Investimentos: Como administrar melhor o seu dinheiro – Mauro Halfeld

Você pode ganhar ainda mais dinheiro com investimentos se ler esse livro! “Investimentos: Como administrar melhor o seu dinheiro” de Mauro Halfeld é um dos meus livros favoritos de finanças. Você deve concordar comigo que ganhar dinheiro é muito difícil. Às vezes, até quem ganha muito dinheiro tem dificuldade de administrar. Mauro Halfeld, em seu livro, mostra a importância de termos um orçamento doméstico organizado, para que possamos nos planejar e realizar investimentos inteligentes. Você tem planejado o seu orçamento e os seus investimentos? Eu te convido para algumas reflexões importantes que estão no livro!

Você consegue poupar?

Poupar é, de maneira geral, um sacrifício de consumo em certo período, para um consumo maior no futuro. É essencial poupar com responsabilidade para garantir que objetivos financeiros sejam cumpridos. Para isso, o indivíduo deve ter em mente as diferenças entre os conceitos de “necessidade” e “desejo”. Via de regra, as pessoas normalmente não “precisam” ou “necessitam” comprar um carro novo ou fazer uma viagem de férias. Esses objetos de consumo estão mais relacionados ao “desejo”. É preciso, portanto, balancear o consumo e, em caso de necessidade de poupança, focar mais em gastos relacionados às necessidades, evitando consumos voltados a satisfação dos desejos.

Por que tantas pessoas perdem na Bolsa?

Investimentos Perder Dinheiro na Bolsa

Muitas pessoas acreditam que investir na Bolsa garante um retorno fácil a curto prazo. Esse é o maior engano de pessoas que perdem dinheiro nas Bolsas. O essencial ao lidar com estas modalidades é ter cautela e preferir os investimentos à longo prazo. Além disso, um erro recorrente é o famoso “comprar na alta e vender na baixa” no curto prazo. É um erro de principiantes que faz com que muitas pessoas percam dinheiro todos os dias.

Quando você pode se aposentar?

Investimentos Aposentadoria Tranquila Levando em consideração que as pessoas vivem muito mais hoje do que viviam há 50 anos, o desafio de manter-se em condições financeiras para se manter durante a velhice tornou-se ainda mais complicado. Para assegurar uma aposentadoria de qualidade, é necessário poupar e investir com sabedoria durante a juventude. Busque as opções de investimentos com retornos mais atrativos, equilibrando rendimento e risco. Poupe o máximo possível, sem prejudicar a sua qualidade de vida durante a juventude, que também, é claro, é muito importante. Quanto antes você se preocupar com a aposentadoria, melhor ela será em termos financeiros.

A mágica dos cálculos financeiros

Investimentos Cálculos Financeiros Simples

Um bom investidor tem noções básicas sobre Matemática Financeira. Nada muito complexo: apenas conceitos essenciais que serão utilizados durante toda a sua vida e irão lhe auxiliar durante projetos de investimentos. O conceito de juros, por exemplo, precisa ser compreendido para fazer máximo proveito do que o mercado financeiro. Estude e compreenda para garantir bons investimentos no futuro.

Para onde está indo seu dinheiro?

Para responder esta pergunta, é necessário fazer uma análise de seus investimentos e gastos. Por isso, planeje o seu orçamento doméstico ou do seu negócio. Se você ainda não estiver conseguindo poupar, pague-se primeiro. Quando receber seu salário, invista 5% dele.

Bons investimentos: Perdendo o medo de investir em ações

Investimentos Como Ganhar Dinheiro na Bolsa sem medo

Para perder o medo de investir em ações, é necessário conhecer alguns poucos e simples conceitos. Quem deseja investir em ações, deve ter em mente que crise gera oportunidades. Os negócios a longo prazo são mais seguros. O mercado de ações não é um cassino, como as pessoas mais temerosas acreditam. É necessário, apenas, que os negócios sejam feitos com um bom planejamento.

Como chegar à Liberdade Financeira

Investimentos Liberdade Financeira GuiaInvest

Começar a se planejar cedo é muito importante, mas nunca é tarde para começar. Se você quer se aposentar tranquilamente sem depender de terceiros, eu tenho um material especial para você.

Eu criei uma VIDEOAULA para ensinar qualquer pessoa a investir na bolsa e ganhar dinheiro com dividendos, podendo ganhar de 1 a 5 mil reais por mês em dividendos, mesmo que você tenha somente 100 reais para começar. 

Lembrando que esse conteúdo é 100% gratuito!  Já imaginou se aposentar antecipadamente vivendo de dividendos? Inscreva-se Mais de 87 mil pessoas já assistiram essa aula!

Acompanhe a série completa:

[LIVRO 1] Dinheiro e Vida – Joe Dominguez e Vicki Robin

[LIVRO 2] Investimentos: Como administrar melhor o seu dinheiro – Mauro Halfeld

Crédito das imagens: www.shutterstock.com 

Como escolher uma corretora

Dicas importantes que farão você deixar de perder dinheiro!

