desejada e a quantidade
  • Confirme a compra com sua senha

 

 

Viu como é fácil? Quer se tornar um investidor de sucesso?

Descubra como investir começando do zero. Baixe agora mesmo seu e-book gratuito!

Estratégia Buy and Hold: O que é?

Buy and hold, na tradução livre “comprar e segurar”, é o nome da estratégia usada por grandes investidores como Warren Buffett, Jean-Marie Eveillard, William J. Ruane, Irving Kahn, Walter J. Schloss e também por Luiz Barsi Filho (o Warren Buffett brasileiro).

Como o próprio nome sugere, nessa estratégia o investidor compra ativos de qualidade e os mantém, por tempo indeterminado, seja anos ou décadas, enquanto permanecerem bons.

Quando baseada na análise fundamentalista para selecionar ações de empresas boas, sólidas e com potencial de crescimento no longo prazo, essa é a maneira mais segura de investir.

Apesar de existirem muitas estratégias para se investir em ações, o Buy and Hold se mostrou vantajosa no longo prazo. Seja para construir patrimônio ou montar um plano de aposentadoria.

Em vez de apostas ousadas, o Buy and Hold preconiza escolhas criteriosas e análises dos balanços das empresas. Ele obedece a um perfil um pouco mais conservador, mas que não abre mão de bons resultados.

Para isso, foca na construção e manutenção de uma carteira de ações de boas empresas que geram bons dividendos. Assim, o crescimento do patrimônio é seguro e gradual com o reinvestimento dos lucros.

Compre e segure (enquanto permanecerem boas)

O pioneiro da estratégia do buy and hold foi Benjamin Graham. Foi ele também o pai dos conceitos de value investing, conjunto de princípios que até hoje conduzem o investidor ao sucesso em uma estratégia de investimento de longo prazo.

O Buy and Hold, apesar de ser uma estratégia de investimento simples de empregar, ela requer estudo para identificar oportunidades e medir o valor da empresa e suas perspectivas futuras.

Por isso, não adianta “comprar e segurar” qualquer ação de qualquer empresa. Elas devem ser de empresas sólidas e com ótima perspectiva de geração de caixa para as décadas seguintes.

Estratégia Buy and Hold: O que é?

Mas não só isso. Segurar não significa esquecer. O conceito correto para o buy and hold é de segura-las por um período indeterminado, enquanto elas ainda continuarem a ser de altíssima qualidade.

Você sabe Quando Vender Uma Ação?

Tanto para identificar ações de boas empresas para investir, quanto para analisar se essas ações continuam boas, a forma mais confiável é através dos indicadores fundamentalistas.

A análise fundamentalista avalia fatores que afetam o negócio de uma empresa. Tais como seu histórico, dados financeiros, balanços, governança corporativa, setor de atuação, geração de lucro, distribuição de dividendos, entre outros.

Veja Quais Indicadores Fundamentalistas Olhar ao Avaliar uma Ação.

Regras básicas para o Buy and Hold

A estratégia Buy and Hold é questionada por alguns investidores, principalmente em tempos de crise, onde as empresas podem sofrer com desempenhos ruins. Por esse motivo, o trade poderia ser mais lucrativo.

Porém, ao contrário do day trade, o buy and hold foca no longo prazo. Neste, empresas com bons fundamentos tendem a manter um crescimento contínuo e lucros sólidos crescentes. Mesmo que passem por períodos de crise, elas têm forças para se manterem.

Historicamente, mesmo em períodos de retração, a Bolsa de Valores se mostrou como um bom investimento quando com uma boa estratégia.

Para ter sucesso com essa estratégia de investimento, é necessário seguir algumas regras básicas:

 1 – Investir regularmente;

 2 – Diversificar a carteira;

 3 – Comprar ações de empresas com bons fundamentos;

 4 – Reinvestir os dividendos;

 5 – Procurar empresas com bom histórico de gestão e governança corporativa.

Quer saber se uma empresa é boa para investir? Assista a palestra gratuita e descubra os segredos por trás do GI Stock Guide. Conheça as ações que pagam os dividendos mais “gordos” do mercado e como é possível receber de 1 a 5 mil com dividendos!

