IFIX: montanha russa ou carrossel?

montanha russa ou carrossel

Caro leitor,

A volatilidade é o quanto os preços sobem e descem em um determinado período.

Um investimento de alta volatilidade é como a montanha russa do parquinho.

Um de baixa volatilidade já é mais como o carrossel.

Na montanha russa, você vai experimentar subidas fortes, seguidas de quedas bruscas, curvas inesperadas. Vai sentir medo, excitação, euforia e pavor.

No carrossel, você vai experimentar um sobe e desce suave, sem grandes surpresas nem emoções. Vai ficar tranquilo durante seu passeio.

Ações são a montanha russa do mercado.

Fundos Imobiliários são o carrossel.

Antes de pensar que o carrossel pode ser chato, lembre que estamos falando de investimentos.

Durante o passeio neles, você vai precisar tomar decisões racionais e importantes.

Elas vão determinar o seu sucesso nos investimentos ou o seu fracasso.

​Como seria o seu raciocínio durante uma volta na montanha russa?

Você conseguiria pensar direito no meio do looping ou durante aquela primeira queda íngreme, onde parece que você vai se espatifar no chão?

Não é mais fácil raciocinar sentadinho num elefantinho azul de carrossel?

Você vai conseguir pensar com calma e estará mais centrado, pois seu cérebro não está desesperado achando que vai morrer.

​Veja a volatilidade nos FIIs e nas ações, durante os dias mais tensos de 2020 até então no gráfico abaixo, onde na coluna vermelha temos as variações do Ibovespa nos últimos dias e, na azul, dos Fundos Imobiliários.

Volatilidade: Ibov vs Ifix

Os dados do dia 13 representam a variação parcial do dia, no momento em que escrevia a newsletter.

Quando você ouve que a volatilidade dos FIIs é bem menor, é disso que estamos falando.

Seu resultado nos investimentos será tão bom quanto suas decisões são.

Tomar decisões embriagado por emoções e no meio da tormenta diminui suas chances de acerto.

Se ajude.

Coloque as probabilidades a seu favor.

Opte por investimentos menos voláteis na sua carteira, especialmente se estiver começando em renda variável.

E mais: em momentos de estresse, como na semana de quatro circuit breakers, não mexa na sua carteira.

A não ser que você saiba muito bem o que está fazendo.

Por fim, considere ter uma participação relevante de Fundos Imobiliários em sua carteira.

Isso vai te fazer bem, vai te fazer tomar melhores decisões, te tornar mais confiante e ainda vai te gerar uma renda passiva mensal.

Tem coisa melhor?

No Canal Aluguel Inteligente eu recomendo FIIs que podem facilitarsão geridos por profissionais de primeira linha​.

Abraço.

Marcelo Fayh atua profissionalmente no mercado financeiro desde 2007. Começou como operador de Bolsa, ministrou cursos e palestras pela XP Educação e teve seu próprio escritório de investimentos. Antes de virar analista, atuou como assessor de operações de Fusões e Aquisições. Acredita que qualquer pessoa é capaz de melhorar sua qualidade de vida através de escolhas e investimentos inteligentes. Escreve para o TheCap na coluna Fundos a Fundos.

PETR4: foi pelo ralo tudo o que falei bem dela?

queda da petrobras

Caro leitor,

Sabe o que sobe num dia em que tudo cai na bolsa?

O dividend yield das suas ações boas pagadoras de dividendos.

Ontem foi um dia histórico para muitos investidores.

Teve muita gente entrando no mercado desde 2018 até agora.

Toda essa turma ainda não tinha visto uma queda grande e com certeza não tinham visto um circuit breaker tão de perto.

O que teve de gente desesperada ligando, mandando mensagem e querendo entender o que aconteceu não foi mole.

Rapidinho aqui: o mundo está apavorado com o coronavírus, isso já nem é novidade.

Novidade ficou a cargo da briga na OPEP+ (Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados) que a grosso modo é um cartel que controla a oferta de petróleo no mundo.

Funciona assim: eles sentam numa sala, combinam o quanto cada um vai produzir de petróleo, cumprem o combinado e o preço do óleo fica num patamar confortável para eles.

Acontece que essa turma aí brigou.

Jogaram o combinado para o ar e agora cada um vende o quanto quer da commodity, gerando uma oferta enorme que derrubou seu preço drasticamente.

Foi isso que aconteceu na segunda-feira.

No Brasil, a Petrobras puxou a queda das ações.

Lembra que falamos bem dela a duas semanas atrás? O que foi dito lá continua de pé.

Só que hoje precisamos adicionar esse fato acima ao cenário.

Meu palpite é que esse desentendimento do cartel não dura muito tempo.

Custa tão caro ficar brigando para todo mundo que logo eles vão se entender.

Mas vamos voltar ao assunto do início.

O Dividend Yield é o quanto a empresa paga de dividendos, dividido pelo seu preço atual.

Se o preço atual cai, o yield sobe. Matemática pura.

O legal disso é quando o preço das ações caem muito e os lucros das empresas não caem.

A Petrobrás vai ter seu lucro afetado com certeza, o quanto vai ser afetado dependerá da duração desse impasse na OPEP+.

Pode ser pouco ou muito, ainda não dá para saber.

Mas existem várias outras empresas caindo muito hoje que não terão seus lucros afetados e outras que até podem se beneficiar com esse preço mais baixo do petróleo.