Querido leitor,

Em primeiro lugar quero agradecer a todos os comentários que recebi em relação ao e-mail passado. O seu retorno nos ajuda a construir conteúdos que auxiliem você a transformar a sua vida financeira para melhor.

Recebi diversas sugestões de assuntos e ao decorrer dos próximos dias usarei elas para montar novos conteúdos para você.

Inclusive se você tiver outras ideias, fique a vontade em responder este e-mail.

Bom, conforme prometido na última terça, hoje irei falar sobre algo que é essencial para você começar a investir por conta própria: abrir conta em uma corretora.

É natural que você tenha dúvidas já que são mais de 80 nomes cadastrados dentro da BM&F Bovespa.

E existem alguns critérios que você deve avaliar no momento de decidir onde você irá abrir conta.

Vamos lá…

O mais importante de tudo são as taxas.

Pense comigo… você está dando os primeiros passos, começando… Se antes mesmo de comprar uma ação você já tiver que arcar com uma série de custos, a sua vontade de seguir adiante possivelmente diminuirá.

Por isso fique atento a dois tipos de taxas.

Taxa de Custódia:

A taxa de custódia funciona como se fosse a mensalidade de uma corretora. Ela pode variar de 0 a 40 reais.

O ideal é que você não precise pagar por ela. Porque isso significaria uma economia a mais. Por isso, minha sugestão é que você procure por corretoras que não cobrem taxa de custódia.
Taxa de Corretagem

Fora isso temos a taxa de corretagem. Que é algo extremamente normal. Praticamente todas as corretoras cobram um valor pelas operações de compra e venda de ações.

Essa taxa pode custar até 20 reais.

Dentro do mercado existe a opção de não pagar nada, utilizando a Clear.

Ou você pode optar por um serviço diferenciado e utilizar a Ável, que é um escritório de Agentes Autônomos ligado ao Grupo XP que cobra uma taxa de corretagem de 18,50 reais, mas fornece um atendimento digital personalizado.

Eu possuo conta nas duas.

Por isso, minha sugestão é que antes de abrir sua conta, você se pergunte:

Farei tudo sozinho ou preciso de alguma orientação?

Continuando…

Outro ponto importante de levar em consideração é a estabilidade do home broker.

Home broker, caso você não saiba, é o sistema de compra e venda que você utilizará dentro da corretora.

É importante que ele seja estável para não deixar você na mão.

Para saber isso previamente é bom que você converse com quem já utiliza determinada corretora.

Você pode discutir sobre isso dentro do próprio GuiaInvest e conhecer a opinião de investidores mais experientes.

Por fim, outro fator interessante para avaliar antes de decidir abrir conta em uma corretora é: o bom atendimento.

Ao meu ver, um bom atendimento faz toda a diferença mesmo que em alguns momentos isso signifique pagar um pouco a mais por ele.

Digo isso porque acredito que um atendimento ruim pode causar danos irreversíveis na sua trajetória de investidor.

A falta de orientação adequada neste período inicial pode acabar afastando você do mercado de ações. E isso seria um prejuízo imensurável. Já que você estaria abrindo mão de investir o seu dinheiro em uma modalidade de investimento com alto potencial de aumentar o seu patrimônio de forma significativa.

Bom, recapitulando.

Para escolher uma boa corretora você deve comparar 3 pontos essenciais.

Taxas + Estabilidade do Home Broker + Qualidade do Atendimento.

Neste e-mail sugiro a Clear para quem deseja comprar ativos de forma direta, sem intermediários, e a XP porque possui uma variedade grande de produtos financeiros.

Mas obviamente quem sabe o que é melhor para você, sempre será você mesmo.

E aí, o que você achou deste e-mail?

Se você quiser compartilhar comigo a corretora que você escolheu, irei adorar. Basta responder este e-mail.

Bom, por hoje era isso.

Um abraço

Por onde começar…

Querido leitor,

Hoje será o primeiro e-mail de uma série de encontros que teremos todas as segundas-feiras.

Nesta editoria irei compartilhar com você experiências e descobertas dentro do mundo dos investimentos.

Neste canal pretendo dar uma série de dicas que ajudem no seu dia a dia como investidor independente.

Inclusive, sinta-se à vontade para sugerir temas e assuntos que você queira que eu explique por aqui.

Tenho a sorte de estar cercada de profissionais do meio que entendem muito sobre investimentos.

Eu literalmente sento ao lado do André Fogaça e de frente para o Eduardo Voglino.

Então, posso ir atrás de explicações e orientações de qualidade para compartilhar com você que me acompanha nesses primeiros passos.

Bom, agora que já expliquei o tipo de conteúdo que você encontrará por aqui, vamos começar!

Acredito que o assunto mais apropriado para abordar neste e-mail de estreia seja:

Por que devo desconfiar dos bancos?