Como Viver de Renda Antes dos 40!

Já imaginou viver de renda antes dos 40? Não ser mais escravo do trabalho, trabalhar somente com o que gosta, não se preocupar com as contas vencendo, viajar, curtir a família. Maravilha, né?

É possível fazer tudo isso ainda jovem, sem limitações e inseguranças com o futuro.

Alcançar a Liberdade Financeira é um dos maiores objetivos dos investidores. Só que a maioria das pessoas só irá atingir esse objetivo bem lá na frente.

Entretanto, se você começar a poupar e investir com sabedoria agora, se aposentar antecipadamente e viver de renda antes dos 40 se torna uma realidade possível.

Comece agora

Você não precisa esperar até fim da vida para se aposentar. Alguns hábitos irão ajudar você a conquistar sua Independência Financeira.

Para viver de renda antes dos 40 você precisa começar a poupar enquanto ainda é jovem. E mais do que isso. Precisa aprender a ter controle sobre o seu dinheiro, perder o medo de tirar o dinheiro da poupança e começar a investir por conta própria.

Agora, se consideramos que o brasileiro investe, em média, R$ 300 por mês, a uma taxa de 0,4% ao mês, levaria aproximadamente 55 anos para alcançar seu primeiro milhão.

55 anos é muito tempo para alcançar a liberdade financeira. Considerando que ninguém nasce investindo, quanto mais você demorar para começar, mais demorará para alcançar esse objetivo. Ou seja, só viverá de renda perto dos 80 anos. Não é o que você quer, certo?

Mas calma, não se desespere. Ainda dá tempo de você se organizar e atingir sua liberdade financeira antecipadamente.

Se analisarmos o comportamento das pessoas que começaram a viver de renda antes dos 40, encontramos alguns hábitos em comum: Organização financeira e investimentos inteligentes.

Organize seu orçamento

Se organizar financeiramente, saber exatamente qual são as suas receitas e despesas, onde pode economizar, qual seus objetivos.

Parece óbvio, mas muita gente não tem consciência da sua realidade financeira e deixa para “organizar” e ter controle do orçamento quando este já foi perdido.

Esperar para se organizar melhor quando já está tudo errado só fará você perder mais tempo para retomar o controle da situação.

Você só conseguirá poupar para investir, quando sua situação financeira estiver organizada.

Portanto, a primeira coisa para quem quer viver de renda é criar o seu diagnóstico financeiro. Ao saber exatamente o quanto ganha por mês, quais são suas despesas fixas e variáveis e definir a sua meta financeira, você visualiza o que está errado e passa a gastar com mais consciência.

Quanto dinheiro você precisa para viver de renda? Com base no seu padrão de vida atual, faça o cálculo de quanto você pode guardar por mês e qual o montante necessário para seu objetivo.

Invista melhor

O melhor investimento não é necessariamente o com maior rentabilidade, mas sim, aquele que melhor se adequa aos seus objetivos de curto, médio e longo prazo.

Se você quer viver de renda, investimentos inteligentes são vitais para maximizar seus ganhos, mas sempre pautado nos seus objetivos.

Desse modo, você deve separar seu dinheiro em 3 potes: o pote da emergência, da recompensa e da Liberdade Financeira.

No pote da emergência é o dinheiro destinado para cobrir gastos imprevistos, no qual você tem fácil acesso quando precisar.

O pote da recompensa é destinado para a sua diversão, para gastar com aquilo que você tem vontade, seja viagens, roupas, trocar de carro. São objetivos de médio prazo.

E por fim, o pote da Liberdade Financeira. É uma parcela que você destina para o longo prazo. Esse dinheiro irá para trabalhar para você, e no futuro, será possível viver de renda.

Sua carteira de investimentos, para ter um bom rendimento, não precisa ser complexa. Se você está começando no mundo dos investimentos, é conveniente investir seu dinheiro em produtos de renda fixa, tais como Tesouro Direto, CDBs, LCI e LCA, que tem rendimentos superiores do que a poupança.

Conforme for ganhando confiança e estudando mais o mercado e suas opções, você pode começar a diversificar sua carteira de investimentos para opções com rendimentos maiores, como as ações.

