PETR4 e MRVE3: em terra de Selic, quem tem yield é Rei

investir em petr4 e mrve3

Caro leitor,

Até duas semanas atrás, quando você olhava um ranking de dividendos, os campeões da lista eram bancos, elétricas e saneamento.

Eram eles os habituais dividend yields recorrentes acima de 6% ao ano.

Hoje, depois dessas quedas drásticas, esse topo da lista passou a ter habitantes diferentes.

Tem siderúrgica, indústrias, construtoras, petrolíferas (adivinha quem…), educacionais entre outras.

Uma carteira focada em dividendos está mais atrativa do que há muito não se via.

Isso não quer dizer que os clássicos pagadores de dividendos não estejam mais valendo a pena.

Eles continuam sendo os clássicos.

Acontece que as outras empresas caíram tanto nas últimas semanas que os seus dividendos, se não forem permanentemente afetados, se tornaram muito mais atrativos do que o normal.

Nos atuais níveis de preço, você não precisa mais abrir mão de crescimento das empresas para ter dividendos gordos.

Em condições normais de mercado é impossível ter os dois.

Acontece que essa loucura toda da bolsa está te permitindo ter um excelente dividendo e um grande potencial de crescimento ao mesmo tempo.

Dividend on cost é um conceito importantíssimo para você entender o tamanho da oportunidade que está diante de você.

Este é o conceito de o quanto você vai receber de dividendos não sobre o valor atual da ação, mas sobre o seu valor de compra.

É o seguinte: se hoje você compra uma ação a 10 reais e ela paga 1 real de dividendo, você tem um yield on cost de 10 por cento.

Se no futuro ela pagar 3 reais de dividendos e estiver valendo 30 reais, você vai ter um yield on cost de 30 por cento.

Enquanto o mercado vai continuar falando em 10 por cento de yield.

Pois o que interessa para você é o quanto você pagou versus o quanto de dividendo você recebe e para o mercado o que interessa é sempre a cotação atual.

A verdade é que a cotação do dia é para quem quer comprar ou vender.

Não vai ser o seu caso, né? Ou você vai querer vender e abrir mão de um dividendos desse?

Hoje você consegue comprar um ação que tem potencial elevado de crescimento a preços tão baixos que o pouco dividendo que ela distribui representa um percentual acima de 6% (patamar digno das grandes pagadoras de dividendos).

É o exemplo de MRVE3.

Ela historicamente paga um dividend yield de próximo de 3 por cento ao ano.

Mas com a atual queda no preço de suas ações, os dividendos dos últimos doze meses representam 8 por cento de rendimento ao ano.

E ela continua com seu mesmo potencial de crescimento de sempre.

Ou seja, você compra crescimento e leva um baita dividendo de brinde! Mas é só para quem aproveitar os preços de agora.

Existem vários outros exemplos, pesquise que está fácil de encontrar.

Já os yields da minha Seleção de Dividendos estão mais altos do que nunca, vários deles acima de 8 por cento ao ano para quem compra nos patamares atuais.

Em terra de Selic a 3% ao ano (que vem por aí), quem tem yield de 8% é rei.

Aproveite que bolsa de valores nunca ofereceu tantas obviedades de uma única vez.

Abraço.

Marcelo Fayh atua profissionalmente no mercado financeiro desde 2007. Começou como operador de Bolsa, ministrou cursos e palestras pela XP Educação e teve seu próprio escritório de investimentos. Antes de virar analista, atuou como assessor de operações de Fusões e Aquisições. Acredita que qualquer pessoa é capaz de melhorar sua qualidade de vida através de escolhas e investimentos inteligentes. Escreve para o TheCap na coluna Fundos a Fundos.

PETR4: foi pelo ralo tudo o que falei bem dela?

queda da petrobras

Caro leitor,

Sabe o que sobe num dia em que tudo cai na bolsa?

O dividend yield das suas ações boas pagadoras de dividendos.

Ontem foi um dia histórico para muitos investidores.

Teve muita gente entrando no mercado desde 2018 até agora.

Toda essa turma ainda não tinha visto uma queda grande e com certeza não tinham visto um circuit breaker tão de perto.

O que teve de gente desesperada ligando, mandando mensagem e querendo entender o que aconteceu não foi mole.

Rapidinho aqui: o mundo está apavorado com o coronavírus, isso já nem é novidade.

Novidade ficou a cargo da briga na OPEP+ (Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados) que a grosso modo é um cartel que controla a oferta de petróleo no mundo.

Funciona assim: eles sentam numa sala, combinam o quanto cada um vai produzir de petróleo, cumprem o combinado e o preço do óleo fica num patamar confortável para eles.

Acontece que essa turma aí brigou.

Jogaram o combinado para o ar e agora cada um vende o quanto quer da commodity, gerando uma oferta enorme que derrubou seu preço drasticamente.

Foi isso que aconteceu na segunda-feira.