Em primeiro lugar, é importante que você saiba que bancos são instituições que lucram bilhões por ano independente da situação da economia.

Veja duas manchetes publicadas há pouco tempo atrás que comprovam o que estou dizendo.

Revista Exame:

Portal InfoMoney:

E você sabe qual o principal fator influenciador para este resultado?

O crédito, principalmente para pessoa física.

Não se conforme em ter que pagar juros para os bancos. Se para comprar algo você precisa pagar juros, você não deve comprar naquele momento.

Além do mais, sabe aquela tarifa que parece não representar nada?

“Ahh, é só 15 reais por mês”

Pois é… doce ilusão. Tá aí outra fonte gigante de lucro dessas instituições.

Para você ter ideia, em 2017, a InfoMoney fez um levantamento que mostrou que os 5 maiores bancos do país tiveram juntos uma receita de mais de 27 bilhões apenas com as tarifas de conta corrente.

Você não precisa ajudar a engordar essa conta. O dinheiro que você ganha depois de tanto trabalho não merece ser entregue de bandeja em forma de pequenos descontos periódicos presentes no seu extrato bancário.

Hoje existe uma série de alternativas de bancos digitais com CUSTO ZERO que permitem que você fique livre de qualquer tipo de tarifa. Independente da sua renda mensal.

Eu por exemplo utilizo o Banco Inter para conta corrente e o NuBank para cartão de crédito.

Com o Banco Inter eu faço TEDs, pagamentos, transferências e o que eu quiser sem pagar taxa alguma.

Confesso que hoje eu mal preciso sacar dinheiro, já que independente do valor, eu posso transferir para a conta da pessoa sem custo algum. Muito mais prático, não?

No caso do NuBank eu utilizo o cartão de crédito. Sem anuidade, sem letra miúda, sem nada. E com toda a praticidade de um aplicativo que compila seus gastos, possibilitando inclusive que você se torne mais organizado financeiramente quase de forma automática.

Se você já acompanha nossos conteúdos deve ter escutado inúmeras vezes que confiar no seu gerente do banco não é uma boa ideia.

Na realidade, o problema não é que você não possa confiar no seu gerente do banco. Você deve ser uma pessoa com olhar crítico em relação à tudo o que envolve o seu dinheiro. Aliás, seja uma pessoa com olhar crítico na vida. Averiguar informações nunca será algo negativo.

No caso do seu gerente, o que acontece é um caso clássico de conflito de interesse.

Na maioria das vezes ele precisa bater metas e trazer dinheiro para dentro do banco. Afinal de contas, ele é um funcionário daquela instituição. E ele precisa contribuir para o lucro daquela empresa para que consequentemente ele consiga ser melhor remunerado.

Serei sincera com você.

Confesso que demorei para migrar para bancos digitais porque meu ex-gerente era uma pessoa ótima. Sempre me ajudava, era sincero e sempre procurava junto comigo formas de eu fugir de qualquer taxa.

Me parecia uma relação muito honesta. Afinal de contas, eu realmente não pagava tarifa nenhuma.

Sabe o que aconteceu?

Ele pediu demissão (lamentei por isso, mas entendi o motivo). Mesmo sendo funcionário de um banco público, o que proporcionava uma boa estabilidade financeira, ele preferiu abrir mão desta segurança a continuar dentro de um sistema que não condizia com os valores que ele possuía.

Agora, tenho uma proposta.

Como exercício para o próximo e-mail gostaria que você somasse quanto você pagou de tarifa bancária no último ano. Caso este valor seja maior que zero, sugiro que você migre para uma conta 100% digital.

No próximo e-mail vamos falar sobre corretoras, por isso será importante você já ter a disponibilidade de fazer TEDs sem pagar por isso. Porque dentro do universo das corretoras você também pode fugir das tarifas.

Enfim, mas isso será conversa para o nosso próximo encontro.

Bom, por hoje era isso.

Caso você queira mandar alguma sugestão de conteúdo para eu abordar por aqui, será muito bem-vindo.

Espero que as informações compartilhadas tenham sido úteis.

Até a próxima segunda.

Um abraço,

P.S:

O GuiaInvest está prestes a lançar algo inédito. Utilizando as palavras do André, este será o maior legado do GI. E para que isso aconteça, precisamos conhecer um pouco mais sobre você que nos acompanha.

Caso você seja uma pessoa que ainda não investe em ações e possui apenas dinheiro no banco, te convido a responder esta pequena pesquisa.

É bem rápida e simples! 🙂 E com a sua ajuda iremos construir algo inédito e com o poder de transformar a sua vida financeira de forma extremamente positiva.

É melhor abrir um negócio ou comprar ações?

Abrir um negócio próprio é o sonho de muitos empregados. As razões são quase sempre as mesmas: falta de perspectiva, jornada de trabalho longa, busca por maior estabilidade financeira. Mas será que ter sua própria empresa é mesmo um bom negócio?