Isso gera uma oportunidade gigante de “comprar renda” de dividendos por um preço muito mais em conta.

Os Yields da minha Seleção de Dividendos estão mais altos do que nunca, e os lucros das empresas não devem sofrer grandes alterações.

Essa renda nunca esteve tão barata!

Abraço.

Marcelo Fayh atua profissionalmente no mercado financeiro desde 2007. Começou como operador de Bolsa, ministrou cursos e palestras pela XP Educação e teve seu próprio escritório de investimentos. Antes de virar analista, atuou como assessor de operações de Fusões e Aquisições. Acredita que qualquer pessoa é capaz de melhorar sua qualidade de vida através de escolhas e investimentos inteligentes. Escreve para o TheCap na coluna Fundos a Fundos.

Pare de pensar só em você quando investe em FIIs

Taxa de administração justa

Caro leitor,

No mundo dos negócios existem dois tipos de pessoas.

As que numa negociação estão mais preocupadas com o benefício próprio do que com qualquer outra coisa.

E as que estão mais preocupadas com o benefício do outro do que com seu próprio.

O segundo tipo é o mais difícil de lidar e o mais chato.

Também são as que fazem os piores negócios.

O motivo é simples, elas estão preocupadas com a coisa errada.

Mais com o outro do que consigo mesmo.

São burros competitivos.

Normalmente elas acabam fazendo um negócio meia boca para si e ruim para o outro.

Ou são enganadas, achando que estão levando uma enorme vantagem enquanto o outro lado mente que está se dando mal.

Já lidei muito com os dois tipos.

Hoje vejo muitos investidores de FIIs pendendo para o lado errado nessa balança.

Muitos se preocupam com a taxa de administração e performance do fundo.

​Recebo perguntas recorrentes no sentido de a taxa de um determinado fundo ser “justa” ou não.

Minha resposta é sempre a mesma: foque no seu resultado, não no da administradora ou gestora.

O fundo está gerando a renda que satisfaz você?

Se sim, então tudo certo. Se não, então não invista no fundo.

Simples assim.

Não fique quebrando a cabeça tentando descobrir se é culpa da taxa de administração ou de outras mil variáveis possíveis.

O trabalho do gestor não é fácil.

Não é óbvio.

Exige gente experiente, qualificada e ultra especializada.

Isso nunca vai ser barato.

Por isso eu já falei, só recomendo FIIs com equipes de gestão de primeira linha​, gente que dá o sangue pelo fundo.

Imagine que você é gestor e quer iniciar um FII.

Primeira coisa, você vai ter que conseguir negociar a compra de um ou vários imóveis com alguns vendedores.

Parece fácil né?

Agora imagine que você vai fazer isso sem ter o dinheiro ainda.

Vai ter que convencer o vendedor a te dar o direito de compra por um tempo a um preço de baixo a razoável.

Convença ele, que com esses negócios alinhavados, você vai tentar captar estes recursos na bolsa de valores.

Lembre que se o negócio estiver saindo a um preço barato, vai ser muito difícil que não tenha mais compradores disputando este imóvel.

Você precisa ganhar essa disputa sem ter o dinheiro.

Já complicou um pouco né?

Bom, agora vá até o mercado e convença muitos (milhares) de investidores a te darem este dinheiro acreditando que estes negócios que você alinhavou são realmente bons.

Você tem pouco tempo para isso, afinal aquele direito de compra não é para sempre.

Vença a desconfiança natural dos investidores com novos negócios.

Torça para, nesse meio tempo, para não aparecer nenhum Coronavirus no meio do caminho, nem o Trump tuitar qualquer coisa maluca.

O mercado é arisco. Ele fecha as torneiras de um dia para o outro.

Para isso você contratou um monte de assessorias legais, financeiras e um coordenador para liderar sua tentativa de captação de recursos.

Esses caras custam muito, mas muito dinheiro. Se der errado, o risco é todo seu.

Se finalmente der certo, então o fundo está de pé e com dinheiro captado.

Finalmente você começa a receber a sua taxa de administração.

Daí vem um investidor e diz: “ai, meu Deus do Céu… eu acho alta essa taxa, tinha que ser mais baixa”.

Você vai ter vontade de mandar esse cara longe…

O trabalho do gestor e administrador destes fundos não é moleza.

Deixe o cidadão ser bem remunerado.

Ele é inteligente.

Ele sabe que se o que estiver “matando” a rentabilidade dele for a sua própria remuneração, ele vai matar a galinha dos ovos dele.

Esse cara vai ajustar isso rapidinho.

Você? Foque no seu resultado.

Se for bom, então ótimo.

Seja cotista deste fundo e receba seus rendimentos todo mês.

Se não for, nem importa o quanto o gestor recebe.

Você não estará lá para ver e nem vai sair do seu.

Abraço.

Marcelo Fayh atua profissionalmente no mercado financeiro desde 2007. Começou como operador de Bolsa, ministrou cursos e palestras pela XP Educação e teve seu próprio escritório de investimentos. Antes de virar analista, atuou como assessor de operações de Fusões e Aquisições. Acredita que qualquer pessoa é capaz de melhorar sua qualidade de vida através de escolhas e investimentos inteligentes. Escreve para o TheCap na coluna Fundos a Fundos.