Tenha uma carteira de investimentos diversificada, entre renda fixa e variável e reinvista os lucros.

Não perca mais tempo. Organize suas fianças, comece a poupar, estude o mercado e invista com inteligência!

Esse é o seu momento de iniciar sua caminhada rumo à Liberdade Financeira.

Aprenda a investir através do nosso eBook grátis Como Investir do Zero e tome uma atitude em relação à sua liberdade financeira

7 filmes sobre o mercado financeiro

7-filmes-mercado-financeiro

Quem disse que não é possível aprender alguma coisa enquanto se diverte?

É exatamente isso que estamos te propondo agora!

Preparamos uma lista de filmes sobre o mercado financeiro, que te ajudarão a analisar como é possível se tornar um magnata das finanças.

Depois de assistir, dá uma olhada nesse artigo aqui e compare como os investidores de sucesso tem uma mente milionária.

No entanto, vale reforçar que, como todo bom filme, há algumas partes que são um tanto… fantasiosas.

Porém, é possível reconhecer e entender como agem as corretoras e os grandes empresários.

Prepare a sua pipoca e o seu bloco de notas, para não perder nada das dicas que podem aparecer.

Vamos lá?

 

1 – O Lobo de Wall Street – 2013

Para começar, vamos de um magnífico filme de Martin Scorcese.

Em “O Lobo de Wall Street”, nós conhecemos Jordan Belfort, um ambicioso jovem que intencionava fazer carreira como corretor na Bolsa de Valores.

No entanto, logo em sua estreia, o mercado sofre com a Black Monday, o que fez com que as bolsas de todo o mundo caíssem repentinamente.

Sem emprego, Belfort recomeça a carreira vendendo títulos de baixo valor. Porém, esses títulos não são os mais rentáveis para os investidores.

No entanto, são um paraíso para os corretores.

Jordan monta toda a sua empresa baseado na compra e venda desses títulos, enriquecendo rapidamente.

O filme mostra, de maneira interessante, como é feito a corretagem de papeis fora da Bolsa de Valores, os chamados pequenos investimentos.

 

2 – A Grande Aposta – 2016

Nossa segunda indicação faz menção à bolha imobiliária que deixou os Estados Unidos em crise (e, consequentemente, o mercado mundial). Afinal, sentimos os efeitos dela até aqui no Brasil.

A grande aposta, que dá nome ao filme, é a de Michael Burry, que decide “apostar” contra o mercado imobiliário dos Estados Unidos, acreditando em sua quebra.

Essa dinâmica diferenciada, faz com que ele seja desacreditado, pois nunca alguém havia apostado contra o sistema. Pelo menos, não com sucesso no final.

No entanto, a sacada do filme é justamente essa ousadia dos investidores. Afinal, eles foram pela contramão do processo básico, que é investir no que dá lucro.

Porém, é inegável que, com a iminente queda dos negócios imobiliários, a liquidez aumenta e os valores tornam-se extremamente acessíveis.

 

3 – A Procura da Felicidade – 2006

Esse é um dos mais famosos. Afinal, quase todo mundo já se emocionou com a história de Chris Gardner.

Ao se ver sozinho com o filho pequeno, Chris decide mudar os rumos de sua trajetória, mesmo tendo todas as dificuldades possíveis.

Vendedor nato, ele consegue uma vaga de estagiário em uma corretora de ações.

No entanto, esse não é um trabalho remunerado e, para conseguir aprender mais sobre essa profissão, Chris trabalha dobrado no pouco tempo que tem disponível.

Dois pontos são interessantes em “A Procura da Felicidade”. O primeiro, é a idade em que Chris inicia os seus trabalhos na Bolsa. Isso, para ele, é uma desvantagem.

Enquanto os outros estagiários possuem tempo e disponibilidade para se dedicar, ele precisa adequar a vida real, com todas as dificuldades e preocupações, com a possibilidade de alcançar uma vaga efetiva na corretora.

O segundo ponto, são as conexões. Enquanto Chris não consegue se conectar com possíveis investidores, ele não deslancha dentro da corretora.