A busca por uma fonte de Renda Extra é uma grande preocupação por parte dos brasileiros, principalmente nos tempos de crise. Quem é que não quer uma maior segurança e estabilidade financeira, não é mesmo?

O mercado está repleto de oportunidades para ganhar dinheiro. Seja se tornando um empreendedor, quanto investindo em produtos financeiros.

Se você tem uma boa ideia, um bom planejamento, pesquisa de mercado, capital e principalmente, muita disposição, abrir um negócio próprio pode gerar um retorno muitas vezes maior que diversas aplicações por aí.

Porém, existe um outro caminho para se tornar sócio de uma empresa e obter bons ganhos: investir em ações.

O que será melhor, investir na Bolsa de Valores ou no negócio próprio?

Abrir um negócio próprio

Ser o seu próprio chefe, ter autonomia para tomada de decisão, poder contar com a possibilidade de uma escala de trabalho mais flexível, fazer algo que gosta. Essas são algumas das vantagens de ter sua própria empresa.

Existem diversos exemplos de pessoas que encontraram seu diferencial, investiram nele e se deram muito bem, fazendo seu dinheiro render mais que muitas aplicações financeiras existentes no mercado.

Porém, ser dono do próprio negócio não é fácil e possuem riscos. Apesar de não prestar contas para o chefe, todo empreendedor deve prestar conta para o consumidor. Esse sim é o mais exigente dos chefes.

Engana-se quem pensa que é abrir um negócio é sinônimo de ficar rico rapidamente. Administrar um negócio próprio não é moleza. Exige tempo e dedicação normalmente superior à do assalariado. E muitas vezes significa sacrificar finais de semana, feriados e férias.

Empreender também demanda disposição ao risco. Lírio Parisotto, inclusive, acredita que investir no próprio negócio pode ser até mais arriscado do que investir em ações.

Crise econômica, inflação e desemprego, são problemas que o país tem enfrentado e sobreviver a esses momentos difíceis exige sangue frio, criatividade e muita persistência.

Segundo dados do Sebrae, diversos negócios fecham suas portas nos primeiros dois anos de vida. Mas, se abrir um negócio irá lhe trazer realização pessoal, primeiro faça um levantamento da demanda, dos gastos e do risco que isso implica. Após entender tudo isso, se esse é realmente seu desejo, faça acontecer.

Agora, imagina ser sócio de empresas consolidadas, ter os melhores profissionais do país trabalhando para você, fazer parte dos maiores projetos e receber por sua participação.

Essas são algumas vantagens de ter ações…

Comprar ações

Ao investir em ações, você se torna sócio de grandes empresas e passa a receber conforme a sua participação.

Ao contrário de abrir um negócio, que precisa de muito dinheiro e tempo de dedicação, investir é muito mais simples. Você não tem a obrigação de atuar na administração, você somente ajuda com o seu capital e recebe seus dividendos ou lucros anuais.

Controlar suas ações exige pouco do seu dia a dia. Graças à tecnologia, é possível comprar e vender ações de onde estiver, através do Home Broker.

Comprando ações você também pode diversificar seus investimentos. Assim, em uma época de crise, seu dinheiro estará mais seguro do que quando se tem um negócio próprio com foco em apenas um tipo de serviço ou material.

Abrir um negócio ou investir em ações?

Negócio Próprio Comprar ações
Maior risco de perder tudo Mais segurança por conta das diversificações
Retorno pode ser inferior ao esperado É possível alcançar bons retornos com conhecimento e uma boa estratégia de investimento
Exige dedicação em tempo integral Não requer muito tempo
Pouco tempo para o lazer Mais qualidade de vida
Mais difícil de vender Negociadas com mais facilidade

Há vantagens e desvantagens para cada uma das escolhas, sendo possível ganhar dinheiro com ambas. Tudo vai depender do seu perfil como investidor, de conhecer o mercado e a si mesmo e muita dedicação.

Você pode inclusive fazer os dois! Parte dos homens mais ricos do mundo ficaram ricos através do próprio negócio e depois migraram para o mercado de ações e multiplicaram o dinheiro.

Se você não possui muito capital, não se preocupe, pois é possível ingressar no mercado acionário e diversificar sua carteira mesmo tendo pouco dinheiro.

Comece sua jornada rumo à Liberdade Financeira, veja quais são as 3 Ações Para Comprar Agora!

O que é o Ibovespa?

Qual o desempenho do Ibovespa hoje? O principal indicador da Bolsa de Valores do país ajuda o investidor a saber como está sua carteira de ações. Se está melhor, pior ou com desempenho similar ao do índice.

Na Bolsa de Valores, os investidores podem negociar ações de aproximadamente 500 empresas de capital aberto diferentes. Em um mercado tão grande, é necessário ter um indicador que represente de forma fiel e eficiente o comportamento médio do mercado de ações.