No Brasil, a Petrobras puxou a queda das ações.

Lembra que falamos bem dela a duas semanas atrás? O que foi dito lá continua de pé.

Só que hoje precisamos adicionar esse fato acima ao cenário.

Meu palpite é que esse desentendimento do cartel não dura muito tempo.

Custa tão caro ficar brigando para todo mundo que logo eles vão se entender.

Mas vamos voltar ao assunto do início.

O Dividend Yield é o quanto a empresa paga de dividendos, dividido pelo seu preço atual.

Se o preço atual cai, o yield sobe. Matemática pura.

O legal disso é quando o preço das ações caem muito e os lucros das empresas não caem.

A Petrobrás vai ter seu lucro afetado com certeza, o quanto vai ser afetado dependerá da duração desse impasse na OPEP+.

Pode ser pouco ou muito, ainda não dá para saber.

Mas existem várias outras empresas caindo muito hoje que não terão seus lucros afetados e outras que até podem se beneficiar com esse preço mais baixo do petróleo.

Isso gera uma oportunidade gigante de “comprar renda” de dividendos por um preço muito mais em conta.

Os Yields da minha Seleção de Dividendos estão mais altos do que nunca, e os lucros das empresas não devem sofrer grandes alterações.

Essa renda nunca esteve tão barata!

Abraço.

Marcelo Fayh atua profissionalmente no mercado financeiro desde 2007. Começou como operador de Bolsa, ministrou cursos e palestras pela XP Educação e teve seu próprio escritório de investimentos. Antes de virar analista, atuou como assessor de operações de Fusões e Aquisições. Acredita que qualquer pessoa é capaz de melhorar sua qualidade de vida através de escolhas e investimentos inteligentes. Escreve para o TheCap na coluna Fundos a Fundos.

PETR4 ressurge das cinzas: vem dividendo aí…

Pagamento de dividendos Petrobras (petr4)

Caro leitor,

Petrobras (PETR4)​ voltou com tudo ao radar dos investidores.

Claro que foi enquanto ela era alvo de desconfiança que ela saiu dos 5 reais para os 30.

Mas para quem esperava a empresa se provar antes de entrar, aparentemente chegou a hora.

Os últimos resultados da companhia despertaram o interesse até de investidores mais conservadores.

Planos de desinvestimentos em atividades que não são focadas na exploração e produção de petróleo e também venda de ativos.

Só em 2019, a Petrobras obteve uma receita de 15 bilhões de reais vendendo ativos, dos quais se destacaram a refinaria polêmica de Pasadena, parte das ações da BR Distribuidora (BRDT3) e a Transportadora Associada de Gás (TAG).

​Tudo permitiu uma forma desalavancagem, com a Dívida Líquida/EBITDA vindo de 4,8x em 2016 para atuais 2,3x.

Os números da alavancagem ainda precisam melhorar. Mas está claro que a empresa está fazendo seu dever de casa.

​Os lucros voltaram a aparecer e, pelo terceiro ano consecutivo, a empresa distribuirá dividendos aos seus acionistas:

Lucro liquido Petrobras (petr4)

Na bolsa existe uma única verdade: no longo prazo, os preços seguem os lucros da empresa e PETR4 é a prova disso.

​Observe o preço na linha azul e os lucros na linha laranja.

Preco vs. Lucro Petrobras (petr4)

O lucro de 40 bilhões de reais em 2019 injetam esperanças no investidor.

Ademais, empresa que tem lucro remunera os seus acionistas.

Serão distribuídos 0,23 reais por ação ordinária (PETR3), com a data-com em 22 de abril.

Quem dormir com as ações nesse dia receberá os pagamentos no dia 20 de maio.

Com mais esses proventos, o valor total distribuído pela Petrobras a seus acionistas referente a 2019 será de 10,6 bilhões, 0,73 por ação ordinária e R$ 0,92 por ação preferencial em circulação.

Mas será que Petrobras pode integrar a nossa Carteira do Canal Seleção de Dividendos?

Antes de qualquer coisa, vamos reconhecer o trabalho que está sendo feito na empresa.

É bom voltar a olhar para Petrobras como um ativo de valor e com um horizonte cheio de perspectivas positivas.

Estamos novamente diante de uma boa empresa.

No entanto, com um dividend yield na casa dos 3 por cento, enxergamos outras oportunidades mais atrativas para o recebimento de proventos.

Mas desde já ficaremos de olho no papel.

Bom carnaval.

Abraço.

Marcelo Fayh atua profissionalmente no mercado financeiro desde 2007. Começou como operador de Bolsa, ministrou cursos e palestras pela XP Educação e teve seu próprio escritório de investimentos. Antes de virar analista, atuou como assessor de operações de Fusões e Aquisições. Acredita que qualquer pessoa é capaz de melhorar sua qualidade de vida através de escolhas e investimentos inteligentes. Escreve para o TheCap na coluna Fundos a Fundos.