No entanto, a proposta do filme é a de superação e, acima de tudo, dizer que é possível conquistar seus sonhos.

 

4 – Grande Demais para Quebrar – 2011

Esse é um filme que vai além do corre-corre das Bolsas de Valores.

Em “Grande Demais para Quebrar”, nós conhecemos os bastidores do mundo dos bancos, principais agentes financeiros de um país.

O banqueiro Richard Fuld, em parceria com outros intelectuais, tenta salvar o Lehman Brothers, um famoso banco de investimentos dos Estados Unidos.

Inclusive, a sua queda é, até hoje, um dos marcos de crise do mundo financeiro.

Porém, o interessante nessa indicação, são as conversas de bastidores.

A reunião dos banqueiros com o Congresso americano, que mostra que mesmo os poderosos não são “inquebráveis”.

 

5 – Wall Street: o Dinheiro Nunca Dorme – 2010

O que torna esse filme tão interessante, é justamente o caminho contrário ao qual estamos habituados.

Por exemplo, quando assistimos a “O Lobo de Wall Street”, acompanhamos a ascensão e queda de Jordan Belfort.

No final, ele responde pelos crimes de fraude que cometeu e se torna um “guru” dos investimentos.

Já em “Wall Street: o Dinheiro Nunca Dorme”, nós iniciamos a partir desse exato ponto: Gordon Gekko está saindo da prisão, onde cumpriu pena por fraude financeira.

É claro que ele é impedido de operar no mercado financeiro, mas isso não o impede de usar o seu conhecimento e sua experiência para trabalhar de modo “paralelo”. Afinal, ele é um dos corretores mais famosos que já existiu.

Em uma de suas palestras, ele é abordado por um jovem corretor que precisa saber como se aproximar de um investidor arriscado.

Consequentemente, acompanhamos as “aulas” que Gekko dá ao jovem corretor.

 

6 – Fome de Poder – 2016

Não poderíamos deixar de fora o filme que trata sobre a criação – e ascensão – de uma das maiores gigantes do mundo: o Mc Donald’s. Afinal, esse é um verdadeiro caso de sucesso.

Inclusive, esse é o nosso representante dos filmes biográficos que mostram a genialidade dos grandes fundadores.

Em “Fome de Poder” é retratada a diferença básica entre o produtor e o empreendedor.

Ray Kroc, um vendedor, adquire participação no restaurante dos irmãos McDonald.

Com um excelente tino comercial e um faro aguçado para finanças, ele transforma a lanchonete em uma das maiores redes de fast food do mundo.

Paralelo à isso, também vemos como o mundo dos negócios pode ser agressivo. Afinal, Kroc elimina os fundadores do restaurante e assume, sozinho, a fama do McDonald’s.

 

7 – Quants: Os Alquimistas de Wall Street – 2010

Apesar de ser um documentário específico sobre Wall Street, essa é mais uma indicação que não está focada nos corretores.

Em “Quants”, as estrelas principais são aquelas que estão, literalmente, nos bastidores.

O documentário mostra como atuam os quantative analysts, que são responsáveis por identificar riscos em setores do mercado financeiro, além de definir valores.

Isso tudo a partir de análises matemáticas e estatísticas.

No entanto, apesar de muitas corretoras utilizarem os quants, o documentário levanta a hipótese se a sua atuação não é questionável.

Afinal, o mercado financeiro é composto por muito mais do que apenas números.

Ele se alimenta de perfis investidores, personalidades e, até mesmo, alterações de humor.

Porém, “Quants” é uma excelente proposta para compreender como gira o mercado de ações. Principalmente, aqueles trabalhos que ficam escondidos nas saletas.

 

 

Filmes sobre o mercado financeiro

O que achou das nossas dicas? Já conhecia algum desses filmes? São excelentes opções para você aprender e se inspirar.

Ficou com vontade de investir e garantir o mesmo padrão de vida desses corretores? Afinal, quem não quer enriquecer, não é?

Pois então não perca tempo!

Você está no melhor momento para investir. A bolsa está no começo de um super-ciclo de valorização e que pode multiplicar seu capital em mais de 15x: Veja em nossa palestra os 7 sinais de que a bolsa vai explodir.