Por ser um termômetro da Bolsa, entender a dinâmica do Ibovespa e acompanhá-lo com frequência, se torna um aliado para alcançar a Liberdade Financeira.

O Ibovespa hoje é calculado em tempo real, levando em conta todas as negociações realizadas no mercado.

O Que é o Ibovespa?

Ibovespa significa Índice da Bolsa de Valores de São Paulo. Ele é o principal índice do mercado de ações brasileiro.

De forma geral, o Ibovespa (IBOV) é uma carteira teórica de ações, composta pelos ativos mais representativos e negociados da Bolsa de Valores brasileira.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o IBOV não inclui todas as ações negociadas, nem as melhores empresas. Mas sim, os ativos que movimentam os maiores volumes de negociação da bolsa, nos últimos doze meses. Algo em torno de 80% do total diário de negociações.

Certamente, isso inclui as chamadas Blue Chips, como Petrobras (PETR4), Vale (VALE3) e Ambev (ABEV3).

Para manter a representatividade do mercado, a cada quatro meses a composição dessa carteira teórica é reavaliada. Assim, sua composição tende a variar ao longo do tempo.

Como o índice Ibovespa é calculado?

Você já deve ter ouvido algo do tipo: “Ibovespa subiu tantos pontos”, “caiu tantos pontos”.  Essa pontuação foi desenvolvida justamente para acompanhar o desempenho médio das principais ações negociadas na B3.

Os pontos do IBOV são calculados com base na cotação de cada ação que integra o índice, multiplicado pela quantidade dos ativos que compõem a carteira.

Cada ponto vale 1 real. Sendo assim, se a pontuação estiver a 500 mil pontos, o valor do portfólio com as ações mais líquidas da bolsa de valores brasileira vale R$ 500 mil.

É importante ressaltar que o peso de cada ação na pontuação do índice Ibovespa pode variar de acordo com o volume de ativos presente na composição da carteira.

Sendo assim, quando o índice sobe ou desce, não significa que, necessariamente, todas as ações que compõem a carteira seguiram o mesmo padrão, uma vez que ativos com peso maior ajudam a puxar o índice. O Ibovespa representa a média das ações que o compõem.

Mesmo assim, o índice Bovespa funciona muito bem como um termômetro do mercado acionário do Brasil.

Ibovespa Hoje: Relatórios Diários sobre o Índice Bovespa (IBOV)

Se o Ibovespa caiu, assumimos que o desempenho médio das ações que compõem o índice, também caiu. Se o índice subiu, a média dos papéis se valorizaram.

Entender essa dinâmica é muito importante para sentir a economia do país e usar como referência para seus rendimentos na Bolsa.

Ibovespa hoje: como acompanhar

O índice Bovespa é calculado em tempo real, considerando os preços das negociações efetuadas no mercado à vista das ações que compõem sua carteira.

A cotação do Ibovespa é divulgada pela B3 e, uma das formas de acompanhar, é on line no próprio site da BM&FBovespa.

Porém, devido a intensa oscilação do mercado, isso pode ser de difícil entendimento para o investidor iniciante. Então que tal receber os relatórios diários do mercado gratuitamente no seu e-mail?

Esteja informado sobre tudo o que aconteceu no mercado de ações dedicando apenas 1 minuto do seu dia.

Clique aqui e se cadastre gratuitamente!

Bancos Digitais valem a pena? Veja suas Vantagens e Desvantagens

Os bancos digitais são uma ameaça aos bancos tradicionais. Taxas menores, menos burocracia, mais praticidade. Bem-vindo à democratização do acesso ao sistema financeiro.

O formato bancário vem de constantes mudanças ao longo do tempo. Porém, talvez a mais significativa delas foi o surgimento dos Bancos Digitais.

Se antes a competição entre os bancos era para ter mais agências bancárias pelo país e atrair mais clientes, agora o desafio é mantê-los.

Os bancos tradicionais estão entre as maiores e mais lucrativas empresas do Brasil. Os 5 maiores bancos brasileiros lucram bilhões de reais em seus fechamentos trimestrais.

Mesmo com toda sua grandeza, é difícil achar alguém que se sinta completamente satisfeito com seu banco. As reclamações são as mesmas: filas, altas taxas, cobranças indevidas, funcionários ligando toda hora oferecendo serviços e produtos, etc.

Mas com toda essa insatisfação dos clientes, como os bancos tradicionais conseguem lucrar tanto? Por conta dos juros altíssimos!

As taxas são, sem dúvida, uma das maiores fontes de recursos financeiros dos bancos e incidem sobre os mais variados tipos de operações financeiras.

Nos investimentos realizados através do banco, por exemplo, a instituição chega a obter um lucro 300% maior do que o do próprio investidor.

Isso sem falar da taxa média de juros dos cartões de crédito que chega a quase 500% ao ano!

A proposta dos bancos digitais é de resolver problemas que os clientes encontram nas instituições tradicionais. Tais como tarifas elevadas, falta de transparência, conflito de interesses, entre outros.

Por esses e por outros motivos, os bancos digitais estão em ascensão. O número de pessoas que trocaram os bancos tracionais pelos digitais cresce à medida que estes diversificam a oferta de serviços.

Vantagens dos bancos digitais

A maioria das contas digitais já oferecem uma variedade de serviços que permitem substituir as contas bancárias tradicionais.

Ter uma conta sem taxa de manutenção, um cartão de crédito internacional sem anuidade, realizar transações bancárias sem tarifas, efetuar pagamentos e até mesmo solicitar um empréstimo online.

Da abertura da conta ao esclarecimento de dúvidas, tudo pode ser resolvido por meio dos canais digitais. Sem fila, sem burocracia e sem sair de casa. Tudo pode ser feito de onde você estiver, na sua agência particular, seu smartphone.

Bancos Digitais valem a pena?

Vantagens dos bancos digitais

– Menos burocracia: é o fim dos papéis, dos financiadores, da complicação. Seja para abertura de contas, empréstimos, investimentos, solicitação de cartão de crédito, aumento de limite. É possível fazer tudo de forma rápida e sem burocracia através do uso da tecnologia.

– Atendimento ágil: com os bancos digitais, o cliente tem o total controle da sua conta e das suas finanças. Dessa forma, resolve tudo facilmente por meio do aplicativo. Tem dúvidas? O modelo de atendimento é simplificado, e as principais questões são respondidas nos canais digitais.

– Praticidade: se descolar até a agencia bancária, enfrentar filas, estar preso ao horário bancário, isso não existe mais. Com as contas digitais é possível economizar tempo e resolver tudo online de onde estiver.

– Custos menores: talvez o maior atrativo dos bancos digitais seja os custos menores e até a ausência de taxas, tarifas e anuidades em alguns casos. Como não existe uma estrutura física e milhões de funcionários, os bancos digitais conseguem reduzir as taxas e oferecer opções mais atrativas.

Fuja dos investimentos nos bancos tradicionais

Se você tem conta em algum dos grandes bancos tradicionais, com certeza já te ofereceram algum produto ou serviço. Seja previdência privada, títulos de capitalização, consórcios, seguros. Enfim, são os Piores Investimentos Que Os Bancos Indicam Para Você.

Isso acontece porque cada banco tem suas metas internas a serem batidas. Desse modo, oferecem aplicações que favorecem a própria instituição.

A instituição sempre vai tentar segura o investidor para que ele invista o dinheiro no próprio banco, para então este lucrar ainda mais.

Bancos Digitais: ótimas ferramentas para um investidor

Os bancos digitais estão facilitando para que o brasileiro possa investir. Além de oferecerem opções melhores, esses bancos estão isentos de muitas taxas e tarifas bancárias. Isso inclui as tarifas de transferências.

O primeiro passo para investir em ações é abrir uma conta em uma corretora, pois é esta que faz o intermédio entre o investidor e a Bolsa de Valores.

Porém, sua conta na corretora não é uma conta corrente! Ela serve somente como uma ponte entre seu dinheiro e a compra e venda de ações.

Sendo assim, é necessário possuir também uma conta em um banco e fazer a transferência do dinheiro para a corretora por meio de TED ou DOC.

Bancos tradicionais cobram altas tarifas pelo TED ou DOC, o que acaba desencorajado o investidor a investir fora do seu banco.

Nos bancos digitais é diferente. Geralmente essas transferências não são tarifadas, permitindo que o investidor envie o dinheiro para sua conta na Corretoras de Valores sem nenhum custo.

Já imaginou a economia que terá com a isenção de taxas e tarifas nos bancos digitais?

Para se ter uma ideia, o pacote de serviço básico para manutenção da conta corrente em um banco tradicional gira em torno de R$ 14,90 ao mês. Ao final de um ano, os custos chegam a impressionantes R$ 178,80.

As taxas para transferências por meio de TED e DOC custam em média R$ 8,00 quando feitas por meio do autoatendimento ou internet. Caso faça 5 TEDs/DOCs por mês, vai gastar R$ 480 ao final de um ano.

Somente nesse exemplo, sem contar outros produtos e serviços tarifados, ao abrir uma conta digital, você terá uma economia de R$ 658,80 por ano. Dinheiro este que pode ser investido!

Economize para investir

O caminho rumo à Liberdade Financeira começa organização financeira. Tenha o Controle Total dos seus Gastos para poder investir mais o seu dinheiro.

Baixe a Planilha de Controle de Gastos e comece a poupar para investir!

Tipos de Tesouro Direto: Tesouro Selic, Tesouro Prefixado e Tesouro IPCA+

O Tesouro Direto é um investimento simples, fácil e acessível a qualquer brasileiro. Criado em 2002, pela Secretaria do Tesouro Nacional, tem por objetivo democratizar o acesso aos Títulos Públicos Federais.

Na prática, ao investir no Tesouro Direto, você está emprestando dinheiro para o governo. Que, em troca, fica comprometido a devolver, na data de vencimento, o valor emprestado mais os juros contratados.

Dessa forma, os títulos públicos são uma ferramenta poderosa de captação de recursos para financiar a dívida do país e uma opção mais rentável para aqueles investidores que pregam por segurança.

O programa do Tesouro Direto permite aplicações em diferentes modalidades de papéis que se diferenciam no preço, prazo de vencimento e na forma de cálculo da rentabilidade.

Saiba mais sobre o que é o Tesouro Direto nessa introdução ao Tesouro Direto.

Existe um mito de que é difícil escolher o tipo de título do Tesouro Direto para investir. Mas este vai ser quebrado agora.

Como escolher um Título Público

Tipos de Tesouro Direto: Tesouro Selic, Tesouro Prefixado e Tesouro IPCA+

Uma das formas de escolher um título do Tesouro Direto é pelo prazo do investimento. Ou seja, de acordo com o tempo que você manterá o dinheiro aplicado.

Cada título possui diferentes prazos: curto (até 1 ano), médio (até 5 anos) e longo prazo (até 10 anos ou mais). Caso você resgate antes deste prazo, a rentabilidade do seu investimento pode ser prejudicada.

Depois de definido o prazo, você poderá optar por títulos pré ou pós fixados.

Os títulos prefixados possuem rentabilidade definida no momento da compra. Isso significa que você saberá exatamente o valor que irá receber se mantiver o título até a data de vencimento.

Já os títulos pós fixados têm seu valor corrigido por um indexador, que pode ser a taxa básica de juros (Selic) ou inflação (IPCA).

Assim, a rentabilidade da aplicação depende do desempenho do indexador e da taxa contratada no momento da compra, no caso dos títulos mistos.

Você ainda poderá escolher se deseja receber parte da rentabilidade a cada 6 meses ou somente no vencimento do título.

Tesouro Prefixado

O Tesouro Prefixado é indicado para quem quer saber exatamente qual será seu rendimento ao final do vencimento do título.

Esse tipo de papel NÃO está sujeito às variações da taxa de juros ou qualquer outro indexador da economia.

Sendo assim, os títulos do Tesouro Prefixado não serão afetados pela movimentação do mercado. O rendimento ao final do investimento será o mesmo acordado na compra.

Nos casos em que a Taxa Selic está baixa, como é o caso do cenário atual, esses títulos podem ser uma boa opção. Porém, se os juros aumentam, eles podem render menos que as demais aplicações.

O Tesouro Prefixado deve ser associado a planos de médio prazo.

Essa modalidade oferece ainda a opção do Tesouro Prefixado com Juros Semestrais (antiga NTN-F), investimento mais recomendado para quem ter uma renda extra.

Tesouro Selic

O Tesouro Selic (antiga LFT) é um título pós-fixado e tem o seu rendimento atrelado à taxa de juros básica da economia, a Selic.

Uma análise do cenário é recomendada antes de investir nesse título, uma vez que este sofre variações de rentabilidade até a data do vencimento e/ou resgate.

O lado positivo é que o Tesouro Selic não tem oscilações negativas e pode ser resgatado a qualquer momento sem grandes perdas.

Títulos do Tesouro Selic são recomendados para a formação de reservas de emergência, portanto, estão associados a planos de curto à médio prazo.

Tesouro IPCA+

O Tesouro IPCA+ é um título misto. Uma parte da taxa de rentabilidade é prefixada, a qual o investidor saberá no momento da compra, e a outra acompanha o IPCA. Sendo assim, o ganho real está garantido, pois o rendimento do título sempre estará acima da inflação.

Como, geralmente são títulos com prazo de vencimento mais longo, são recomendados para planos de longo prazo, para planejar a aposentadoria, por exemplo.

O Tesouro IPCA tem um alto potencial de valorização e ajuda a manter o poder de comprar no futuro.

Além do Tesouro IPCA+ (antiga NTN-B Principal), existe também a opção do Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (antiga NTN-B).

Resumindo:

Tesouro Selic: recomendado para curto-médio prazo.

Tesouro prefixado: médio prazo.

Tesouro IPCA+: recomendado para longo prazo.

 

O tesouro direto oferece diferentes opções de títulos. A escolha do melhor dependerá do seu objetivo e do cenário econômico.

Atualmente, será que investir no Tesouro Direto Ainda Vale a Pena? Sim! Veja o porquê aqui.

Se tiver dúvidas para investir, veja Como Investir no Tesouro Direto em 8 Simples Passos.

COE é um Bom Investimento?

Você já ouviu falar em COE? O Certificado de Operações Estruturadas (COE) é um investimento relativamente novo no mercado brasileiro. Desde que seu acesso foi facilitado ao público, em 2016, desperta a curiosidade dos investidores.

Também pudera. O COE promete o alto desempenho da renda variável e com o baixo risco da renda fixa. Além disso, seu capital está protegido contra perdas, seja de maneira parcial ou total.

O Certificado de Operações Estruturadas é montado por meio da emissão de um título com um vencimento, valor mínimo, indexador e a projeção do cenário futuro.

O título é uma versão brasileira das Notas Estruturadas, comum nos Estados Unidos e na Europa. No Brasil, o COE é regulamentado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

O que é COE?

O COE é um título mescla aplicações de renda fixa e variável em uma única operação. Dessa forma, une a simplicidade, diversificação e baixo risco como suas vantagens, porém, conta com uma baixa liquidez.

Ao investir em um COE, você compra um título emitido por bancos. Este, aplica grande parte do seu capital em um título de renda fixa (CDB, LCI, LCA, Tesouro Direto, etc.) e o restante em investimentos de renda variável (Ações, Moedas, Commodities, etc.).

Já pensou em investir no exterior? Comprar ações de empresas como a Amazon, Apple ou Facebook?

Como o COE não fica atrelado apenas à Bolsa de Valores brasileira, é possível buscar investimentos fora do país sem burocracia e sem risco cambial.

Rentabilidade

A rentabilidade da COE está atrelado ao rendimento dos produtos contidos no título, mas não só isso.

Essa aplicação tem também a chamada taxa prefixada que limita os ganhos do investidor. Dessa forma, o investidor não perde dinheiro, mas caso os rendimentos ultrapassem o valor estabelecido, todo o excedente fica para a instituição.

Mesmo com essa limitação de ganhos, esse investimento pode ser mais rentável que as opções de renda fixa disponíveis atualmente, principalmente com a baixa da Selic.

Existem duas modalidades de Certificado de Operações Estruturadas:

Valor Nominal Protegido: indicado principalmente para o investidor que quer um bom retorno, mas não aceita as oscilações que o mercado de renda variável tem. Com essa modalidade o investidor tem garantia de receber, pelo menos o valor investido de volta caso a projeção de rendimento não se concretizar

Valor Nominal em Risco: essa operação possui uma rentabilidade maior, mas é mais arriscada também. Nela o investidor fica exposto à perda integral ou de parte do valor aplicado.

Investimento de longo prazo

O COE é um investimento de longo prazo, com baixa liquidez e prazos de vencimentos que variam entre seis meses a cinco anos.

Para receber o dinheiro e a rentabilidade, bem como evitar prejuízos, o ideal é que se permaneça com a aplicação até a data de vencimento. Por isso, é imprescindível optar por um título que não comprometa a renda.

Risco

O principal risco do Certificado de Operações Estruturadas está atrelado ao banco emissor, uma vez que esse tipo de investimento NÃO é garantido pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

Ou seja, o investidor não tem nenhuma garantia de que o seu dinheiro será devolvido caso aconteça algum problema com a instituição.

Tributos

A única tributação que incide sobre o COE é o Imposto de Renda. O qual segue a mesma tabela regressiva dos títulos de renda fixa (de 22,5% a 15% sobre os ganhos do investimento) dependendo do tempo de investimento.

Como investir

1- Abrir uma conta em uma corretora

Investir em COEs é simples. O título, emitido por bancos, é comprado diretamente nos bancos ou por meio das corretoras.

2- Escolher o tipo de COE

Para fazer um bom investimento em COE é necessário avaliar o tipo de estratégia adotada e conhecer os ativos de renda variável e fixa que compõem o título.

3- Conferir o DIE (Documento de Informações Essenciais)

O Documento de Informações Essenciais (DIE) resume todas as informações necessárias para que você possa analisar o investimento em COE, como:

  • Banco emissor
  • Rentabilidade do investimento
  • Prazo de validade
  • Regras para ganhos e perdas
  • Teto máximo
  • Valor de aporte
  • Se o valor investido é garantido ou não

Bem como todas as outras variáveis envolvidas. Esse documento deve ser oferecido pelo banco ou corretora na forma física ou digital.

4- Invista em COE

Com a conta na corretora aberta e o tipo de COE escolhido, basta transferir o dinheiro e investir no COE.

Não existe um valor mínimo específico para esse tipo de investimento. É possível encontrar COEs de R$ 1.000,00, podendo chegar até R$ 100.000,00 dependendo do emissor.

Obtenha rentabilidades superiores

No geral, o COE só é indicado para aqueles investidores que já possuem uma reserva de emergência e que estão buscando diversificar seus investimentos de renda fixa. Buscando assim, um pouco mais de risco para ganhar uma rentabilidade maior.

O COE é uma porta de entrada para investir em ações. Dessa forma, o investidor experimenta as possibilidades de ganhos maiores e começa a entender que dá para investir na Bolsa de Valores de forma segura.

Para obter a melhor rentabilidade com o menor risco, descubra quais as 3 ações para comprar agora.